Browsing Tag

Mulher

Sicredi Ceará promove eleição para novas coordenações do Comitê Mulher

A instituição financeira cooperativa Sicredi Ceará promoveu, no mês de março, eleições para novas coordenações do Comitê Mulher, comissão formada por associadas da cooperativa que tem como objetivo central estimular o protagonismo feminino na instituição e na sociedade. O pleito indicou uma coordenação e três vices-coordenadoras. A homologação do resultado e a comemoração de três anos do comitê estão previstas para o dia 07 de abril, em evento online.

“Hoje, o nosso foco, além de eleger as novas coordenações, é trazer novas membras para o Comitê. Queremos cada vez mais nos unir em prol do fortalecimento feminino, seja ele dentro da cooperativa ou fora”, explica Karine Sobral, porta-voz do Comitê e delegada na Sicredi Ceará.

Neste ano, o Comitê completa três anos de atuação em projetos sociais, educacionais, profissionais e de formação de lideranças, e passa por uma reestruturação de seu programa. Também em 2021 é iniciada a formação em cooperativismo, liderança e empreendedorismo, composta por quatro módulos.

“Nos orgulhamos em ter um comitê formado por mulheres que incentivam o crescimento de outras mulheres, além de contribuir diretamente com ações que impactam no bem-estar da sociedade, como foi a doação de máscaras para pessoas em situação de vulnerabilidade, o apoio a campanha Outubro Rosa e a liderança no evento Mulheres Coop – conectando lideranças. O Comitê conta com todo apoio e incentivo da cooperativa”, comenta Marcos Aragão, Diretor Executivo da Sicredi Ceará.

Puderam participar do processo eleitoral exclusivamente mulheres que compõem o Comitê. O mandato voluntário é de quatro anos.

Homenagem
Para celebrar o Mês da Mulher, painéis de mulheres inspiradoras no âmbito mundial, nacional e local, foram colocados nas redes sociais da cooperativa @sicrediceara, assim como conteúdo sobre empoderamento feminino e as ações realizadas pelo Comitê Mulher que ressaltam o impacto positivo da sua atuação na cooperativa.

Público feminino lidera acesso ao microcrédito urbano do Banco do Nordeste

A redução do consumo das famílias e as medidas restritivas resultadas da pandemia de covid-19 foram alguns desafios enfrentados por microempreendedores em 2020. No contexto, a oferta de microcrédito foi essencial para manter pequenos negócios, gerar renda e manter empregos no país. Segundo levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), do Banco do Nordeste, o protagonismo no microcrédito urbano, mesmo no cenário atípico, ficou com as mulheres, que registraram R$ 7,8 bilhões em crédito com o Crediamigo em 2020, correspondente a 2,9 milhões de operações.
O Crediamigo superou a marca de R$ 12,1 bilhões aplicados no ano passado, o maior valor aplicado na história do programa, em mais de 4,4 milhões de operações. O público feminino possui representatividade que chega a 65% no programa, o que denota a marcante presença de mulheres nas atividades financiadas pelo Crediamigo.Para a superintendente de Microfinança e Agricultura Familiar do BNB, Lúcia de Fátima Barbosa, “o protagonismo feminino no Crediamigo configura um reflexo do papel de liderança que a mulher exerce em meio ao público-alvo do programa, caracterizado essencialmente pela informalidade dos micronegócios”.

Com objetivo de contribuir no desenvolvimento socioeconômico, o Crediamigo Banco do Nordeste, maior programa de microcrédito produtivo e orientado da América do Sul, atua com suporte financeiro a empreendedores individuais e grupos solidários. As atividades contam com crédito para investimento e capital de giro voltado para compra de mercadorias e reposição de estoques. Na vertente do desenvolvimento, o programa destaca-se ainda pela bancarização do seu público que, muitas vezes ausente do sistema bancário, passa a ter acesso a produtos e serviços financeiros.

Ainda segundo o Etene, dados apontam que o público mais jovem, com idade entre 18 e 24 anos, recebeu o montante de R$ 832,8 milhões, em 448 mil operações no Crediamigo. A faixa etária é um dos fatores observados na análise do Escritório, tendo em vista o suporte ao público que enfrenta maior dificuldade no acesso ao crédito.

Comércio
Em 2020, a exemplo dos anos anteriores, o comércio continuou na liderança como setor que mais aportou recursos do Crediamigo, com cerca de R$ 10,7 bilhões, o equivalente a 3,8 milhões de operações. Desse montante, o público feminino contratou R$ 7,2 bilhões em 2,7 milhões de operações. O suporte financeiro foi necessário para manutenção dos pequenos negócios, com oferta de crédito para reposição e armazenamento de produtos no período de calamidade pública.

Indústria
Já a indústria, de acordo com o Etene foram registrados R$ 155 milhões em empréstimos, o correspondente a 56 mil operações. Aqui, mais uma vez o público feminino forma maioria, com contratações que ultrapassam os R$ 95 milhões, em mais de 37 mil operações.

