Browsing Tag

Arte

North Shopping Fortaleza recebe duas exposições gratuitas alusivas às crianças em outubro

O North Shopping Fortaleza recebe duas exposições gratuitas em alusão às crianças durante o mês de outubro. Com os temas “Um Mundo sem Trabalho Infantil” e “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”, as mostras são organizadas pela Justiça do Trabalho do Ceará, por meio da gestão regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, e são inauguradas hoje (11) no Espaço Cultural (Piso 3), a partir das 19h.

Na ocasião, autoridades marcam presença, como o Desembargador Plauto Carneiro Porto, Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região, a Juíza do Trabalho Karla Yacy Carlos da Silva e o Procurador do Trabalho Dr. Antônio de Oliveira Lima.

A exposição “Um Mundo sem Trabalho Infantil” reúne 12 painéis que retratam com textos, ilustrações, charges e fotografias a realidade de milhares de crianças brasileiras submetidas ao trabalho precoce. A mostra, que é itinerante, foi montada pela primeira vez em 12 de junho de 2016, em Brasília, no Tribunal Superior do Trabalho, por ocasião do Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, e já percorreu vários estados.

Já em “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”, são reunidas fotografias de servidores, advogados e de profissionais que registraram crianças brincando em diversos países. A ideia é mostrar que brincadeiras de rua, banho de rio, futebol e outros passatempos ao ar livre são comuns a todas as crianças, em qualquer parte do mundo, e são algumas das atividades consideradas importantes para o processo de aprendizagem infantil.

Serviço:  Exposições “Um Mundo sem Trabalho Infantil” e “Toda Criança é Criança em Qualquer Lugar do Mundo”.  

Até 31 de outubro no Espaço Cultural do North Shopping Fortaleza (Piso 3).Acesso gratuito. Informações: (85) 3404.3000, redes sociais do shopping (@northshoppingfortaleza) e www.northshoppingfortaleza.com.br.

Gal Costa abre a Mostra Sesc de Culturas Cariri 2019

A abertura da Mostra Sesc de Culturas Cariri 2019, que acontece no dia 08 de novembro, vai contar com uma das cantoras mais importantes e aclamadas do Brasil. Aos 74 anos de idade e em plena forma, Gal Costa leva ao público o show “A Pele do Futuro” para o Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcante, no Crato. A apresentação, que acontece às 20h, vai ser promovido pelo Sesc, instituição integrante do Sistema Fecomércio. 

Lançado em 2018, “A Pele do Futuro” é o 40ª disco de Gal Costa, que acabou dando origem ao DVD de mesmo nome, gravado em São Paulo, cujo lançamento ocorreu neste ano. Como a própria artista costuma afirmar, trata-se de um trabalho alegre e maduro, que mistura MPB, disco music, samba, baião, baladas e até rock’n’roll. No palco, a cantora vai apresentar músicas inéditas, como “Palavras no Corpo” (Silva/Omar Salomão) e “Sublime” (Dani Black).

Gal Costa vai trazer para o Cariri canções compostas por Gilberto Gil, Djavan, Adriana Calcanhotto, Jorge Mautner, Nando Reis, que, inclusive, vai fazer o show de encerramento da Mostra, no dia 12 de novembro, e Marilia Mendonça, entre outros nomes das mais variadas gerações. Os seus maiores sucessos, claro, não vão ficar de fora! No show, a artista mostra versões de “Sua Estupidez” (Roberto e Erasmo Carlos), “Oração de Mãe Menininha” (Dorival Caymmi) e “Festa do Interior” (Moraes Moreira e Abel Silva), dentre outras.

“Vamos misturar músicas do álbum com alguns sucessos da minha carreira, trazidos para a sonoridade do disco, com novos arranjos. Tem sido muito bonito ver a emoção da plateia. Estou feliz demais com a repercussão do disco e do show. Quando subo no palco, vem uma energia não sei de onde. E o público tem sentido isso”, explica Gal Costa.  

Pluralidade

Em 2019, a programação Musical da Mostra Sesc de Culturas Cariri é marcada pela participação de bandas e artistas de diversos estados do País. Uma das atrações é o artista pernambucano Siba, que lançou em setembro deste ano o seu terceiro disco, “Barato Pesado”. Este trabalho traz canções inspiradas nas tradições da poesia oral nordestina, mas sem abrir mão de referências mais modernas, globais e até internacionais. O show do artista acontece também no dia 11 de novembro, no Palco RFSSA, no Crato.

