Browsing Tag

Secult

Cia. de Danças Populares Txai apresenta show de danças folclóricas em Canindé

 

 

Nos dias 13 e 14 (respectivamente sábado e domingo), a Cia. de Danças Populares Txai realiza uma série de atividades artísticas, entre shows de danças folclóricas e oficinas, em Canindé, toda a programação tem acesso gratuito. As atividades fazem parte do projeto “Txai Encena” que foi contemplado pelo XI Edital de Incentivo às Artes 20016, da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (Secult), na categoria montagem/circulação de espetáculos.

O projeto nasce da necessidade da valorização e do fortalecimento da cultura popular como alternativa para a preservação das culturas tradicionais em todo o estado. A Cia. Txai (como é carinhosamente conhecida na cena folclórica) leva à Canindé um show de danças folclóricas que retrata a cultura regional e brasileira, além de exaltar as manifestações tradicionais e populares. No repertório, danças como Xaxado, Ciranda, Coco, Bumba meu boi, Maracatu.

A Cia. é uma das ações da Associação Txai Cultura e Arte (ATXAICA). A associação tem como missão formular, fomentar e executar programas e projetos voltados para a pesquisa, documentação e apoio as expressões da cultura popular brasileira.

Na programação, além dos dois shows, a Cia. de Danças Populares Txai também realiza oficinas de danças no sábado (13), no CREDE, das 14h às 17h, e no domingo (14), na Casa de Cultura do Assentamento Todos os Santos, em dois horários pela manhã de 9h às 11h, e à tarde de 13h às 15h. Confira programação completa.

 

Sobre a Cia. de Danças Populares Txai

Foi fundada há 20 anos, em Fortaleza, com o objetivo de participar, incentivar, criar e divulgar as danças folclóricas e populares, no estado, além disso, tem o compromisso de cidadania social para a difusão cultural.

A Cia. Txai transforma o pensamento e a dança em possibilidades de pesquisa e criação, aprimorando constantemente seus espetáculos. Ao longo dos seus 20 anos a Txai já participou de diversos festivais de folclore, nacionais e internacionais, como divulgadora e representante da cultura cearense, nordestina e brasileira.

Em 2016, a Cia. de Danças Populares Txai foi reconhecida como Ponto de Cultura pelo Ministério da Cultura, por sua importante atuação junto à cultura tradicional popular de Fortaleza e do Ceará.

 

Programação:

Sábado (13)

Oficina: 7ª CREDE, 14h às 17h.

Apresentação: Quadra do Colégio Paulo Saraste, às 19h.

Domingo (14)

Oficinas: Casa de Cultura do Assentamento Todos os Santos

Manhã – 9h às 11h

Tarde – 13h às 15h

Apresentação: Casa de Cultura do Assentamento Todos os Santos, às 18h

XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará anuncia autores e autoras confirmados(as) e tem como tema “As Cidades e Os Livros”

 

 

“As cidades e os livros” é o grande tema da XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza, de 16 a 25 de agosto de 2019, no Centro de Eventos do Ceará. O evento, que teve lançamento nesta quarta-feira, 10, na Casa de Juvenal Galeno, é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), em parceria com o Instituto Dragão do Mar e apoio do Ministério da Cidadania, através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

Neste ano, a Bienal estará sob a curadoria da escritora Ana Miranda e dos escritores e professores Inês Cardoso e Carlos Vasconcelos, com a coordenação de Goreth Albuquerque, também coordenadora da política de livro, leitura, literatura e bibliotecas da Secult, que apresentaram, na ocasião, junto ao secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, as autoras e os autores confirmados para Bienal. Evento estruturante na política cultural do Estado, a Bienal do Livro irá apresentar durante os dez dias de programação atrações literárias e artísticas, englobando palestras, mesas redondas, conferências, oficinas, contações de histórias, lançamentos de livros e outros eventos literários, além de apresentações com artistas de reconhecimento local, nacional e internacional, combinando uma programação diversa e de acesso gratuito.

Além de ser um espaço para fruição artística, a Bienal será um espaço de construção de políticas do livro, leitura, literatura e bibliotecas, criando momentos para ouvir a opinião da sociedade e entidades envolvidas. O acesso ao livro e à leitura também é um pilar da política, expresso na Bienal do Livro, por meio da mobilização das secretarias da educação, estadual e municipais, e com escolas particulares, para que estudantes de todo o Estado participem do evento.

Entre público espontâneo e escolar, a Bienal do Livro registrou, nas duas mais recentes edições, uma média de 55 mil visitantes/dia, que acompanham a programação temática, com atividades para o público infantil, juvenil e adulto. A Bienal também movimenta o mercado, reunindo editores, livreiros, distribuidores e autores independentes, numa grande feira de livros.

“A Bienal Internacional do Livro do Ceará está inserida numa política de cultura, e por sua vez, uma política de livro, leitura e literatura, que chega à sua décima terceira edição. Portanto, ela está consolidada no calendário cultural brasileiro, estando entre as cinco maiores feiras de livro do Brasil. Ela tem como diferencial em relação a outros eventos do mesmo tipo a característica de se associar a uma política de cultura, de conhecimento, de fomento às cadeias criativas e produtivas do livro”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

O secretário também ressaltou o alcance do evento no Estado. “Nossa Bienal está entre as cinco maiores feiras do país. E, para além do Centro de Eventos, ela ocorre em praias, parques e praças da região metropolitana e indo da capital para o interior também”, afirmou.

“A Bienal tem que democratizar e levar a compreender o direito à leitura como um direito pleno da democracia”, destacou, por sua vez, Goreth Albuquerque.

 

As Cidades e Os Livros

“A cidade é uma escrita e também uma leitura. Podemos dizer, então, que é um livro”, assim pontua o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba, sobre o grande tema da Bienal do Livro.

Estabelecendo conexões amplas e poéticas entre as cidades e os livros, a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará já destaca em seu lançamento o equipamento histórico no Centro de Fortaleza, a Casa de Juvenal Galeno. Completando 100 anos de história como equipamento cultural, a Casa foi residência do poeta Juvenal Galeno, fundada por ele como instituição em 27 de setembro de 1919. No local, Galeno criou os seus sete filhos e viveu até morrer, aos 95 anos em 1931, deixando a casa aos cuidados de sua filha, a escritora, professora e advogada Henriqueta Galeno.

Nesse amplo conceito, pensamos as cidades como moradia, como cenário de nossos tempos, mas também como formadora de geografias pessoais, subtema da Bienal. Cada um de nós tem suas cidades, aldeias, fazendas, seus lugares de afeto, de memórias. Essa geografia pessoal se expressa fortemente na literatura. É muito citado entre escritores o pensamento de Tolstói: “Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”.

A ideia de geografia pessoal é ampla; ela pode ser a aldeia perdida, como o retrato de Itabira que o poeta Carlos Drummond de Andrade tinha em sua parede – “mas como dói”; pode ser o mundo interior de Clarice Lispector, com uma sensação de estrangeira em todos os lugares. Pode ser o território de “Terra Sonâmbula” (1992), do escritor moçambicano Mia Couto, com seus mistérios abissais; pode ser a aldeia que nos povoa a imaginação, preludiada num dos mais belos romances da literatura brasileira, “Lavoura Arcaica” (1975), de Raduan Nassar; ou “A Casa” (1997) construída por Natércia Campos, em que gerações a habitam entre fantasmas. Estes três livros serão as obras homenageadas nesta XIII Bienal do Livro.

Uma imensa variedade de livros reconstrói as cidades, outros tantos discutem e esquadrinham seus sentidos.Vivemos um tempo em que é fundamental perceber as cidades, suas partes e seu todo; compreendê-las, para compreender os homens, as mulheres, as infâncias e o mundo contemporâneo.

 

Os curadores

“A curadora Ana Miranda, junto com a professora, Inês Cardoso, e o professor, Carlos Vasconcelos, estão trabalhando junto com outros curadores dos espaços e ambientes da Bienal, desenvolvendo uma programação muito democrática, diversa e rica para a promoção do livro, leitura e literatura brasileira, mas especialmente também a cearense”, ressalta o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

Ana Miranda Romancista é doutora Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará e nasceu em Fortaleza. É também poetisa, ilustradora de seus próprios livros, e uma das principais ficcionistas brasileiras, com mais de trinta livros publicados. Seu primeiro romance, Boca do Inferno (1989), foi vencedor do prêmio Jabuti de revelação e incluído no cânon dos cem maiores romances em língua portuguesa do século XX, publicado no jornal O Globo (5/9/98);

Recebeu duas vezes o prêmio da Academia Brasileira de Letras (Dias & Dias, 2003; e Musa Praguejadora, 2014); mais duas vezes o Jabuti nas categorias romance (Dias & Dias 2003) e biografia (Xica da Silva, a Cinderela Negra, 2017, segundo lugar); agraciada com o troféu Sereia de Ouro (2008); o prêmio internacional Green Prize of the Americas (pelo romance amazônico Yuxin, 2010); a comenda Ordem do Mérito Cultural, do Governo Brasileiro; a medalha Rachel de Queiroz; a medalha Bibliófilo José Mindlin, dentre outras honrarias.

Carlos Vasconcelos é doutorando em Literatura Comparada na Universidade Federal do Ceará; Mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará (2012); Graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1997). Escritor e Produtor Cultural. Professor substituto do curso de Letras na UECE. Professor da Especialização em Escrita Literária, na FBUNI.

Professor de Português/ Redação/Literatura em colégios das redes públicas e privadas e universidades. Publicou: Mundo dos Vivos (contos, 2008), vencedor dos Prêmios Osmundo Pontes de Literatura (2007) e Clóvis Rolim de Contos (2006); Os Dias Roubados (romance, 2012). Coautor em mais de 20 coletâneas literárias. Trabalhou durante dez anos no Sesc (2007-2017), como Redator, Supervisor de Literatura e Gerente de Cultura. Produziu e mediou vários projetos literários, entre eles: “Bazar das Letras” e “Autores em Contexto”, além dos seminários anuais “Revelando a Literatura Cearense”.

