Browsing Tag

exposição

Exposição “Sol para Mulheres” com 26 Fotógrafas e artistas visuais do Ceará tem abertura no dia 18 de janeiro em Fortaleza

 

Depois da exposição inédita no Rio de Janeiro, os trabalhos das 26 fotógrafas e artistas visuais do Ceará do programa “Sol para Mulheres” poderão ser conferidos a partir do dia 18 de janeiro até o dia 31/1 na Imagem Brasil Galeria. São registros autorais de profissionais premiadas, como também de iniciantes com olhares inovadores, que juntas, apresentam uma exposição de narrativa própria, com toques de suavidade, angústia, delírios, fé, força, resistência e respiros com a natureza.

A diversidade de imagens poderá ser percebida exatamente por reunir pessoas de formações e focos diferenciados, mas que se sintonizam por serem mulheres. São elas: Alice Frota, Aline Caldas, Ana Peyroton, Beatriz Bley, Camila Oliveira, Camila Pinho, Cisglene Pineo, Delfina Rocha, Denise Luz, Denise Marçal, Ianara Alencar, Joyce S. Vidal, Lia de Paula, Lidiane Macedo, Livia de Paula, Marcella Elias, Natália Albuquerque, Natália Rocha, Nely Rosa, Rafa Eleutério, Sabrina Moura, Sayara Bezerra, Sheila Oliveira, Stephanie Nojosa, Tatiana Tavares e Vitória Lima.

A exposição “Sol para Mulheres” em Fortaleza terá novidades complementares como exibição de vídeos, entre outras surpresas que não foram apresentadas na mostra do Rio.”O convite para realizar a exposição na Feira Oriente de Artes Visuais no Rio surgiu de forma surpreendente. Os coordenadores do evento da Feira ficaram encantados com o nosso projeto, que estava começando. Aceitamos o convite e o desafio de montar uma exposição em um pouco mais de um mês no Rio. Trabalhamos de forma colaborativa e conseguimos fazer uma bela apresentação”, diz Patrícia Veloso, idealizadora do projeto e diretora da Imagem Brasil Galeria.

As imagens selecionadas estão conectadas e dialogam através de um trabalho minucioso e com a sensibilidade das curadoras Patrícia Veloso, Waléria Américo e Cecília Bedê, mulheres com vasta experiência na área.

SOL PARA MULHERES – Os encontros do programa “Sol para Mulheres” iniciaram em agosto de 2019 com a proposta de ampliar a circulação e dar visibilidade a produção das fotógrafas e artistas visuais do Ceará, proporcionando novas oportunidades. As participantes têm encontros mensais com convidadas de expressiva atuação no universo das artes, que colaboram com reflexões sobre a produção contemporânea. Esses momentos são também para apreciação coletiva de obras, possibilitando espaço de intercâmbio artístico, troca de experiências, com aprofundamento das linguagens desenvolvidas.

 

FOTÓGRAS E ARTISTAS VISUAIS DA EXPOSIÇÃO “SOL PARA MULHERES”

Alice Frota – Fotógrafa maranhense residente em Fortaleza há mais de 25 anos, Alice Frota iniciou seus estudos fotográficos em 2018 na escola Travessa da Imagem, entendendo que para além da técnica, a fotografia é narrativa visual que é atravessada pela filosofia, antropologia e outros campos do pensamento. Aproveitando sua formação acadêmica em filosofia, seu interesse por temas humanitários como imigração, direitos humanos, feminismo, entre outros, tem sido objeto de construção de seu trabalho narrativo visual. Realizou trabalho social voluntário que acolhe imigrantes em situação de vulnerabilidade em Fortaleza. Participou de oficinas fotográficas, organizadas pelo Museu da Fotografia de Fortaleza, na comunidade Titanzinho, onde iniciou um projeto fotográfico sobre a relação dos sujeitos com os espaços. São imagens desse projeto que serão expostas na Feira Oriente no Rio.

Ana Peyroton– nasceu emNiterói (RJ), mas mora em Fortaleza. É jornalista, diretora de uma agência de comunicação e social mídia. Começou a fotografar em 2013 percorrendo as cidades na conexão Rio/Fortaleza, a pé ou de bike, buscando novos ângulos nas cenas cotidianas. Muitas fotos foram motivadas comosaídas para pautas jornalísticas sobre duas rodas. Na bagagem, fones de ouvido, uma trilha sonora, um celular e muitas ideias na cabeça. O desafio era ter um novo olhar sobre o mesmo lugar, encontrar algum foco belo ou inusitado em meio ao caos urbano e depois publicar no Instagram, como resultado de um processo aeróbico e meditativo. Assim surgiu o projeto: Percursos Urbanos.

Camila de Oliveira – Estudante de jornalismo, faixa amarela no sistema MoyFah de Kung Fu, onde também atuo como designer e integrante do coletivo Mulheres da Imagem CE.Entre diversos caminhos e interesses, a fotografia se manteve uma constante para mim. No trabalho como artista visual, ilustradora ou designer, a fotografia é uma forma de me expressar. Fotógrafa no projeto Filho de Manicure, do Porto Iracema das Artes, e no projeto O Confronto de Agnes, ganhador de edital da Secult-For. Na performance Mulher sem Rosto, fotografei a artista visual Rogeane Oliveira em sua crítica ao lugar da mulher na história da arte, ou seja, sempre como musa inspiradora mas raramente como produtora.

Camila Pinho – é fotógrafa e educadora, desenvolve pesquisa sobre a memória e a relação do corpo com o espaço. Usa a fotografia como suporte para produções experimentais. Cursa o Mestrado Profissional em Arte pelo Programa de Pós-Graduação do IFCE. Licenciada em Artes Visuais pelo IFCE com intercâmbio no curso Designer e Arte do Instituto Politécnico de Bragança-Portugal. Suas imagens mostram fissuras no corpo feminino.

CisglenePineo– é geógrafa e fotógrafa que busca, no trabalho intitulado Rugosidades Urbanas, captar e retratar nas regiões essencialmente urbanas as práticas que ainda se mantêm vivas, apesar do tempo e das modernidades que surgem a cada instante e apesar das novas relações ditadas pelas mídias sociais. Um olhar em lugares que, no tempo, são ainda usados pelo povo de forma que as tradições se mantêm. Seu registro é de um vagão de trem antigo.

Delfina Rocha – iniciou na fotografia nos anos 80 como fotógrafo Chico Albuquerque. Trabalhou entre Rio e São Paulo com foto publicitária e de cena para cinema em produções de renomados diretores. Publicou livro, recebeu prêmios e participou de exposições. Hoje possui um estúdio fotográfico em Fortaleza e há alguns anos tem voltado sua atenção para a fotografia autoral. Com o trabalho “Pérolas aos Porcos”, cria um processo de ruptura com a estética asséptica presente em seu trabalho publicitário a partir de uma pocilga que deslocou seu olhar da imagem da natureza para uma estética suja e corrompida. As imagens dos porcos começaram a ganhar a presença de ninfas emprestadas de suas campanhas publicitárias que aos poucos foram se entrelaçando em camadas digitais, criando assim uma imagem metafísica, de DNA híbrido.

Denise Luz – é fotógrafa, realizadora audiovisual e geógrafa. Desenvolveu pesquisa na pós-graduação em Geografia com ênfase nos estudos sobre Cinema e Cidade. Produziu e dirigiu o documentário “I Love You Ferrão”, exibido no Festival de Cinema de Futebol (CINEfoot). Possui projetos voltados para fotografia e cinema documental que abrangem cultura, periferias, cotidiano e memória. Atualmente desenvolve “FRONT”, projeto audiovisual de fotografia e documentário sobre o protagonismo feminino a partir da experiência e organização das mulheres trabalhadoras do campo que estão à frente da luta pelo acesso à terra e formam o front de resistência. Na exposição participará com as fotos “Meninos que voam”.

Denise Marçal – é jornalista efotógrafa cearense com um olhar sensível à infância e ao ser feminino. Iniciou sua carreira fotografando partos e aos poucos foi direcionando seu trabalho para a fotografia de mulheres, a quem busca proporcionar uma experiência de autovalorização e autoestima por meio da imagem. Recentemente, tem se dedicado a desenvolver o seu projeto de fotografia documental, inspirada na experiência de retratar imigrantes acolhidos pela Pastoral do Imigrante e crianças da comunidade do Titanzinho, em Fortaleza. Uma amostra desse trabalho poderá ser conferido na Feira Oriente 2019.

Ianara Alencar – nasceu em Fortaleza, se formou em psicologia e atua como psicanalista há 18 anos. Em 2000 fez seu primeiro curso de fotografia. Depois de uma pausa, em 2017, voltou a buscar conhecimento em cursos e workshops. Teve seu trabalho pré-selecionado em duas edições do Festival Paraty em Foco, participou do Festival Verbo Ver e fez parte de umfotolivro. O seu atual trabalho foi inspirado no movimento das raízes que, de forma silenciosa, rompem muros e expressam sua resistência às agressões em seu ambiente, emergindo do solo escuro para mostrar-se à luz em total desobediência a sua natureza. Uma metáfora necessária aos dias de hoje que, em tempos sombrios, é preciso atravessar a escuridão para resistir de forma radical, no sentido mais amplo da palavra: no seu extremo e na sua origem, e denunciar a toda forma de opressão, violência, censura e intolerância.

Joyce S. Vidal –  iniciou os estudos em audiovisual e fotografia em 2010 na Rede CUCA na Barra do Ceará.É graduada em Audiovisual e Novas Mídias pela Unifor.Atuou como fotógrafa na Escola Porto Iracema das Artes e, atualmente, é articuladora e formadora no Coletivo Zóio, que tem o objetivo de ressignificar a imagem das periferias através da fotografia e do audiovisual. Atua ainda no Coletivo Perigrafia, com fotógrafas e fotógrafos de periferias de Fortaleza, além de ser professora do Ateliê de Fotografia no Centro Cultural Bom Jardim. Paralelo ao trabalho audiovisual e fotográfico, Joyce tem participado de debates sobre o movimento negro e periférico em Fortaleza por meio de eventos, mesas de debate e rodas de conversa.Na Feira do Oriente, Joyce participa com imagens de algumas periferias de Fortaleza.