Serviços
Os microempreendedores com atuação na área de serviços contrataram R$ 1,1 bilhão em 2020, em 492 mil operações do Crediamigo. O público masculino recebeu R$ 691,5 milhões em 284 mil operações no período. As atividades com mulheres à frente no setor aportaram R$ 484,1 milhões em 208 mil operações.

Dia Internacional da Mulher: Aprendiz Agronegócio do CIEE atrai força feminina para atuação no campo

 

Lançado pelo Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE em 2019, o arco de aprendizagem no Agronegócio tem demonstrado uma tendência de maior interesse das mulheres na área. Isso porque, do seu total de contratos, 35% correspondem a aprendizes do sexo feminino.

O índice do CIEE reflete uma realidade no setor. De acordo com o levantamento que antecipa o Censo Rural do IBGE a participação de mulheres na administração de propriedades rurais no Brasil passou de 10%, em 2013, para 30% no ano passado. Quando não são as principais responsáveis pelas propriedades, elas atuam como administradoras, dividem as atividades com um familiar ou estão sendo preparadas para assumir essas funções. O levantamento foi feito ao longo de 2017, com 2.090 agricultores e 717 pecuaristas de 15 estados e deve ficar pronto este ano.

Já de acordo com o levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Esalq-USP), o total de mulheres trabalhando no agro aumentou 8,3% de 2004 a 2015, com a participação feminina no agronegócio passando de 24,1% para 28%.

Sobre o Aprendiz Agronegócio

Os programas do CIEE voltados para o setor do agronegócio são três: Arco do Agronegócio, Mecanização Agrícola e Indústria da Carne. Com atividades práticas que vão ao encontro dos anseios das principais cadeias produtivas, os jovens aprendizes são envolvidos em todas as etapas do processo com a devida supervisão dos gestores diretos, estando aptos a realizarem as funções de forma plena ao final da capacitação. Destaque para a tecnologia presente no ramo, a chamada Agricultura 4.0, e a importância de se ter jovens em atuação – uma geração que, além de oxigenar a força de trabalho, adere facilmente a inovações.

CIEE 56 anos – Transformando vidas, construindo futuros

Desde sua fundação, há 56 anos, o CIEE se dedica à capacitação profissional de estudantes por meio de programas de estágio. Em 2003, abriu uma nova frente socioassistencial com a aprendizagem. Atualmente, administra o estágio de mais de  200 mil estudantes e a aprendizagem de mais de 100 mil adolescentes e jovens. Em paralelo, mantém uma série de ações socioassistenciais voltada à promoção do conhecimento e fortalecimento de vínculos de populações prioritárias.

Acompanhe o CIEE pelas mídias sociais:

Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Linkedin | www.ciee.org.br

Outubro Rosa: uma em cada 12 mulheres receberá o diagnóstico de câncer de mama ao longo da vida

LUIZA BRUNET


 Mamografia a partir dos 40 anos é essencial para o diagnóstico precoce; Controle de peso, alimentação balanceada e exames periódicos de rotina são aliados na luta contra a doença, que atinge cerca de 60 mil novas mulheres todos os anos

Levantamento realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelou que o Brasil somará cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019,  número que corresponde a 28% de todos os diagnósticos da doença registrados no país – o que faz dele o tumor mais incidente entre as mulheres depois do câncer de pele-não melanoma.

Mundialmente os dados também são alarmantes: o câncer de mama afeta 2,1 milhões de pessoas por ano e é o quinto que mais mata, de acordo com o Globocan 2018, um estudo da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer.

Neste sentido, um dos principais mecanismos de controle e identificação da doença ainda é a mamografia que, de acordo com o INCA, deve ser feita por todas as mulheres com mais de 40 anos. Todavia, é justamente na adesão a este exame de imagem que está um dos entraves para vencer a doença.

A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 (PNS),  a mais recente disponível no Brasil, aponta que 3,8 milhões de mulheres de 50 a 69 anos nunca realizaram mamografia, o que corresponde a 18,4% da população feminina nessa faixa etária. O maior índice entre as grandes regiões fica no Norte (37,8%), contra 11,9% do Sudeste, que tem a menor taxa.

“O primeiro e principal passo para combatermos a doença é o conhecimento. Temos que maximizar a exposição das informações para que cada vez mais mulheres e população em geral estejam conscientes da necessidade de realização da mamografia”, afirma Bruno Ferrari, oncologista e Presidente do Conselho de Administração do Grupo Oncoclínicas.

A opinião do médico é endossada por um levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) que aponta para uma realidade diretamente relacionada à evolução nos índices de  envelhecimento da população: uma em cada 12 mulheres receberá o diagnóstico de um tumor nas mamas até os 90 anos de idade. E a importância das medidas voltadas à conscientização sobre o este tipo câncer ainda é justificada por mais um dado: as chances de cura chegam a 95% dos casos quando o tumor é detectado no início.