Um dos destaques da programação também é a cantora Anná, que vai apresentar, no dia 10 de novembro, no Palco RFSSA, o show Pesada. A artista canta temas como empoderamento da mulher, quebra de padrões e combate aos mais diferentes tipos de preconceito, dentre outros. E, dentro da proposta de trazer múltiplas experiências estéticas e de imersão cultural, a Mostra recebe ainda Yannick Delass, compositor, cantor e guitarrista original da República Democrática do Congo e cidadão São-tomense. Sua música se caracteriza por uma voz que se entrelaça com a diversidade melódica e rítmica da África contemporânea. Ele se apresenta no dia 09 de novembro, no Palco RFSSA.

Já Nando Reis canta no show de encerramento da Mostra Sesc de Culturas Cariri, com a turnê “Esse Amor Sem Preconceito”, que o público caririense vai poder conferir, no dia 12 de novembro, no Largo da Mariz, Juazeiro do Norte. Vale destacar ainda que o encontro também faz questão de incentivar a cultura popular nordestina. São mais de 110 grupos de reisado, maracatu, bandas cabaçais, coco, maneiro pau, dentre outros, formando uma rica rede de identidades e manifestações artísticas em 23 cidades. 

Serviço:

Mostra Sesc de Culturas Cariri

Período: 08 a 12 de novembro

Local: Região do Cariri

Programação: Site www.mostracariri.com.br e no aplicativo de celular “Mostra Sesc de Culturas”, disponível para Android e iOS

Abertura Gal Costa – show A Pele do Futuro. Data: 08 de novembro | Horário: 20h Local: Parque de Exposição Pedro Feliciano Cavalcante, Crato.

Acesso: Para os shows de abertura e encerramento, além dos espetáculos e apresentações em lugares fechados, é necessária a doação antecipada de 2 kg de alimentos não perecíveis, a serem trocados nas Unidades Sesc, em Juazeiro do Norte ou Crato, conforme limite de capacidade dos espaços, que serão doados ao programa Mesa Brasil Sesc. Doação de alimentos para o show da Gal Costa pode ser feita a partir do dia 28 de outubro.

CAIXA CULTURAL FORTALEZA RECEBE A QUARTA EDIÇÃO DA FEIRA DO CORDEL BRASILEIRO

De 17 a 20 de outubro de 2019 a CAIXA Cultural Fortaleza recebe a IV Feira do Cordel Brasileiro, uma realização da AESTROFE – Associação de Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará. A feira traz lançamentos literários, exposição de obras raras, vendas de folhetos de cordel, livros, camisetas e CDs referenciais, além de shows, recitais, palestras, oficinas de xilogravura e de cordel.

Nesta edição, a IV Feira do Cordel Brasileiro é apadrinhada pelos mestres da cultura Chico Pedrosa e Bule-Bule, e presta homenagens a grandes nomes da cultura nordestina: Jackson do Pandeiro (centenário), João Melchíades Ferreira (sesquicentenário), Alberto Porfírio (in memória) e o comunicador Carneiro Portela.

O multiartista pernambucano Antônio Nóbrega, um dos expoentes do gênero literário e referências da cultura popular, ministra uma palestra ilustrada intitulada ‘Da quadrinha ao galope a beira mar’, no dia 18/10, às 14h. Entre as atrações do evento, estão ainda a xilogravadora Lucélia Borges, o ator e cordelista Edmilson Santini, a dupla de emboladores Marreco e Pinto Branco, o Trio Arupemba e CIA, os Tecelões Teatro com Bonecos, os cantadores Guilherme Nobre e Geraldo Amâncio Pereira, o humorista-cordelista Tranquilino Ripuxado e a repentista Fabiane Ribeiro. Para apresentar pesquisas temáticas, participam Gilmar de Carvalho, Alberto Perdigão, Vládia Lima, Ana Claudia Veras, Stélio Torquato, entre outros.  

Também marca presença o renomado ilustrador pernambucano Jô Oliveira, que assina o cartaz da feira. Mestre dos Quadrinhos pelo HQ-MIX (2004), Jô publicou diversas histórias em quadrinhos, tendo várias ilustrações e selos premiados, no Brasil e no exterior. A programação completa está disponível em https://www.facebook.com/feiradocordel.