Lia de Paula – é fotógrafa, formada em cinema, natural de Fortaleza. Parte da infância e da adolescência morou na Inglaterra, onde aprendeu a fotografar e cursou ‘Media Studies’ no Westminster College. Desde então vem se dedicando, profissionalmente, à fotografia. Em Fortaleza, trabalhou no jornal O Povo e na prefeitura da cidade, participou da produção de livros e de exposições, antes de se mudar para Brasília, onde passou pela Agência Senado e Ministérios, atuando também na fotografia de família. De volta a Fortaleza, fez parte da Coordenação do Festival Verbo Ver, é Coordenadora do Educativo do Museu da Fotografia e vem se dedicando à fotografia autoral e à pesquisa sobre parentalidade com o trabalho “Todo filho é filho da mãe”, com mães solo. Imagens sobre essa pesquisa é que poderão ser conferidas na Feira Oriente.

Lidiane Macedo – realiza fotografias criativas com o celular, inspirada em memórias afetivas, e assim tece narrativas visuais. Integrante do grupo Sol para Mulheres na Galeria Imagem Brasil e do coletivo Mulheres da Imagem CE, participa do GISPI (Grupo Investigação e Sensibilização Poética pela Imagem) no museu da cultura cearense. É graduada em Comunicação Social com habilitação em rádio, TV e internet. Suas fotos são registros de flores.

Livia de Paula – É estudante de jornalismo, artista visual, designer e hoje trabalha também com marketing de conteúdo. Desde criança tem um olhar voltado as artes, mas somente na faculdade que se dedicou profundamente a isso. Nesses seis primeiros anos em que se dedica às artes, o olhar principal é voltado para dentro, para os seus sentimentos, tão detalhados que muitas vezes criam confusões e diversos entendimentos. Tem a experimentação como principal característica. O trabalho proposto denominado “Camuflagem” surgiu nesse processo de experimento, onde o eu, que geralmente é estimulado pela fotografia, se camufla no ambiente através dos desenhos. Talvez seja como forma de adaptação para se tornar menos visível ao ambiente em que se encontra.

Marcella Elias – é artistamultimídia, atuando nos meios da fotografia, vídeo e cinema. É formada em Comunicação Social e está cursando especialização em Cinema. Seu ensaio fotográfico “Elisa” participou de exposições coletivas, dentre elas, no Museu da Cultura Cearense e na Multigaleria, no Dragão do Mar. Fez a direção de fotografia do curta-metragem “Grilhões” (Apenado). Sua pesquisa atual, chamada “Mulheres Invisíveis”, é uma instalação que gira em torno do feminino e de dar visibilidade à história de mulheres

Natália Albuquerque – é formadaem Relações Internacionais pela UFRJ, com experiência no Brasil em organizações internacionais como Médicos Sem Fronteiras (MSF). Ganhou bolsa de mestrado concedida pela União Europeia formando-se em Mediação Cultural em Barcelona. É co-diretora do filme LesStatues de Fortaleza, 2019, documentário que mostra a situação de refugiados venezuelanos no Brasil e será lançado no Brasil em dezembro de 2019 pela ONU e em outros festivais do mundo. Desde 2015, documenta problemas sociais e denuncia violações de direitos humanos que ocorrem em diferentes países. Na Feira Oriente suas fotos mostram a relação imposta entre cercas e seres humanos e evidencia o muro entre Israel e Palestina.

Natália Rocha – é fotógrafa e diretora de fotografia cearense. Formada em Comunicação Social, trocou o jornalismo pelo cinema em 2009, quando trabalhou no longa-metragem “Area Q” e, logo após, fez seu primeiro curso de Direção de Fotografia de Cinema em São Paulo. Fez direção de fotografia de alguns curtametragens e foi, aos poucos, migrando para a fotografia. Foi professora e participou de duas exposições, com trabalhos fotográficos e de videoarte. Em Fortaleza, se dedica à fotografia de casamentos com a marca “Laranjeira Azul” e é fotógrafa da Ordem dos Advogados do Ceará. Atualmente tem se dedicado ao estudo e pesquisa da fotografia autoral com um trabalho que mistura imagens em sobreposições, (se) questiona sobre a relação do homem com a natureza e conceitos globais de ecologia como um sistema inteiro e holístico, do qual não estamos apartados.

Nely Rosa – Graduação em Comunicação e Publicidade, fotógrafa cearense desde 1990. Atua neste campo prestando serviços para instituições públicas e empresas privadas do Estado e de forma independente em eventos sociais e culturais. Trabalhou como fotógrafa do Gabinete da Prefeitura Municipal de Fortaleza. Em 2011 montou a Galeria Mestre Rosa, iniciativa que reúne obras da nova geração de fotógrafos e artistas visuais cearenses, além de seu próprio trabalho. É filha e irmã de fotógrafos e mesmo pensando a fotografia como arte, verdadeiramente a considera um registro da realidade. O trabalho apresentado na feira se chama Epifania, manisfestada na fé, no perdão e na gratidão.

Rafa Eleutério – Apaixonada por fotografia desde a infância, segue na profissão há mais de 10 anos. Experimentou diversas possibilidades na fotografia, desde o fotojornalismo, em um dos maiores jornais do Ceará, acompanhamento do movimento de música alternativa em Fortaleza a trabalhos de moda. A maior parte da sua produção acontece em coletivo com o sócio e marido, Igor Dantas, artista visual. Hoje, Rafa assina campanhas conceituais de moda e para comunicadores digitais, além de atuar nas redes sociais ensinando pessoas a utilizarem a fotografia como ferramenta de voz no ambiente digital e offline. No trabalho Chronologie, ela acompanhou o processo criativo de estilistas na criação de coleção para o maior evento de moda autoral da América Latina, o Dragão Fashion. Nas fotos apresentadas, o resgate as memórias da avó da estilista Maria Philomeno trazem objetos e lembranças de afeto.

Sabrina Moura – é fotógrafa desde 2012, graduanda do curso de Licenciatura em Artes Visuais do IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará). Realizou diversos cursos de fotografia, estudou iluminação criativa para a fotografia e teve aulas de direção afetiva e fotografia de moda. Fez curso de fitotipia e participou da Oficina Fotografia e Direitos Humanos e da Formação Narrativas Poéticas Visuais. Participou ainda das exposições Encontros de Agosto 2016, Movência Poética 2018 no Museu de Arte da UFC, do projeto “Galeria 3×4” e “A cara negra do IFCE” (2018). Em 2019 foi selecionada para a Mostra Kariri de Fotografia. Na Feira Oriente será exposta uma mostra da exposição a Cara Negra e Indígena do IFCE.

Sheila Oliveira – vive e trabalha em Fortaleza. Estudou fotografia na Foximage e trabalhou na Agence France Press, em Paris. Em São Paulo, fez especialização em fotojornalismo e trabalhou no jornal Folha de São Paulo. Ganhou prêmioscom o seu primeiro livro: “Carnaúba a árvore que arranha” (Editora Tempode imagem/2006) e com o livro “Redes de Dormir” (Editora Dartista/2012). Publicou o livro “Rio Jaguaribe memória no tempo e nas águas” (Editora Dartista/2015). Foi Diretora do Instituto da Fotografia, temimagens publicadas em diversas revistas e participou de exposições fotográficas no Ceará, inclusive na Espanha. Sobre o ensaio “Frescor da Alma”, a água é um elemento da natureza que traz tranquilidade, pureza, refresca e molha a terra seca. Pensando nessas sensações que a água traz, Sheila captou essas imagens de pessoas durante as suas corridas matinais enquanto se protegida da chuva dentro do carro. As almas das pessoas pairam entre o ser e as coisas.

Stephanie Nojosa É natural do Ceará. Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará – UFC, atualmente é residente-professora de Sociologia do ensino médio. Neste ano, lançou o perfil no Instagram “Rastros Periféricos” (@rastrosperifericos) para compartilhar as visualidades que narram suas caminhadas na cidade. Fotografa com o celular desde 2014, quando iniciou seu ativismo pela garantia dos Direitos Humanos e das Mulheres. Com a imagem “Alumbramento”, a fotógrafa lança seu olhar para rastros singulares de suas experimentações cotidianas.

Tatiana Tavares – é professora de Artes. Formada em Licenciatura em Artes Visuais, atualmente faz especialização em História da Arte. Possui pesquisas voltadas para o campo da História da Arte e Fotografia. Na perspectiva fotográfica, tem uma relação mais próxima com a fotoperformance. As imagens selecionadas para a exposição coletiva Sol para Mulheres são frutos de duas fotoperformances: Rotina e Campos de Morango. Rotina se trata da ansiedade no cotidiano que é tão presente na vida da fotógrafa. Já Campos de Morango fala da relação existente entre a mulher e a sexualidade. São dois ensaios de cunho mais intimista.

Vitória Lima – Jornalista, fotógrafa, artista visual e produtora em audiovisual. Na fotografia trabalha o documental de forma intimista, explorando através das imagens uma forma livre de resgatar memórias. Fez parte das turmas de estudos curatoriais da EAV – Parque Lage (RJ), onde atuou como curadora no projeto expositivo da turma de Arquitetura da Arte, ministrada por Sônia Salcedodel Castilho, com a exposição “Abelardo Zaluar, Um Ponto de Partida”. Possui também experiência em curadoria e montagem expositiva com a exposição fotográfica “Assaré- Fragmentos” realizada na Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, em Nova Olinda, pela Mostra Sesc Cariri de Culturas 2016. Em A casa Azul, projeto fotográfico que resultou em um livro, retrata o trabalho realizado pela Fundação Casa Grande, ONG que desenvolve um trabalho de educação complementar para crianças e jovens no sertão do Cariri.

 

SERVIÇO

Exposição “Sol para Mulheres” em Fortaleza

Abertura: dia 18 de janeiro, das 16h às 20 horas

De 18 a 31 de janeiro

Local: Imagem Brasil Galeria – Endereço: Rua Rocha Lima, 1707

Visitação: de segunda a sexta, das 9h às 12h e 14h às 18h

Mais informações: (85) 3261.0525

Entrada grátis

Férias no Dragão – Mirante das Artes: Concerto de Natal, mostra de cinema e exposições movimentam Dragão, até domingo (22) 

Na semana que antecede o feriado natalino, o Centro Dragão do Mar recebe o Concerto de Natal de Fortaleza, que terá as apresentações da Orquestra Estrela da Serra, Maribanda, Coral Moenda de Canto, Quinteto de Sopros Alberto Nepomuceno, Coral da Universidade sem Fronteiras e Coral e Orquestra Infantil Casa de Vovó Dedé. O evento é gratuito e será realizado nesta terça-feira (17), às 19h, no Anfiteatro.