Por isso Ferrari é taxativo, o diagnóstico precoce é fundamental para as chances de recuperação dos pacientes. Ele lembra ainda que mulheres com histórico de câncer na família, ou seja, cujas mães, avós ou irmãs tiveram câncer de mama, devem iniciar o rastreio por mamografia mais cedo, aos 35 anos.

“Cerca de 10% dos casos de câncer de mama estão associados a fatores genéticos hereditários, ou seja, transmitidos de pais para filhos. Nessas situações, o controle preventivo deve ser iniciado antes mesmo dos 40 anos por conta do risco aumentado”, explica.

*Incentivo a mudanças simples nos hábitos de vida*

Além de realizar exames preventivos com frequência, cultivar uma rotina saudável, de acordo com Ferrari, é a chave para reduzir as taxas de câncer de mama. Parar de fumar, buscar uma alimentação saudável e manter uma rotina de exercícios para ficar em forma estão, em geral, associados à vaidade e a beleza. A boa notícia é que essas e outras atitudes exercem também papel fundamental na prevenção do câncer de mama.

“A prática regular de exercícios físicos e adoção de uma dieta alimentar balanceada são essenciais tanto para reduzir as chances de incidência do câncer de mama quanto para reduzir os riscos de recidiva da doença”, avisa.

Segundo o oncologista, obesidade, sedentarismo e tabagismo estão entre os fatores evitáveis que podem contribuir para o surgimento da doença.

E ele não está sozinho. Uma pesquisa publicada na revista Nature e que contou com a colaboração do Ministério da Saúde revela que uma em cada dez mortes em decorrência de câncer de mama no Brasil – cerca de 12% – poderia ter sido evitada com a prática de atividade física regular. De acordo com a pasta, os números mostram que, em 2015, 2.075 mortes poderiam ter sido evitadas se as pacientes realizassem pelo menos uma caminhada de 30 minutos ao dia cinco vezes por semana.

Um outro estudo da Sociedade Norueguesa de Câncer, realizado com 102.098 mulheres na Noruega e na Suécia durante dez anos, descobriu que, em comparação com os não fumantes, aquelas que fumaram 10 ou mais cigarros por dia durante 20 ou mais anos tinham um três vezes mais risco de desenvolver câncer de mama invasivo. Meninas que começavam a fumar antes dos 15 anos tinham quase 50% mais chances de ter o tumor.

A importância desse tipo de atitude não fica apenas na prevenção, alerta o médico. “Uma série de pesquisas científicas como essas sugerem que indivíduos que praticam atividade física e seguem uma dieta equilibrada têm melhores respostas ao tratamento e, portanto, apresentam taxa de sobrevivência maior ao câncer cinco anos após o diagnóstico”, destaca Bruno Ferrari.

*Oncoclínicas e SBM unidos no combate ao câncer de mama*

O Instituto Oncoclínicas – iniciativa do corpo clínico do Grupo Oncoclínicas para promoção à saúde, educação médica continuada e pesquisa -, em parceria com a SBM, lança no mês de Outubro uma campanha de conscientização protagonizada pela modelo Luiza Brunet. Com o mote “Seja a melhor pessoa para você”, a ação tem por objetivo transmitir às mulheres uma mensagem de alerta sobre os cuidados com a saúde, em especial para que não deixem de realizar a mamografia todos os anos a partir da idade recomendada.

Para saber mais, acesse www.grupooncoclinicas e acompanhe as páginas oficiais nas redes sociais.

Conheça as homenageadas na 5ª edição do Prêmio RioMar Mulher

 
No próximo dia 20 de março, o Prêmio RioMar Mulher homenageia dez grandes mulheres em distintas categorias pelas relevantes atuações que exercem no Estado do Ceará. A 5ª edição contemplará este ano: Maria Vital da Rocha (Justiça e Cidadania); Rossicléa (Arte e Cultura); Islane Verçosa (Saúde); Ana Maria Studart (Trabalho Social); Guaraciara Barros Leal (Educação); Adísia Sá (Comunicação); Denise Sahd (Moda); Consuelo Dias Branco (Homenagem Especial); Ana Lúcia Bastos Mota (Economia e Negócios); e Patrícia Saboya (Política e Gestão Pública).
Com homenagens, exibição de vídeos da trajetória de cada reconhecida, exposição fotográfica e coquetel, o evento, realizado anualmente pelo Grupo JCPM e pelo RioMar Fortaleza, será no Teatro do shopping, a partir das 19h, com a presença de convidados. Na ocasião, todas as homenageadas serão agraciadas com um troféu entregue pelo presidente do Grupo JCPM, João Carlos Paes Mendonça, e por sua esposa, Auxiliadora Paes Mendonça.
Após o lançamento da Exposição Fotográfica Prêmio RioMar Mulher, o público poderá visitar o espaço para conhecer um pouco mais da história de cada homenageada. A visita à exposição será de 21 de março a 04 de abril, no Piso L2 próximo à Zara do RioMar Fortaleza.