Serviço:

[Vivências] IV FEIRA DO CORDEL BRASILEIRO

Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data: De 17 a 20 de outubro de 2019

Horário: Quinta a sábado: 14 às 21h | Domingo: 14 às 19h
Entrada Franca

Classificação indicativa: livre para todos os públicos

Acesso para pessoas com deficiência

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais| Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza: (85) 3453-2770

Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

São Paulo Companhia de Dança volta a Fortaleza

A São Paulo Companhia de Dança volta a Fortaleza em outubro para a XII Bienal Internacional de Dança do Ceará, levando ao palco do Theatro José de Alencar o trabalho de três coreógrafos: Petrichor, do brasileiro Thiago Bordin, A morte do cisne, de Lars Van Cauwenbergh, da Bélgica, inspirado na obra de Michel Fokine, e Vai (2019), de Shamel Pitts, dos Estados Unidos. A apresentação será no dia 25, às 21 horas. A 12ª edição da Bienal de Dança acontece em Fortaleza até o dia 27 deste mês, em Trairi (18 e 19/10), Quixadá (24 e 25/10), Pacatuba (25/10), Itapipoca (25 e 26/10) e Paracuru (25 e 26/10). A programação tem acesso gratuito. 

Desde sua criação, em 2008, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD) já foi assistida por um público superior a 660 mil pessoas em 17 diferentes países, passando por mais 136 cidades, em mais de 860 apresentações. Já acumulou 26 prêmios, nacionais e internacionais.

A companhia é um corpo artístico da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela Associação Pró-Dança e dirigida por Inês Bogéa. É uma companhia de repertório, ou seja, realiza montagens de excelência artística, que incluem trabalhos dos séculos XIX, XX e XXI de grandes peças clássicas e modernas a obras contemporâneas, especialmente criadas por coreógrafos nacionais e internacionais. Além da difusão e circulação de espetáculos, a SPCD tem mais duas vertentes de ação: os Programas Educativos e de Formação de Plateia e Registro e Memória da Dança.

O ESPETÁCULO 

Primeira criação de Thiago Bordin para uma companhia brasileira, Petrichor (2018) – nome que remete ao cheiro da terra molhada pela chuva – teve como ponto de partida a música de Jóhann Jóhannsson e Wim Mertens, que, segundo Bordin, permite um vislumbre da criação coreográfica. “Quando ouço Mertens, começo a imaginar a luz, o figurino, os passos”. As características dos bailarinos brasileiros foram outra fonte de inspiração para o criador.

“A obra se desenvolveu em diálogo com o elenco. Cada um trouxe uma cor, um caráter forte, marcante, bem diferente do que eu imaginava. E isso acabou por se tornar a parte mais gratificante desta coreografia.  Thiago Bordin é coreografo e professor freelancer na Europa e no Brasil. De 2001 a 2013 participou do balé de Hamburgo sob a direção de John Neumeier onde se tronou primeiro bailarino em 2005. De 2014 a 2017 fez parte do Nederlands Dans Theater na Holanda. Ganhador de vários prêmios, entre eles o Deutsch tanzpreis “Zukunft” (Alemanha, 2005) e Benois de la Danse, Bolshoi Theater (Russia 2010). 

O balé A morte do cisne, criado em 1907 por Fokine para Anna Pavlova, é um solo que dialoga com as sonoridades da harpa e do violoncelo, inspirado no poema de Alfred Tennyson (1809-1892) e nos movimentos dos cisnes em seus últimos instantes de vida. Já interpretado por grandes estrelas da dança, agora, este trabalho de 2019 do coreógrafo Lars Van Cauwenbergh, inspirado na obra de Michel Fokine, ganha novos acentos e dinâmicas no corpo de uma bailarina da São Paulo Companhia de Dança. 

Lars Van Cauwenbergh formou-se na Higher Ballet School da Antuérpia, Bélgica. Ingressou no Royal Ballet de Flanders, logo sendo promovido a primeiro bailarino com apenas 18 anos. Dançou no English National Ballet, no Sttatstheater Wiesbaden e como convidado em grandes companhias como: L’Opéra de Paris, Théâtre du Capitole, La Scala de Milano e West Astralian Ballet. Após uma carreira de sucesso como bailarino, trabalhou como professor de técnica clássica e assistente de direção para Cia de Dança Palácio das Artes, Grupo Corpo, Studio 3 e Ballet Jovem de Minas Gerais. Já atuou como assistente de direção e ensaiador da São Paulo Companhia de Dança, onde hoje, é professor. Atua também como assistente de direção e professor/ensaiador no IOA Dança – Instituto de Orientação Artística de Jundiaí. 

Em Vai (2019), o coreógrafo Shamel Pitts busca trabalhar com os muitos significados que esta palavra pode carregar: a expressão do futuro ou acontecimentos inevitáveis. É uma declaração, um nome. Nesta obra, o coreógrafo pesquisa as muitas identidades que constroem nossa sociedade, em termos de movimentos e linguagens. O título da criação instiga a percepção de associações, a fim de dar espaço para novas possibilidades. Shamel Pitts é artista performático, bailarino e coreógrafo. Foi bailarino da Batsheva Dance Company, em Israel, por sete anos. Atualmente é professor na Harvard University e na Julliard School, se apresentando com Sharon Eyal e a Companhia de Dança L-E-V de Gai Behar, além de encenar o repertório de Ohad Naharin em muitas companhias de vários países. Vai é sua primeira criação no Brasil para a SPCD. 

