Browsing Tag

Instituto Dragão do Mar

Instituto Dragão do Mar lança estudo sobre jovem fortalezense da periferia

No dia 30 de abril, próxima terça-feira, o Instituto Dragão do Mar (IDM) lança publicação sobre a população jovem da periferia de Fortaleza: “Eles dizem não ao não – Um estudo sobre a geração N”. Publicada pela Editora Dragão do Mar, a pesquisa foi encomendada pelo IDM ao Laboratório das Artes e das Juventudes (Lajus) da Universidade Federal do Ceará (UFC), feita em parceria com o Instituto OCA,  e apresenta panorama inédito sobre as motivações da juventude que nem trabalha, nem estuda, nem está procurando emprego, na capital cearense.

Realizado como parte da programação de 20 anos do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), o lançamento do estudo será no dia 30 de abril, às 18h, no Auditório do Dragão, e terá mesa com participação da socióloga e pesquisadora Glória Diógenes, organizadora da pesquisa e coordenadora do Lajus; do presidente do IDM, Paulo Linhares; e do secretário-chefe da Casa Civil, Élcio Batista. O acesso é gratuito.

“Esta pesquisa mapeou o conjunto de elementos materiais, sociais e culturais que determinam, em grande medida, o comportamento, os desejos e anseios de um contingente de quase 700 mil jovens considerados “nem-nem” e “nem-nem-nem” no Estado do Ceará”, explica Paulo Linhares. Segundo ele, a geração N é formada por jovens nascidos entre 1990 e 2002, oriundos de famílias de baixa renda, residentes na sua maioria na periferia das grandes e médias cidades, que estão sem estudar, sem trabalhar e que, em certos casos, desistiram até mesmo de procurar empregos.

“Esse relatório vai, portanto, nos ajudar a nortear as políticas públicas dirigidas a esses jovens no Ceará, através das Escolas Criativas”, afirma Paulo. As Escolas Criativas são as instituições de formação geridas pelo Instituto Dragão do Mar sob contrato de gestão com a Secretaria da Cultura do Estado. São elas: Escola Porto Iracema das Artes, Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, Centro de Formação Artística do Centro Cultural Bom Jardim, Centro de Formação Olímpica, Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho, Theatro José de Alencar, Vila da Música e Casa de Saberes Cego Aderaldo.

Sobre os 20 anos do CDMAC

O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura completa vinte anos de história no dia 28 de abril de 2019. Inaugurado oficialmente em 1999 pelo Governo do Ceará, o CDMAC tem uma trajetória de luta crescente que o alçou ao posto de um dos principais agentes articuladores do campo cultural e artístico do Ceará, tendo conquistado relevância e reconhecimento nacional pelos esforços inéditos em difusão, criação e formação em arte, com o objetivo de promover o acesso democrático aos direitos culturais. É por isso que, sob o tema “Dragão da Liberdade – 20 anos de arte e conhecimento”, o Centro Dragão do Mar será palco de uma série de ações que celebram essa trajetória. A programação, iniciada no dia 27 de abril, com show de Fausto Nilo, é uma realização do Governo do Ceará, através do Instituto Dragão do Mar. Mais informações: www.dragaodomar.org.br.

Serviço:
Lançamento da publicação “Eles dizem não ao não – Um estudo sobre a geração N”
Com Glória Diógenes (Lajus/UFC), Paulo Linhares (IDM) e Élcio Batista (Casa Civil)
Quando: dia 30 de abril de 2019 (terça-feira)
Hora: 18h
Local: Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)
Acesso gratuito
Classificação etária: Livre

XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará anuncia autores e autoras confirmados(as) e tem como tema “As Cidades e Os Livros”

 

 

“As cidades e os livros” é o grande tema da XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza, de 16 a 25 de agosto de 2019, no Centro de Eventos do Ceará. O evento, que teve lançamento nesta quarta-feira, 10, na Casa de Juvenal Galeno, é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), em parceria com o Instituto Dragão do Mar e apoio do Ministério da Cidadania, através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura.

Neste ano, a Bienal estará sob a curadoria da escritora Ana Miranda e dos escritores e professores Inês Cardoso e Carlos Vasconcelos, com a coordenação de Goreth Albuquerque, também coordenadora da política de livro, leitura, literatura e bibliotecas da Secult, que apresentaram, na ocasião, junto ao secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, as autoras e os autores confirmados para Bienal. Evento estruturante na política cultural do Estado, a Bienal do Livro irá apresentar durante os dez dias de programação atrações literárias e artísticas, englobando palestras, mesas redondas, conferências, oficinas, contações de histórias, lançamentos de livros e outros eventos literários, além de apresentações com artistas de reconhecimento local, nacional e internacional, combinando uma programação diversa e de acesso gratuito.

Além de ser um espaço para fruição artística, a Bienal será um espaço de construção de políticas do livro, leitura, literatura e bibliotecas, criando momentos para ouvir a opinião da sociedade e entidades envolvidas. O acesso ao livro e à leitura também é um pilar da política, expresso na Bienal do Livro, por meio da mobilização das secretarias da educação, estadual e municipais, e com escolas particulares, para que estudantes de todo o Estado participem do evento.

Entre público espontâneo e escolar, a Bienal do Livro registrou, nas duas mais recentes edições, uma média de 55 mil visitantes/dia, que acompanham a programação temática, com atividades para o público infantil, juvenil e adulto. A Bienal também movimenta o mercado, reunindo editores, livreiros, distribuidores e autores independentes, numa grande feira de livros.

“A Bienal Internacional do Livro do Ceará está inserida numa política de cultura, e por sua vez, uma política de livro, leitura e literatura, que chega à sua décima terceira edição. Portanto, ela está consolidada no calendário cultural brasileiro, estando entre as cinco maiores feiras de livro do Brasil. Ela tem como diferencial em relação a outros eventos do mesmo tipo a característica de se associar a uma política de cultura, de conhecimento, de fomento às cadeias criativas e produtivas do livro”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

O secretário também ressaltou o alcance do evento no Estado. “Nossa Bienal está entre as cinco maiores feiras do país. E, para além do Centro de Eventos, ela ocorre em praias, parques e praças da região metropolitana e indo da capital para o interior também”, afirmou.

“A Bienal tem que democratizar e levar a compreender o direito à leitura como um direito pleno da democracia”, destacou, por sua vez, Goreth Albuquerque.

 

As Cidades e Os Livros

“A cidade é uma escrita e também uma leitura. Podemos dizer, então, que é um livro”, assim pontua o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba, sobre o grande tema da Bienal do Livro.

Estabelecendo conexões amplas e poéticas entre as cidades e os livros, a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará já destaca em seu lançamento o equipamento histórico no Centro de Fortaleza, a Casa de Juvenal Galeno. Completando 100 anos de história como equipamento cultural, a Casa foi residência do poeta Juvenal Galeno, fundada por ele como instituição em 27 de setembro de 1919. No local, Galeno criou os seus sete filhos e viveu até morrer, aos 95 anos em 1931, deixando a casa aos cuidados de sua filha, a escritora, professora e advogada Henriqueta Galeno.

Nesse amplo conceito, pensamos as cidades como moradia, como cenário de nossos tempos, mas também como formadora de geografias pessoais, subtema da Bienal. Cada um de nós tem suas cidades, aldeias, fazendas, seus lugares de afeto, de memórias. Essa geografia pessoal se expressa fortemente na literatura. É muito citado entre escritores o pensamento de Tolstói: “Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia”.