Sobre o Prêmio RioMar Mulher
O Prêmio começou a ser realizado na cidade de Fortaleza no ano de 2015. Ao longo dessas quatro edições já realizadas, 41 importantes mulheres foram contempladas. O Grupo JCPM, acionista de 12 shoppings com atuação majoritária no Nordeste, promove também no Recife, desde 2001, no shopping Tacaruna, um evento em reconhecimento às mulheres da cidade.

Homenageadas na 5ª Edição do Prêmio RioMar Mulher

Maria Vital da Rocha – Categoria Justiça e Cidadania

Rossicléa (Valéria Vitoriano) – Categoria Arte e Cultura

Islane Verçosa – Categoria Saúde

Ana Maria Studart – Categoria Trabalho Social

Guaraciara Barros Leal – Categoria Educação

Adísia Sá – Categoria Comunicação

Denise Sahd – Categoria Moda

Consuelo Dias Branco – Categoria Homenagem Especial

Ana Lúcia Bastos Mota – Categoria Economia e Negócios

Patrícia Saboya – Categoria Política e Gestão Pública

 
Serviço:
5ª edição do Prêmio RioMar Mulher
Data: 20 de março
Horário: 19h
Local: Teatro RioMar Fortaleza – Piso L3 (Av. Desembargador Lauro Nogueira, 1500 – Papicu)
Evento para convidados

Sindjorce realiza debate sobre violência de gênero e Lei do Feminicídio

 

No Brasil, dados oficiais apontam que 500 mulheres são agredidas por hora. Uma mulher é morta a cada duas horas, e cerca de 164 estupros ocorrem diariamente. Os números assustam, e podem ser muito maiores, já que grande parte dos casos ainda não é denunciado ou relatado pelas vítimas.

Diante deste cenário, em alusão ao 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, o Sindicato de Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce) e a Comissão das Mulheres Jornalistas da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) realizam roda de conversa com o tema “O aumento da violência de gênero e a Lei do Feminicídio”. O evento será no sábado, 9 de março, a partir das 9h, na sede do Sindicato (Rua Joaquim Sá, 545, Dionísio Torres).

A atividade integra o Dia Internacional de Luta das Mulheres, com atos espalhados pelo Brasil e pelo mundo. O objetivo do encontro é proporcionar à sociedade o aprofundamento do debate sobre o aumento da violência de gênero, mesmo após a sanção da Lei do Feminicídio pela presidenta Dilma Rousseff, em 2015, e que agora se encontra em pleo ataque ante a postura do atual governo brasileiro, que facilitou a posse de arma de fogo.

A roda de conversa, que acontece dentro do Projeto Mulher, Direitos e Mídia, recebe Raquel Andrade, advogada e vice-presidente da Comissão da Mulher Advogada e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/CE; Teresa Esmeraldo, professora adjunta da UECE e coordenadora do Coletivo do Gestor do Núcleo de Acolhimento Humanizado às Mulheres em Situação de Violência (NAH/UECE), além de Samira de Castro, presidenta do Sindjorce e segunda tesoureira da FENAJ. A mediação fica por conta de Germana McGregor, diretora de Administração e Finanças do Sindjorce e integrante da Comissão das Mulheres Jornalistas FENAJ.

O dia traz ainda um momento de auto-cuidado, com uma oficina de imagem pessoal, que engloba cuidados com a pele e automaquiagem, promovido pela Consultora Mary Kay, Linda Mascarenhas, além de sorteio de brindes.

 

Serviço:

Mulher, Direitos e Mídia – Roda de conversa “O aumento da violência de gênero e a Lei do Feminicídio”

Debatedoras: Samira de Castro (jornalista), Raquel Andrade (advogada) e Teresa Esmeraldo (professora)

Mediação: Germana McGregor

Data: 9 de março

Horário: às 09h

Local: Sindjorce – Rua Joaquim Sá, 545 – Dionísio torres.

Brindes e oficina de automaquiagem da Mary Kay

Seguro de vida protege a mulher em caso de câncer de mama

 

O Outubro Rosa visa conscientizar a sociedade sobre a realidade do câncer de mama e reforçar a importância do seu diagnóstico precoce. Segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer, de todos os casos diagnosticados no Brasil, 28% são de câncer de mama. Sendo assim, é fundamental conhecer as opções de seguros que fornecem cobertura para a doença e todo o suporte necessário durante o período do tratamento.

Pensando nas estatísticas de incidência de determinadas doenças, como o câncer de mama, a Porto Seguro criou o Vida Mais Mulher, um seguro de vida que tem como objetivo principal auxiliar financeiramente as mulheres durante o tratamento.