Inês Cardoso é graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará – UECE, com habilitação em Línguas Portuguesa e Inglesa e suas literaturas (1994), mestra em Letras pela Universidade Federal do Ceará – UFC (1998) e doutora em Letras (Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais – FFLESH, da Universidade de São Paulo – USP (2010).

É integrante do Núcleo Docente Estruturante (NDE) dos cursos de Licenciatura em Letras Espanhol (presencial) e de Licenciatura em Letras Espanhol Semipresencial, da UFC. Participou como curadora e/ou coordenadora de eventos nacionais e internacionais. Coordenou, em parceria com Cleudene Aragão e Vânia Vasconcelos, o Café Clube de leitura O Povo e coordena o Projeto de Extensão (itinerante) Leituras na Praça. Participou da Bienal Internacional do Livro do Ceará nos anos de 2004, 2006, 2012. Foi ganhadora do III Festival Universitário de Literatura Xerox-Livro Aberto. Publicou, também, Rastros de mentiras e segredos (2017). É autora de ensaios e artigos publicados em jornais, revistas e boletins especializados.

 

Espaços e programação da Bienal

Os eventos literários costumam homenagear escritores, sobretudo nas Bienais. Nesta edição da Bienal do Livro, porém, os livros serão os grandes homenageados. Essa decisão é compatível com o desejo de aprofundar a Bienal na experiência de formação do público leitor. Os livro homenageados são o internacional “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto, o nacional “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar e o cearense “A casa”, de Natércia Campos. A leitura também será protagonista da Bienal, pensando sempre em sua presença durante toda a programação.

A XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará irá promover encontros, para debater a política do livro, leitura, literatura e bibliotecas, como o IX Encontro do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas e o V Encontro de Agentes de Leitura do Ceará. Também estão programados outros encontros diversos propostos pela sociedade civil, como o IV Encontro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, o Encontro de Mediação de Leituras: Da oralidade ao livro na mão, o Encontro sobre Literatura e Gênero e o Encontro de Blogs e Revistas Literárias.

Atração já conhecida de outras edições, também está programada para acontecer a Bienal Fora da Bienal, atividade que leva ações da Bienal para outros municípios e comunidades, segundo critérios de programas de democratização do acesso ao livro e à leitura em desenvolvimento no Estado no período do evento.

Os espaços temáticos no Centro de Eventos do Ceará são outro destaque. O Café Literário é um espaço de convivência e promoção literária, realização de bate-papo com autores e público e lançamentos de livro. O Espaço Natércia Campos será organizado pela Academia Cearense de Letras, para promoção da Literatura Cearense. O Espaço Cordel reúne cordelistas, repentistas, xilogravuristas e todas as expressões da Cultura do Cordel.

O Espaço Juventude oferece programação para público jovem de qualquer idade, atendendo o pré-adolescente e o jovem adulto, com temáticas específicas. O Espaço Leitura e Infância oferece ampla programação para crianças. O Espaço do Professor é destinado a palestras e lançamentos para o segmento da educação, envolvendo a literatura e o fomento à leitura. Já o Espaço Letra de Mulher dá visibilidade à produção e ao debate sobre a mulher no campo editorial. Por fim, o Espaço de Memória, Patrimônio e Museus irá apresentar os Mestres e Mestras da Cultura do Estado, para fortalecer o campo da literatura oral dentro da Bienal.

A XIII Bienal do Livro também chega com algumas novidades, através da criação de novos espaços temáticos, descritos a seguir.

– Espaço Devaneios: Autores, artistas, músicos e intelectuais motivados pelo tema “As cidades e os livros: uma geografia pessoal” terão um espaço individualizado para livre expressão e para o deleite dos espectadores.

– Espaço Noite Poética: A arte que brota à luz dos postes de rua e na penumbra dos bares será festejada nos palcos da Bienal. Um novo horário, a que chamamos “Corujão”, às dez da noite, vai oportunizar os devaneios e os saraus literários e poéticos.

– Espaço Vez e Voz aos Novos: Espaço privilegiado não apenas para o incentivo à leitura e ao comércio de livros, mas também para apoiar novos escritores, fomentar a literatura local e promover a aproximação entre público e autores cearenses. Autores iniciantes lerão suas obras, em diálogo com escritores experientes, e com agentes literários, debatendo assuntos relativos a autoria, publicação, novas mídias etc. A programação vai oferecer conteúdos que auxiliem na profissionalização e inclusão para um mercado mais amplo.

– Espaço da Cadeia Produtiva: Representantes do mercado editorial, livreiros e autores debaterão sobre a atual situação do livro, no país, considerando a produção do livro, a distribuição, a comercialização, e o papel das políticas públicas.

– Espaço Clubes de Leitura: Um dos mais recentes e interessantes fenômenos no universo literário tem sido a proliferação dos clubes de leitura. Descobrir e redescobrir livros, debater e sugerir leituras, incorporar novidades e reinaugurar clássicos é o que promovem esses grupos que já consolidaram seu papel nos mais variados recantos da cidade ‒ livrarias, bibliotecas, escolas, universidades, residências, praças ‒ e entre todas as faixas etárias. Os clubes de leitura fortalecem o hábito do livro na mão, aquecem o mercado e colaboram significativamente para a circulação de mais títulos e autores.

– Espaço Livro Técnico: Espaço destinado à divulgação e ao debate de títulos e autores voltados para áreas específicas do conhecimento, tais como arte, engenharia, direito, administração, psicologia, agronomia, culinária, moda, design etc.

– Espaço Ponto de Leitura: Espaço reservado à leitura pública dos livros homenageados na Bienal; o internacional “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto, o nacional “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar e o cearense “A casa”, de Natércia Campos. O microfone será franqueado a qualquer visitante que deseje ler trechos de uma das obras.

 

Feira de Livros

A cada edição, a Feira da Bienal Internacional do Livro do Ceará se impõe como um grande evento, trazendo várias editoras e grandes títulos para o Ceará. É um espaço em que a dimensão econômica, ligada à cadeia produtiva do livro, se efetiva por meio da compra e da venda, com o fortalecimento econômico do setor.

Comparando com o ano de estreia, 1994, as estatísticas das mais recentes edições apontam crescimento, seja na movimentação financeira, seja no público visitante ou seja na geração de empregos diretos e indiretos. As comparações estatísticas revelam um crescimento 340% desde a sua primeira edição, 1994. Tais crescimentos confirmam de forma irrefutável a consolidação da feira da Bienal Internacional do Livro do Ceará como um evento de sucesso.

Só no espaço da feira de livros, – sem contar, portanto, com pessoal da produção para programação cultural, recepção e logística –, foram gerados, para os estandes de venda na feira de livros, em média 855 empregos diretos. O número de empregos indiretos corresponde ao triplo dos empregos diretos, logo foram gerados em média 2.500 postos de trabalhos.

 

Nomes confirmados

Voltada para a temática “As Cidades e Os Livros”, a programação contará com um significativo grupo de escritores. Entre os convidados nacionais, destacamos o encontro entre os escritores Raduan Nassar e Frei Betto, que abordarão temas relativos às metrópoles, em cujas entranhas surgem as pequenas aldeias, as vilas, os nichos: “As aldeias em silêncio”. Daniel Munduruku amplia a temática para as portas do universo das minorias étnicas: “As selvas da cidade”. Outros destaques são os poetas Chico Alvim e Nicolas Behr, e o romancista e fotógrafo, João Almino, que trarão, à mesa “Brasília, Céu e Inferno”, a voz dos espaços urbanos do poder. O poeta Marco Lucchesi trará uma visão mais universal dos espaços humanos, à mesa: “As lições do deserto”; Ronaldo Correia de Brito falará sobre a irracionalidade das cidades, à mesa “Os loucos de minha cidade”; enquanto o poeta Eucanaã Ferraz trará o lirismo das geografias pessoais.

O contista mineiro, Luiz Vilela, e o escritor e roteirista Marçal Aquino debaterão num encontro sobre “as aldeias e as metrópoles”. O escritor Antônio Torres e o poeta Inácio Vieira de Melo terão em suas mãos o tema “As cidades de pedra”. O jornalista e escritor Roberto Pompeu de Toledo; a premiada escritora Maria Valéria Rezende; a poeta e cronista Mariana Ianelli; já clássico escritor Márcio Souza, e muitos outros, virão abrilhantar nosso evento, trazendo experiências variadas acerca das geografias interiores e exteriores.

Um dos aspectos mais importantes será o apoio ao escritor local em suas relações com a criação artística, com debates sobre a profissionalização, a divulgação de suas obras, assim como a transmissão de conhecimentos. Para tanto, contaremos com um expressivo número de autores cearenses, da prosa, poesia, e ensaio, como: Diatahy Bezerra de Meneses, Gilmar de Carvalho, Angela Gutiérrez, Tércia Montenegro, Pedro Salgueiro, Jayson Aguiar, Raymundo Netto, Ricardo Kelmer, Marília Lovatel, Majela Colares, Cláudia Leitão, Dimas Carvalho, Ylo Fraga, entre outros. A escritora Socorro Acioli conduzirá atividades que congregam autores inéditos e/ou iniciantes. O Sarau Siará e Os Novos são atividades que reunirão, respectivamente, prosadores e poetas cearenses, consagrados e novéis, que levarão ao palco suas obras. A agente literária, jornalista e editora, Luciana Villas-Bôas virá transmitir aos novos autores a sua experiência na publicação de livros e alguns segredos do mercado editorial.