O cinema também é destaque nesta semana com as estreias de “A Rosa Azul de Novalis, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro, e de “E Então Nós Dançamos, de Levan Akin, na próxima quinta-feira (19). Os longas “Synonymes”, de Nadav Lapid, “A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, “Dois Papas”, de Fernando Meirelles, e “Parasita”, de Bong Joon-ho, seguem em cartaz. E, até o próximo dia 18, o Cinema do Dragão estará com a mostra gratuita “Hong Sang-soo: A repetição da Vida”, com filmes do cineasta sul-coreano Hong Sango-soo.
O teatro recebe, nos dias 21 e 22, os espetáculos “D. Menina” (teatro infantil), às 17h, e “Fruta Cor”, “Dança-Douro” e “Desenho Animado” (dança), às 20h.
Exposições
As exposições seguem durante as férias no Centro Dragão do Mar. São elas: Ouro Branco – a estrada é escura e arriscada, da artista Simone Barreto; Grande Circular, de Isadora Teixeira, Léo Silva, Linga Acácio, Lucas Dilacerda, Samuel Tomé, Terroristas del Amor e Wellington Gadelha; Zona de Remanso, dos artistas Cadena, Clébson Oscar, Larissa Vasconcelos, Linga Acácio, Jonas Van, Priscilla Sousa, Karine Araujo, Zahra Alencar; Desindústria, de Rafael Vilarouca; e Fóssil Coração de Peixe, de Lua Alencar, Willian Ferreira, Raquel Gomes, Naiana Gomes, que estão no Museu de Arte Contemporânea. A Ereção da Palavra, do artista Lívio do Sertão, pode ser vista nos espaços externos no Centro Dragão do Mar; a exposição De Poesia a Periferia tá cheia!, do Coletivo Motim, está no Espaço Mix; Folclore em Cena, na Multigaleria; e Rotas, de Régis Amora, na Varanda dos Museus.
A programação completa de dezembro pode ser acessada aqui.

26 Fotógrafas e artistas visuais do Ceará realizam exposição “Sol para Mulheres” na ‘Feira Oriente de Artes Visuais’ no Rio de Janeiro

 

 

De 27 de novembro a 1º de dezembro, 26 fotógrafas e artistas visuais do Ceará do programa “Sol para Mulheres, conduzido pela Imagem Brasil Galeria, terão seus trabalhos expostos na Feira Oriente de Artes Visuais na Galeria Aymoré, Rio de Janeiro.

 

“O convite para realizar a exposição na Feira surgiu de forma surpreendente. Recebemos os coordenadores do evento, Adriana Braga e Wagner Ferrer, para um curso aqui na Galeria, e eles ficaram encantados com o nosso projeto. Aceitamos o convite e começamos a trabalhar de forma colaborativa para viabilizar a participação das artistas. Essa experiência certamente marcará o percurso de todas, trazendo grande visibilidade aos seus trabalhos”, diz Patrícia Veloso, idealizadora do projeto e diretora da Imagem Brasil Galeria.

 

A exposição fará um recorte na diversa produção das participantes do programa, entre fotógrafas experientes e iniciantes. São elas: Alice Frota, Aline Caldas, Ana Peyroton, Beatriz Bley, Camila Oliveira, Camila Pinho, Cisglene Pineo, Delfina Rocha, Denise Luz, Denise Marçal, Ianara Alencar, Joyce S. Vidal, Lia de Paula, Lidiane Macedo, Livia de Paula, Marcella Elias, Natália Albuquerque, Natália Rocha, Nely Rosa, Rafa Eleutério, Sabrina Moura, Sayara Bezerra, Sheila Oliveira, Stephanie Nojosa, Tatiana Tavares e Vitória Lima.

 

A Feira Oriente oferece oportunidades para artistas mostrarem e comercializarem seus trabalhos diretamente com os compradores. Para receber a exposição “Sol para Mulheres” foi destinada uma área especial, integrada à Feira. As imagens selecionadas estarão conectadas e irão dialogar através de um trabalho minucioso e com a sensibilidade das curadoras Patrícia Veloso, Waléria Américo e Cecília Bedê, mulheres com vasta experiência na área.

 

SOL PARA MULHERES – Os encontros do programa “Sol para Mulheres” iniciaram em agosto deste ano com a proposta de ampliar a circulação e dar visibilidade a produção das fotógrafas e artistas visuais do Ceará, proporcionando novas oportunidades. As participantes têm encontros mensais com convidadas de expressiva atuação no universo das artes, que colaboram com reflexões sobre a produção contemporânea. Esses momentos são também para apreciação coletiva de obras, possibilitando espaço de intercâmbio artístico, troca de experiências, com aprofundamento das linguagens desenvolvidas.

 

SERVIÇO

Feira Oriente de Artes Visuais – https://www.feiraoriente.com/

De 27 de novembro a 1º de dezembro

Local: Galeria Aymoré, Ladeira da Glória, 26  Rio de Janeiro  http://www.villaaymore.com.br/

Entrada grátis

Mais informações: Imagem Brasil Galeria – (85) 3261.0525

 

FOTÓGRAFAS E ARTISTAS VISUAIS

 

Alice Frota – Fotógrafa maranhense residente em Fortaleza há mais de 25 anos, Alice Frota iniciou seus estudos fotográficos em 2018 na escola Travessa da Imagem, entendendo que para além da técnica, a fotografia é narrativa visual que é atravessada pela filosofia, antropologia e outros campos do pensamento. Aproveitando sua formação acadêmica em filosofia, seu interesse por temas humanitários como imigração, direitos humanos, feminismo, entre outros, tem sido objeto de construção de seu trabalho narrativo visual. Realizou trabalho social voluntário que acolhe imigrantes em situação de vulnerabilidade em Fortaleza. Participou de oficinas fotográficas, organizadas pelo Museu da Fotografia de Fortaleza, na comunidade Titanzinho, onde iniciou um projeto fotográfico sobre a relação dos sujeitos com os espaços. São imagens desse projeto que serão expostas na Feira Oriente no Rio.

 

Ana Peyroton – nasceu em Niterói (RJ), mas mora em Fortaleza. É jornalista, diretora de uma agência de comunicação e social mídia. Começou a fotografar em 2013 percorrendo as cidades na conexão Rio/Fortaleza, a pé ou de bike, buscando novos ângulos nas cenas cotidianas. Muitas fotos foram motivadas como saídas para pautas jornalísticas sobre duas rodas. Na bagagem, fones de ouvido, uma trilha sonora, um celular e muitas ideias na cabeça. O desafio era ter um novo olhar sobre o mesmo lugar, encontrar algum foco belo ou inusitado em meio ao caos urbano e depois publicar no Instagram, como resultado de um processo aeróbico e meditativo. Assim surgiu o projeto: Percursos Urbanos.

 

Camila de Oliveira – Estudante de jornalismo, faixa amarela no sistema Moy Fah de Kung Fu, onde também atuo como designer e integrante do coletivo Mulheres da Imagem CE. Entre diversos caminhos e interesses, a fotografia se manteve uma constante para mim. No trabalho como artista visual, ilustradora ou designer, a fotografia é uma forma de me expressar. Fotógrafa no projeto Filho de Manicure, do Porto Iracema das Artes, e no projeto O Confronto de Agnes, ganhador de edital da Secult-For. Na performance Mulher sem Rosto, fotografei a artista visual Rogeane Oliveira em sua crítica ao lugar da mulher na história da arte, ou seja, sempre como musa inspiradora mas raramente como produtora.

 

Camila Pinho – é fotógrafa e educadora, desenvolve pesquisa sobre a memória e a relação do corpo com o espaço. Usa a fotografia como suporte para produções experimentais. Cursa o Mestrado Profissional em Arte pelo Programa de Pós-Graduação do IFCE. Licenciada em Artes Visuais pelo IFCE com intercâmbio no curso Designer e Arte do Instituto Politécnico de Bragança-Portugal. Suas imagens mostram fissuras no corpo feminino.

 

Cisglene Pineo – é geógrafa e fotógrafa que busca, no trabalho intitulado Rugosidades Urbanas, captar e retratar nas regiões essencialmente urbanas as práticas que ainda se mantêm vivas, apesar do tempo e das modernidades que surgem a cada instante e apesar das novas relações ditadas pelas mídias sociais. Um olhar em lugares que, no tempo, são ainda usados pelo povo de forma que as tradições se mantêm. Seu registro é de um vagão de trem antigo.

 

Delfina Rocha – iniciou na fotografia nos anos 80 com o fotógrafo Chico Albuquerque. Trabalhou entre Rio e São Paulo com foto publicitária e de cena para cinema em produções de renomados diretores. Publicou livro, recebeu prêmios e participou de exposições. Hoje possui um estúdio fotográfico em Fortaleza e há alguns anos tem voltado sua atenção para a fotografia autoral. Com o trabalho “Pérolas aos Porcos”, cria um processo de ruptura com a estética asséptica presente em seu trabalho publicitário a partir de uma pocilga que deslocou seu olhar da imagem da natureza para uma estética suja e corrompida. As imagens dos porcos começaram a ganhar a presença de ninfas emprestadas de suas campanhas publicitárias que aos poucos foram se entrelaçando em camadas digitais, criando assim uma imagem metafísica, de DNA híbrido.

 

Denise Luz – é fotógrafa, realizadora audiovisual e geógrafa. Desenvolveu pesquisa na pós-graduação em Geografia com ênfase nos estudos sobre Cinema e Cidade. Produziu e dirigiu o documentário “I Love You Ferrão”, exibido no Festival de Cinema de Futebol (CINEfoot). Possui projetos voltados para fotografia e cinema documental que abrangem cultura, periferias, cotidiano e memória. Atualmente desenvolve “FRONT”, projeto audiovisual de fotografia e documentário sobre o protagonismo feminino a partir da experiência e organização das mulheres trabalhadoras do campo que estão à frente da luta pelo acesso à terra e formam o front de resistência. Na exposição participará com as fotos “Meninos que voam”.

 

Denise Marçal – é jornalista e fotógrafa cearense com um olhar sensível à infância e ao ser feminino. Iniciou sua carreira fotografando partos e aos poucos foi direcionando seu trabalho para a fotografia de mulheres, a quem busca proporcionar uma experiência de autovalorização e autoestima por meio da imagem. Recentemente, tem se dedicado a desenvolver o seu projeto de fotografia documental, inspirada na experiência de retratar imigrantes acolhidos pela Pastoral do Imigrante e crianças da comunidade do Titanzinho, em Fortaleza. Uma amostra desse trabalho poderá ser conferido na Feira Oriente 2019.