Os benefícios começam desde a suspeita da doença, quando já é possível contar com o encaminhamento dos exames para uma segunda opinião médica. Assim que a doença é constatada pelo médico, a segurada recebe em dinheiro 50% do valor contratado para a cobertura básica. Com esse dinheiro, ela pode pagar uma cuidadora, alimentação diferenciada, remédios ou fazer o que preferir. Caso venha a falecer, seus beneficiários receberão o valor integral contratado.

Este seguro inclui assistência residencial emergencial e descontos em uma ampla rede de parceiros como academias, spas, clínicas de estética, teatro, entre outros. Além disso, a segurada também concorre a sorteios mensais no valor de R$ 12 mil (valor bruto) pela Loteria Federal.

Fazem parte do Seguro de Vida Mais Mulher as coberturas básicas como morte, que garante 100% do capital segurado aos beneficiários, indenização por invalidez total ou parcial por acidente e assistência funeral individual ou familiar.

Espetáculo teatral celebra a força da mulher através da figura de Asja Lacis

 

“Asja Lacis já não me escreve” entra em temporada no próximo dia 06 de abril fazendo referência à personagem da primeira metada do século XX, a obscura atriz, diretora teatral e militante de esquerda Asja Lacis.O espetáculo será encenado às sextas-feiras pelo Grupo Terceiro Corpo. O Grupo Terceiro Corpo retoma seu segundo espetáculo, inspirado na atriz, diretora e militante de esquerda Asla Lacis, que militou a favor do proletariado e das crianças orfãs de guerra, na Rússia do início do século XX.

O escritor argentino Ricardo Piglia fala de Asja Lacis: “Em 1923, em Berlim, Brecht conhece a diretora teatral soviética Asja Lacis, e é ela que o põe em contato com as teorias e experiências da vanguarda soviética”. Com essas informações, diz a diretora Maria Vitória (Terceiro Corpo), veio o desejo de conhecer mais a biografia e a força dessa mulher. Ricardo Piglia afirma ainda que: “por intermédio de Asja Lacis, Brecht conhece a teoria da ostranenie, elaborada pelos formalistas russos e por ele traduzida como efeito de estranhamento. É notável o deslocamento operado por Brecht para mostrar a origem russa de sua teoria do distanciamento.”

O espetáculo “Asja Lacis já não me escreve” representa a consolidação e o compartilhamento de uma pesquisa que se desenvolve há três anos, movida pela busca de um teatro comprometido com a voz das mulheres e com as questões de nosso tempo, um teatro no qual a encenação é o resultado de laboratórios de investigação e de criação.

A peça participou do Laboratório de Pesquisa Teatral do Porto Iracema da Artes em 2015, com a consultoria dramatúrgica de Vadin Nikitin e a interlocução artística de Hector Briones. A transcrição dramatúrgica e a direção ficam a cargo de Maria Vitória e no elenco Juliana Carvalho, Marcos Paulo e Nádia Fabrici.

 

Grupo Terceiro Corpo – Trajetória de pesquisa

O Grupo Terceiro Corpo, formado por Jéssica Teixeira, Juliana Carvalho, Marcos Paulo, Maria Vitória, Nádia Fabrici e Sara Síntique, surgiu de uma vontade latente de pesquisar o trabalho do ator. Desde fevereiro do ano de 2014, o Grupo Terceiro Corpo se reúne sistematicamente e vem dando vida aos laboratórios de criação em torno do trabalho do ator a partir da premissa do Solo-coletivo.

A primeira peça escolhida para montagem, Tudo ao Mesmo Tempo Agora, escrita por Maria Vitória, foi agraciado pelo Prêmio de Dramaturgias Femininas e foi a base para o primeiro laboratório de ator desenvolvido pelo Grupo Terceiro Corpo.

A ideia do Solo-coletivo trabalha com o conceito de personagem partilhada, na qual temos apenas uma personagem em cena e mais de um ator para representá-la. A nova empreitada do grupo gira em torno da figura de Asja Lacis. A obscura atriz, diretora teatral e militante de esquerda da primeira metade do século XX, Asja Lacis.

 

Paixão

Pelo que consta em algumas citações do escritor argentino Ricardo Piglia, Asja foi atriz e diretora de teatro que influenciou de forma significativa o meio teatral, em especial, o alemão Bertolt Brecht. Asja Lacis foi também colaboradora de Meyerhold e de Eisenstein, próxima do grupo de Maiakóvski.

Asja é uma grande paixão de Walter Benjamin, e por intermédio dela Brecht e Benjamin se conhecem. Em fim dos anos 30, Asja Lacis desaparece num campo de concentração stalinista. “Asja Lacis já não me escreve”, registra Brecht em seu diário de janeiro de 1939.