A ideia de geografia pessoal é ampla; ela pode ser a aldeia perdida, como o retrato de Itabira que o poeta Carlos Drummond de Andrade tinha em sua parede – “mas como dói”; pode ser o mundo interior de Clarice Lispector, com uma sensação de estrangeira em todos os lugares. Pode ser o território de “Terra Sonâmbula” (1992), do escritor moçambicano Mia Couto, com seus mistérios abissais; pode ser a aldeia que nos povoa a imaginação, preludiada num dos mais belos romances da literatura brasileira, “Lavoura Arcaica” (1975), de Raduan Nassar; ou “A Casa” (1997) construída por Natércia Campos, em que gerações a habitam entre fantasmas. Estes três livros serão as obras homenageadas nesta XIII Bienal do Livro.

Uma imensa variedade de livros reconstrói as cidades, outros tantos discutem e esquadrinham seus sentidos.Vivemos um tempo em que é fundamental perceber as cidades, suas partes e seu todo; compreendê-las, para compreender os homens, as mulheres, as infâncias e o mundo contemporâneo.

 

Os curadores

“A curadora Ana Miranda, junto com a professora, Inês Cardoso, e o professor, Carlos Vasconcelos, estão trabalhando junto com outros curadores dos espaços e ambientes da Bienal, desenvolvendo uma programação muito democrática, diversa e rica para a promoção do livro, leitura e literatura brasileira, mas especialmente também a cearense”, ressalta o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba.

Ana Miranda Romancista é doutora Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará e nasceu em Fortaleza. É também poetisa, ilustradora de seus próprios livros, e uma das principais ficcionistas brasileiras, com mais de trinta livros publicados. Seu primeiro romance, Boca do Inferno (1989), foi vencedor do prêmio Jabuti de revelação e incluído no cânon dos cem maiores romances em língua portuguesa do século XX, publicado no jornal O Globo (5/9/98);

Recebeu duas vezes o prêmio da Academia Brasileira de Letras (Dias & Dias, 2003; e Musa Praguejadora, 2014); mais duas vezes o Jabuti nas categorias romance (Dias & Dias 2003) e biografia (Xica da Silva, a Cinderela Negra, 2017, segundo lugar); agraciada com o troféu Sereia de Ouro (2008); o prêmio internacional Green Prize of the Americas (pelo romance amazônico Yuxin, 2010); a comenda Ordem do Mérito Cultural, do Governo Brasileiro; a medalha Rachel de Queiroz; a medalha Bibliófilo José Mindlin, dentre outras honrarias.

Carlos Vasconcelos é doutorando em Literatura Comparada na Universidade Federal do Ceará; Mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará (2012); Graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1997). Escritor e Produtor Cultural. Professor substituto do curso de Letras na UECE. Professor da Especialização em Escrita Literária, na FBUNI.

Professor de Português/ Redação/Literatura em colégios das redes públicas e privadas e universidades. Publicou: Mundo dos Vivos (contos, 2008), vencedor dos Prêmios Osmundo Pontes de Literatura (2007) e Clóvis Rolim de Contos (2006); Os Dias Roubados (romance, 2012). Coautor em mais de 20 coletâneas literárias. Trabalhou durante dez anos no Sesc (2007-2017), como Redator, Supervisor de Literatura e Gerente de Cultura. Produziu e mediou vários projetos literários, entre eles: “Bazar das Letras” e “Autores em Contexto”, além dos seminários anuais “Revelando a Literatura Cearense”.

Inês Cardoso é graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará – UECE, com habilitação em Línguas Portuguesa e Inglesa e suas literaturas (1994), mestra em Letras pela Universidade Federal do Ceará – UFC (1998) e doutora em Letras (Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais – FFLESH, da Universidade de São Paulo – USP (2010).

É integrante do Núcleo Docente Estruturante (NDE) dos cursos de Licenciatura em Letras Espanhol (presencial) e de Licenciatura em Letras Espanhol Semipresencial, da UFC. Participou como curadora e/ou coordenadora de eventos nacionais e internacionais. Coordenou, em parceria com Cleudene Aragão e Vânia Vasconcelos, o Café Clube de leitura O Povo e coordena o Projeto de Extensão (itinerante) Leituras na Praça. Participou da Bienal Internacional do Livro do Ceará nos anos de 2004, 2006, 2012. Foi ganhadora do III Festival Universitário de Literatura Xerox-Livro Aberto. Publicou, também, Rastros de mentiras e segredos (2017). É autora de ensaios e artigos publicados em jornais, revistas e boletins especializados.

 

Espaços e programação da Bienal

Os eventos literários costumam homenagear escritores, sobretudo nas Bienais. Nesta edição da Bienal do Livro, porém, os livros serão os grandes homenageados. Essa decisão é compatível com o desejo de aprofundar a Bienal na experiência de formação do público leitor. Os livro homenageados são o internacional “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto, o nacional “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar e o cearense “A casa”, de Natércia Campos. A leitura também será protagonista da Bienal, pensando sempre em sua presença durante toda a programação.

A XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará irá promover encontros, para debater a política do livro, leitura, literatura e bibliotecas, como o IX Encontro do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas e o V Encontro de Agentes de Leitura do Ceará. Também estão programados outros encontros diversos propostos pela sociedade civil, como o IV Encontro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, o Encontro de Mediação de Leituras: Da oralidade ao livro na mão, o Encontro sobre Literatura e Gênero e o Encontro de Blogs e Revistas Literárias.

Atração já conhecida de outras edições, também está programada para acontecer a Bienal Fora da Bienal, atividade que leva ações da Bienal para outros municípios e comunidades, segundo critérios de programas de democratização do acesso ao livro e à leitura em desenvolvimento no Estado no período do evento.

Os espaços temáticos no Centro de Eventos do Ceará são outro destaque. O Café Literário é um espaço de convivência e promoção literária, realização de bate-papo com autores e público e lançamentos de livro. O Espaço Natércia Campos será organizado pela Academia Cearense de Letras, para promoção da Literatura Cearense. O Espaço Cordel reúne cordelistas, repentistas, xilogravuristas e todas as expressões da Cultura do Cordel.

O Espaço Juventude oferece programação para público jovem de qualquer idade, atendendo o pré-adolescente e o jovem adulto, com temáticas específicas. O Espaço Leitura e Infância oferece ampla programação para crianças. O Espaço do Professor é destinado a palestras e lançamentos para o segmento da educação, envolvendo a literatura e o fomento à leitura. Já o Espaço Letra de Mulher dá visibilidade à produção e ao debate sobre a mulher no campo editorial. Por fim, o Espaço de Memória, Patrimônio e Museus irá apresentar os Mestres e Mestras da Cultura do Estado, para fortalecer o campo da literatura oral dentro da Bienal.

A XIII Bienal do Livro também chega com algumas novidades, através da criação de novos espaços temáticos, descritos a seguir.

– Espaço Devaneios: Autores, artistas, músicos e intelectuais motivados pelo tema “As cidades e os livros: uma geografia pessoal” terão um espaço individualizado para livre expressão e para o deleite dos espectadores.

– Espaço Noite Poética: A arte que brota à luz dos postes de rua e na penumbra dos bares será festejada nos palcos da Bienal. Um novo horário, a que chamamos “Corujão”, às dez da noite, vai oportunizar os devaneios e os saraus literários e poéticos.