 

Ianara Alencar – nasceu em Fortaleza, se formou em psicologia e atua como psicanalista há 18 anos. Em 2000 fez seu primeiro curso de fotografia. Depois de uma pausa, em 2017, voltou a buscar conhecimento em cursos e workshops. Teve seu trabalho pré-selecionado em duas edições do Festival Paraty em Foco, participou do Festival Verbo Ver e fez parte de um fotolivro. O seu atual trabalho foi inspirado no movimento das raízes que, de forma silenciosa, rompem muros e expressam sua resistência às agressões em seu ambiente, emergindo do solo escuro para mostrar-se à luz em total desobediência a sua natureza. Uma metáfora necessária aos dias de hoje que, em tempos sombrios, é preciso atravessar a escuridão para resistir de forma radical, no sentido mais amplo da palavra: no seu extremo e na sua origem, e denunciar a toda forma de opressão, violência, censura e intolerância.

 

Joyce S. Vidal –  iniciou os estudos em audiovisual e fotografia em 2010 na Rede CUCA na Barra do Ceará. É graduada em Audiovisual e Novas Mídias pela Unifor. Atuou como fotógrafa na Escola Porto Iracema das Artes e, atualmente, é articuladora e formadora no Coletivo Zóio, que tem o objetivo de ressignificar a imagem das periferias através da fotografia e do audiovisual. Atua ainda no Coletivo Perigrafia, com fotógrafas e fotógrafos de periferias de Fortaleza, além de ser professora do Ateliê de Fotografia no Centro Cultural Bom Jardim. Paralelo ao trabalho audiovisual e fotográfico, Joyce tem participado de debates sobre o movimento negro e periférico em Fortaleza por meio de eventos, mesas de debate e rodas de conversa. Na Feira do Oriente, Joyce participa com imagens de algumas periferias de Fortaleza.

 

Lia de Paula – é fotógrafa, formada em cinema, natural de Fortaleza. Parte da infância e da adolescência morou na Inglaterra, onde aprendeu a fotografar e cursou ‘Media Studies’ no Westminster College. Desde então vem se dedicando, profissionalmente, à fotografia. Em Fortaleza, trabalhou no jornal O Povo e na prefeitura da cidade, participou da produção de livros e de exposições, antes de se mudar para Brasília, onde passou pela Agência Senado e Ministérios, atuando também na fotografia de família. De volta a Fortaleza, fez parte da Coordenação do Festival Verbo Ver, é Coordenadora do Educativo do Museu da Fotografia e vem se dedicando à fotografia autoral e à pesquisa sobre parentalidade com o trabalho “Todo filho é filho da mãe”, com mães solo. Imagens sobre essa pesquisa é que poderão ser conferidas na Feira Oriente.

 

Lidiane Macedo – realiza fotografias criativas com o celular, inspirada em memórias afetivas, e assim tece narrativas visuais. Integrante do grupo Sol para Mulheres na Galeria Imagem Brasil e do coletivo Mulheres da Imagem CE, participa do GISPI (Grupo Investigação e Sensibilização Poética pela Imagem) no museu da cultura cearense. É graduada em Comunicação Social com habilitação em rádio, TV e internet. Suas fotos são registros de flores.

 

Livia de Paula – É estudante de jornalismo, artista visual, designer e hoje trabalha também com marketing de conteúdo. Desde criança tem um olhar voltado as artes, mas somente na faculdade que se dedicou profundamente a isso. Nesses seis primeiros anos em que se dedica às artes, o olhar principal é voltado para dentro, para os seus sentimentos, tão detalhados que muitas vezes criam confusões e diversos entendimentos. Tem a experimentação como principal característica. O trabalho proposto denominado “Camuflagem” surgiu nesse processo de experimento, onde o eu, que geralmente é estimulado pela fotografia, se camufla no ambiente através dos desenhos. Talvez seja como forma de adaptação para se tornar menos visível ao ambiente em que se encontra.

 

Marcella Elias – é artista multimídia, atuando nos meios da fotografia, vídeo e cinema. É formada em Comunicação Social e está cursando especialização em Cinema. Seu ensaio fotográfico “Elisa” participou de exposições coletivas, dentre elas, no Museu da Cultura Cearense e na Multigaleria, no Dragão do Mar. Fez a direção de fotografia do curta-metragem “Grilhões” (Apenado). Sua pesquisa atual, chamada “Mulheres Invisíveis”, é uma instalação que gira em torno do feminino e de dar visibilidade à história de mulheres

 

Natália Albuquerque – é formada em Relações Internacionais pela UFRJ, com experiência no Brasil em organizações internacionais como Médicos Sem Fronteiras (MSF). Ganhou bolsa de mestrado concedida pela União Europeia formando-se em Mediação Cultural em Barcelona. É co-diretora do filme Les Statues de Fortaleza, 2019, documentário que mostra a situação de refugiados venezuelanos no Brasil e será lançado no Brasil em dezembro de 2019 pela ONU e em outros festivais do mundo. Desde 2015, documenta problemas sociais e denuncia violações de direitos humanos que ocorrem em diferentes países. Na Feira Oriente suas fotos mostram a relação imposta entre cercas e seres humanos e evidencia o muro entre Israel e Palestina.

 

Natália Rocha – é fotógrafa e diretora de fotografia cearense. Formada em Comunicação Social, trocou o jornalismo pelo cinema em 2009, quando trabalhou no longa-metragem “Area Q” e, logo após, fez seu primeiro curso de Direção de Fotografia de Cinema em São Paulo. Fez direção de fotografia de alguns curtametragens e foi, aos poucos, migrando para a fotografia. Foi professora e participou de duas exposições, com trabalhos fotográficos e de videoarte. Em Fortaleza, se dedica à fotografia de casamentos com a marca “Laranjeira Azul” e é fotógrafa da Ordem dos Advogados do Ceará. Atualmente tem se dedicado ao estudo e pesquisa da fotografia autoral com um trabalho que mistura imagens em sobreposições, (se) questiona sobre a relação do homem com a natureza e conceitos globais de ecologia como um sistema inteiro e holístico, do qual não estamos apartados.

 

Rafa Eleutério – Apaixonada por fotografia desde a infância, segue na profissão há mais de 10 anos. Experimentou diversas possibilidades na fotografia, desde o fotojornalismo, em um dos maiores jornais do Ceará, acompanhamento do movimento de música alternativa em Fortaleza a trabalhos de moda. A maior parte da sua produção acontece em coletivo com o sócio e marido, Igor Dantas, artista visual. Hoje, Rafa assina campanhas conceituais de moda e para comunicadores digitais, além de atuar nas redes sociais ensinando pessoas a utilizarem a fotografia como ferramenta de voz no ambiente digital e offline. No trabalho Chronologie, ela acompanhou o processo criativo de estilistas na criação de coleção para o maior evento de moda autoral da América Latina, o Dragão Fashion. Nas fotos apresentadas, o resgate as memórias da avó da estilista Maria Philomeno trazem objetos e lembranças de afeto.

 

Sabrina Moura – é fotógrafa desde 2012, graduanda do curso de Licenciatura em Artes Visuais do IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará). Realizou diversos cursos de fotografia, estudou iluminação criativa para a fotografia e teve aulas de direção afetiva e fotografia de moda. Fez curso de fitotipia e participou da Oficina Fotografia e Direitos Humanos e da Formação Narrativas Poéticas Visuais. Participou ainda das exposições Encontros de Agosto 2016, Movência Poética 2018 no Museu de Arte da UFC, do projeto “Galeria 3×4” e “A cara negra do IFCE” (2018). Em 2019 foi selecionada para a Mostra Kariri de Fotografia. Na Feira Oriente será exposta uma mostra da exposição a Cara Negra e Indígena do IFCE.

 

Sheila Oliveira – vive e trabalha em Fortaleza. Estudou fotografia na Foximage e trabalhou na Agence France Press, em Paris. Em São Paulo, fez especialização em fotojornalismo e trabalhou no jornal Folha de São Paulo. Ganhou prêmios com o seu primeiro livro: “Carnaúba a árvore que arranha” (Editora Tempo de imagem/2006)e com o livro “Redes de Dormir” (Editora Dartista/2012). Publicou o livro “Rio Jaguaribe memória no tempo e nas águas” (Editora Dartista/2015). Foi Diretora do Instituto da Fotografia, tem imagens publicadas em diversas revistas e participou de exposições fotográficas no Ceará, inclusive na Espanha. Sobre o ensaio “Frescor da Alma”, a água é um elemento da natureza que traz tranquilidade, pureza, refresca e molha a terra seca. Pensando nessas sensações que a água traz, Sheila captou essas imagens de pessoas durante as suas corridas matinais enquanto se protegida da chuva dentro do carro. As almas das pessoas pairam entre o ser e as coisas.

 

Stephanie Nojosa É natural do Ceará. Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará – UFC, atualmente é residente-professora de Sociologia do ensino médio. Neste ano, lançou o perfil no Instagram “Rastros Periféricos” (@rastrosperifericos) para compartilhar as visualidades que narram suas caminhadas na cidade. Fotografa com o celular desde 2014, quando iniciou seu ativismo pela garantia dos Direitos Humanos e das Mulheres. Com a imagem “Alumbramento”, a fotógrafa lança seu olhar para rastros singulares de suas experimentações cotidianas.

 

Tatiana Tavares – é professora de Artes. Formada em Licenciatura em Artes Visuais, atualmente faz especialização em História da Arte. Possui pesquisas voltadas para o campo da História da Arte e Fotografia. Na perspectiva fotográfica, tem uma relação mais próxima com a fotoperformance. As imagens selecionadas para a exposição coletiva Sol para Mulheres são frutos de duas fotoperformances: Rotina e Campos de Morango. Rotina se trata da ansiedade no cotidiano que é tão presente na vida da fotógrafa. Já Campos de Morango fala da relação existente entre a mulher e a sexualidade. São dois ensaios de cunho mais intimista.