Sinopse – Asja Lacis já não me escreve

Asja Lacis foi uma revolucionária, atriz e diretora de teatro russa. Mulher de muitas faces e à frente do seu tempo, Asja trabalhou teatro com operários e com crianças órfãs de guerra. Por intermédio dela, Walter Benjamin e Brecht se conheceram. Em fim dos anos 30, Asja Lacis desaparece num campo de concentração stalinista e Brecht registra em seu diário de janeiro de 1939: “Asja Lacis já não me escreve”. A peça traz às luzes da ribalta a vida dessa mulher que foi eclipsada pela história do teatro Ocidental.

Ficha técnica
Direção e transcriação dramatúrgica: Maria Vitória.
Elenco: Juliana Carvalho, Marcos Paulo e Nádia Fabrici.
Figurino: Maria Vitória

Iluminação: Maria Vitória e Rami Freitas
Realização: Grupo Terceiro Corpo

Serviço
Local: Teatro Dragão do Mar.
Datas/horários: 06, 13 e 20 de abril (sextas-feiras), às 20h.
Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia).
“Projeto apoiado pelo Porto Iracema das Artes – Escola de Formação e Criação do Ceará”

Mulheres serão homenageadas nesta quarta-feira (28) no North Shopping Sobral

 

O North Shopping Sobral realiza nesta quarta-feira, 28, a entrega do troféu Mulheres em Destaque 2018. Já consolidada em Sobral, a premiação chega à sua quarta edição homenageando dez personalidades femininas da cidade. A homenagem é destinada às mulheres que são destaque em suas áreas de atuação e que contribuem ou contribuíram para o desenvolvimento da cidade de Sobral.

A cerimônia, que acontece às 19h no Complexo Multicine Cinemas do North Shopping Sobral, contará com a presença do ator Marcos Frota, que é o padrinho desta edição da premiação.

Além das dez homenageadas por área de atuação, nesta edição o North Shopping Sobral homenageará, in memoriam, uma mulher que marcou a história de Sobral com sua trajetória de vida. Dinorah Tomaz Ramos, a primeira mulher eleita vereadora no Ceará Estado do Ceará, receberá a homenagem com o troféu Eterno Destaque

As mulheres serão homenageadas também com uma exposição fotográfica que ficará disponível para visitação até o dia 15 de abril no North Shopping Sobral.

 

Conheça as homenageadas:

CLASSES LIBERAIS
EMILLY MONTE (Administradora do portal Arretado.com)

EDUCAÇÃO
ANA EMÍLIA DIAS (Diretora da EEEP Lysia Pimentel Gomes Sampaio Sales)

SAÚDE
MÔNICA LIMA (Coordenadora da 11º Coordenadoria Regional de Saúde)

ARTES E CULTURA
LIDUÍNA MARQUES ( Coordenadora do Atelier de arte e cultura do Colégio Luciano Feijão e diretora e coreógrafa do Grupo Karavana Kids e Ballet Kyara)

POLÍTICA
LIA FERREIRA GOMES (Coordenadora de Participação Social da Prefeitura Municipal de Fortaleza)

FILANTROPIA
IRMÃ MARIA IVONE (Presidente do Instituto Beneficente Casa Belém)

COMUNICAÇÃO
MARISTELA GLÁUCIA (Repórter da TV Diário)

COMERCIO E EMPREENDEDORISMO
EVELINE DIAS (Empresária na Evelin Lingerie)

LOJISTA
MARIA ARLEIDE LUSTOSA (Empresária da Loja Bioflora)

ESPORTE
MARIA EDITE (Administradora do Centro Esportivo Tia Edite)

TROFÉU ETERNO DESTAQUE
DINORAH TOMAZ RAMOS (Primeira vereadora do Ceará)

O perfil completo das homenageadas está em nosso site: www.northshoppingsobral.com.br

UNINABUCO oferece sessão de cinema especial para mulheres

 

 

A Faculdade UNINABUCO Fortaleza, em parceria com a Comissão de Direitos Humanos do Conselho Regional de Psicologia 11ª Região, realiza no dia 24 de março, às 9h, uma sessão de cinema especial para as mulheres. A ação é alusiva ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, e vai debater “Direitos Sexuais e Reprodutivo de Mulheres”.

A programação traz como debatedora a psicóloga Gabriela Freitas da Silva e faz parte do Cine Direitos Humanos, que, na ocasião, vai reproduzir o filme “Preciosa – Uma História de Esperança” e é voltada tanto para os estudantes quanto para a comunidade interessada na temática. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do link: http://sereduc.com/3xB5UJ .

De acordo com o diretor da unidade, Antônio Vasques, promover eventos engajados no empoderamento feminino faz parte da política de Responsabilidade Social da UNINABUCO. “Ações como essa fortalecem o nosso compromisso social com a comunidade em que estamos inseridos. O papel da mulher nos âmbitos pessoal e profissional devem ser respeitados com integridade tanto em suas casas, como nos ambientes de trabalho e nas rodas sociais”, aponta.