– Espaço Vez e Voz aos Novos: Espaço privilegiado não apenas para o incentivo à leitura e ao comércio de livros, mas também para apoiar novos escritores, fomentar a literatura local e promover a aproximação entre público e autores cearenses. Autores iniciantes lerão suas obras, em diálogo com escritores experientes, e com agentes literários, debatendo assuntos relativos a autoria, publicação, novas mídias etc. A programação vai oferecer conteúdos que auxiliem na profissionalização e inclusão para um mercado mais amplo.

– Espaço da Cadeia Produtiva: Representantes do mercado editorial, livreiros e autores debaterão sobre a atual situação do livro, no país, considerando a produção do livro, a distribuição, a comercialização, e o papel das políticas públicas.

– Espaço Clubes de Leitura: Um dos mais recentes e interessantes fenômenos no universo literário tem sido a proliferação dos clubes de leitura. Descobrir e redescobrir livros, debater e sugerir leituras, incorporar novidades e reinaugurar clássicos é o que promovem esses grupos que já consolidaram seu papel nos mais variados recantos da cidade ‒ livrarias, bibliotecas, escolas, universidades, residências, praças ‒ e entre todas as faixas etárias. Os clubes de leitura fortalecem o hábito do livro na mão, aquecem o mercado e colaboram significativamente para a circulação de mais títulos e autores.

– Espaço Livro Técnico: Espaço destinado à divulgação e ao debate de títulos e autores voltados para áreas específicas do conhecimento, tais como arte, engenharia, direito, administração, psicologia, agronomia, culinária, moda, design etc.

– Espaço Ponto de Leitura: Espaço reservado à leitura pública dos livros homenageados na Bienal; o internacional “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto, o nacional “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar e o cearense “A casa”, de Natércia Campos. O microfone será franqueado a qualquer visitante que deseje ler trechos de uma das obras.

 

Feira de Livros

A cada edição, a Feira da Bienal Internacional do Livro do Ceará se impõe como um grande evento, trazendo várias editoras e grandes títulos para o Ceará. É um espaço em que a dimensão econômica, ligada à cadeia produtiva do livro, se efetiva por meio da compra e da venda, com o fortalecimento econômico do setor.

Comparando com o ano de estreia, 1994, as estatísticas das mais recentes edições apontam crescimento, seja na movimentação financeira, seja no público visitante ou seja na geração de empregos diretos e indiretos. As comparações estatísticas revelam um crescimento 340% desde a sua primeira edição, 1994. Tais crescimentos confirmam de forma irrefutável a consolidação da feira da Bienal Internacional do Livro do Ceará como um evento de sucesso.

Só no espaço da feira de livros, – sem contar, portanto, com pessoal da produção para programação cultural, recepção e logística –, foram gerados, para os estandes de venda na feira de livros, em média 855 empregos diretos. O número de empregos indiretos corresponde ao triplo dos empregos diretos, logo foram gerados em média 2.500 postos de trabalhos.

 

Nomes confirmados

Voltada para a temática “As Cidades e Os Livros”, a programação contará com um significativo grupo de escritores. Entre os convidados nacionais, destacamos o encontro entre os escritores Raduan Nassar e Frei Betto, que abordarão temas relativos às metrópoles, em cujas entranhas surgem as pequenas aldeias, as vilas, os nichos: “As aldeias em silêncio”. Daniel Munduruku amplia a temática para as portas do universo das minorias étnicas: “As selvas da cidade”. Outros destaques são os poetas Chico Alvim e Nicolas Behr, e o romancista e fotógrafo, João Almino, que trarão, à mesa “Brasília, Céu e Inferno”, a voz dos espaços urbanos do poder. O poeta Marco Lucchesi trará uma visão mais universal dos espaços humanos, à mesa: “As lições do deserto”; Ronaldo Correia de Brito falará sobre a irracionalidade das cidades, à mesa “Os loucos de minha cidade”; enquanto o poeta Eucanaã Ferraz trará o lirismo das geografias pessoais.

O contista mineiro, Luiz Vilela, e o escritor e roteirista Marçal Aquino debaterão num encontro sobre “as aldeias e as metrópoles”. O escritor Antônio Torres e o poeta Inácio Vieira de Melo terão em suas mãos o tema “As cidades de pedra”. O jornalista e escritor Roberto Pompeu de Toledo; a premiada escritora Maria Valéria Rezende; a poeta e cronista Mariana Ianelli; já clássico escritor Márcio Souza, e muitos outros, virão abrilhantar nosso evento, trazendo experiências variadas acerca das geografias interiores e exteriores.

Um dos aspectos mais importantes será o apoio ao escritor local em suas relações com a criação artística, com debates sobre a profissionalização, a divulgação de suas obras, assim como a transmissão de conhecimentos. Para tanto, contaremos com um expressivo número de autores cearenses, da prosa, poesia, e ensaio, como: Diatahy Bezerra de Meneses, Gilmar de Carvalho, Angela Gutiérrez, Tércia Montenegro, Pedro Salgueiro, Jayson Aguiar, Raymundo Netto, Ricardo Kelmer, Marília Lovatel, Majela Colares, Cláudia Leitão, Dimas Carvalho, Ylo Fraga, entre outros. A escritora Socorro Acioli conduzirá atividades que congregam autores inéditos e/ou iniciantes. O Sarau Siará e Os Novos são atividades que reunirão, respectivamente, prosadores e poetas cearenses, consagrados e novéis, que levarão ao palco suas obras. A agente literária, jornalista e editora, Luciana Villas-Bôas virá transmitir aos novos autores a sua experiência na publicação de livros e alguns segredos do mercado editorial.

A programação internacional contará com nomes de autores reconhecidos e de autores em ascendência pelo mundo. Confirmaram presença autores representativos do sentimento de pertença a seus países e geografias pessoais, com pontos de vista críticos que alcançam questões mais globais. O escritor moçambicano, Mia Couto, é um dos convidados internacionais, pela influência no Brasil de sua extraordinária obra, com legiões de leitores fiéis. Também estarão presentes o marroquino Abdellah Taïa e a holandesa Marion Bloem, nascida numa família originária da Indonésia. Já o angolano José Eduardo Agualusa trará a visão de um viajante e da experiência das fronteiras.

Conheça abaixo os mais de 60 nomes com presença confirmada na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará.

Abdellah Taïa – Escritor e cineasta marroquino

Ana Karla Dubiela – Escritora, professora e jornalista

Angela Gutiérrez – Escritora, professora, ensaísta e poeta

Antônio Torres – Escritor

Batista de Lima – Escritor e professor

Carmélia Aragão – Escritora

Carolina de Campos Melo – Escritora, advogada e professora

Cecília Cunha – Pesquisadora, professora e ensaísta.