INÊS BOGÉA – Direção Artística  

Inês Bogéa é doutora em Artes (Unicamp, 2007), bailarina, documentarista, escritora, professora no curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da Universidade de São Paulo (USP) e autora dos textos do “Por Dentro da Dança” com a São Paulo Companhia de Dança na Rádio CBN. De 1989 a 2001, foi bailarina do Grupo Corpo (Belo Horizonte). Foi crítica de dança da Folha de S. Paulo de 2001 a 2007. É autora de diversos livros infantis e organizadora de vários livros. Na área de arte-educação foi consultora da Escola de Teatro e Dança Fafi (2003-2004) e consultora do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria de Cultura do Estado (2007-2008). É autora de mais de quarenta documentários sobre dança. 

A 12ª EDIÇÃO DA BIENAL DE DANÇA 

Em 2019, a Bienal Internacional de Dança do Ceará celebra 22 anos de existência. Considerada um dos mais importantes eventos de dança da América do Sul, chega à sua 12ª edição, celebrando as múltiplas formas de se fazer dança na atualidade. Na programação, espetáculos em teatros e espaços alternativos, além de shows, performances e festas em suas concorridas Fringes.  

Do Brasil, participam mais de 25 espetáculos e artistas do Ceará e 11 de mais seis estados. A Bienal recebe ainda sete atrações internacionais de cinco países. Além do Theatro José de Alencar e Órbita Bar, a Bienal de Dança terá programação em espaços diversos do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Porto Dragão, Cena 15, Cineteatro São Luiz, Vila das Artes, Galpão da Vila, Centro Cultural Bom Jardim, Cuca Mondubim e Poço da Draga. 

A XII Bienal Internacional de Dança do Ceará é uma realização da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania – Governo Federal, da Indústria da Dança e da Proarte, com apoio institucional do Governo do Estado do Ceará, via Secretaria da Cultura (Lei Estadual Nº 13.811 – Mecenato Estadual). Apoio: Instituto Iracema. Agradecimentos: Enel.

FICHA TÉCNICA

Petrichor (2018 | 14 min | Livre) – Coreografia e iluminação: Thiago Bordin. Músicas Jóhann Jóhannsson e Wim Mertens. Figurinos: Fábio Namatame.

A Morte do Cisne (2019 | 4 min | Livre) – Coreografia: Lars Van Cauwenbergh, inspirado na obra de Michel Fokine (1880-1942). Músicas: Camile Saint_Saens, O Cisne, extrato do Carnaval dos Animais (1866). Iluminação: Wagner Freire. Figurino: Marilda Fontes.

Vai (2019 | 20 min | Livre) – Coreografia: Shamel Pitts. Iluminação: Mirella Brandi. Figurino: Tushrik Fredericks. Assistente de coreografia: Mirelle Martins.

Serviço;

São Paulo Companhia de Dança – Dia 25 de outubro, às 21 horas, no Theatro José e Alencar. R. Liberato Barroso, 525 – Centro. Tel: (85) 3101-2583. Gratuito. 

XII Bienal Internacional de Dança do Ceará – Em Fortaleza (16 a 27 de outubro), Trairi (18 e 19/10), Quixadá (24 e 25/10), Pacatuba (25/10), Itapipoca (25 e 26/10) e Paracuru (25 e 26/10)Informações: www.bienaldedanca.com.

Companhia belga La Casquette se apresenta em Fortaleza, neste fim de semana (5 e 6/10)

Com 36 anos de carreira no teatro dedicados principalmente ao público jovem, a Cie de La Casquette, da Bélgica, chega a Fortaleza fim de semana com o espetáculo “Los Yayos”. Atração do 9º TIC – Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará, a companhia se apresenta nos dias 5 e 6 de outubro (sábado e domingo), às 18 horas, no Teatro Dragão do Mar.  O acesso é gratuito.

A Cie de La Casquette foi criada em 1983 em Bruxelas, no Teatro Montagne Magique, um epicentro do teatro infantil belga, de onde surgiram vário grupos. De lá para cá, a companhia construiu uma carreira internacional consolidada, tendo circulado por vários países com seus trabalhos cheios de humor e poesia, sem perder seu espírito crítico.