A programação internacional contará com nomes de autores reconhecidos e de autores em ascendência pelo mundo. Confirmaram presença autores representativos do sentimento de pertença a seus países e geografias pessoais, com pontos de vista críticos que alcançam questões mais globais. O escritor moçambicano, Mia Couto, é um dos convidados internacionais, pela influência no Brasil de sua extraordinária obra, com legiões de leitores fiéis. Também estarão presentes o marroquino Abdellah Taïa e a holandesa Marion Bloem, nascida numa família originária da Indonésia. Já o angolano José Eduardo Agualusa trará a visão de um viajante e da experiência das fronteiras.

Conheça abaixo os mais de 60 nomes com presença confirmada na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará.

Abdellah Taïa – Escritor e cineasta marroquino

Ana Karla Dubiela – Escritora, professora e jornalista

Angela Gutiérrez – Escritora, professora, ensaísta e poeta

Antônio Torres – Escritor

Batista de Lima – Escritor e professor

Carmélia Aragão – Escritora

Carolina de Campos Melo – Escritora, advogada e professora

Cecília Cunha – Pesquisadora, professora e ensaísta.

Chico Alvim – Poeta e embaixador

Cláudia Leitão – Professora, escritora, pesquisadora e gestora cultural

Cleudene Aragão – Escritora e professora

Conceição Evaristo – Escritora

Daniel Munduruku – Escritor e professor brasileiro, da etnia Munduruku

Deborah Finocchiaro – Atriz, diretora e produtora

Dércio Braúna – Poeta, pesquisador e bancário

Descartes Gadelha – Pintor, desenhista, escultor e músico

Dimas Carvalho – Poeta, contista e professor

Eduardo Agualusa – Escritor angolano

Eduardo Diatahy Bezerra de Menezes – Sociólogo, professor, escritor, ensaísta e poeta

Eucanaã Ferraz – Poeta, professor de Literatura Brasileira

Fausto Nilo – Poeta

Fernanda Coutinho – Escritora e professora

Fernanda Meireles – Escritora e artista

Frei Betto – Frade dominicano e escritor

Gilmar de Carvalho – Escritor, professor e pesquisador

Helena Cardoso – Poeta, contista e médica

Ivan Wolffers – Escritor, médico e professor, nascido na Holanda

Jayson Viana Aguiar – Escritor

Jesus Irajacy – Escritor, professor, médico e empresário

João Almino – Escritor e diplomata brasileiro

Jorge Pieiro – Escritor, professor e produtor cultural

José Inácio Vieira de Melo – Poeta, curador e editor

Lola Aronovich – Poeta, professora e blogueira

Lúcia Santaella – Professora titular do programa de pós-graduação em comunicação e semiótica e doutora em teoria literária pela PUC-SP

Luciana Villas-Bôas – Escritora e jornalista

Luís Vilela – Escritor contista

Mailson Furtado – Escritor, ator, diretor, dramaturgo, produtor cultural e cirurgião-dentista

Majela Colares – Poeta e contista

Marçal Aquino – Jornalista, escritor e roteirista de cinema

Márcio Catunda – Poeta, compositor e diplomata

Marco Lucchesi – Poeta, romancista, ensaísta, professor e tradutor .

Marcos Bagno – Professor, tradutor e escritor

Maria de Lourdes Dias Leite Barbosa – Escritora e professora

Maria Thereza Leite – Escritora e jornalista

Maria Valéria Rezende – Escritora, poeta, ativista, tradutora

Mariana Ianelli – Poeta, ensaísta, cronista e crítica literária

Marília Lovatel – Escritora e professora

Marlui Miranda – Compositora, cantora, regente, instrumentista, professora, e pesquisadora da cultura de etnias brasileiras

Marion Bloem – Escritora, pintora, cineasta

Martine Kunz – Professora de língua e literatura francesas

Mia Couto – Escritor

Nicolas Behr – Poeta e ambientalista

Nina Rizzi – Poeta, historiadora e tradutora

Orlando Araújo – Professor

Pedro Salgueiro – Contista e advogado

Raduan Nassar – Escritor e produtor agrícola

Rafael Sânzio de Azevedo – Professor, poeta, ficcionista, crítico literário e ensaísta

Raymundo Netto – Escritor, designer, quadrinista e produtor cultural

Regina Machado – escritora, contadora de histórias, pesquisadora de tradição oral, professora(USP), criadora e curadora do Boca do Céu(SP)

Ricardo Kelmer – Escritor

Roberto Pompeu de Toledo – Escritor e jornalista

Ronaldo Correia de Brito – Escritor, médico e dramaturgo

Sarah Diva – Professora, Pós Doutora em Literatura Brasileira

Socorro Acioli – Escritora, professora e tradutora

Suene Honorato de Jesus – Professora, Bacharel em Literatura, Mestre em Letras e Linguística, doutora em Teoria e História

Tércia Montenegro – Escritora, fotógrafa, viajante e professora universitária

Tino Freitas – Escritor

Vânia Vasconcelos – Escritora, professora e jornalista

Ylo Fraga – Poeta e psicólogo

Yuri Brunello – Professor

“Abril com Bonecos”: TJA realiza programação especial, em referência ao Dia Nacional do Teatro de Bonecos


Para comemorar o Dia Nacional do Teatro de Bonecos, 24 de abril, o Theatro José de Alencar (TJA), equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), preparou uma programação especial neste mês, que acontece sempre às quarta-feiras, com entrada franca, e classificação livre, na calçada do Theatro.

A programação começa nesta quarta-feira, 3, às 17h30, com a apresentação do Mestre da Cultura do Estado: o Mestre Chico Bento Calungueiro. Natural do Trairi, o mestre traz em sua trajetória a participação no livro “Cassimiro Coco de Cada Dia – Botando Boneco no Ceará”, de autoria da artista e pesquisadora Ângela Escudeiro. A atividade acontece na calçada

Já no dia 10/4, às 17h30, o Grupo Epidemia de Bonecos apresenta o espetáculo “A Saga de Jesus Cristo”, que é um mergulho nas tradições cearenses para contar uma das histórias mais conhecida no mundo, narrando os momentos mais significativos da vida de Jesus: de sua entrada em Jerusalém até a sua morte e ressurreição.

Dois espetáculos serão apresentados no dia 17/4. A programação começa às 16h, com o “Folia de Bonecos”, apresentado por Bibi e seus Bonecos. Às 17h, Calu Maravilha apresenta “As aventuras do Professor Tiridá nas terras do Coronel da Conceição”.

No último dia do “Abril com Bonecos”, 24/4, às 17h30, acontece a Tenda Aberta – Varietês, oportunidade para ver diversos artistas e grupos, entre eles: Grupo Formosura de Teatro, Cia Chacoalho, Grupo Mamulengo Tradição, Bibiu e seus bonecos, Calu Maravilha, Cia. Tercelões, Augusto Bonequeiro, Grupo Epidemia de Bonecos, Grupo Bricoleiros, Toinho de Toni do Quixeré.

 

 

Carnaval: confira programação na capital e interior do Estado

 

Em Fortaleza e diversas cidades do Ceará, durante o mês de fevereiro, o pré-carnaval tomou conta das praças, clubes, calçadas e ruas. Foram blocos, cordões, maracatus, escolas de samba, além de espetáculos típicos do período momino e filmes que começaram a encher de irreverência os finais de semana que precederam o Carnaval. Dando continuidade às realizações culturais do ciclo carnavalesco, que está inserido nas Políticas de Patrimônio Cultural do Estado do Ceará, o Governo do Estado, através da Secretaria da Cultura (Secult), divulga a programação do carnaval realizada por projetos contemplados no XIII Edital Carnaval do Ceará 2019.

Além da programação dos projetos apoiados pelo Edital, várias atividades acontecem nos equipamentos culturais da Secult, como o Cineteatro São Luiz, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Porto Iracema das Artes e Centro Cultural Bom Jardim. Outra opção é conferir o Festival Jazz e Blues, que, com apoio da Secult, através do Edital Mecenas do Ceará, terá programação em Guaramiranga, Aquiraz e Fortaleza.

 

Projetos do Carnaval do Ceará

Disponibilizando o aporte financeiro no valor total de R$ 1.195.324,00, voltados para Agremiações Carnavalescas, Bandas de Música, Programações Carnavalescas, Maracatus, Escolas de Samba, Bloco, Cordão e Afoxé, com apresentações realizadas entre os dias 1º e 5 de março de 2019, o XIII Edital Carnaval do Ceará, lançado pela Secult em 2019, vem para garantir o fomento de bens, produtos e serviços vinculados às manifestações carnavalescas nas várias regiões do Estado.

Através do XIII Edital Carnaval do Ceará 2019, 67 projetos foram selecionados na capital e no Interior do Estado, sendo 50 Agremiações, 07 Bandas de Música e 10 Programações Carnavalescas. O Valor de apoio por Categoria foi de R$ 23.500,00 para Maracatu, R$ 16.560,00 para Banda de Música, R$ 11.000,00 para Bloco, R$ 23.800,00 para Escola de Samba, R$ 7.660,00 para Afoxé, R$ 9.000,00 para Cordão e R$16.560,00 para Programação Carnavalesca.