Chico Alvim – Poeta e embaixador

Cláudia Leitão – Professora, escritora, pesquisadora e gestora cultural

Cleudene Aragão – Escritora e professora

Conceição Evaristo – Escritora

Daniel Munduruku – Escritor e professor brasileiro, da etnia Munduruku

Deborah Finocchiaro – Atriz, diretora e produtora

Dércio Braúna – Poeta, pesquisador e bancário

Descartes Gadelha – Pintor, desenhista, escultor e músico

Dimas Carvalho – Poeta, contista e professor

Eduardo Agualusa – Escritor angolano

Eduardo Diatahy Bezerra de Menezes – Sociólogo, professor, escritor, ensaísta e poeta

Eucanaã Ferraz – Poeta, professor de Literatura Brasileira

Fausto Nilo – Poeta

Fernanda Coutinho – Escritora e professora

Fernanda Meireles – Escritora e artista

Frei Betto – Frade dominicano e escritor

Gilmar de Carvalho – Escritor, professor e pesquisador

Helena Cardoso – Poeta, contista e médica

Ivan Wolffers – Escritor, médico e professor, nascido na Holanda

Jayson Viana Aguiar – Escritor

Jesus Irajacy – Escritor, professor, médico e empresário

João Almino – Escritor e diplomata brasileiro

Jorge Pieiro – Escritor, professor e produtor cultural

José Inácio Vieira de Melo – Poeta, curador e editor

Lola Aronovich – Poeta, professora e blogueira

Lúcia Santaella – Professora titular do programa de pós-graduação em comunicação e semiótica e doutora em teoria literária pela PUC-SP

Luciana Villas-Bôas – Escritora e jornalista

Luís Vilela – Escritor contista

Mailson Furtado – Escritor, ator, diretor, dramaturgo, produtor cultural e cirurgião-dentista

Majela Colares – Poeta e contista

Marçal Aquino – Jornalista, escritor e roteirista de cinema

Márcio Catunda – Poeta, compositor e diplomata

Marco Lucchesi – Poeta, romancista, ensaísta, professor e tradutor .

Marcos Bagno – Professor, tradutor e escritor

Maria de Lourdes Dias Leite Barbosa – Escritora e professora

Maria Thereza Leite – Escritora e jornalista

Maria Valéria Rezende – Escritora, poeta, ativista, tradutora

Mariana Ianelli – Poeta, ensaísta, cronista e crítica literária

Marília Lovatel – Escritora e professora

Marlui Miranda – Compositora, cantora, regente, instrumentista, professora, e pesquisadora da cultura de etnias brasileiras

Marion Bloem – Escritora, pintora, cineasta

Martine Kunz – Professora de língua e literatura francesas

Mia Couto – Escritor

Nicolas Behr – Poeta e ambientalista

Nina Rizzi – Poeta, historiadora e tradutora

Orlando Araújo – Professor

Pedro Salgueiro – Contista e advogado

Raduan Nassar – Escritor e produtor agrícola

Rafael Sânzio de Azevedo – Professor, poeta, ficcionista, crítico literário e ensaísta

Raymundo Netto – Escritor, designer, quadrinista e produtor cultural

Regina Machado – escritora, contadora de histórias, pesquisadora de tradição oral, professora(USP), criadora e curadora do Boca do Céu(SP)

Ricardo Kelmer – Escritor

Roberto Pompeu de Toledo – Escritor e jornalista

Ronaldo Correia de Brito – Escritor, médico e dramaturgo

Sarah Diva – Professora, Pós Doutora em Literatura Brasileira

Socorro Acioli – Escritora, professora e tradutora

Suene Honorato de Jesus – Professora, Bacharel em Literatura, Mestre em Letras e Linguística, doutora em Teoria e História

Tércia Montenegro – Escritora, fotógrafa, viajante e professora universitária

Tino Freitas – Escritor

Vânia Vasconcelos – Escritora, professora e jornalista

Ylo Fraga – Poeta e psicólogo

Yuri Brunello – Professor

Cia. de Dança Rastro, de Quixadá, participa de Festival de Teatro em Portugal, em parceria feita pela Casa de Saberes Cego Aderaldo

A Casa de Saberes Cego Aderaldo, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), em articulação de parceria junto ao Instituto Dragão do Mar, proporciona a ida da Companhia de Dança Rastro, de Quixadá, para o Festival Internacional de Teatro ACERT ( 24º Finta), que acontece na cidade de Tondela, em Portugal, de 14 a 17 de novembro de 2018.

Oito artistas do Sertão Central embarcam nesta quinta-feira, 15/11, para Portugal. Integrantes da Cia. Rastro estarão apresentando no Festival, um espetáculo sobre os Campos de Concentração em Senador Pompeu – O CURRAIS, que foi criado a partir de uma parceria da Companhia de Dança de Quixadá com o Instituto Assum Preto de Senador Pompeu, financiado pela Secult, pelo Edital Incentivo às Artes 2015. O Tema dos Campos de Concentração na cidade de Senador Pompeu e no Estado do Ceará é objeto de pesquisa da Casa de Saberes Cego Aderaldo desde 2016.

O intercâmbio dos artistas neste festival é fruto de uma articulação que vem desde o Fevereiro de 2018 quando a Coordenadora da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Paula Geórgia Fernandes, esteve em Portugal em atividades de articulação junto à Universidade do Porto e de Aveiro. Em julho, junto às outras três escolas de Saberes do Ceará, aconteceu o II Encontro de Artes Culturas e Saberes dos Sertões, realizado no equipamento da Secult e também nas cidades de Juazeiro do Norte, Farias Brito, Crato e Barbalha.

Outras instituições como a Universidade do Porto, a Universidade de Angola, a Associação ACERT (Grupo de Teatro Thigolimpo e Ceramistas), Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação José Saramago foram parceiros na realização e estiveram presentes nas ações do encontro, que foram desde palestras, rodas de conversa, às vivências. Foram a partir dessas vivências que o convite à Cia Rastro surgiu.

“Esses artistas quixadaenses participam pela primeira vez desse evento de caráter internacional e de grande importância para o meio artístico das artes do espetáculo. O contato com o festival Finta se deu a partir uma parceria que a Casa de Saberes Cego Aderaldo já possui com a Faculdade do Porto através do curso de Belas Artes, que nos levou ao encontro com os artistas do Grupo Trigo Limpo de Teatro ACERT. Assim surgiu a oportunidade de um intercâmbio, onde recebemos os artistas em julho, vindos com o apoio direto da Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação José Saramago e o Concelho de Tondela.

Cinco Artistas da cidade de Tondela – sendo três artistas do grupo de Teatro Trigo Limpo da ACERT e dois artistas da arte da cerâmica – vieram em julho para o Encontro de Saberes realizado pela Casa de Saberes Cego Aderaldo. Esses três artistas do grupo de Teatro realizaram uma vivência compartilhada com vários artistas da região do Sertão Central e posteriormente no Cariri. Os integrantes da Companhia Rastro participaram desta vivência no Sertão Central. Foi a partir da apresentação do portfólio da Companhia de Dança Rastro, e o espetáculo CURRAIS em especial, para o Diretor Artístico do Festival, o José Rui Tavares, que a seleção aconteceu. O Festival Finta está em sua 24ª edição e reúne artistas do mundo inteiro para espetáculos que vão desde a espaços de auditório à espetáculos de rua. A Cia. de Dança Rastro apresenta o espetáculo CURRAIS no último dia no Festival, fechando a programação com chave de ouro sertanejo” comenta a coordenadora da Casa de Saberes Cego Aderaldo, Paula Geórgia Fernandes.