      

Vitória Lima – Jornalista, fotógrafa, artista visual e produtora em audiovisual. Na fotografia trabalha o documental de forma intimista, explorando através das imagens uma forma livre de resgatar memórias. Fez parte das turmas de estudos curatoriais da EAV – Parque Lage (RJ), onde atuou como curadora no projeto expositivo da turma de Arquitetura da Arte, ministrada por Sônia Salcedo del Castilho, com a exposição “Abelardo Zaluar, Um Ponto de Partida”. Possui também experiência em curadoria e montagem expositiva com a exposição fotográfica “Assaré- Fragmentos” realizada na Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, em Nova Olinda, pela Mostra Sesc Cariri de Culturas 2016. Em A casa Azul, projeto fotográfico que resultou em um livro, retrata o trabalho realizado pela Fundação Casa Grande, ONG que desenvolve um trabalho de educação complementar para crianças e jovens no sertão do Cariri.

Campanha Amigos em Ação abre 11ª Exposição de Obras de Arte

 

A cultura está ligada ao desenvolvimento da sociedade em diversos aspectos e, nesse sentido, a Campanha Amigos em Ação une arte e solidariedade com a realização da 11ª edição da tradicional Mostra Coletiva de Obras de Arte Amigos em Ação. Reunindo 78 lotes dos mais variados estilos, a exposição tem como obra-tema uma fotografia em homenagem ao fotógrafo cearense Chico Albuquerque, intitulada Mucuripe. As obras ficarão expostas no Hall Principal da CDL de Fortaleza e a abertura acontece no dia 21/11, às 19h.

 

Entre as obras serão encontradas pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, colagens e esculturas de 73 artistas plásticos e fotógrafos renomados do cenário local e de projeção nacional vivos ou já falecidos, bem como de talentos da nova geração das artes cearenses. As obras ficarão expostas para visitação pública gratuita até o dia 12 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas.

 

Todos os trabalhos foram doados pelos artistas e por colecionadores para a campanha anual do Amigos em Ação e participarão do 16° Leilão de Obras de Arte Amigos em Ação, que será realizado no dia 14/12 no Hotel Gran Marquise.  Entre os artistas participantes estão Aldemir Martins, Maurício Cals, Heitor dos Prazeres, Welton Silva, Assis Filho, Chico da Silva, Mano Alencar, Di Cavalcanti, Vando Figueirêdo, Totonho Laprovítera, Ascal, Farnese de Andrade, Sergei de Castro, Francisco Bandeira, Almeida Leite, Wanger Santos, Tarciso Viriato, Expedito Lima, Ferreirinha, Orlando Moura, entre outros.

 

A obra-tema que homenageia Chico Albuquerque, pioneiro da fotografia publicitária brasileira, é uma reprodução certificada de uma fotografia histórica da década de 1950, da série “Jangadeiro”, e guia a identidade visual da campanha Amigos em Ação. Os lances para essa e também para as demais obras já podem ser feitos pelo telefone (85) 3466.4303 ou através do site da Montenegro Leilões.

 

Doação de alimentos

 

Em paralelo à exposição de obras de arte, a Campanha Amigos em Ação vem mobilizando os conselheiros e associados para a arrecadação de gêneros alimentícios, em que cada participante precisa doar, no mínimo, 60 quilos de alimentos não perecíveis. Este ano, seis instituições serão beneficiadas com as doações: Lar Torres de Melo, Santa Casa da Misericórdia de Fortaleza, Lar Amigos de Jesus, Oficina do Senhor, Edisca e Lar Francisco de Assis. Como uma forma de estímulo, ao final da campanha, os três maiores doadores são premiados com um troféu. Nos seus 27 anos de existência, o Amigos em Ação já beneficiou mais de 100 entidades filantrópicas e comunidades carentes com cerca de 447 toneladas de alimentos não perecíveis. Para este ano, a expectativa dos organizadores é atingir a meta de 30 toneladas arrecadadas.

 

Além disso, o movimento apoia, desde 2004, o projeto Educação para o Trabalho e a Cidadania, que atende crianças e adolescentes das Comunidades de Vila Pagã e Estrada Nova, no distrito de Tapera, em Aquiraz. O programa criou, há 14 anos, a Banda de Pífaros Juventude Amigos em Ação, composta por cerca de 50 jovens instrumentistas com idades entre dez e vinte anos.

 

Sobre a Alessandro Belchior Imóveis

 

Com 30 anos de experiência, a Alessandro Belchior Imóveis trabalha em toda a cadeia imobiliária nas áreas de comercialização, locação e administração de imóveis. A empresa administra imóveis de todos os portes, atuando em toda a Grande Fortaleza e em alguns municípios do interior. Como empresa socialmente responsável, a Alessandro Belchior Imóveis criou em 1992 o seu principal programa social, o Amigos em Ação, que beneficia anualmente instituições filantrópicas com doações de alimentos. A campanha começou como uma atividade de arrecadação de alimentos para serem doados durante o período natalino e expandiu-se alcançando resultados sociais expressivos.

 

Serviço:

11ª Exposição Coletiva de Obras de Arte Amigos em Ação

Local: CDL de Fortaleza (R. Vinte e Cinco de Março, 882)

Abertura: 21/11

Horário: 19h

Visitação pública gratuita: De 22 de novembro a 12 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas.

Fortaleza recebe 1º Orquídeas no Parque

 

 

Os apaixonados por flores ganham de presente o “1º Orquídeas no Parque“, de 8 a 10 de novembro, no Parque do Cocó. Dois orquidários comerciais estarão presentes: o Flores do Lago, de Minas Gerais, e o Santa Gertrudes, do Ceará. Centenas de espécies e híbridos, com valores a partir de R$20,00, estarão à disposição dos visitantes – sejam aqueles que já cultivam orquídeas e desejam ampliar suas coleções, sejam os que estão descobrindo agora estas flores tão belas e resolveram adquirir seus primeiros vasos. Os visitantes também terão acesso gratuito a palestras e oficinas de cultivo envolvendo as orquídeas e outros temas do interesse dos amantes da natureza.

 

O evento tem programação gratuita e nas tendas dispostas no entorno da exposição, serão comercializados cactos e suculentas, bromélias e rosas do deserto, artesanato e antiguidades, assim como material utilizado no cultivo, como vasos, substratos, adubos, hormônios e defensivos.

 

O 1º Orquídeas no Parque será a segunda grande exposição promovida, este ano, pela Associação Cearense de Orquidófilos (ACEO). A primeira aconteceu em fevereiro, na Casa de José de Alencar, onde teve lugar a 12ª edição do FestOrquídeas. Desta vez, com apoio da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), a mostra se realiza no Parque do Cocó. Soma-se, também como apoiador do festival, a Leroy Merlim, que vem comercializando, em Fortaleza, um grande estoque de orquídeas de qualidade.

 

Orquídeas

As orquídeas são uma família de plantas surpreendente com 35 mil espécies na natureza e muitos híbridos. O Nordeste é conhecido por ter na natureza a Cattleya Labiata, a rainha do Nordeste, de perfume inconfundível e conhecida mundialmente entre os colecionadores. Está na lista de plantas em extinção do IBAMA, mas ainda em abundância no Ceará. No Ceará, são 89 espécies de 45 gêneros diferentes de orquídeas. Ao contrário do que muitos pensam são plantas de fácil cultivo e que podem durar a vida inteira. Os cuidados básicos pra manter sua orquídea sempre bonita e ter flores na sua época de floração é utilizar adubos próprio para orquídeas, água conforme a necessidade da plantas, oferecer boa luminosidade, dar carinho e atenção.

 

O cultivo de orquídeas é uma das atividades de lazer mais difundidas no mundo inteiro e tem atraído cada vez mais os cearenses, graças ao trabalho de divulgação desenvolvido pela ACEO nos últimos anos. A orquidofilia é um hobby crescente no Nordeste e atrai um público de cerca de 12 mil pessoas.

 

Programação:

Sexta-feira (8/11)

  • 8h às 12h – recebimento de plantas
  • 13h às 14h – Julgamento
  • 14h às 17h – Abertura da exposição
  • 15h – Oficina de cultivo de orquídeas

Área de vendas aberta das 8:00 às 17:00

 

Sábado (9/11)

  • 8h ás 17h – Visitação
  • 10h – Oficina de cultivo de orquídeas
  • 14h – Oficina de cultivo de orquídeas
  • 15h – Palestra “Orquídeas do Ceará: ontem, hoje e amanhã”. Roberto Otoch (Instituto de Desenvolvimento Ambiental e Social do Ceará IDASC) e Marcelo Carvalho (Diretor técnico e científico da ACEO)

 

Domingo (10/11)

  • 8h às 16h – Visitação
  • 9h – Oficina “Como fotografar orquídeas”, com Lucas Dib.
  • 11h – Oficina de cultivo de orquídeas
  • 14h – Oficina de cultivo de orquídeas
  • 15h – Entrega da premiação.
  • 16h – Encerramento da exposição e devolução de plantas

Observação:

Domingo pela manhã, haverá a presença de Joaquim Saldanha Meliponario Parque Escola com as abelhas sem ferrão, uma mesa com caixa de abelhas e divulgação da importância da preservação das abelhas.

 

Vendas:

Orquídeas com os orquidários comercias Flores do Lago de Patos de Minas e Santa Gertrudes do Ceará.

 

Cactos, suculentas, plantas ornamentais, rosas do deserto, material de cultivo de orquídeas, como: vaso, substrato, adubos, hormônios de defensivos.

 

Serviço:

“Festival de Orquídeas Fortaleza”

Data: 8 a 10 de novembro

Local: Parque Ecológico do Cocó

North Shopping Fortaleza recebe duas exposições gratuitas alusivas às crianças em outubro

O North Shopping Fortaleza recebe duas exposições gratuitas em alusão às crianças durante o mês de outubro. Com os temas “Um Mundo sem Trabalho Infantil” e “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”, as mostras são organizadas pela Justiça do Trabalho do Ceará, por meio da gestão regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, e são inauguradas hoje (11) no Espaço Cultural (Piso 3), a partir das 19h.

Na ocasião, autoridades marcam presença, como o Desembargador Plauto Carneiro Porto, Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região, a Juíza do Trabalho Karla Yacy Carlos da Silva e o Procurador do Trabalho Dr. Antônio de Oliveira Lima.

A exposição “Um Mundo sem Trabalho Infantil” reúne 12 painéis que retratam com textos, ilustrações, charges e fotografias a realidade de milhares de crianças brasileiras submetidas ao trabalho precoce. A mostra, que é itinerante, foi montada pela primeira vez em 12 de junho de 2016, em Brasília, no Tribunal Superior do Trabalho, por ocasião do Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, e já percorreu vários estados.