A exibição será no auditório da Faculdade UNINABUCO, localizado na Rua Major Facundo, 403 (4º andar), Centro, Fortaleza – CE. Gabriela Freitas é especialista em saúde do trabalhador pela UFRGS; Articuladora do eixo de enfrentamento à violência contra as mulheres da Coordenadoria especial de políticas públicas para as mulheres – gabinete do governador; e Membro da direção executiva estadual da união brasileira de mulheres (UBM) do Ceará.

“Devi: Mulher em Cena”, de 21 a 25/03, na CAIXA Cultural Fortaleza

 


A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 21 a 25 de março de 2018, a mostra Devi: Mulher em Cena, que faz um recorte na mais extensa cinematografia mundial, a indiana, focando a mulher como a grande protagonista. Serão exibidos 10(dez) filmes, que tratam do papel da mulher na Índia, revelando as diferentes facetas dentro de uma sociedade complexa e diversa, que caminha entre tradições milenares e estilo de vida moderno e global.

A curadora Carina Bini priorizou ainda obras dirigidas por mulheres e que foram realizadas nas últimas três décadas, alcançando produções de diversas regiões do país e privilegiando o cinema autoral.

Retratando uma tradição milenar de culto ao feminino, mas que atualmente vem enfrentando contradições ao expor ações de misoginia, os filmes da mostra apresentam uma provocante reflexão sobre qual a condição da mulher no século XXI. Entre os destaques da programação estão Uma mulher e dois homens (2008), de Adoor Gopalakrishnan, um dos mestres do cinema indiano autoral, como também o recente filme de Bollywood, Pink (2016), de Aniruddha Roy Chouwdhury, estrelado pelo ícone do cinema indiano Amithab Bachchan, que trata com profundidade a questão da mulher na sociedade indiana. A primeira cena do filme foi realizada no Dia Internacional da Mulher, em 2016.

Ainda na mostra, o consagrado filme Água, da diretora Deepa Metha, reconhecida internacionalmente; o premiado Dharma, primeiro filme da jornalista Bavana Talwar, que aborda a questão religiosa na Índia; Margarita e o Canudo, de Shonali Bose, cinema contemporâneo de grande sucesso internacional, exibido no Festival de Cannes, e que aborda com lirismo da questão da acessibilidade, diversidade de gênero e inclusão social. O poético Assim Seja, do casal de diretores Sunil Sukhtankar e Sumitra Bhave, também é um forte representante do cinema autoral de Marathi, uma das indústrias que mais tem estimulado as produções independentes do país.

“Selecionei filmes com temas que passeiam por questões pertinentes ao universo feminino e seus desafios atuais. A Índia é um país que apresenta uma estrutura social complexa, que tenta alinhar padrões tradicionais e modernos, tornando-se uma nação curiosa e que tem sido fonte de estudos e reflexões”, comenta a curadora Carina Bini. “O cinema é um forte elemento que compõe esse espectro social e cultural. Os indianos consomem seu próprio cinema, que traz suas histórias, desejos e aflições para as telas de milhares de salas do país, e as produções acabam construindo um imaginário de forte influência para a sociedade”, complementa.

Carina apresentará também a sua própria visão da sociedade indiana no filme India, my Love story (2016), que será exibido junto com “Devoto” (2010), de Marina Gante, em uma sessão de obras de cineastas brasileiras realizadas na Índia.

Atividades especiais

A mostra ainda inclui atividades ao longo dos cinco dias de exibições. Na quarta-feira (21/03), dia da abertura, às 19h, haverá uma apresentação de dança indiana Bharatanatyam, que é um estilo do sul da Índia, apresentado por Erëndira Oliveira, dançarina da escola Natyalaya, de São Paulo, pioneira em dança clássica da Índia no Brasil, que acontece no foyer do cinema.

A CAIXA Cultural Fortaleza será palco também de mais duas atividades gratuitas: no dia 22/03 (quinta-feira), às 14h, tem sessão especial para uma turma de alunos da rede pública de ensino da cidade e no dia 23/03, às 15h, o público com deficiência auditiva poderá assistir a uma sessão de cinema especial com legendagem LSE. Já no sábado, dia 24/03, às 19h, a programação conta com debate, cuja entrada também é gratuita, com a curadora da mostra, Carina Bini, e convidados, que falarão sobre o tema: “O olhar da mulher no cinema e sociedade do século XXI”.

Outras informações, fotos e sinopses dos filmes exibidos também podem ser acessadas na página da mostra no Facebook: www.facebook.com/mostracinemaindiano. A classificação indicativa dos filmes e a programação também estão disponíveis no site www.caixacultural.gov.br

Serviço:

Cinema: Mostra Devi: Mulher em Cena

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: de 21 a 25 de março de 2018

Horários: Consultar a programação

Ingressos: Abertura gratuita. Demais sessões: R$2,00 (meia) e R$ 4,00 (inteira).