“O Edital Carnaval do Ceará fomenta toda a programação carnavalesca em categorias, que vai desde bandas de música, ao maracatu, as escolas de samba, até blocos, cordões, afoxés, bailes e matinês. Também há a categoria do seminário de avaliação, que a gente realiza a cada edital. O Carnaval do Ceará compõe o ciclo de festejos populares e tradicionais da política de patrimônio cultural da Secult. Esse apoio é para os grupos carnavalesco, mas também para as prefeituras apresentarem suas programações culturais. Os projetos acontecem tanto na capital, quanto em vários municípios do interior, pois a lei que dispõe sobre o Sistema Estadual de Cultura garante 50% do total de recursos previstos no edital devem ser destinados a projetos no interior do Estado”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

 

Com apoio da Secult, Festival Jazz & Blues comemora 20 anos

E se passaram 20 anos! De sua estreia no Carnaval de 2000, até hoje, às vésperas da vigésima edição em março de 2019, são muitas horas de jazz, de blues, de sons instrumentais interpretados por músicos das mais diversas origens, influências e idades. Dos acordes distorcidos das guitarras do blues-rock à originalidade dos pífanos em arranjos regionais, o Festival Jazz & Blues construiu suas primeiras duas décadas confluindo uma diversidade de artistas que compartilham do prazer de interpretar e ouvir boa música. Com apoio da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), através do Edital Mecenas do Ceará, em 2019, o Festival Jazz & Blues chega à 20ª edição, com programação de 2 a 5 de março em Guaramiranga, nos dias 2 e 3 em Aquiraz e, após a Quarta-feira de Cinzas, continua em Fortaleza, no dia 9 de março. Leia mais em: https://www.secult.ce.gov.br/2019/02/13/com-apoio-da-secult-festival-jazz-blues-comemora-20-anos/

 

Programação de Carnaval nos Equipamentos Culturais

>> Escola Porto Iracema das Artes

Os carnavais de antigamente serão relembrados no Porto Iracema das Artes ao estilo de baile de máscaras e muita música popular no penúltimo dia deste mês. É o que promete o projeto artístico “Carnaval D’aquele Tempo”, que fará apresentação a partir das 11h30 do dia 27/2, trazendo para a Escola intervenções artísticas de personagens caracterizados à moda carnavalesca ao som de frevo, marchinhas, maxixes, polcas e choros, tudo com o objetivo de difundir, de forma lúdica, a música instrumental popular brasileira. A programação é gratuita.

No repertório musical, serão lembrados nomes como Pixinguinha e Capiba, fazendo ainda um passeio pela guitarra baiana de Dodô e Osmar. O projeto pretende abranger também composições e arranjos de autores nordestinos, como do maestro cearense Manoel Ferreira, que fez escola em bandas musicais do Estado, e Zé Menezes, compositor e multi-instrumentista de renome nacional.

>> Cineteatro São Luiz

O Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), traz no Carnaval duas mostras especiais de cinema. A primeira delas é “Missão Impossível”, com a exibição da famosa série de filmes de espionagem. Já a Mostra “Mulheres no Cinema” traz como tônica o protagonismo feminino nos filmes de animação. Ótimo opção para a criançada, com sessões gratuitas.

DIA 01/03 (SEXTA-FEIRA)
►13h30 [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL 4 – PROTOCOLO FANTASMA
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 14 anos
Direção: Brad Bird | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2011 | 2h13 | Legendado

►16h20 [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL 5 – NAÇÃO SECRETA
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 12 anos
Direção: Christopher McQuarrie | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2015 | 2h12 | Legendado

►19h [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 14 anos
Direção: Christopher McQuarrie | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2018 | 2h28 | Legendado

DIA 02/03 (SÁBADO)
►9h30 [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 14 anos
Direção: Christopher McQuarrie | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2018 | 2h28 | Legendado

►13h30 [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 14 anos
Direção: Christopher McQuarrie | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2018 | 2h28 | Legendado

►16h30 [CINEMA] MOSTRA ESPECIAL – MISSÃO IMPOSSÍVEL | MISSÃO IMPOSSÍVEL – EFEITO FALLOUT
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: 14 anos
Direção: Christopher McQuarrie | Espionagem, Suspense, Ação | EUA | 2018 | 2h28 | Legendado
DIA 03/03 (DOMINGO)
►10h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção: David Hand | Animação | EUA | 1938 | 1h23 | Dublado

►14h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | DIVERTIDA MENTE
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: a partir de 6 anos
Direção: Pete Docter | Animação | EUA | 2015 | 1h35 | Dublado

►16h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | FROZEN – UMA AVENTURA CONGELANTE
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: a partir de 3 anos
Direção: Chris Buck, Jennifer Lee | Animação | EUA | 2014 | 1h42 | Dublado

DIA 04/03 (SEGUNDA-FEIRA)
►10h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | A VIAGEM DE CHIHIRO
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção: Hayao Miyazaki | Animação | Japão | 2003 | 2h05 | Dublado

►14h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | VALENTE
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: a partir de 3 anos
Direção: Mark Andrews, Brenda Chapman, Steve Purcell | Animação | EUA | 2012 | 1h35 | Dublado

►16h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | MOANA – UM MAR DE AVENTURAS
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção: John Musker, Ron Clements | Animação | EUA | 2017 | 1h47 | Dublado

DIA 05/03 (TERÇA-FEIRA)
►10h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | CINDERELA
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção: Wilfred Jackson, Hamilton Luske, Clyde Geronimi | Animação | EUA | 1950 | 1h15 | Dublado

►14h [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | MOANA – UM MAR DE AVENTURAS
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção: John Musker, Ron Clements | Animação | EUA | 2017 | 1h47 | Dublado

►16h30 [CINEMA] MOSTRA MULHERES NO CINEMA | FROZEN – UMA AVENTURA CONGELANTE – 3D
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: a partir de 3 anos
Direção: Chris Buck, Jennifer Lee | Animação | EUA | 2014 | 1h42 | Dublado

>> Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

► // PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO
O Planetário Rubens de Azevedo reabre ao público com novidades na programação e modernização tecnológica. Nele, foi instalado equipamento de última geração: o Zeiss modelo Skymaster ZKP4 LED com projetores digitais VELVET DUO de alta resolução, o mais moderno planetário da América Latina.
Aos sábados e domingos:
17h – Viagem no foguete de papel (sessão infantil)
18h – A lenda da princesa acorrentada (sessão infanto-juvenil )
19h – Da Terra às galáxias (sessão juvenil-adulto)
20h – As origens da vida (sessão juvenil-adulto)

Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).
Devem ser adquiridos antes da sessão, na bilheteria do Planetário

► [EDUCATIVO DO MAC-CE] Oficina Batuque MAC
Mediação: Carlos Henrique e Jorge Sarde
O Educativo MAC.CE convida os pequenos carnavalescos a construírem instrumentos musicais de percussão e sopro a partir de materiais reaproveitados e participarem de uma mediação das obras a partir da musicalização.
Proibido o consumo de bebidas e comidas dentro do museu.
Dia 2 de março de 2019, às 16h, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

► [EDUCATIVO DO MAC-CE] Mediação Poética – Bloquinho do MAC
O Educativo MAC.CE convida os pequenos carnavalescos para curtir o Bloquinho do MAC, venha fantasiado, traga suas crianças para uma mediação poética das obras.
Proibido o consumo de bebidas e comidas dentro do museu.
Dia 3 de março de 2019, às 15h, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

>> Centro Cultural Bom Jardim

O Carnaval começa mais cedo no Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ)! Nesta quinta-feira, 28, das 16h às 18h, tem muita folia com o Bloco Doido É Tu. Criado inicialmente para celebrar o Carnaval de cada Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), o bloco hoje faz parte do calendário oficial dos desfiles de Fortaleza. Envolvendo usuários usuários dos serviços de atenção à saúde mental, além de parentes e foliões em geral, o Doido É Tu permite momentos de intensa criação e convivência social. Uma maneira divertida de inserção social e luta contra preconceitos. A abertura da festa será com a Escola de Dança do CCBJ, com uma performance sobre o frevo.

 

Serviço:
Bloco Doido É Tu + Escola de Dança do CCBJ
Quinta, 28, 16h
Praça Central do CCBJ
Rua Três Corações, 400 – Bom Jardim
Entrada franca

XV Edital Ceará da Paixão 2019: Inscrições abertas de 18/02 a 04/03

 

 

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará divulga nesta segunda-feira, dia 18/2, a abertura das inscrições do XV Edital Ceará da Paixão, que seguem até o dia 04 de março de 2019. As inscrições serão gratuitas e exclusivamente online, pelo site www.editais.cultura.ce.gov.br.

Nesta edição, o Edital Ceará da Paixão se constitui como uma ação continuada de fomento à manutenção e renovação de grupos e manifestações próprias do Ciclo da Semana Santa, tais como: Manifestação Tradicional Popular e Espetáculo Cênico I, II e III, dentre outras expressões da cultura tradicional popular. Esse Edital se insere nas políticas de reconhecimento e promoção do patrimônio imaterial Cearense voltado para o Ciclo da Semana Santa presentes em todas as regiões e municípios do Estado. Confira aqui o edital: http://editais.cultura.ce.gov.br/2019/01/18/xv-edital-ceara-da-paixao-2019/

O presente Edital tem recursos oriundos do Fundo Estadual da Cultura (FEC) no programa 044 – Promoção do Acesso e Fomento à Produção e Difusão da Cultura Cearense, que disponibilizará o aporte financeiro no valor total R$ 760.526,00 (setecentos e sessenta mil, quinhentos e vinte e seis reais), sendo R$ 482.662,00 (quatrocentos e oitenta e dois mil, seiscentos e sessenta e dois reais) para pagamento dos projetos selecionados na Categoria Espetáculo Cênico da Paixão de Cristo I, II e III, R$ 214.528,00 (duzentos e quatorze mil, quinhentos e vinte e oito reais) para pagamento dos projetos selecionados na Categoria Manifestação Tradicional Popular, R$ 50.400,00 (cinquenta mil, quatrocentos reais) para pagamento do III Seminário de Avaliação e Seleção Ceará da Paixão e R$ 12.936,00 (doze mil novecentos e trinta e seis reais) para despesas com a Comissão de Avaliação e Seleção.

Desta forma, o Edital apoia a preservação de vários grupos e expressões da cultura tradicional popular, contribuindo de maneira efetiva na transmissão de saberes e fazeres entre gerações, estabelecendo sociabilidades entre mestres e aprendizes e na formação de novos brincantes, além de ampliar e democratizar o acesso aos bens e serviços culturais para o conjunto da população em geral. O Edital busca fomentar por meio da concessão de apoio financeiro, a realização de projetos voltados para a produção artística, a circulação de grupo e a difusão das manifestações culturais regionais do ciclo da semana santa.