Em”Los Yayos”, um casal de idosos se perde em um lugar improvável, onde efeitos sonoros e músicas os impulsionam a dançar um chá-chá-chá, um tango, uma valsa… Por esses ritmos, eles encontram a sua juventude esquecida e vivem, quiçá, seu último encontro romântico. Sem palavras e com humor, a peça explora a complexidade dos relacionamentos. Trailer do espetáculo: https://www.youtube.com/watch?v=hjdiubVtpgg.

9º TIC – Com atrações do Ceará, do Brasil e mais quatro países, Bélgica, Espanha, Dinamarca e Itália, o 9º TIC acontece de 4 a 13 de outubro em Fortaleza e, por meio do Circuito TIC segue para Canindé (10 a 13), Senador Pompeu (17 a 20), Russas (18 e 19) e Camocim (24 a 27).  Nesta edição o festival faz um convite ao público: Viva essa experiência. Com programação no mês das crianças, vem cheio de surpresas e encantamentos oferecendo experiências para estimular os sentidos do público infantil e adulto, levando-os a rir, pensar, contemplar, brincar e vivenciar as artes e o ambiente do TIC, dentro e fora dos palcos. A ideia é contribuir para os processos de descobertas das crianças, aprendizado, percepção de si mesmos e do mundo a volta.

Apresentado pelo Ministério da Cidadania, CAIXA Cultural Fortaleza e Enel, o 9º TIC é uma realização do Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania, via Lei Federal de Incentivo à Cultura. Tem o patrocínio da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) e CAIXA. Apoio institucional: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. Apoio: Instituto Dragão do Mar, Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secretaria de Cultura (Secultfor) e da Secretaria Municipal de Educação (SME). Parceria: Centro Cultural Dragão do Mar, Porto Dragão, Centro Cultural do Bom Jardim, Theatro José de Alencar e Ação Humanitária. Promoção: Invento Produções Culturais, D’Grau Produções e Instituto Seara. Agradecimento: Enel.

SERVIÇO

Los Yayos – Espetáculo de teatro da Cie de La Casquette, da Bélgica, neste sábado e domingo, dias 5 e 6 de outubro, às 18 horas, no Teatro Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema – Fortaleza/CE). Duração: 45 minutos. Classificação etária: A partir de 6 anos.

TIC – Festival Internacional de Teatro Infantil do Ceará – Em Fortaleza (4 a 13/10), Canindé (10 a 13), Senador Pompeu (17 a 20), Russas (18 e 19) e Camocim (24 a 27). Mais informações: www.festivaltic.com.br. Toda a programação tem acesso gratuito.

SITE DA CIE DE LA CASQUETTE: http://www.casquette.be/

Fortaleza participa de campanha nacional com projeto de compartilhamento de livros

A instituição de formação política RenovaBR está organizando um ato coletivo de renovação que abrangerá 445 cidades em todo o país. A capital cearense é uma delas.

A um ano das próximas eleições municipais, as cidades brasileiras enfrentam enormes desafios. Da limpeza urbana à conservação de praças e parques, os problemas se multiplicam à espera de solução.

No enfrentamento desse contexto foi criado o #RenovarOBrasil – pertencente ao curso RenovaBR Cidades 2019 -, projeto que irá realizar, no dia 5 de outubro, um sábado, em 445 cidades, 1,4 mil ações de diversas áreas, entre as quais educação, saúde, assistência social, cultura, inclusão, meio ambiente, esporte, entre outras.

Todos os desafios têm um ponto em comum: envolvem algum tipo de renovação que beneficie de forma perene as cidades dos alunos RenovaBR. Em Fortaleza, por exemplo, o advogado Rafael Mota Reis acaba de lançar o projeto #BibliotecasRecicladas, que pretende dar reuso a geladeiras inutilizadas, transformando-as em bibliotecas a serem doadas em escolas da cidade, incentivando a cultura de compartilhamento de livros.

Confira abaixo como você pode participar do projeto #BibliotecasRecicladas:

1. Seja voluntário

A ação conta com doações financeiras via vaquinha online (http://vaka.me/721503), recebimento de livros usados e apoio nas atividades logísticas e de recuperação das geladeiras.

Acesse o instagram: @BibliotecasRecicladas

2. Prestigie a ação no dia 5 de outubro

Será um sábado de mobilização. A primeira geladeira será doada em ato simbólico na Universidade do Parlamento Cearense, onde acontece um aulão para alunos de toda a capital. Nesse ato, o projeto precisará de voluntários para organizar e catalogar todos os livros doados.

Local: UNIPACE – Rua Barbosa de Freitas, esquina com Av. Pontes Vieira.