 

Confira mais informações sobre o Finta e o espetáculo da Cia. de Dança Rastro: https://bit.ly/2OGVW5e

Shows de Clau Aniz e Caio Castelo no Porto Dragão

 

Neste domingo 19 de agosto a partir das 20h, dois lançamentos movimentam a programação experimental do Porto Dragão, novo espaço do Instituto Dragão do Mar que pretende fomentar a vasta produção artística do Ceará: Clau Aniz, lançando seu álbum de estreia “Filha de Mil Mulheres, e Caio Castelo, lançando seu “Pontes de Vidro EP.01”, apresentam seus novos shows, trazendo também com músicas e releituras inéditas para além das discografias dos artistas.

 

Sobre Clau Aniz
Clau Aniz constrói uma sonoridade singular, onde a canção e a experimentação instrumental estão sempre lado a lado. Memória, sensibilidade e intuição são as ferramentas usadas para a feitura de suas canções. Do constante olhar desapressado, se fazem suas músicas tão carregadas de sentimentos. Seu caminho começou na música experimental e em 2014, formou a banda Voyage Roset, na qual era guitarrista e cantora. Em 2017, iniciou carreira solo e já se apresentou em lugares como Theatro José de Alencar, Centro Cultural Dragão do Mar e em festivais como Feira da Música e Barulhinho, além de colaborar com artistas como Caio Castelo e Vacilant. Ouça aqui o primeiro single do álbum: https://goo.gl/PN83A7

“Filha de Mil Mulheres” é seu álbum de estreia, disponível nas plataformas desde o dia 18 de maio e concebido sob a produção cuidadosa da própria artista e dos músicos Júnior Quintela e Yuri Costa. Acompanha Clau (voz e guitarra) a banda composta por Yuri Costa (guitarra), Junior Quintela (bateria), Ayrton Pessoa (teclado) e Caio Castelo (baixo), além de participações de Vitor Colares e Aparecida Silvino.

 

Sobre Caio Castelo
Caio Castelo apresenta o show de seu terceiro álbum, “Pontes de vidro EP.01”, primeiro de uma série de três EP’s que serão lançados ao longo do ano. As canções do EP.01 falam sobre enxergar a si no outro, bem como perceber o outro em si. Este show traz uma sonoridade mais dançante e mescla elementos orgânicos e eletrônicos. O músico iniciou sua carreira na banda Comparsas da Vivenda. Em 2013, lançou seu primeiro álbum solo, “Silêncio em Movimento”, seguido em 2016 por “Dois Olhos”, produzido pelo duas vezes ganhador do Grammy Alê Siqueira e por “Pontes de Vidro” em 2018.

Como produtor/diretor musical, instrumentista e arranjador, assina trabalhos como os discos Votu, de Matheus Santiago; Águajunta, de Lélis; e Distrações, do grupo instrumental Invisível, além de colaborações com artistas como Marcelo Jeneci, Tiago Araripe , Chico Salem, Lorena Nunes, Clau Aniz, Silvero Pereira, entre outros. Seu show já passou por Fortaleza-CE, São Paulo-SP, Rio de Janeiro-RJ, São Luis-MA, Recife-PE, Rio de Contas-BA, Sobral-CE, Crato-CE, Juazeiro do Norte-CE e Praia-Cabo Verde. Destaque também para turnê nacional em 2017 e participação em festivais como Maloca Dragão, Ponto CE, BR 135, Rua dos Inventos e UFC de Cultura. Acompanham Caio (voz, guitarra e sintetizador) os músicos Ayrton Pessoa (teclados) e Igor Ribeiro (bateria e percussão). Asssista aqui o clipe de “Ponto Cego”: https://goo.gl/gbp77L

Aceleradora de projetos artísticos do Instituto Dragão do Mar, lança o segundo single gravado no programa Porto Dragão Sessions


A aceleradora de projetos artísticos do Instituto Dragão do Mar, Porto Dragão, lança o segundo single gravado no programa Porto Dragão Sessions. Com produção musical de Daniel Ganjaman (Racionais, Sabotage, Criolo), o single “elevador”, do grupo maquinas, é uma das músicas do primeiro EP do quinteto, o auto-intitulado.

O lançamento da faixa estará disponível a partir do dia 20 de julho em todas as plataformas digitais (Spotify, Deezer, Google Play, Napster, iTunes e Claro), que foram distribuídas pela ONErpm- distribuidora digital de música. No mesmo dia, a banda faz show no Centro Cultural São Paulo, junto com os cearenses do grupo Astronauta Marinho, dentro da programação ”Centro do rock”, convite que surgiu do programador do espaço, Alexandre Matias ( Trabalho Sujo), durante o Conexões Maloca 2018.

Com pouco mais de cinco anos de existência, o grupo maquinas é fruto da força criativa de Allan Dias (baixo/voz), Roberto Borges (guitarra/voz), Samuel Carvalho (guitarra/voz), Gabriel de Sousa (sax alto) e Ricardo Lins (bateria). O novo trabalho também é uma demonstração de como a banda busca sua própria linguagem com sonoridades turvas, experimentações artísticas partindo da calmaria, da introspecção e do misterioso, através de elementos sonoros repetitivos, abstratos, quebrados, assimétricos e tortos.
Em maio de 2018, foi divulgada a primeira faixa gravada no programa Porto Dragão Sessions, “de manhã logo cedo”, da cantora Soledad, e a previsão é que a partir do dia 20 de julho novos singles sejam lançados a cada sexta-feira. No dia 27 de julho, é a vez da banda Casa de Velho. Confira anexo o calendário de lançamentos.

 

Porto Dragão Sessions
O Porto Dragão Sessions é uma ação da aceleradora de projetos artísticos e produtora de conteúdo do Instituto Dragão do Mar, Porto Dragão, que, através de convocatória, realizou a gravação de uma série de televisão com oito episódios, em fase de finalização, e a gravação e distribuição digital de 15 artistas do Ceará.

Nos dois processos, os artistas escolhidos passaram por uma seleção e curadoria de Roberta Martinelli (Cultura Livre), Alexandre Matias (Centro Cultural SP), Pena Schmidt (produtor musical), Fabiana Batistela (diretora da Semana Internacional da Música- SP), Daniel Ganjaman (produtor musical) e Artur Fitzgibbon (diretor-geral na empresa ONErpm- distribuidora digital de música).
Serviço:

Lançamento do single ‘Elevador’ do grupo maquinas

Data: 20 de julho de 2018

Plataformas: Spotify, Deezer, Google Play, Napster, iTunes e Claro.

Show maquinas e Astronauta Marinho

Data:  20 de julho

Local: Centro Cultural São Paulo

Mais informações: http://www.centrocultural.sp.gov.br/

Instituto Dragão do Mar oferece curso gratuito em Conservação e Restauração de Telas

 

O Instituto Dragão do Mar, em parceria com o Instituto Iracema, abrirá inscrições para mais um curso gratuito na Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS). Serão ofertadas 15 vagas para o curso de aperfeiçoamento em Conservação e Restauração de Bens Patrimoniais Móveis e Integrados – Telas. As inscrições são presenciais e devem ser realizadas na sede da EAOTPS, na Av. Francisco Sá, 1801, bairro Jacarecanga, das 8h às 12h e 14h às 17h.

Integrando o Programa de Formação Básica da Escola, a formação terá duração total 328 horas-aula, sendo destinada, prioritariamente, a alunos egressos dos cursos de conservação e restauração em tela e escultura e a pessoas que possuam habilidades artísticas comprovadas com mais de 18 anos. Atingido o limite de 30 inscrições, os interessados passarão ainda por seleção, com apresentação de portfolio e entrevista.