Para efeito de inscrição neste Edital todos os PROPONENTES e responsáveis pelos projetos deverão estar cadastrados no Mapa Cultural do Ceará, no seguinte endereço eletrônico: mapa.cultura.ce.gov.br, bem como vinculá-lo na ficha de inscrição online. Os proponentes poderão apresentar apenas 01 (uma) proposta em uma das seguintes categorias: I – Espetáculo Cênico da Paixão de Cristo I; II – Espetáculo Cênico da Paixão de Cristo II; III – Espetáculo Cênico da Paixão de Cristo III; IV – Manifestação Tradicional Popular; V – III Seminário de Avaliação e Planejamento Ceará da Paixão.

Mais informações poderão ser obtidas prioritariamente pelo e-mail editalpaixao@secult.ce.gov.br e pelos telefones (85) 3101-6770 / 3101-6765.

8º Fórum Nacional de Museus acontecerá em Fortaleza, com apoio da Secult

 

O secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, e a equipe da Secretaria da Cultura (Secult) receberam, na tarde desta segunda-feira, 18/2, a diretora do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) Eneida Braga, para tratar do 8º Fórum Nacional de Museus. Contando com o apoio da Secult, o evento acontecerá no segundo semestre em Fortaleza.

“O  Fórum Nacional de Museus irá receber cerca de mil pessoas de vários lugares do País e vai contar com a parceria do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, no âmbito da programação e dos espaços de realização do evento. Estaremos definindo quais serão os ambientes em deve acontecer o Fórum, com os museus vinculados à Secult e demais equipamentos culturais. Esse encontro é fundamental para o fortalecimento da política nacional de museus, de articular os sistemas estaduais de museus e o próprio Fórum, que envolve tanto os museus público, como privados e comunitários. Também pensamos em um fortalecimento institucional do Ibram, que é um instituto fundamental para as políticas de patrimônio e memória no Brasil”, destacou o secretário Fabiano Piúba sobre a parceria.

Fortaleza foi a cidade sede escolhida na última edição do Fórum Nacional de Museus, que ocorreu em Porto Alegre, em 2017. “O Fórum é o maior encontro realizado pelo setor museológico brasileiro. No Brasil nós temos mais de 3.700 museus e este é um espaço de interlocução, de debates, de propostas e de discussão das políticas públicas para a área de museus no País”, ressaltou a a diretora do Ibram, Eneida Braga.
Mais sobre o Fórum Nacional de Museus

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) é responsável pelas políticas públicas para o setor museal no Brasil e realiza, a cada dois anos, o Fórum Nacional de Museus (FNM). Evento de abrangência nacional, o fórum tem por objetivo refletir, avaliar e delinear diretrizes para a Política Nacional de Museus (PNM), consolidando as bases para a implantação de um modelo de gestão integrado dos museus brasileiros, por meio do Sistema Brasileiro de Museus (SBM). Museólogos, gestores, pesquisadores, estudantes e demais interessados na área de museus e memória no Brasil terão espaço para refletir sobre os rumos dos museus brasileiros, e da Política Nacional de Museus.

Fórum de Políticas Digitais acontece dia 14/02 e traz diálogos sobre a transformação digital e desafios para um novo modelo de governança

 

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), a Feira da Música e o Mutirão convidam para o Fórum de Políticas Digitais que acontece no dia 14 de fevereiro de 2019, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza, e tem como objetivo reunir governos, academia, empresas e sociedade em geral para conhecer, refletir e dialogar sobre o potencial da transformação digital a fim de institucionalizar a colaboração em rede como forma de governança do bem comum.

A abertura do evento será realizada às 9h com fala do Claudio Prado (produtor cultural e teórico da contracultura e da cultura digital), com discussão sobre o HUB Tecnológico do Ceará, Mostra de Soluções e Políticas Digitais, públicas e privadas, com cases de tecnologias digitais aplicadas ao interesse público e GTs. O evento integra a Interface de Conversação da Feira da Música.

 

Saiba mais:

Parte essencial do desafio das políticas digitais é lidar com as várias interseções entre políticas, programas, projetos, ações, sistemas, bancos de dados etc. A convocação do Fórum é um primeiro passo para a construção de um novo modelo de governança que enfrente esse e outros desafios da era digital.

Convidamos toda a sociedade – governos, empresas e cidadania em rede – a refletir, debater e agir no contexto das transformações digitais na democracia, onde mudanças culturais, de hábito, econômicas, políticas e tecnológicas estão transformando tudo o que sabemos sobre comunicação, relacionamento, direitos, privacidade, humanidade, verdade e realidade.

Saiba mais:
https://bit.ly/2FVbdiQ

Acompanhe a programação:
https://bit.ly/2HEoUo0

Fórum de Políticas Digitais acontece dia 14 de fevereiro e traz diálogos sobre a transformação digital e desafios para um novo modelo de governança

 

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), a Feira da Música e o Mutirão convidam para o Fórum de Políticas Digitais que acontece no dia 14 de fevereiro de 2019, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza, e tem como objetivo reunir governos, academia, empresas e sociedade em geral para conhecer, refletir e dialogar sobre o potencial da transformação digital a fim de institucionalizar a colaboração em rede como forma de governança do bem comum.

A abertura do evento será realizada às 9h com fala do Claudio Prado (produtor cultural e teórico da contracultura e da cultura digital), com discussão sobre o HUB Tecnológico do Ceará, Mostra de Soluções e Políticas Digitais, públicas e privadas, com cases de tecnologias digitais aplicadas ao interesse público e GTs. O evento integra a Interface de Conversação da Feira da Música.

Saiba mais:

Parte essencial do desafio das políticas digitais é lidar com as várias interseções entre políticas, programas, projetos, ações, sistemas, bancos de dados etc. A convocação do Fórum é um primeiro passo para a construção de um novo modelo de governança que enfrente esse e outros desafios da era digital.

Convidamos toda a sociedade – governos, empresas e cidadania em rede – a refletir, debater e agir no contexto das transformações digitais na democracia, onde mudanças culturais, de hábito, econômicas, políticas e tecnológicas estão transformando tudo o que sabemos sobre comunicação, relacionamento, direitos, privacidade, humanidade, verdade e realidade.

📍 Saiba mais: https://bit.ly/2FVbdiQ
📍 Acompanhe a programação:
https://bit.ly/2HEoUo0

Orquestra Popular do Nordeste apresenta “O Canto da jandaia” com entrada gratuita, dia 30, no Cineteatro São Luiz

 

No final de janeiro, mais precisamente na quarta-feira do dia 30, às 19h, o São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), recebe o espetáculo inédito “O Canto da Jandaia” da Orquestra Popular do Nordeste. O evento, que tem entrada gratuita e classificação indicativa livre, traz uma pesquisa que inclui obras de autores cearenses, desde Alberto Nepomuceno, Lauro Maia, até compositores contemporâneos.

“Aqui canta o nosso pássaro, jandaia-sol, cacaué, nandaia, nhandaia, queci-queci, quijuba. Pifes, rabecas, comidas, cachaças, violinos, batucadas, bandolins, baixarias, pianos, rendeiras, menina praieira, viola, violão, Alberto Nepomuceno, Macaúba, Zé Menezes, Tô só dizendo Sardinha também, Macaxeira Chips e baião Nesse banquete onde correm as águas do Jaguaribe, Poti, Cocó, compositores mergulham nos arranjos desse mapa, minha terra quente, olha o berro! Esse é o nosso concerto, nosso canto do Ceará!”

 

Serviço:
O canto da Jandaia
Dia 30/01/2019 às 19h
Entrada GRATUITA
Classificação indicativa: livre

Inscrições abertas para Curso Princípios Básicos de Teatro – Turmas 2019 no TJA

 

O Theatro José de Alencar, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), inicia nesta terça-feira (08) as inscrições para o Curso Princípios Básicos de Teatro – Turmas 2019. São 100 vagas para cada turma e elas serão preenchidas por ordem de entrega de documento e pagamento de taxa.

O candidato deverá baixar e preencher a “Ficha de Inscrição” e se dirigir à Biblioteca Carlos Câmara do Theatro José de Alencar, de terça a sexta-feira das 09h às 12h e das 14h às 17h, para pagamento da taxa e validação da inscrição (valor da taxa R$60,00, somente dinheiro). É necessário apresentar o documento de identidade com foto (pode ser RG, carteira de estudante, carteira de motorista) e trazer duas fotos 3×4 atual. Para turmas manhã e tarde é preciso ter idade acima de 15 anos e para turma da noite ter idade acima de 18 anos. O valor da taxa única de inscrição é R$60,00 (sessenta reais).

A isenção da taxa de inscrição será concedida aos estudantes de escolas públicas do ensino fundamental e médio que entregarem, no ato da matrícula, declaração atualizada da instituição na qual está atualmente matriculado. Não haverá devolução da taxa de inscrição após o ato da mesma. O curso não tem mensalidade.

 

Mais informações:
As aulas iniciam dia 19 de fevereiro de 2019. O calendário do ano letivo será entregue no ato da entrega da documentação solicitada acima. As aulas acontecem na Sala de Teatro do Anexo Cena – Theatro José de Alencar semanalmente de terça a sexta-feira nos seguintes horário:
Manhã – 9h às 12h
Tarde – 14h às 17h
Noite – 18h às 21h

Os professores:
Manhã – Juliana Veras
Tarde – Joca Andrade
Noite – Neidinha Castelo Branco

Baixar a Ficha de Inscrição – https://goo.gl/fyjsXf
ou se dirigir à Biblioteca Carlos Câmara e preencher presencialmente.