Data/Hora: 5 de outubro, às 9h

3. Compartilhe nas suas redes sociais

Faremos uma cobertura especial nas redes sociais do RenovaBR. Acesse pelo Twitter, Instagram e Facebook.

Quanto mais pessoas participarem da renovação, mais poderemos consolidar nosso desejo de mudança.

Feira Mundial Art começa dia 4 de outubro destacando o artesanato de 15 países e a culinária brasileira

A partir do próximo dia 4 de outubro, cearenses e turistas estão convidados a fazer uma viagem por 15 países conhecendo o melhor de seu artesanato. A Mundial Art – Feira Internacional de Artesanato, Moda e Decoração chega a Fortaleza em mais uma edição, de 4 a 13 de outubro, no Centro de Eventos do Ceará. A expectativa é atrair 15 mil visitantes neste período e gerar 350 empregos diretos indiretos com a montagem e a comercialização dos produtos.

O público poderá conhecer mais da arte e da cultura de vários países e estados brasileiros através dos mais de 10 mil itens distribuídos em 104 estandes, com grande foco para os artesanatos regional e cearense. Além do Brasil, poderão ser adquiridas peças do Egito, Índia, Síria, Turquia, China, Peru, África do Sul, Senegal, Tailândia, Paquistão, República Tcheca, Indonésia, Nepal e Guatemala.

Uma das novidades desta edição é o curso de gastronomia gratuito que acontecerá todos os dias do evento, compartilhando dicas para o preparo de delícias como sobremesas finas, camarão, sorvetes, cozinha regional, massas e molhos, além de receitas de lanches rápidos, sucos saudáveis e sopas. Ao final das aulas de culinária os participantes poderão degustar os pratos preparados. O curso será realizado em parceria com a Associação de Gastronomia do Ceará. 

Como em todas as edições, o visitante irá conferir ainda várias apresentações de danças árabes, como a dança do ventre às sextas e aos sábados (19 horas), e músicas populares cearenses.

Em sua 11ª edição em Fortaleza, a feira terá móveis vindos da Europa, do Egito e da Índia; doces caseiros; castanhas; queijos, salames e vinhos do Rio Grande do Sul; e bijuterias feitas a partir de folhas, pedras, pérolas e outros elementos naturais do Brasil. Outra novidade para esta edição serão as utilidades para o lar como porcelanas e utensílios japoneses, além de produtos terapêuticos feitos com raízes e plantas da Amazônia e bijuterias banhadas a ouro, de uma técnica canadense. 

A Mundial Art é coordenada pela Associação do Bem-Estar dos Artesãos Cearenses. Para quem deseja visitar a feira, a entrada custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia entrada para estudantes e idosos). Crianças até dez anos não pagam.

Sobre a Mundial Art

Desde 2008 a feira vem se consolidando como uma oportunidade de unir culturas e negócios em diversos estados do Brasil como São Paulo, Manaus, Ceará, Acre, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Roraima, Piauí, Maranhão, Santa Catarina e Rondônia.  A Mundial Art prossegue com agenda de exposições no decorrer do ano pelo Brasil e pelos países dos expositores.

Serviço

Mundial Art – Feira Internacional de Artesanato, Moda e Decoração

Local: Centro de Eventos do Ceará – Av. Washington Soares

Data: 4 a 13 de outubro

Hora: Segunda-feira a sábado, 14h às 22h e aos domingos, 14h às 21h.
Ingresso: R$ 8

Informações: (85) 9.9645.2244

CAIXA CULTURAL FORTALEZA RECEBE ESPETÁCULO #MERGULHO

A CAIXA Cultural Fortaleza recebe nos dias 5 e 6 de outubro de 2019, quatro apresentações do espetáculo #MERGULHO, do Eranos Círculo de Arte de Itajaí, coletivo de artistas de Santa Catarina. Desenvolvido para crianças de 1 a 6 anos de idade, a dramaturgia original de #MERGULHO foi confeccionada a partir de histórias e desenhos sobre o mar, criados por crianças em uma pesquisa que compôs o processo do espetáculo

Envolver a criança desde cedo como espectador ativo na construção do espetáculo é um dos conceitos defendidos pelo Eranos Círculo de Arte. A curiosidade e a participação dos menores são estimuladas através das sonoridades e da relação entre corpo e imagem, em uma linguagem embasada em estudos psicológicos. “Nossa proposta é convidar à participação das crianças e transformar os pequenos espectadores em figuras ativas do espetáculo, num espaço de mediação entre limites e liberdade”, afirma Sandra Coelho, atriz e Psicóloga.