Já em “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”, são reunidas fotografias de servidores, advogados e de profissionais que registraram crianças brincando em diversos países. A ideia é mostrar que brincadeiras de rua, banho de rio, futebol e outros passatempos ao ar livre são comuns a todas as crianças, em qualquer parte do mundo, e são algumas das atividades consideradas importantes para o processo de aprendizagem infantil.

Serviço:  Exposições “Um Mundo sem Trabalho Infantil” e “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”.  

Até 31 de outubro no Espaço Cultural do North Shopping Fortaleza (Piso 3).Acesso gratuito. Informações: (85) 3404.3000, redes sociais do shopping (@northshoppingfortaleza) e www.northshoppingfortaleza.com.br.

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA MARCA LANÇAMENTO DE COLEÇÃO DO ELO

Nesta quinta-feira (26), às 18h, o Elo lança coleção na Casa Bendita com a abertura de uma exposição fotográfica de Israel Machado. Após o lançamento da collab no DFB Festival 2018, o foco das marcas têm sido o mercado, tendo participado de diversas feiras de economia criativa até se firmar na Loja Carandá, espaço colaborativo onde a gestão é compartilhada entre os empreendedores.

Inicialmente formado por duas designers e uma arquiteta – Evelyn Jucá, Monike Oliveira e Suyenne Lemos – que se uniram para transformar seus sonhos em negócios criativos, o Elo se propõe agora a prestar serviços de mentoria e realizar projetos em colaboração com outras marcas, com objetivo de agregar talentos, compartilhar saberes e ganhar mercado. “Acreditamos sempre que é melhor fazer junto que sozinho e tendo como pilar a empatia, colaboração e coragem, ampliamos nosso olhar em 2019 com foco no fortalecimento da economia criativa. Queremos conectar pessoas e sonhos”, explica Monike.

                Para a exposição de lançamento da coleção das marcas Padma, K e Elemento Fio, o Elo reuniu ainda o fotógrafo de moda Israel Machado, o marketing manager Lucas Francisco, o maquiador Lincoln Walraven, o designer e artista Tulio Paracampos e a Casa Bendita. No total, são nove fotografias, que apresentam as criações em moda feminina e design de joias.

Novas coleções

Para a coleção Elementar, K se inspira na Bauhaus, escola alemã que completa 100 anos em 2019. Mais que uma escola, se tornou um movimento reconhecido mundialmente, com a proposta de combinar arquitetura, artes e design. “Desse movimento, a K adota as linhas simples, a geometria minimalista e nada de excessos”, define Monike Oliveira, uma das três irmãs que criaram e gerenciam a marca de moda feminina que se destaca por utilizar apenas a cor preta em suas criações.

Já a Padma busca concretizar reflexões sobre a Energia Vital. “Vivemos num vasto mar de energia, essa força vital que nos move e nos motiva, é a vibração que nos impulsiona, irradia, que não pede permissão, simplesmente vibra e se expõe.  Os antigos acreditam que as árvores servem como antenas dessa energia, que elas fazem a conexão entre a terra, planetas e todos os corpos celestes”, conta Evelyn Jucá. Assim, a nova coleção da marca traz formas, texturas, metais e pedras que se harmonizam em fluidez e vibração.

Na Elemento Fio, Suyenne Lemos celebra o cimento, o segundo material mais consumido pela humanidade. A linha intitulada Cinza propõe uma mudança no olhar para o material, visto de perto, cru, pequeno, com um desenho delicado, tendo a prata como suporte. “O cimento é pó e é pedra. Contém em si a potência de ser grande, possibilita que grandes estruturas existam, aglomera, une. Nesta coleção, o cimento sai de sua função original, assumindo essa simbologia”, explica a arquiteta e designer de joias.

SERVIÇO
Lançamento ELO – Abertura da exposição e coquetel
Data:
 26.09.19 (quinta-feira)
Horário: 18h
Local: Casa Bendita (Av. Rui Barbosa, 888)
Mais informações: 85 99219.8612

Sobre as marcas

Padma – @soul_padma

Padma tem como inspiração transformar vivências, experiências e emoções em uma peça tão pequena como uma joia, um produto de pura emoção e sentimentos únicos e verdadeiros.  Suas formas, texturas juntamente com vários tipos de matérias prima criam possibilidades de inovações dinâmicas e de beleza na peça finalizada.  Suas coleções podem ser básicas como as linhas momentos, bem como mais elaboradas nas linhas das coleções conceituais.

A Padma é a marca de Evelyn Matthews Jucá, formada em design pelo Centro de Design do Ceará e Faculdade Estácio de Sá, com experiência em design de interiores, produto, artesanato, moda e joias. Desenvolveu trabalhos e consultorias para Sebrae, Ceart, Centec, Eita, entre outros. Assina criações como a Rede Prática, Banco Cócoras, Cadeira Sertões e outros projetos. Sempre atualizando suas ações e pesquisas para um melhor crescimento.

K – @usek_

A marca K foi criada em 2016 pelas irmãs Oliveira, mas o universo da moda esteve presente em suas vidas desde a infância, quando elas acompanhavam de perto os pais que tentavam ganhar a vida com uma pequena produção de roupas. A moda sempre esteve por perto e acabou virando um sonho. E de sonho, virou realidade.

Assim, surgiu a K. Atemporal, minimalista, urbana, versátil e com uma única opção de cor, o preto. Isso mesmo, uma única opção de cor. A roupa preta nunca é uma má ideia, não importa a ocasião. Seja básica ou nada básica, ela sempre dá certo. E a melhor parte é que você pode misturar tendências, texturas e ousar o quanto quiser. Moda feita para não sair de moda.

Elemento fio – @elemento_fio

As peças da fio se caracterizam pelo desenho limpo, simples –  elementar – que por vezes dialoga com a rigidez geométrica do desenho técnico, para no momento seguinte fluir, livre, seguindo o contorno irregular de uma pedra bruta.

O design das peças é resultado das vivências na arquitetura, design, arte e artesanato tradicional. Além das referências, o fazer manual está ligado diretamente ao processo de criação, de forma que a prática na bancada influencia também o desenho. A prototipagem, os testes, as peças feitas de forma intuitiva, tem importância assim como o desenho inicial da joia.

A principal matéria prima utilizada, a prata, é totalmente processada na oficina, desde a liga, fundindo os metais e assistindo à transformação operada pelo fogo, passando pela laminação, cortes, dobras, soldas, moldando o metal à ideia, até o último polimento.   Todas as peças são conceituadas, projetadas e executadas pela Arquiteta Suyenne Lemos.

Israel Machado – (@israelmachado)

Fotógrafo e videomaker de moda há quase 10 anos, Israel Machado tem trabalhos publicados em revistas como a Invoga, Pollo Fashion, Beach Park e O Povo. Por ser formado em jornalismo e apaixonado por arte, Israel traz à sua fotografia uma mistura de realismo e fantasia, proporcionando um trabalho único e diferenciado para cada um de seus clientes.

O fotógrafo tem em seu currículo cursos com fotógrafos renomados da VOGUE, como Mario Príncipe (Vogue Portugal) e Renam Christofoletti (Vogue Brasil), entre muitos outros cursos, que o permitem estar sempre se atualizando e inovando seu estilo.

Viajante por necessidade de desvendar o mundo à sua maneira, Israel Machado acredita que conhecer diferentes pessoas, cidades e culturas do mundo inteiro permite que seu olhar alcance terrenos ainda desconhecidos de narrativas e conceitos. Em 2013, viajou 22 países fotografando, onde criou o projeto “Um outro ponto de vista”.

Lucas Francisco – @lucasfranciscomkt

Marketing Manager com foco em marketing estratégico e de conteúdo. Trabalha em parceria com instituições de ensino como Senac/CE e Grau Técnico. No currículo, traz experiência com marcas renomadas no país: Mihaile Brand, Bundys Lingerie, Mulher Stilosa/Homem Stiloso, Dermage, Bio Extratus, Rstudio Beauty SPA, Santa Maquiagem, entre outras.

Lincoln Walraven – @maquiadordasestrelas

Com 13 anos de estrada, realizou diversos desfiles de moda, inclusive coordenando equipes e chegando a trabalhar em programas de TV como maquiador oficial, destaque para o Caldeirão do Hulk (Rede Globo), no especial Caldeirão de Férias. Traz na bagagem trabalhos fora do país (Polônia, Alemanha, Holanda e Suíça), produzindo mulheres de diversas nacionalidades.

“As melhores marcas sempre me acompanharam. Fui maquiador Regional (Nordeste) da Dior e já trabalhei com Lancôme, Yves Saint Luaurent, Clarins e Sisley”, destaca Lincoln. Também já realizou palestras para Yes cosméticos, Vult, Yves Saint Laurent e marcas de dermocosméticos, como Dermage e Episol. Atualmente, atua como maquiador em Fortaleza, preparando celebridades e noivas, além dos editoriais de moda.

EXPOSIÇÃO COR É FORMA CELEBRA 45 ANOS DE ARTE DE JOSÉ MESQUITA

Fiel ao abstracionismo, mas sob novas leituras, José Mesquita apresenta obras inéditas na exposição Cor é Forma, a partir de 17 de setembro, no Espaço Cultural Ana Amélia no Hotel Sonata de Iracema. A mostra marca seus 45 anos de arte e a curadoria é assinada pelo artista plástico Jorge Luiz. A visitação é gratuita e acontece diariamente, de 7h às 22h.

 Além das criações mais atuais, a mostra reserva um espaço para mostrar alguns trabalhos que representam, cronologicamente, as diversas fases pelas quais José Mesquita passou ao longo dessas mais de quatro décadas. “Essa é uma proposta da curadoria: proporcionar aos visitantes a visualização da trajetória pictórica que me trouxe até aqui”, explica o artista.

Ele lembra que, no início de sua carreira, suas pinturas remetiam ao movimento francês do início do século XX, conhecido como Fauvismo, em que a composição da obra ficava em segundo plano diante das qualidades expressivas a serem criadas a cada leitura e interpretação. Nesse mesmo sentido, se encantou com o expressionismo alemão do Grupo Die Brücke. “Posso assim dizer que essas foram as primeiras influências que me direcionaram para o que pinto hoje”, conta José Mesquita.