Edital Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia será lançado neste sábado, 8

 

Repaginado, com novas categorias, novo valor e agora com abrangência nacional, o Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018 será lançado neste sábado, 8/12, às 20h, durante o Fotofestival Solar, no novo anfiteatro do Centro Dragão de Mar de Arte e Cultura. O Edital é uma ação da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), que tem o objetivo de ampliar a reflexão e a experiência artística, a formação de público e o acesso a bens e serviços culturais, por meio da fotografia. As inscrições são on-line e feitas pelo site de editais da Secult: http://editais.cultura.ce.gov.br/, no período de 10 dezembro de 2018 a 11 de fevereiro de 2019.

Garantido pela lei do Sistema Estadual de Cultura do Ceará, o Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018 destinará um total de R$ 280.000,00 a projetos autorais de fotografia. O prêmio irá reconhecer e fomentar a fotografia brasileira, por meio da seleção de 5 autores dentre os trabalhos inscritos. Cada autor poderá inscrever apenas uma proposta de um trabalho autoral em uma das três categorias de premiação: Categoria I – Narrativas Brasileiras; Categoria II – Descobertas; Categoria III – Novas Visões.

“Avaliamos o prêmio e tomamos um caminho de que ele pudesse ganhar uma abrangência nacional. A própria figura do Chico Albuquerque é uma referência nacional, merece esse destaque. Além disso, o Ceará já tem uma vocação e um percurso reconhecido na fotografia. De como a fotografia cearense dialoga com a fotografia nacional para que possamos ter aí um movimento de dentro para fora, de fora para dentro, de chamar atenção do país para o Ceará e vice-versa. Sobre as novas categorias, importante ressaltar essa relação delas com a obra: “narrativas brasileiras”, é esse ressaltar que o Chico apresentou ao construir ensaios fotográficos que apontavam nossa narrativa; a categoria “descobertas”, é esse olhar de generosidades que ele tinha com os novos fotógrafos e, por fim, “novas visões”, é essa ousadia e novidade que o trabalho aponta”, afirma Fabiano Piúba, secretário da Cultura do Ceará.

O Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia é uma ação de reconhecimento e promoção da produção cultural no campo da Fotografia cearense e brasileira e constitui-se como uma iniciativa que se insere nas políticas de fomento às Artes Visuais da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), com ênfase no estímulo aos processos e ciclos de criação, produção, difusão, pesquisa, memória e formação no campo da fotografia.

 

Conheça as novas categorias do Prêmio

A Categoria I – Narrativas Brasileiras do Edital do Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018 é destinada a premiar o percurso consolidado de um(a) autor(a), reconhecendo a relevância da sua trajetória para a fotografia brasileira. Podem se inscrever autores(as) que tenham trabalhos voltados para a construção de narrativas fotográficas, no formato de ensaio autoral, que interpretem e valorizem a diversidade brasileira.

A Categoria II – Descobertas é destinada à premiação e revelação de autores(as) com ensaios fotográficos que apresentam novas contribuições para o campo da fotografia brasileira na atualidade.

Já a Categoria III – Outras Visões é para trabalhos que atravessam os limites do ato fotográfico e recorrem à transversalidade na criação visual, por meio de processos inovadores em diálogo e conexão com outras linguagens e as novas tecnologias.

 

Quem pode participar
Podem se inscrever no Edital do Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018 pessoas físicas, maiores de 18 anos, brasileiras natas ou naturalizadas, residentes e domiciliadas em qualquer um dos municípios do território nacional e com atuação no campo da fotografia.

 

Inscrições
As inscrições para o Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018 são gratuitas e feitas exclusivamente pela internet, no site http://editais.cultura.ce.gov.br, no período de 10 de dezembro de 2018 a 11 de fevereiro de 2019.

O(a) candidato(a), antes da inscrição, deverá realizar ou atualizar o cadastro no Mapa Cultural do Ceará, com o perfil de Agente Individual (Pessoa Física).

 

Mais informações
O Prêmio é uma homenagem ao fotógrafo brasileiro Chico Albuquerque (1917-2000) que nasceu no Ceará e tornou-se pioneiro na fotografia publicitária no País e um dos artistas mais inovadores de sua geração. Ao longo de uma trajetória de 68 anos dedicados à fotografia, consagrou-se como retratista de personalidades que marcaram a história brasileira. Dentre seus principais trabalhos, destaca-se o ensaio “Mucuripe” (1952) que retrata o cotidiano de jangadeiros do litoral cearense, revelando a profunda relação desses homens com o mar.

O Prêmio Chico Albuquerque, com novas categorias e abrangência, visa estimular processos criativos para a experimentação e a inovação no campo da fotografia e sua transversalidade com outras linguagens artísticas e áreas do conhecimento e posicionar o Ceará como estado de referência no âmbito das políticas públicas para o desenvolvimento da fotografia brasileira.

 

Serviço:
Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia 2018
Inscrições: De 10 de dezembro de 2018 a 11 de fevereiro de 2019, pelo site http://editais.cultura.ce.gov.br.

Secult divulga resultado do Selo de Responsabilidade Cultural 2018

 

A Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) divulga nesta quinta-feira, 6/12, o resultado final da convocatória do Selo de Responsabilidade Cultural 2018, destinado ao reconhecimento de pessoas jurídicas de direito público e privado, com e sem fins lucrativos, que comprovadamente implementam ou incentivam programas, projetos e ações voltados para o desenvolvimento cultural do Estado do Ceará. O resultado pode ser acessado no site de editais da Secult: http://editais.cultura.ce.gov.br/.

“O Selo de Responsabilidade Cultural é garantido por uma lei de 2006. Ele reconhece empresas e instituições culturais que apoiam, realizam e promovem a cultura no Ceará, seja diretamente ou por meio de leis de incentivo, como a Lei Rouanet e a Lei do Mecenato Estadual. Nós retomamos esse Selo numa estratégia de fortalecimento do Sistema Estadual de Cultura, com relação ao Fundo Estadual de Cultura, ao Mecenato, para que possa qualificar e estimular as empresas e instituições da sociedade civil a ampliar e qualificar suas ações de responsabilidade cultural”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

A ação tem também por objetivo incentivar práticas de responsabilidade cultural em empresas e organizações com operações no Ceará, além de incentivar as instituições públicas e privadas a projetos culturais por meio do Fundo Estadual de Cultura, o Mecenato Estadual e outras fontes de financiamento, contribuindo com o alcance das metas do Plano Estadual de Cultura e reconhecendo políticas públicas culturais exitosas implementadas por prefeituras municipais do Ceará.

 

Empresas que recebem o Selo:

Confira por categoria as empresas e instituições que irão receber o Selo de Responsabilidade Cultural 2018.

Modalidade Diamante: Servis Segurança; Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Sobral, Prefeitura Municipal de Assaré e M. Dias Branco

Modalidade Ouro: Cegás; Condomínio Shopping Benfica; Fundação Beto Studart; Instituto Beatriz e Lauro Fiúza;

Boas Práticas: Arcos – Associação Arte e Acordes; Associação Filhos e Amigos de Icó, Associação Shalom; Instituto Katiana Pena; Prefeitura Municipal de Palhano; FIEC – Federação das Industrias do Estado do Ceará.

 

Entrega do Selo será no TJA

A solenidade de outorga do Selo de Responsabilidade Cultural acontecerá no dia 17 de dezembro, às 19h, no Theatro José de Alencar, e contará com a apresentação da Camerata da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará (OSUECE).

 

Mais sobre o Selo de Responsabilidade Cultural

O Selo de Responsabilidade Cultura surge para fortalecer o Sistema Estadual da Cultura, instituído pela Lei Nº 13.811/2006. A entrega do Selo em 2018 alinha-se às diretrizes, objetivos e metas do Plano Estadual da Cultura, instituído Lei 16.026/2016.

Para participar do processo de convocatória do Selo de Responsabilidade Cultural 2018, as instituições se candidataram ao selo nas categorias Empresarial, Institucional e Governamental. Somente pessoas jurídicas que tenham programas, projetos ou ações de promoção ou apoio a cultura desenvolvidos no Estado do Ceará puderam participar.

LP “Maraponga”, de Ricardo Bezerra, 40 Anos depois

 

 

O LP “Maraponga”, de 1978, do compositor cearense Ricardo Bezerra, será revisitado no dia 6 de dezembro, quinta-feira, às 19h, no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), com direção musical do próprio artista, Mimi Rocha e Pedro Madeira, acompanhado pela Orquestra Popular do Nordeste e as participações de Mona Gadelha, idealizadora do projeto, Mimi Rocha, Nélio Costa e Tito Freitas. Contará também com as participações de Vinícius e Miguel, netos de Ricardo e Bete. Thiago Almeida fará novos arranjos e adaptações.

Lançado pelo selo EPIC, da CBS/Sony, “Maraponga” teve a direção musical assinada por Raimundo Fagner, Ricardo Bezerra e Hermeto Pascoal, o qual fez belos arranjos do disco. O LP contou com participações nos vocais de Amelinha (La Condessa, música de Ricardo Bezerra, Brandão e Ribamar, também gravada por Mona Gadelha no disco “Praia Lírica, um tributo à canção cearense dos anos 70”, em 2011). E o próprio Fagner também participa cantando “Manera Fru Fru”, composição em parceria com Ricardo, que deu título ao seu celebrado disco de 1973. Os músicos convidados eram os nomes mais expoentes da cena brasileira naquele momento: Nivaldo Ornelas, Mauro Senise, Jacques Morelembaum, Serginho Boré, Sivuca, Robertinho de Recife, Marcio Malard, Bernado Bessler, Luiz Paulo Peninha, Itiberê, Cláudio Araújo e Zé Carlos.