O espetáculo, com público limitado de 80 pessoas, conta a história de duas pessoas que vivem em universos diferentes, ele na terra e ela no mar, e que buscam com a ajuda da plateia, se encontrar. Utiliza como ferramenta a projeção digital em constante relação com ator, um meio que viabiliza uma linguagem imagética que permite uma série de possibilidades de interação entre cena e plateia, entre imagem e os sentidos do espectador.

A direção do espetáculo é de Max Reinert, atuação e criação de Sandra Coelho e Leandro Maman, trilha sonora de Hedra Rockenbach, assistência técnicas João Freitas, produção, pesquisa e roteiro do Eranos Círculo de Arte

Serviço:

[Teatro] #MERGULHO 

Local: CAIXA Cultural Fortaleza – Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 05 e 06 de outubro de 2019

Horários: às 15h e 17h.

Duração: 30 minutos

Classificação indicativa: Livre

Ingressos: R$ 16,00 (inteira) e R$8,00 (meia)

Vendas 2h antes de cada apresentação, na bilheteria do local

Acesso para pessoas com deficiência

Serviço de manobrista gratuito no local 

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Fortaleza (CE):

www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA

Acesse o site www.caixacultural.gov.br

Siga a fanpage: facebook.com/CaixaCulturalFortaleza

Baixe o aplicativo “Caixa Cultural”

Povos do Mar para crianças: mestres ensinam brincadeiras tradicionais

De segunda a quinta-feira (23 a 26/9), o Encontro Sesc Povos do Mar recebe crianças e jovens para aprender brincadeiras populares, assistir apresentações de teatro de bonecos e participar de oficinas de artesanato, de música e dança. Quem ensina são mestres da cultura, xilogravurista, jangadeiros, povos indígenas e moradores de comunidades nativas do litoral do Ceará.

No dia 23, às 9h30, acontece o espetáculo do grupo de teatro de bonecos Ânima e, em seguida, “As crianças do cajueiro” apresentam suas experiências de participação no Encontro Sesc Povos do Mar ao longo dos anos. À tarde, às 14h, jovens nativos das Praias de Icapuí mostram o tradicional teatro de praia que aprenderam em suas comunidades. Nas oficinas de artesanias, os participantes aprendem com representantes das etnias Jenipapo-Kanindé e Anacé a confeccionar instrumentos musicais indígenas e filtro dos sonhos.

Às 16h, Juaci Araújo, o Mestre Piqueno da Associação Terreiro de Capoeira demonstra os batuques da dança e luta afro-brasileira. À noite, em uma roda de saberes, Mestre Mirandinha e Mestre Francisco Braga Mendes, jangadeiros experientes da Praia do Pecém, ensinam as crianças sobre orientação através dos mares, astros e luzes do continente.

Na terça-feira, 24/9, às 10h, os participantes aprendem a fazer as Calungas, marionetes do teatro de bonecos do litoral, e assistem a apresentação de mestres calungueiros de Aracati e Icapuí. Às15h 30, acontece a vivência de Passos e Danças de Maracatus e Reisados, logo após, os alunos da escola indígena Tapeba encenam a lenda do Curupira.

Os pequenos aprendem com Mestre João Pedro, de Juazeiro do Norte, a fazer xilogravuras, entalhando as imagens em isopor (isogravura), na quarta-feira (25/9), às 9h30, e logo após, os meninos e meninas da etnia Pitaguary mostram a dança ritual do toré. Às 14h, o Cortejo Bumba Peixe Boi envolve todos em atividades lúdicas de preservação ambiental.

Sobre o IX Encontro Sesc Povos do Mar

De ponta a ponta do litoral cearense, a Rede Sesc Povos do Mar encontra tradições, culinárias, danças, cantos, artesanato, convidando as comunidades praianas de 24 municípios a participar do importante projeto de socialização de práticas e saberes. A 9ª edição Encontro Sesc Povos do Mar acontece em setembro, de 22 a 26, e o 5° Encontro Sesc Herança Nativa, de 26 a 29, recebendo diariamente, na reserva ecológica do Sesc, cerca de cinco mil pessoas, entre participantes e o público visitante.