Sobre as principais inspirações, o artista acredita que a escritora Clarice Lispector traduz todo esse universo ao definir: “Na arte, a inspiração tem um toque de magia, porque é uma coisa absoluta, inexplicável. Não creio que venha de fora para dentro, de forças sobrenaturais. Suponho que emerge do mais profundo eu da pessoa, do inconsciente individual, coletivo e cósmico”.

“No meu caso, o olhar e o inconsciente que captam – à minha revelia – volumes, texturas, cores, luzes e sombras, das imagens armazenadas na memória ao longo desses anos todos, findando em um conjunto sensorial que irão compor as obras”, diz o artista. Sua arte, sob o olhar do curador, se apresenta como “a mais pura arte brasileira primitivista” na mostra Cor é Forma.

“Por um lado, revela o processo abstrato que não é formal em sua totalidade, mas carregado de gestualismo com seus contornos formais, por outro, nos presenteia com o abstracionismo carregado de lirismo que nos remete a um universo de profusão de cores em processo direto de seu inconsciente intuitivo”, define Jorge Luiz.

Sobre José Mesquita – Determinado a se tornar piloto comercial de linha aérea, o jovem alcançou o seu objetivo e se dedicou à profissão por várias décadas. Quanto ao universo da arte, teve os primeiros contatos ainda criança, por meio do seu pai, que além de General era Engenheiro Civil. No seu escritório, em casa, o jovem Mesquita teve as primeiras noções de traço, volume, perspectiva, cor, luz e sombra.

Em paralelo, surgiram outros interesses, como a literatura, principalmente os grandes clássicos da literatura universal, poesia e filosofia. “No entanto, tanto as imagens vistas do ar, bem como as imaginadas no universo lírico, onírico, concreto, surrealista, da literatura e da poesia, contribuíram para o desenvolvimento da capacidade de materializar em imagens, o que a literatura descrevia, fosse no aspecto cenográfico, fosse no aspecto emocional”, lembra o artista. Assim, ao longo da infância e adolescência, ele costumava retratar “essas invisibilidades”.

Somente em 1974, incentivado pela professora de arte Jane Lane, participou da sua primeira mostra coletiva. “De lá para cá, lá se vão 45 anos e mais de 200 exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior”, contabiliza o artista. Para ele, Jane Lane foi fundamental para que acreditasse que o que eu produzia tinha qualidade, era arte.

Em 1975 conheceu a mais importante galerista do Ceará, Ignez Fiuza, por meio do artista Gilberto Cardoso. Segundo José Mesquita, Ignez já era um dos nomes mais respeitados na comunidade artística no Brasil, e acompanhou seu trabalho por três anos até o convidar para expor em sua galeria.

“Ali, ao longo de cerca de três décadas, tive o privilégio de participar de várias exposições individuais e coletivas, junto a grandes nomes da arte, no Ceará e no Brasil, como Aldemir Martins, Floriano Teixeira, Carlos Costa, Burle Marx, Floriano Teixeira, Roberto Galvão, Carlinhos Moraes, José Guedes, Hélio Rola, Zé Tarcísio, Sérvulo Esmeraldo, Luiz Áquila, Heloísa Juaçaba, Leonilson, Dante Diniz, Cláudio Tozzi, Arcangelo Ianelli, Tomie Ohtake, Barrica, Sérgio Lima, Eduardo Eloy, Babinski e Oto Cavalcanti”, relembra.

Após o encerramento das atividades da Galeria Ignez Fiuza, José Mesquista continuou expondo em galerias no Brasil e no exterior. Nos últimos cinco anos, se dedicou a estudar e desenvolver novas técnicas, experimentar novos materiais e se aventurar por novos caminhos no fazer artístico. “Experiências nunca antes por mim tentadas, foram sendo exploradas, e que me levaram a esse novo caminho que agora exponho pela primeira vez”, conta. E conclui: “O artista que fizer planos para onde caminhará seu trabalho estará condenado a se repetir”.

SERVIÇO:

EXPOSIÇÃO COR É FORMA

Data: De 17/09 a 16/10

Local: Espaço Cultural Ana Amélia – Hotel Sonata de Iracema (Av. Beira Mar, 848, Praia de Iracema)

Visitação: Diariamente, das 7h às 22h.

Gratuita

EXPOSIÇÃO “AMERÍNDIOS DO BRASIL” EM CARTAZ NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA

A CAIXA Cultural Fortaleza recebe de 28 de agosto a 6 de outubro a exposição “Ameríndios do Brasil – Antropologia da Beleza”. São 40 fotografias capturadas pelas lentes do fotógrafo Renato Soares que buscam resgatar o que há de melhor na nossa cultura ancestral. Há 25 anos, Renato registra a diversidade cultural indígena brasileira, percorrendo o país de Norte a Sul a fim de construir um grande acervo etnofotográfico brasileiro, resgatando a história dos povos originários. A realização é da produtora amazonense DABACURI Projetos e Produções.

A exposição “Ameríndios do Brasil – Antropologia da Beleza”, projeto para o qual Renato se dedicou integralmente, traz os registros dos povos habitantes do Rio Xingu, como os Waurá e os Kaiapó, compostos por mais de 5 mil indivíduos em 14 etnias. O objetivo da exposição é revelar, valorizar e provocar reflexões sobre a importância cultural dos primeiros habitantes do país que lutam para manter sua identidade viva e reconhecida.

“Quero mostrar rostos, valorizar culturas, buscar o respeito às identidades, dar visibilidade aos povos originários. Porque quem não é visto corre o risco de ser esquecido”, ressalta Renato Soares.

Para o fotojornalista Juan Esteves, em artigo sobre a Antropologia da Beleza, as fotos do Renato são “imagens que mostram claramente o entendimento mais profundo e importante bem como a singularidade das culturas indígenas brasileiras”. Esse ponto de vista o faz se distanciar da herança cristã imposta pelos europeus, mantendo intacta a vasta cultura genuinamente brasileira, ainda tão desconhecida pela maioria da população.

Roda de Conversa

A exposição será aberta ao público no dia 28 de agosto, com uma roda de conversa com Renato Soares. Estão previstas duas horas de bate-papo, nas quais o fotógrafo vai exibir outras imagens de seu acervo pessoal, tirar curiosidades e contar um pouco sobre cada uma das etnias registradas através de seus rituais, da caça e da pesca, de danças tradicionais e de sua visão de mundo. Uma experiência inédita e inimaginável para o público.

Sobre Renato Soares

O mineiro Renato Soares iniciou sua carreira na fotografia em 1986, quando começou a viajar para retratar as diferentes formas de expressão cultural dos grupos étnicos brasileiros. Desde a infância, identificou-se com o universo indígena e consolidou essa relação logo nos primeiros contatos com tribos em áreas remotas da Amazônia e através da profunda amizade com o sertanista Orlando Villas Boas.

Nos últimos 25 anos, Renato vem se dedicando ao registro da diversidade cultural indígena brasileira, percorrendo o país de Norte a Sul – às vezes, em períodos de imersão e isolamento – e fotografando mais de 50 etnias.

Sua obra fotográfica já figurou em importantes exposições como “O Último Kuarup” – Masp/ 2006, e na mostra itinerante “A Última Viagem de Orlando Villas Bôas”, que percorreu 12 capitais brasileiras. Seu talento também foi reconhecido em Paris, em uma coletiva no Palais de la Découvert.

“Krahô, os Filhos da Terra”, de 1996, foi seu primeiro livro. E vieram muitos outros, entre eles “Pavilhão da Criatividade” (1999), “Sondagem na Alma do Povo” – Acervo de Arte Popular Brasileira do Museu Edison Carneiro (2005, RJ), em parceria com Maureen Bisilliat; “Mar de Minas” (2008), um retrato dos 34 municípios no entorno do Lago de Furnas; “Universo Amazônico” (2012, SP); e “Minas Além das Gerais” (2012, MG).

Serviço:

Fotografia: “Ameríndios do Brasil – Antropologia da Beleza”

Local: CAIXA Cultural Fortaleza – Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: de 28 de agosto a 06 de outubro de 2019

Horários de visitação: terça a sábado, de 10h às 20h, e domingo, de 12h às 19h

Classificação indicativa: Livre

Entrada franca 
Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Fortaleza (CE):

www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA

Acesse o site www.caixacultural.gov.br

Siga a fanpage: facebook.com/CaixaCulturalFortaleza

Baixe o aplicativo “Caixa Cultural”

Feira de Flores Holambra no Shopping Parangaba

Está acontecendo no Shopping Parangaba a Feira de Flores Holambra. O evento visa propiciar aos clientes o contato com uma grande variedade de flores e plantas ornamentais a preços acessíveis. A feira está localizada no piso L1, próxima à loja Polishop, e funciona de acordo com o horário de funcionamento do shopping (segunda a sábado das 10h às 22h; e aos domingos das 13h às 21h).

São mais de 200 espécies em exposição para comercialização, entre elas: flores, fruteiras, palmeiras, plantas ornamentais, rosas, azaléias, orquídeas, amarílis, violetas, lírios, kalanchoes, crisântemos, begônias, gérberas, e outras.

Sobrado Dr. José Lourenço tem reabertura neste sábado, 10/8, com exposição e lançamento do projeto “Eixos Três”

Espaço das artes visuais cearense, o Sobrado Dr. José Lourenço terá reabertura neste sábado, 10, às 10h. Com obras de mais de 70 artistas, grupos e coletivos, a exposição “Que vai chover amanhã”, marca o momento de reabertura, em que também será lançado o projeto “Eixos Três”,  do Instituto Assum Preto, instituição selecionada pelo Edital de Programação Artística e Cultural do Sobrado Dr. José Lourenço, para realizar a ocupação do equipamento durante seis meses, com exposições, atividades de formação e de fruição cultural. A programação faz parte da comemoração de 53 anos da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e do Ano Cultural Sérvulo Esmeraldo, uma homenagem a um dos maiores artistas do País, que completaria 90 anos em 2019. 

A população do Ceará recebe um Sobrado Dr. José Lourenço conservado, após a obra de manutenção do equipamento, que aconteceu entre 2018 e primeiro semestre de 2019. Além de terem sido realizadas a pintura e a manutenção das instalações elétricas e hidráulicas, o Sobrado também foi contemplado com um novo plano de apresentação nas salas de exposição. A remoção de paredes falsas possibilitou a visualização de antigas portas, janelas e o acesso à sacada do segundo andar, revelando traços marcantes de sua história e memória, tornando a visita ao equipamento ainda mais rica, no que diz respeito a suas formas e arquitetura.