Segundo a coordenadora geral da EAOTPS, Marley Uchôa, o objetivo é oferecer uma qualificação continuada que oportunize aos interessados conhecer e aplicar técnicas específicas na área da conservação e restauração, a partir do acervo artístico da pintora cearense Sinhá D’Amora. “Trabalhamos para oportunizar aos estudantes a qualificação necessária para entrar no mercado de trabalho”, afirma Marley.

EMENTA

DA PROPOSTA DO CURSO:

Objetivos específicos:

· Formar pessoal qualificado para tratar aspectos de conservação preventiva em tela;

· Desenvolver procedimentos técnicos de higienização através dos componentes da tela: chassi, tecido e base, bem como o método de reetelamento, produção da base e pintura artística;

· Promover experiências de trabalho no campo da cultura, por meio de atividades práticas e ações de educação patrimonial.

Produto final do curso:

× Conservação e restauração de telas

DAS INSCRIÇÕES

As inscrições e os cursos serão presenciais e gratuitas

Período de inscrições: De 06, 07 e 08 de junho de 2018. Até o limite de 30 inscrições, ou seja, tão logo se completem esse número, encerram-se as inscrições.

Horário: Das 8h às 12h e 14h às 17h.

Local: Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho

Endereço: Av. Francisco Sá, 1801, bairro Jacarecanga.

Informações: Telefone: (85) 3238.1244.

Público-alvo

A partir de 18 anos, prioritariamente, alunos egressos dos cursos de conservação e restauração em tela e escultura e/ou pessoas que possuam habilidades artísticas comprovadas.

Nível de escolaridade:

· Ensino Médio concluído ou cursando o último ano (do ensino médio).

Todos os candidatos deverão apresentar no ato da inscrição a seguinte documentação:

a) Formulário Padrão de Inscrição (disponibilizado no ato da inscrição);

b) Cópia legível, frente e verso, de um documento de Identificação (carteira de Identidade, Carteira de Trabalho ou Carteira de Habilitação);

c) Comprovante de escolaridade (certificado, histórico escolar, declaração da escola, outros).

d) Cópia legível, frente e verso, do comprovante de residência: conta de energia (ENEL) ou água (CAGECE) referente aos meses de março, abril ou maio de 2018;

e) Comprovante de renda mensal;

f) Número do NIS (no caso de estar cadastrado em algum projeto social).

DA COMISSÃO TÉCNICA DE SELEÇÃO

O processo de seleção será realizado por uma Comissão Técnica, composta pela Equipe Pedagógica da Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho e 01 professor/facilitador, notoriamente reconhecido na área da conservação e restauração de bens patrimoniais móveis integrados. Os integrantes da Comissão Técnica poderão ser substituídos a qualquer tempo, em caso de impossibilidade de participação, decorrente de caso fortuito ou de força maior, por outros técnicos e profissionais igualmente idôneos a serem designados pelo Instituto Dragão do Mar – IDM.

DO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

· Período de seleção: Dias 11 e 12 de junho de 2018

· Divulgação do resultado: 14 de junho de 2018

· Período de matrícula: Dias 18 e 19 de junho de 2018

· Início do curso: 25 de junho de 2018

O processo de seleção constará de:

a) Análise documental

b) Entrevista individual. Na ocasião, serão identificadas as habilidades artísticas e/ou manuais, através de imagens, impressões, peças produzidas ou fotos, dentre outras que o candidato também poderá indicar sua página online ou apresentar durante a entrevista, mediante produções artísticas gravadas em CD/pendrive ou no celular.

Observações importantes:

· Não haverá segunda chamada para nenhuma etapa do processo seletivo.

DOS RESULTADOS DA SELEÇÃO

Os resultados serão divulgados, através de meios eletrônicos, conforme finalização das etapas de seleção. Das decisões da seleção realizada cabem recursos, para a própria comissão, no prazo máximo de 24 horas após a divulgação do resultado que desclassificou o candidato. Os casos omissos serão decididos pela Equipe Pedagógica.

DA MATRÍCULA

A matrícula dos classificados será realizada a partir da entrega do Formulário Padrão de Matrícula preenchido (disponível na EAOTPS), na Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho, nos dias seguintes à divulgação dos resultados, no horário de 8h às 12h e 13h30min às 16h30min. Documentação para realização de matrícula:

DO CURSO:

Dias e horários das aulas: De segunda a quinta, das 13h30 às 17h30 (4h/a)

DOS BENEFÍCIOS

Serão disponibilizados os seguintes benefícios: lanche diário, vale-transporte para o deslocamento da residência e vice-versa (alunos que não residam nas proximidades da EAOTPS) e todo o material didático necessário para o desenvolvimento das atividades dos cursos.

 

Serviço: Inscrições para curso gratuito de Conservação e Restauração de Telas na EAOTPS

Período: De 6 a 8 de junho ou até ser atingido o limite de 30 inscrições

Local: Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (Av. Francisco Sá, 1801, bairro Jacarecanga)

Horário: Das 8h às 12h e 14h às 17h

Gratuito

Mais informações: (85) 3238.1244 (De segunda a sexta-feira, no horário de 8h às 12h e 13h30min às 17h).

Instituto Dragão do Mar realiza palestra sobre rock e festivais com nomes do ForCaos, Abril Pro Rock e da revista Roadie Crew

 

 

O Instituto Dragão do Mar, através da aceleradora de projetos Porto Dragão Música, realiza mais uma edição do Conversa de Proa, nesta segunda-feira, dia 26 de março, no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Em pauta, a palestra “O rock, o metal e os festivais”, que vai abordar questões sobre comunicação, mercado e o acesso de músicos e bandas aos festivais de rock brasileiros. Na ocasião, a curadoria do programa Praça do Rock também apresentará os selecionados para a programação de 2018.

A conversa se inicia às 19h e terá à mesa os convidados: Jolson Ximenes, baixista e fundador da banda Obskure, curador do ForCaos e vice-presidente da Associação Cultural Cearense do Rock (ACR); Alcides Burn, curador do Festival Abril Pro Rock e proprietário do recém-criado selo Burn Records; Ricardo Batalha, que trabalha na Revista Roadie Crew e é editor do Portal Rockarama; e Amaudson Ximenes, fundador da ACR, diretor-presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Ceará, integrante dos Conselhos Municipal e Estadual de Política Cultural e produtor-executivo do ForCaos.

Durante a Conversa de Proa #4, também serão divulgadas as 24 bandas selecionadas para a programação da Praça do Rock 2018. Realizado mensalmente desde 2015 pelo Centro Dragão do Mar em parceria com a ACR, o programa tem o objetivo de fortalecer a difusão do trabalho autoral de artistas e grupos musicais cearenses de várias matizes do rock. Com demanda crescente, a curadoria da Praça do Rock optou por realizar inscrições e uma seleção para a programação deste ano, que terá agora três bandas a cada edição, em apresentações que ocorrerão de maio a dezembro deste ano. Foram mais de 160 inscritos.

 

SOBRE OS CONVIDADOS

Jolson Ximenes

Bacharel em Música pela Universidade Estadual do Ceará (2001). Bacharel em Direito pela Universidade de Fortaleza (2014), tendo sua monografia de conclusão de curso tratando da liberdade de expressão artística e livre exercício profissional do músico à luz da Constituição Federal de 1988. É baixista e fundador da banda Obskure. É produtor-executivo da banda OS TRANSACIONAIS. É produtor, diretor artístico e curador do Festival ForCaos (desde 1999), capitaneado pela ACR. Foi assistente de produção na Mostra Rock/Feira da Música (2005 a 2012). Produtor Técnico/Artístico do projeto SEXTA ROCK (desde abril/2001). Curador do Festival Cuca Independente 2015. É vice-presidente da Associação Cultural Cearense do Rock (ACR) e foi 1º Secretário da instituição no período de 1998 a 2004.