As canções que mais se destacaram foram “Cavalo Ferro” e “Manera Fru Fru Manera”, ambas em parceria com Fagner. “Cavalo Ferro” também entrou no disco Pessoal do Ceará, de 1973. A música “Cobra”, de Alano Freitas e Stelio Valle, foi bastante cultuada por diversos intérpretes nos anos 70 e 80, como Rossé Sabadia e Lúcio Ricardo, entre outros.

O título do LP foi uma homenagem ao sítio que Ricardo e Bete viviam, lugar de permanente encontros de amigos artistas e músicos, antes do período da produção do LP. O sítio da “Maraponga” guarda muitas histórias e recordações. Recebeu visitantes como Rita Lee, Gonzaguinha, Alceu Valença, Antonio Adolfo e Zé Ramalho. Era frequentado por Petrúcio Maia, que tantas vezes madrugou por lá tocando e compondo ao piano, e teve em Fagner um morador temporário.

Para relembrar um dos trabalhos mais significativos da década que marcou a ascensão da música cearense em âmbito nacional, os anos 70, e comemorar os 40 anos de lançamento de uma obra atemporal, o show, idealizado pela cantora e compositora Mona Gadelha, promove o encontro de gerações. O jovem músico e compositor Pedro Madeira, criador da Orquestra Popular do Nordeste, formação de 12 músicos que participou do Laboratório de Música do Porto Iracema das Artes em 2017 com a tutoria de André Mehmari, assim como os veteranos Mimi Rocha, Nélio Costa e Tito Freitas. E as participações de Vinicius e Miguel Bezerra, netos de Ricardo e Bete.

REPERTÓRIO

1-Maraponga (Ricardo Bezerra)

2-Cobra (Alano Freitas/Stelio Valle)

3-La Condessa (Soares Brandão/Ricardo Bezerra)

4-Celebração (Ricardo Bezerra)

5-Sete cidades (Ricardo Bezerra)

6-Gitana (Ricardo Bezerra)

7-Cavalo-Ferro (Ricardo Bezerra/Fagner)

8-Manera Fru Fru Manera (Ricardo Bezerra/Fagner)

9-Improviso (Ricardo Bezerra)
FICHA TÉCNICA
Direção Geral: Ricardo Bezerra | Mona Gadelha | Maira Sales
Direção Musical : R. Bezerra, Mimi Rocha e Pedro Madeira
Concepção e Direção Artística: M. Gadelha
Arranjos: Thiago Almeida e Giltacio Santos
Pesquisa de Ambientação: Bete Dias e Zé Tarcísio
Direção de Arte: Hector Isaias
Fotografia: Rafael Parente
Som e Captação: Tuan Fernandes e Gustavo Carvalho
Pesquisa: Pedro Lima
Cenário | Cenário Digital: B. Dias | H. Isaias | M. Sales | R. Bezerra
Produção: R. Bezerra | M. Sales | M. Gadelha
Produção Executiva : Brazilbizz Music

PALCO
Ricardo Bezerra | Voz | Piano
Participações Especiais
Mona Gadelha | Voz
Mimi Rocha | Guitarra
Tito Freitas | Piano
Nélio Costa | Baixo
Vinicius Bezerra | Violão
Miguel Bezerra | Violão
Orquestra Popular do Nordeste
Pedro Madeira | Guitarra e Bandolim
Mateus Farias | Flauta
Giltacio Santos | Clarinete
Michael Rodriguez | Bateria
Paulinho Lima | Violino 1
Gabriel Padron | Violino 2
Marcílio Brito | Viola
Juliana Aragão | Cello

 

Serviço:
Dia 06 de dezembro de 2018, quinta-feira
Show | Maraponga 40 Anos Depois | Uma Releitura do LP Maraponga de 1978 de Ricardo Bezerra, com as participações de Mona Gadelha, Mimi Rocha, Nélio Costa, Tito Freitas e Orquestra Popular do Nordeste.
Horário : 19h
Classificação: Livre
Duração do show: 1h15
Ingressos: R$ 10,00 e R$ 20,00 | Já estão à venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus
Local | Cineteatro São Luiz
Rua Major Facundo, 500 – Centro, Fortaleza – CE, 60025-130
Tel. (85) 3252-4138

 

 

RICARDO BEZERRA E O ‘PESSOAL DO CEARÁ’

O final dos anos 1960 foi de grandes transformações políticas e culturais. No bojo desse movimento mundial, surge, no Ceará, um inquieto grupo de jovens universitários, tendo o diretório da Escola de Arquitetura da UFC e os bares do Anísio e o Estoril como seus principais redutos culturais.

Nesse meio, foi o grupo de música o que mais se destacou, principalmente, através dos festivais e dos programas locais de TV da época. Nessa ‘turma’ estava Ricardo Bezerra, estudante de Arquitetura, vindo, pelo lado materno, de uma família de Aracati (CE), terra de reconhecida musicalidade.

Da convivência entre esses jovens, surgem parcerias musicais que resultaram em hoje clássicos da MPB. Tendo composições em parceria, com poetas do calibre de Brandão, Fausto Nilo e Petrúcio Maia, é, no entanto, com Raimundo Fagner que o trabalho musical de Ricardo Bezerra se consolida em canções, hoje antológicas, tais como Cavalo-Ferro, Manera Frufru Manera e Sina, esta última com o poeta popular Patativa do Assaré.

No momento da decisão de dedicar sua vida profissional à música, o que significava, na época, a mudança para o eixo Rio-São Paulo, RB opta por concluir a faculdade de arquitetura e permanece em Fortaleza, continuando aí o seu trabalho musical, procurando incentivar os novos valores musicais que vinham surgindo no rastro do grupo inicial. Entre estes se destacaram Amelinha, os irmãos Gracho e Caio Silvio e Francisco Casaverde.

Em 1972 se casa (com a jornalista Bete Dias), mora durante um ano em Recife, trabalhando como diretor de criação de uma agência de publicidade, época em que se relaciona com artistas e intelectuais pernambucanos jovens onde se destacavam Alceu Valença, Geraldinho Azevedo, Thiago Amorim, Zé Ramalho, Cavani Rosas, Ricardo Noblat e Ivan Maurício entre outros.

Em 1974, retorna a Fortaleza e passa a morar, com a família, na Maraponga, num sítio à beira da lagoa, local que se torna ponto de referência para o pessoal da música e das artes em geral. Nessa época Fagner passa a morar com a família e reforça ainda mais a força de convergência do local para os artistas da terra e os de fora. Foram hóspedes na Maraponga, no começo de suas carreiras, figuras como Gonzaguinha, Alceu Valença, Antônio Adolfo entre outros.

Em 1977, RB resolve voltar à música como profissional e a partir de convite do Fagner, vai para o Rio gravar um LP, Maraponga, com a produção do amigo e parceiro, para a então CBS.

Mais uma vez, sentindo que o mundo da música popular, o chamado show business, não era sua verdadeira vocação, RB retorna a Fortaleza e resolve dedicar-se ao ensino de arquitetura, sendo então admitido como professor na Escola de Arquitetura da UFC.

Sua música, no entanto, continuou nascendo em esparsas mas significativas composições feitas em parceria com amigos. Enquanto isso tem músicas gravadas pelo Quarteto em Cy, Nara Leão, Ney Matogrosso, além do chamado Pessoal do Ceará (Ednardo, Ródger e Teti). Nos meados dos anos 1980, parte com a família (agora mulher e três filhos) para o Arizona, onde faz um mestrado em arquitetura da paisagem. No início dos anos 90, continuando sua formação, parte para a Inglaterra a fim de obter um doutorado em urbanismo. É durante a fase de redigir esse trabalho que ressurge a música e várias composições nascem das entrelinhas da sua tese.

São estas composições, somadas a algumas que haviam ficado guardadas no passado, que RB compõe um novo disco: Notas de Viagens, feito mais de 20 anos após o primeiro. Neste trabalho, estritamente instrumental, suas músicas são arranjadas por Adelson Viana, Cristiano Pinho e Ricardo Bacelar.

Passados dez anos desse último trabalho, e uma apresentação solo no Festival de Jazz & Blues de Guaramiranga, a convite de Rachel Gadelha, em 2009, novas composições estão criadas, prontas para compor um novo CD.

Cia. de Dança Rastro, de Quixadá, participa de Festival de Teatro em Portugal, em parceria feita pela Casa de Saberes Cego Aderaldo

A Casa de Saberes Cego Aderaldo, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), em articulação de parceria junto ao Instituto Dragão do Mar, proporciona a ida da Companhia de Dança Rastro, de Quixadá, para o Festival Internacional de Teatro ACERT ( 24º Finta), que acontece na cidade de Tondela, em Portugal, de 14 a 17 de novembro de 2018.

Oito artistas do Sertão Central embarcam nesta quinta-feira, 15/11, para Portugal. Integrantes da Cia. Rastro estarão apresentando no Festival, um espetáculo sobre os Campos de Concentração em Senador Pompeu – O CURRAIS, que foi criado a partir de uma parceria da Companhia de Dança de Quixadá com o Instituto Assum Preto de Senador Pompeu, financiado pela Secult, pelo Edital Incentivo às Artes 2015. O Tema dos Campos de Concentração na cidade de Senador Pompeu e no Estado do Ceará é objeto de pesquisa da Casa de Saberes Cego Aderaldo desde 2016.

O intercâmbio dos artistas neste festival é fruto de uma articulação que vem desde o Fevereiro de 2018 quando a Coordenadora da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Paula Geórgia Fernandes, esteve em Portugal em atividades de articulação junto à Universidade do Porto e de Aveiro. Em julho, junto às outras três escolas de Saberes do Ceará, aconteceu o II Encontro de Artes Culturas e Saberes dos Sertões, realizado no equipamento da Secult e também nas cidades de Juazeiro do Norte, Farias Brito, Crato e Barbalha.