“Após um período de manutenção, para que a cidade usufrua deste equipamento cultural da melhor forma possível, o Sobrado Dr. José Lourenço reabre suas portas, reafirmando seu compromisso com o fomento à criação, fruição e difusão das Artes Visuais, sempre em diálogo com as mais diversas linguagens e segmentos artísticos. Espaço de encontros e experimentações em artes, o Sobrado tem o prazer de compor a programação do Ano Cultural Sérvulo Esmeraldo, artista pioneiro que agiu em defesa da política cultural e da classe artística, que projetou o Ceará para o mundo e a quem este equipamento renova seu afeto e gratidão”, ressalta a diretora do Sobrado, Germana Vitoriano. 

O valor do investimento na obra de manutenção do Sobrado Dr. José Lourenço foi de R$ 207.031,26.
Exposição “Que vai chover amanhã”

A exposição “Que vai chover amanhã”, que marca a reabertura do Sobrado Dr. José Lourenço, teve como disparador poético a obra “Os Sertões”, de Euclides da Cunha. Embora, tenha como foco as três partes em que se encontra dividida o livro (a terra, o homem e a luta), a coletiva não se propõe a fazer uma releitura do mesmo, mas, busca trazer para discussão tais temáticas, considerando as urgências que as envolvem nos tempos atuais.

Com curadoria da pesquisadora Ana Cecília Soares e do Artista Visual Júnior Pimenta, a exposição é composta por obras dos principais acervos públicos da cidade, como as do Museu de Arte Contemporânea (MAC) e do Museu da Cultura Cearense (MCC) do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Além de trabalhos do Minimuseu Firmeza, da Coleção da Prefeitura de Fortaleza e da presença de alguns artistas convidados, ocupando todos os andares do Sobrado. 

“Que vai chover amanhã” conta com trabalhos de mais de 70 artistas de gerações e linguagens artísticas diferentes e a participação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A exposição não só oficializa a reabertura do Sobrado, como inicia o projeto “Eixos Três” de gestão compartilhada, idealizado por Ana Cecília Soares e Júnior Pimenta, editores da Revista Reticências em parceria com o Instituto Assum Preto, aprovado no  Edital de Programação Artística e Cultural do Sobrado Dr. José Lourenço, da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult). Ao longo de seis meses, está prevista uma programação intensa composta por palestras, oficinas, laboratórios de criação, residência artística, desenvolvimento e lançamento de publicações, exposições, seminário, entre outros, pensando o Sobrado José Lourenço, como um lugar de fruição, formação, criação, reflexão crítica e experimentação.

Lista de artistas participantes da exposição 

Aderson Medeiros, Afonso Lopes, Aline Albuquerque, Barrinha, Bené Fonteles, Brígida Baltar, Buca, Carlinhos Moraes, Cecília Andrade, Célio Celestino, Chico da Silva, Clébson Oscar, Cleoman, Coletivo As Travestidas, Cordel do Fogo Encantado, Darcílio Lima, Demián Flores, Denilson Baniwa, Diego de Santos, Eduardo Eloy, Efrain Almeida, Emanuel Cavalcanti Mendes, Emanuel Oliveira, Ernesto Bonato, Euzébio Zloccowick, Felipe Camilo, Florian Raiss, Francisco de Almeida, Gaio Mattos, Getúlio Abelha, Heloísa Juaçaba, Herbert Rolim, Inocêncio, Izidorio Cavalcanti, Jared Domício, Jean-Pierre Chabloz , J.D. Benjamim, Jonathas de Andrade, José Carlos Viana, José Lourenço, José Rufino, Lucas Dilacerda, Luiz Hermano, Maíra Ortins, Marcelo Gandhi, Marco Paulo Rolla, Marcos Cardoso, Marcos Martins, Marcus Francisco, Marina de Botas, Mariza Viana, Mauricio Coutinho, MST, Nair Benedicto, Nauer Spíndola, Nice Firmeza, Raisa Christina, Regina Célia, Rian Fontenele, Salete Rocha, Sebastião de Paula, Sergei de Castro, Siegbert Franklin, Solón Ribeiro, Tarcísio Félix, Thiago Martins de Melo, Tony Camargo, Vânia Toledo, Victor Mizael, Vidal Júnior, Waléria Américo, Weaver Lima, Yuri Firmeza, Zenio e Zé Tarcísio.

Serviço
Reabertura do Sobrado Dr. José Lourenço, com abertura da exposição “Que vai chover amanhã”*, participação de artistas e discotecagem da DJ Loretta Diala
Data e hora: Sábado, dia 10 de agosto, às 10h
Local: Sobrado Dr. José Lourenço (Rua Major Facundo, 154 – Centro, Fortaleza-CE)
Entrada franca. 
* A exposição fica em cartaz até dia 21 de setembro de 2019.

North Shopping Fortaleza recebe nova exposição em seu Espaço Cultural

O público tem mais uma opção de entretenimento no North Shopping Fortaleza. O Espaço Cultural recebe nova exposição, intitulada “Olhar Investigativo”, do artista Silvano Tomaz. A mostra fica aberta até o dia 11 de agosto no Piso 2, com acesso gratuito.

A exposição mostra a verdadeira importância da obra artística no fato dela ser arte. O autor Silvano Tomaz apresenta o que está nas camadas de realidade e que, muitas vezes, passa despercebido ao olhar e percepção das pessoas. Manchas, rastros, linhas e texturas que o cotidiano nos revela são mostradas em 15 telas. Entre as técnicas utilizadas estão gravura, colagem, aquarela e carvão.

Silvano tem bacharelado e licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e é especialista em Metodologia do Ensino da Arte pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Serviço: Exposição “Olhar Investigativo” no North Shopping Fortaleza. Visitação diária até 11 de agosto, no Espaço Cultural (Piso 2). Funcionamento de 10h às 22h (segunda a sábado) e de 11h às 21h (domingo). Entrada gratuita. Informações: (85) 3404.3000 e www.northshoppingfortaleza.com.br.

Exposição inédita com acervo de Sandy e Junior chega a Fortaleza

Fãs de Sandy e Junior poderão conferir a partir desta sexta-feira, dia 19 de julho, uma exposição inédita, que traz parte do acervo de carreira dos ídolos. Em cartaz no RioMar Fortaleza até o dia 26 desse mês, a mostra “Sandy e Junior Experience”, em versão pocket, é dividida em pequenas salas e tem a entrada controlada para mais conforto.

No espaço, os visitantes relembram a trajetória da dupla por meio dos cenários de turnês emblemáticas da história dos artistas, figurinos icônicos, instrumentos musicais, produtos licenciados, premiações, fotografias, vídeos, cartas e muitos itens de valor afetivo. Fortaleza é a quarta cidade do Brasil a receber a exposição e o show da turnê comemorativa “Nossa História”, que celebra os 30 anos de música dos irmãos.

“Ao revisitar toda nossa obra para conceber este show, foi inevitável abrir um ‘feixe de luz’ em nosso passado, mexer, literalmente, em caixas, arquivos, discografias, fotos, figurinos, prêmios, cartas de fãs”, explica Junior Lima. “E quanta memória afetiva veio à tona… Foi daí que surgiu nossa ideia de compartilhar com vocês um pouco mais da nossa história. São imagens, lembranças, e um pouco de tudo: infância, adolescência, a vida adulta”, completa Sandy.

Com concepção e produção de Sintonia Eventos e Contemporare, a exposição fica no Piso L3 do RioMar Fortaleza, no bairro Papicu, em um espaço de 75 metros quadrados. A realização é de T-Cross Volkswagen, o carro oficial da turnê.

A primeira cidade a receber a exposição foi Recife, em seguida Salvador, Brasília, e agora em Fortaleza. Depois, ainda segue para outras capitais que contarão com os shows da “Nossa História”. Por onde a turnê passar, já está confirmada a presença da mostra.

Serão realizadas em shoppings centers, com datas e locais ainda a serem divulgados. Existem duas versões de “Sandy e Junior Experience”: “full’, com cerca de 200m² e momentos sensoriais (Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre), e “pocket”, com 75m², nos demais estados.

Serviço Sandy e Junior Experience

Data: 19 a 26 de julho

Horário de Funcionamento: segunda a sábado, das 10h às 22h, e, domingo10h30 às 21h.

Local: RioMar Fortaleza (Piso L3) – Rua Desembargador Lauro, Nogueira, 1500 – Papicu

Entrada gratuita

FORTALEZA RECEBE Exposição de cães da raça Pastor Alemão

Pastor Alemao 2.jpeg

Fortaleza vai receber, no dia 6 de julho, a 4ª etapa do ranking Norte/Nordeste em exposição de cães da raça Pastor Alemão. O evento vai acontecer no Parque de Exposições Cesar Cals, localizado na Avenida Sargento Hermínio Sampaio, 2677, bairro São Gerardo, e tem previsão para começar às 10h. A entrada é gratuita e aberta ao público em geral.

A exposição, que vai passar por todas capitais nordestinas, tem como objetivo divulgar a raça numa espécie de concurso de beleza. Quem acompanhar o evento terá a oportunidade de ver o desempenho dos anomais nas provas de proteção, além de assistir a exibição dos cães pastores da Policia Militar do Ceará.

“É um evento lúdico, sadio, tranquilo e pensado para toda a família”, afirma Eder Sá, criador há 23 anos e Presidente do CCPA (Clube Cearense do Pastor Alemão) e do Canil Haus Larissa.

SERVIÇO:

Data: 6 de julho (Sábado)

Horário: 10h

Local: Avenida Sargento Hermínio Sampaio, 2677, bairro São Gerardo

Quanto custa: entrada gratuita

Mais informações: 85 9 9981.0266

Del Paseo recebe exposição da Marinha do Brasil

Em celebração aos 154 anos da Batalha Naval de Riachuelo, a Marinha do Brasil apresentará uma exposição comemorativa no Shopping Del Paseo, neste sábado e domingo (15 e 16/06).


A exposição conta com dezenas de objetos importantes na história da Marinha brasileira, como: livros, maquetes, bandeiras, nós, bóias e coletes. Um passeio com muita cultura para toda a família. 

A exposição acontecerá no Piso L1 e será gratuita e aberta ao público, das 10h às 22h. Venha conhecer mais dessa história!

Serviço:Exposição da Marinha no Shopping Del PaseoData: 15 e 16/06 (sábado e domingo)Horário: 10h às 22h