Vendas com 1h de antecedência na bilheteria do local, sujeito à lotação do teatro

Lotação: 160 lugares (4 lugares para cadeirantes)

Classificação Indicativa: Consultar programação e no site www.caixacultural.gov.br

Acesso para pessoas com deficiência

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

Partido Novo estimula a participação das mulheres na política

No Brasil, a participação da mulher na política ainda é tímida. De acordo com números fornecidos pela Inter-Parliamentary Union – uma associação dos legislativos nacionais de todo o mundo – no Brasil, pouco mais de 10% dos deputados federais são mulheres. O país está em 154º lugar entre 193 países do ranking elaborado pela associação.

O Partido Novo, que completa dois anos, traz no seu estatuto uma inovação: A escolha de pré-candidatos através do processo seletivo. O objetivo é selecionar pessoas comprometidas com os valores e ideais do NOVO e dispostas a trabalhar por um Brasil melhor, onde haja menos impostos e melhores serviços à população. Para fazer parte desse processo, é necessário filiar-se à agremiação. Por isso, o Novo está conclamando que mais mulheres se filiem e participem ativamente da política.

“Apesar de existir a lei que estabelece que cada partido ou coligação deve reservar pelo menos 30% de suas vagas para as candidaturas de mulheres, o Novo quer a participação feminina essencialmente por acreditar que elas têm muito a contribuir nesse momento delicado em que o país precisa ouvir todas as vozes”, explica Marcelo Medeiros, filiado ao Novo.

Para se filiar e participar do processo seletivo para concorrer a uma vaga no parlamento, basta acessar o site www.novo.org.br. O partido conclama todos, homens e mulheres a unir-se aos ideais do Novo. As inscrições do certame encerram dia 15 de outubro.

“O Partido Novo é o mais jovem do Brasil, só participamos das eleições de 2016, mas já conseguimos eleger 4 vereadores, dentre eles uma mulher, a Janaina Lima, em São Paulo. Queremos aumentar esses números e representatividade em 2018”, lembra Sérgio Gonçalves, também filiado ao Partido Novo.

Grupo JCPM e Shopping RioMar Fortaleza realizam terceira edição do Prêmio “RioMar Mulher”

Dez mulheres que se destacam em suas áreas de atuação no Ceará receberão o Prêmio RioMar Mulher no próximo dia 12 de abril, a partir das 19h, no Teatro RioMar Fortaleza.

O evento, realizado pelo Grupo JCPM e pelo RioMar Fortaleza, chega à sua terceira edição e reconhece mulheres do Ceará que contribuem de forma significativa em suas áreas de atuação e na consequente valorização do Estado.

As homenageadas serão agraciadas com um troféu entregue pelo presidente do Grupo JCPM, João Carlos Paes Mendonça. Além da premiação, a noite contará com um coquetel e a abertura da Exposição Fotográfica Prêmio RioMar Mulher, que ficará no Piso L1 do shopping para visitação até o dia 30 de abril.

Nas duas edições anteriores, 20 mulheres já foram agraciadas com a comenda. Além de Fortaleza, o Grupo JCPM, acionista de outros 13 shoppings com atuação majoritariamente no Nordeste, promove no Recife desde 2001, no shopping Tacaruna, um Prêmio também em reconhecimento às mulheres.

Em breve, a lista a lista com todas as agraciadas em 2017 será divulgada.

Homenageadas das edições anteriores:

1ª Edição do Prêmio RioMar Mulher em 2015

Andréa Maria Alves Coelho – Categoria Justiça e Cidadania

Cláudia Leitão – Categoria Arte e Cultura

Glaura Férrer – Categoria Medicina e Saúde

Maria da Penha – Categoria Trabalho Social

Ignez Fiúza – Categoria Arquitetura e Design

Izolda Cela – Categoria Educação

Luciana Dummar – Categoria Comunicação

Liana Thomaz – Categoria Moda

Solange Almeida – Categoria Música e Entretenimento

Ticiana Rolim – Categoria Economia e Negócios

 

2ª Edição do Prêmio RioMar Mulher em 2016

Mariana Lobo – Categoria Justiça e Cidadania

Rosiane Limaverde – Categoria Arte e Cultura

Lúcia Alcântara – Categoria Medicina e Saúde

Olga Espíndola – Categoria Trabalho Social

Maria José Lopes – Categoria Arquitetura e Design

Amália Simonetti – Categoria Educação

Samantha Marques – Categoria Comunicação

Almerinda Maria – Categoria Moda

Nicolle Barbosa – Categoria Política e Gestão Pública

Tane Albuquerque – Categoria Economia e Negócios

 

Serviço

III Prêmio RioMar Mulher

Data: 12 de abril de 2017

Horário: 19h

Local: Teatro RioMar Fortaleza (Av. Desembargador Lauro Nogueira, 1500 – Papicu)

Evento para convidados