Alcides Burn

É pernambucano, diretor de arte, produtor cultural, músico e curador do Festival Abril Pro Rock há 4 anos. Produziu diversos shows nacionais e internacionais na capital pernambucana como Angra, André Matos, Obituary, Destruction, Doctor Sin, Belphegor, Project 46, entre outros. Em 2015, idealizou o tributo brasileiro aos portugueses do Moonspell denominado “Em nome do medo”, com diversas bandas na cena brasileira. É proprietário do recém-criado selo Burn Records, que tem como primeiro lançamento o novo álbum da banda de death metal Decomposed God. Burn também é vocalista da banda Inner Demons Rise.

Ricardo Batalha

Paulistano, 48 anos de idade, tem uma trajetória que se confunde com a própria história do heavy metal no Brasil. Trabalha na revista Roadie Crew (Classic Rock e Heavy Metal) desde 1996 e é um dos diretores da ASE Press – Assessoria e Consultoria, empresa fundada em 1992 por seu irmão, o jornalista Frederico Batalha. Além do trabalho de consultoria e assessoria, que incluiu a empresa Brasil Music Press (2004 a 2013), vem colaborando para diversos veículos de mídia ligados ao heavy/rock desde os anos 1980. Também é um dos editores do portal Rockarama, que estreou em março de 2017.

Amaudson Ximenes

É músico, sociólogo e produtor cultural. É fundador da Associação Cultural Cearense do Rock (ACR) e diretor-presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Ceará. É integrante dos Conselhos Municipal e Estadual de Política Cultural, representando a linguagem: Música. Produtor-executivo do ForCaos. Produtor e curador dos projetos Praça do Rock e Sexta Rock. Foi curador do programa Rock Cordel, de 2007 a 2015. Produtor do Palco do Rock na Feira da Música, de 2007 a 2013. Curador da Mostra Petrúcio Maia de Música (2006). Integrou o júri da Mostra de Música Petrúcio Maia em 2017. Curador e produtor do Festival Cuca Independente, nos anos de 2014 e 2015.

 

PORTO DRAGÃO

O projeto Porto Dragão foi lançado em agosto de 2017 pelo Instituto Dragão do Mar, com o objetivo principal de fazer circular a vasta produção artística do Ceará, em diversas linguagens, dentro do próprio estado e também nacional e internacionalmente. Segundo o presidente do Instituto Dragão do Mar, Paulo Linhares, o Porto Dragão tem o intuito de desenvolver as cadeias de setores criativos como a música, as artes visuais e o audiovisual.

Num primeiro momento, as ações do projeto se concentram na música, por ser uma das cadeias criativas de maior impacto na economia do Ceará. É o braço Porto Dragão Música, cujo objetivo geral é estimular e incrementar a produção musical cearense e a economia que se organiza em torno desse campo artístico, através da indução de investimentos públicos e também da articulação de parcerias privadas.

“O Porto Dragão Música vai ofertar um conjunto de serviços de conhecimentos diversos e complementares, além de processos de capacitação e tecnologias para artistas, produtores, empreendedores, cooperativas, associações e empresas que atuam no campo musical. É uma verdadeira agência de desenvolvimento que vai proporcionar o apoio necessário para a transformação e promoção destas iniciativas”, define Linhares.

 

 

SERVIÇO
Conversa de Proa #4 – O rock, o metal e os festivais
Data: dia 26 de março de 2018 (segunda-feira)
Hora: 19h
Local: Auditório do Centro Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)
Acesso gratuito

Dragão do Mar abre inscrições para chamada da Maloca Dragão 2018

 

 

O Instituto Dragão do Mar lança chamada para compor parte da programação artística e o quadro de profissionais de produção cultural da Maloca Dragão 2018. Poderão ser inscritos projetos artísticos de Teatro, Circo, Dança, Literatura, Música, Arte Urbana e Culturas Populares. A chamada também receberá inscrições de produtores culturais, técnicos de som e de luz, roadies e cenotécnicos interessados em atuar na equipe de produção do festival. Neste ano, a novidade é a seleção de projetos de Gastronomia para a Maloca de Comer e de um projeto de cenografia e ambientação para a Praça Almirante Saldanha, área de convivência da Maloca. Gratuitas, as inscrições poderão ser realizadas a partir desta segunda-feira (12), no site www.dragaodomar.org.br, e seguem até o dia 26 de março.

Festival que celebra o aniversário do Centro Dragão de Arte e Cultura e a força crescente da produção artística cearense, a Maloca Dragão chega à quinta edição em 2018. Realizado de 24 a 29 de abril, neste ano, o festival terá como tema “As barricadas abriram caminho: os 50 anos de maio de 68”, a partir do qual será feita uma profunda reflexão das revoltas de maio de 1968, no Brasil. Debates, shows, espetáculos e uma mostra de cinema darão conta de analisar o impacto desse momento histórico e o que ele significa para os dias de hoje. Afinal, o ano de 1968 foi marcado por intensa efervescência cultural, com a Tropicália, com os grupos de teatro Oprimido, Oficina e Opinião, o Cinema Novo, os Centros Populares de Cultura (CPCs) e o jornalismo alternativo e crítico d’ O Pasquim e do Jornal Opinião. A Maloca 2018 homenageia ainda o artista cearense Sérvulo Esmeraldo, com exposição no Museu de Arte Contemporânea do Ceará e um percurso especial pelas obras em exposição na cidade.

 

Chamada

Esta é a terceira vez consecutiva em que o festival utiliza uma chamada para compor parte de sua programação artística. No ano passado, cerca de 75% das atrações foram selecionadas através desse processo. A Maloca Dragão 2017 recebeu um total de 703 inscrições entre projetos artísticos e profissionais da área de produção cultural, número 118% maior que o de 2016, ano em que o chamamento foi instituído pelo festival.

É importante salientar, no entanto, que a chamada para a Maloca Dragão não é um edital, mas um meio usado para mapear e formar um banco de projetos artísticos e profissionais de todo o Estado, subsidiando assim o trabalho da curadoria do festival.”O interesse crescente de artistas e demais profissionais da cultura no festival tem não só legitimado a Maloca Dragão enquanto um dos momentos mais importantes para a cultura e a arte do Estado, como também ampliado o mapeamento da crescente produção artística no Ceará, do litoral ao interior”, afirma João Wilson Damasceno, diretor de Ação Cultural do Dragão.

Em 2018, a seleção terá como curadores: Fernando Catatau (música), Fran Teixeira (teatro), Alysson Lemos (circo), Bitu Cassundé (arte urbana), Joubert Arrais (dança), Alênio Carlos (cultura popular), João Luiz Lima (gastronomia) e Ronaldo Correia de Brito (literatura). Os projetos artísticos selecionados vão compor uma parte da programação da Maloca Dragão, que também terá artistas e grupos convidados. Os proponentes dos projetos escolhidos serão contatados previamente pela produção do festival, uma vez que a divulgação do resultado da seleção só se dará com a veiculação da programação completa, no site da Maloca.