Outras instituições como a Universidade do Porto, a Universidade de Angola, a Associação ACERT (Grupo de Teatro Thigolimpo e Ceramistas), Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação José Saramago foram parceiros na realização e estiveram presentes nas ações do encontro, que foram desde palestras, rodas de conversa, às vivências. Foram a partir dessas vivências que o convite à Cia Rastro surgiu.

“Esses artistas quixadaenses participam pela primeira vez desse evento de caráter internacional e de grande importância para o meio artístico das artes do espetáculo. O contato com o festival Finta se deu a partir uma parceria que a Casa de Saberes Cego Aderaldo já possui com a Faculdade do Porto através do curso de Belas Artes, que nos levou ao encontro com os artistas do Grupo Trigo Limpo de Teatro ACERT. Assim surgiu a oportunidade de um intercâmbio, onde recebemos os artistas em julho, vindos com o apoio direto da Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação José Saramago e o Concelho de Tondela.

Cinco Artistas da cidade de Tondela – sendo três artistas do grupo de Teatro Trigo Limpo da ACERT e dois artistas da arte da cerâmica – vieram em julho para o Encontro de Saberes realizado pela Casa de Saberes Cego Aderaldo. Esses três artistas do grupo de Teatro realizaram uma vivência compartilhada com vários artistas da região do Sertão Central e posteriormente no Cariri. Os integrantes da Companhia Rastro participaram desta vivência no Sertão Central. Foi a partir da apresentação do portfólio da Companhia de Dança Rastro, e o espetáculo CURRAIS em especial, para o Diretor Artístico do Festival, o José Rui Tavares, que a seleção aconteceu. O Festival Finta está em sua 24ª edição e reúne artistas do mundo inteiro para espetáculos que vão desde a espaços de auditório à espetáculos de rua. A Cia. de Dança Rastro apresenta o espetáculo CURRAIS no último dia no Festival, fechando a programação com chave de ouro sertanejo” comenta a coordenadora da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Paula Geórgia Fernandes.

 

Confira mais informações sobre o Finta e o espetáculo da Cia. de Dança Rastro: https://bit.ly/2OGVW5e

Secretaria da Cultura do Ceará realiza o XII Encontro Mestres do Mundo em Aquiraz (CE)

 

 

De 21 a 24 de novembro a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (SECULT) promove o XII Encontro Mestres do Mundo, que na edição de 2018 tem nova sede em Aquiraz (CE), município na Costa Leste do litoral cearense, a apenas 27km da capital Fortaleza. O evento integra a grandiosa riqueza de conhecimentos, expressões e vivências pelos Tesouros Vivos da cultura cearense em compartilhamentos generosos com o público na diversificada e vasta programação.

Anfitrionados pela Mestra da Cultura Indígena Cacique Pequena (Maria de Lourdes da Conceição Alves), natural de Aquiraz, público e convidados do Nordeste, Brasil e de outros países vão celebrar juntos no Encontro às memoráveis e renovadas tradições mantidas pelos 69 Mestres e Mestras da Cultura vivos, 11 grupos, duas (02) coletividades, além dos 26 deles já falecidos. Mestra Pequena ainda guiará os participantes em uma “Caminhada nativa sob a flor do Jenipapo” para a transmissão de saberes e uma manhã de vivências, junto ao seu povo Jenipapo-Kanindé.

O secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba festeja que “de 21 a 24 de novembro, a cidade de Aquiraz vai ser o lugar mais bonito do mundo” e convida ao XII Encontro Mestres do Mundo, que tem como mote desse ano ser “tempo de amor e flor para quem sabe salvaguardar afetos”. Piúba reitera a pujança dos ensejos reunidos e aconselha: “Prepare o seu coração, pois serão quatro dias de celebração aos saberes e fazeres dos mestres e mestres da cultura popular e tradicional cearense, nordestina e brasileira”.

No percurso do XII Encontro, a curadora do evento, a professora doutora Lourdes Macena adianta que “teremos rodas de saberes, variadas atrações em apresentações artísticas, a Feira de Artesanatos e Gastronomia Familiar, oficinas, seminários, atividades de Educação Patrimonial e residência com uma experiência entre afetos e arte”, entre as interligações culturais e de convívio com os Mestres dos Sons, das Mãos, da Oralidade, do Sagrado, do Corpo e nas Rodas Sementes, novas interações dedicadas ao público infantil.

Em revigorada itinerância, o Encontro que nas últimas edições ocorreu em Limoeiro do Norte, segue assim do Sertão ao novo cenário litorâneo de Aquiraz, município na região Metropolitana de Fortaleza, que foi a primeira capital cearense. Como revela o seu significado em tupi-guarani, “Aquiraz” quer dizer “Água Logo Adiante”, e é nesse manancial de fluidez da localidade que os atrativos do XII Encontro aportam, em pleno centro histórico da cidade, na Praça da Igreja Matriz, estendendo ações pelo Museu Sacro São José de Ribamar, na Escola EMEF Laís Sidrim, na Tapera das Artes, na Lagoa da Encantada, no antigo Mercado Municipal e em outras circunvizinhanças.

O Encontro Mestres do Mundo está consolidado no calendário da cultura no Ceará como uma ação de democratização do acesso aos bens e serviços culturais que vem atender à necessidade de criar espaços para a transmissão de saberes prevista na Lei Estadual nº 13.842, que instituiu o programa Tesouros Vivos do Ceará. Desde 2003, foram diplomados 95 Mestres da Cultura, 11 grupos e 02 coletividades, reconhecidos como detentores dos saberes da cultura popular tradicional, patrimônio imaterial do Estado do Ceará.

O Encontro Mestres do Mundo é um evento estruturante realizado pela SECULT desde 2005, cujo intento de proporcionar a convivência entre os Mestres e Mestras também divulga e faz fruir repasses de conhecimentos acerca da cultura popular do Estado. Este ano, o XII Encontro em Aquiraz tem novamente produção do Instituto Assum Preto de Arte, Cultura, Cidadania e Meio Ambiente, instituição selecionada por meio de edital pela SECULT, que conta com parcerias da Prefeitura Municipal de Aquiraz e apoio cultural do Fórum de Cultura Popular Tradicional, da Comissão Cearense de Folclore, da Tapera das Artes e do Museu Sacro São José do Ribamar. O evento recebeu, em outubro de 2017, no Rio de Janeiro, o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, maior do Brasil na área de Patrimônio Cultural, um compromisso da Secult no fortalecimento da política de valorização e salvaguarda do patrimônio imaterial no país.

 

 

Mais sobre o Encontro Mestres do Mundo

O Encontro Mestres do Mundo é um evento realizado pela SECULT, desde 2005 como uma importante iniciativa de interiorização da cultura. Em onze edições, o Encontro e suas ações já foram acolhidos pelas cidades de Limoeiro do Norte, Jaguaruana, São João do Jaguaribe, Russas, Barbalha, Juazeiro do Norte e Crato, entre outras, reunindo a cada edição os Mestres da Cultura, titulados como Tesouros Vivos da Cultura do Ceará, em diálogo com brincantes, estudantes, professores, pesquisadores e mestres de outros estados e países, com uma programação riquíssima voltada ao encontro e troca de saberes.

O Encontro é uma oportunidade singular de vivenciar a diversidade da cultura popular tradicional através da convivência com os guardiões que mantêm vivas as tradições. Conta com a participação de mestres, mestras e grupos locais, regionais e internacionais, promovendo a integração e a troca de experiências. Expressões de linguagens variadas se juntam em uma arena onde os mestres apresentam e transmitem seus saberes e seus fazeres.

São momentos mágicos, onde o público participante trava contato com memórias, narrativas e práticas por meio de uma programação ampla de atividades práticas e teóricas, no intercâmbio de saberes, contando com a mediação de pesquisadores da cultura popular. São variados momentos em que os Tesouros Vivos da Cultura do Estado do Ceará recebem os convidados, mostrando para a comunidade local os seus costumes e a sua arte.

As noites são marcadas por uma grande diversidade de apresentações de grupos e mestres oriundos das 14 (catorze)macrorregiões do Ceará, bem como atrações nacionais e internacionais. Ao longo das onze edições, ocorreram ainda diversas oficinas de repasse dos conhecimentos tradicionais, cursos e ações de educação patrimonial junto a estudantes e professores de escolas públicas, seminários temáticos com reflexões acadêmicas, exposições de fotografias e objetos relacionados às tradições, feirinha para comercialização de artesanatos feitos pelos mestres e outros produtos relacionados às culturas tradicionais, cortejos nas ruas da cidade, encontros de gestores culturais, dentre outras atividades.

 

Serviço

XXII Encontro Mestres do Mundo

Data: de 21 a 24 de novembro de 2018

Local: Aquiraz (CE)

Horário: De 9h às 00h

CAMILO SOBREIRA DE SANTANA
Governador do Estado do Ceará

MARIA IZOLDA CELA DE ARRUDA COELHO
Vice-governadora do Estado do Ceará

FABIANO DOS SANTOS PIÚBA
Secretário de Estado da Cultura

SUZETE NUNES
Secretária adjunta da Cultura

ANDRÉA ROCHA
Secretária executiva da Cultura
ALÊNIO CARLOS NORONHA ALENCAR
Coordenador de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural

VALÉRIA CORDEIRO
Coordenadora de Artes e Diversidade Cultural da Secult

MÁRCIA ARAÚJO
Coordenadora de Fomento e Incentivo à Cultura

ERNESTO GADELHA
Coordenador de Conhecimento e Formação

GORETH ALBUQUERQUE
Coordenadora de Políticas de Livro, Leitura e Bibliotecas

WALQUÍRIA SANTIAGO
Coordenadora Administrativa Financeiro

IVNA GIRÃO
Coordenadora de Comunicação

DALIENE FORTUNA
Coordenadora Jurídica

ANDRÉ LOPES
Coordenador de Governança Digital