Desde o ano passado, a Maloca Dragão tem selecionado sua equipe de produção também por meio de chamada. Poderão inscrever-se produtores culturais, técnicos de som, técnicos de luz, roadies e cenotécnicos que devem submeter currículo, portfólio e breve descritivo de atuação profissional. Os candidatos devem ainda estar disponíveis para atividades formativas relativas ao festival em data ainda a ser divulgada.

 

Novidades

Além de projetos artísticos e de profissionais de produção cultural, a chamada da Maloca 2018 também selecionará um projeto cenográfico e de ambientação para área de convivência e feira de artesanato localizadas na Praça Almirante Saldanha. Poderão inscrever-se arquitetos urbanistas, designers, artistas urbanos ou coletivos de artistas. O proponente selecionado deverá desenvolver e executar o projeto em prazos de montagem e execução indicados pelo Instituto Dragão do Mar. Também é novidade neste ano a seleção de interessados em fazer parte do espaço gastronômico do festival, a Maloca de Comer.
Inscrições

As inscrições na chamada da Maloca Dragão 2018 devem ser feitas exclusivamente no endereço eletrônico www.dragaodomar.org.br. Para efetivar a inscrição e ter acesso ao formulário on-line, o interessado deverá, primeiramente, estar cadastrado no Mapa Cultural do Ceará (http://mapa.cultura.ce.gov.br), plataforma digital que integra uma rede de agentes culturais do nosso Estado.

O Mapa Cultural do Ceará é um banco de dados colaborativo que integra o Sistema de Informações Culturais do Estado do Ceará (Siscult). Esta é uma plataforma livre, gratuita e colaborativa de mapeamento da Secult sobre o cenário cultural cearense. Entre os inúmeros benefícios gerados, a participação no Mapa proporciona ao agente cultural a visibilidade de trabalhos, formação de networking, o acompanhamento da agenda cultural e a consulta a outros projetos culturais.

 

O festival

A Maloca Dragão comemora o aniversário do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura que, no dia 28 de abril de 2018, completa 19 anos a serviço da democracia cultural, no Ceará. Além de marcar os anos de história de um dos maiores centros culturais do País – são 1,5 milhão de visitantes, em média, ao ano –, o festival celebra o panorama rico e diverso da produção artística do Estado e apresenta ainda as experimentações de vanguarda da produção nacional e internacional. Em 2017, a Maloca Dragão teve mais de 130 atrações de diversas linguagens: shows musicais, espetáculos de teatro, dança e circo, apresentações da cultura popular e literatura, intervenções e performances de arte urbana, feiras de moda, design e gastronomia e mostra de cinema. Realizada em 24 espaços do Centro Dragão do Mar e Praia de Iracema, atraiu mais de 400 mil pessoas em seis dias de programação gratuita.

Instituto Dragão do Mar abre inscrições para Temporada de Arte Cearense nesta segunda-feira (19)

 

Programa de ocupação artística da programação do Dragão do Mar terá investimento total superior a 2 milhões, 58% a mais que edição anterior. Além do aumento de cachês, seleção apresenta nova linguagem.

O Instituto Dragão do Mar – IDM – abrirá, no próximo dia 19 de fevereiro, inscrições para a Temporada de Arte Cearense (TAC), programa de ocupação artística da programação do Dragão do Mar. As inscrições deverão ser efetuadas on line, pela página www.dragaodomar.org.br/tac20182019, até 05 de março de 2018. Os projetos selecionados serão executados entre abril de 2018 e março de 2019.

Em sua 4ª edição, a Temporada de Arte Cearense se consolida como uma das principais ações de execução da política cultural do Estado. Com importante atuação na formação de plateias em múltiplas linguagens, a TAC apresenta a cearenses e turistas um panorama da pujante e diversa produção artística cearense. Ao movimentar a cadeia produtiva, faz também girar a roda de economia, gerando renda e ocupação. Com apresentações gratuitas ou a preço acessível, a TAC também contribui para a democratização do acesso à arte e à cultura.

Na edição 2015/2016, foram selecionados 194 projetos, contemplados em 32 programas. Com 363 inscritos, os projetos se desdobraram em 438 ações culturais, realizadas com investimento total de 1,3 milhão, oriundo de Contrato de Gestão IDM/Secretaria da Cultura do Estado do Ceará.

A edição 2016/2017 apoiou 218 projetos, também contemplados em 32 programas. Com 412 inscritos, a TAC teve, neste período, investimento de 1.300.000,00 e resultou em 536 ações culturais.

Em 2018/2019, a expectativa da Diretoria do IDM é alcançar 150.000 expectadores, com 235 projetos, distribuídos em 32 programas, desdobrados em 559 ações culturais.

Paulo Linhares, presidente do Instituto Dragão do Mar, afirma que o histórico da TAC sinaliza o fortalecimento do campo cultural do Ceará e o comprometimento do Governo do Estado com o incremento dos aportes para a pasta da Cultura.

 

Seleção 2018/2019

No dia 22 de janeiro, o IDM abriu para consulta pública o documento que regulamentou a seleção anterior. Interessados puderam enviar suas considerações por e-mail até o dia 09 de fevereiro. Entre 24 e 31 de janeiro, foram realizados encontros abertos de cada linguagem, para discussão de novas propostas. Cerca de 200 artistas participaram das 14 reuniões de discussão sobre o texto.

Segundo o Diretor de Ação Cultural do Dragão do Mar, João Wilson Damasceno, as medidas mostram o compromisso do centro de arte e cultura em democratizar o processo de seleção dos projetos, convidando os agentes de cultura a participarem da construção colaborativa do documento final.

Estudada a viabilidade técnica e financeira das sugestões apresentadas, a comissão organizadora acatou a maioria das mudanças. Entre as principais, além do aumento de cachês, que resultou num incremento no investimento total de 1,3 milhão para 2,056.500 milhões, nova linguagem será integrada. A Cultura Popular Tradicional substitui a categoria Pontos de Cultura. Continuam as linguagens Música, Teatro, Dança, Circo, Literatura, Performance, Fotografia, Artes Visuais e Cinema.

 

Como participar

Poderão participar do processo seletivo artistas, grupos e/ou produtores nascidos ou residentes há pelo menos 02 (dois) anos no Estado do Ceará. Os proponentes deverão se cadastrar no Mapa Cultural do Ceará (http://mapa.cultura.ce.gov.br/), uma plataforma livre e gratuita que integra uma rede de agentes culturais cearenses. Quem já possui perfil não precisa gerar novo ID. Os interessados deverão ler o regulamento e seguir as orientações para inscrição, ambos disponibilizados no endereço: www.dragaodomar.org.br/tac20182019

Calendário TAC 2018/2019
Inscrições: 19/02/18 a 05/03/18

Curadoria 05/03/18 – 12/03/18

Upload de documentação para habilitação jurídica no sistema: 13/03/18 a 20/03/18
Oficina tira-dúvidas: 20/03/18

Resultado: 02/04/19

Recurso para habilitação jurídica: até 04/04

Resultado final da habilitação jurídica: 06/04

 

Serviço:

Abertura de inscrições para a Temporada de Arte Cearense 2018/2019
De 19 de fevereiro a 05 de março de 2018
Inscrições na página www.dragaodomar.org.br/tac20182019
Acesso gratuito
Dúvidas: tacdragaodomar2018@gmail.com