Serviço

IX Encontro Sesc Povos do Mar

Espaço Juventudes em Rede

Data: 23 a 26/9

Local: Local: Sesc Iparana Hotel Ecológico (Av. José de Alencar, 150 – Caucaia)

Aberto ao público

Programação no site: https://www.sesc-ce.com.br/povos-do-mar-heranca-nativa/

Povos do Mar e Herança Nativa – Sesc CearáNo Ceará tem índio sim! E são pelo menos 14 povos, do litoral ao sertão, que o Sesc reúne no Encontro Herança Nativa, além dos povos quilombolas e ciganos, culturas das serras, chapadas e sertões.www.sesc-ce.com.br

Orquestra Contemporânea Brasileira convida David Valente para concerto no Cineteatro São Luiz


Imagine assistir a um concerto, cuja orquestra principal traz como convidado um instrumentista que, por suas condições de saúde, aprendeu a tocar teclado e acordeon com os dedos dos pés. O músico, David Valente, se une à Orquestra Contemporânea Brasileira (OCB) em uma apresentação a ser realizada no dia 15 de setembro, às 10h30, no Cineteatro São Luiz. Os concertos compõem a Temporada 2019 e são parte da programação da residência artística que a orquestra realiza no Cineteatro, equipamento da Secretaria da Cultura do Ceará (SECULT).

Tendo como conceito o diálogo entre música erudita e popular, a orquestra vem atraindo cada vez mais um público diversificado. A primeira parte do concerto privilegiará obras de compositores da chamada “música clássica”, com destaque para composições do período Barroco escritas para orquestra de cordas. Na segunda parte do concerto, o cantor e instrumentista cearense David Valente participa do espetáculo, interpretando músicas de Frank Sinatra, Luis Miguel, Roberto Carlos e Dominguinhos.

Portador de uma deficiência físico-motora congênita (artrogripose), que o impossibilita de usar suas mãos normalmente, David Valente desenvolveu e aprimorou essas habilidades especiais com os pés, que o possibilitam escrever, digitar e tocar os instrumentos. Com diversos CD´s e DVD´s gravados, ele tem se apresentado no Brasil e exterior, cantando e tocando sucessos da música brasileira e internacional e emocionando o público que lhe acompanha.

Ainda no mês de setembro, no dia 18, a Orquestra Contemporânea Brasileira realizará mais um concerto didático, às 9 horas, no Cineteatro São Luiz, onde os estudantes terão a oportunidade de conhecer o funcionamento de uma orquestra, o papel de um regente e a sonoridade dos instrumentos. A cada apresentação, escolas convidadas levam seus alunos para apreciar o evento.

Os concertos didáticos fazem parte de uma estratégia mais ampla no sentido de contribuir com a educação e profissionalização de jovens de diversos municípios do Ceará. Além do núcleo de formação musical em Fortaleza, outro núcleo foi iniciado em setembro, em Limoeiro do Norte, através de parceria com a prefeitura municipal. A Orquestra também possui núcleos em Pindoretama e São Gonçalo do Amarante, este com patrocínio da EDP Brasil (Energia de Portugal) e apoio do Instituto EDP, organização responsável pela gestão dos investimentos socioambientais da Empresa.

“Um dos focos do Instituto EDP é usar a arte e a música como meio de formar, capacitar e cuidar das comunidades onde atua, e é com essa visão que apoiamos os núcleos didáticos da Orquestra no Ceará, pois acreditamos no potencial do projeto para o desenvolvimento de centenas de crianças e adolescentes na região”, comentou Paulo Ramicelli, assessor de diretoria do Instituto EDP. O núcleo apoiado pelo Grupo atende hoje cerca de 160 jovens em situação de vulnerabilidade social.

A OCB se formou em 2016, como fruto de uma ação cultural do Sistema Brasileiro de Bandas e Orquestras (Sinfonia.br), em parceria com a Associação dos Amigos da Arte (AAMARTE). A direção artística é do maestro Arley França, doutor em Educação, mestre e licenciado em Música, e responsável pela criação de mais de 40 bandas e orquestras infantojuvenis no Ceará, além da direção de concertos na Alemanha e Noruega. Orientou-se em regência em cursos realizados na Inglaterra, Itália e Estados Unidos, e integra o projeto Orquestrando o Brasil, do maestro João Carlos Martins. 

Sala com a maior média de espectadores por sessão de cinema no Brasil, o Cineteatro São Luiz em seu primeiro ciclo de gestão desde sua reabertura pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (maio de 2015 a dezembro de 2018) recebeu 602.437 espectadores em 2.667 atividades, chegando a média diária de 450 espectadores. Sendo capaz de abrigar, em alta performance, diversas linguagens artísticas em seus “seis palcos”, o equipamento rebatizado de Cineteatro chega em março de 2019 aos 61 anos em plena atividade.

Serviço:
Concerto da Orquestra Contemporânea Brasileira com David Valente 
Local: Cineteatro São Luiz
Data: 15 de setembro Horário: 10h30
Valor: R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia entrada
Realização: Sinfonia BR e AAMARTE
Apoio cultural: Cineteatro São Luiz, Instituto EDP
Patrocínio: EDP
Contatos: Arley França (Maestro da OCB) 98899.1061 / Giovana de Paula (Assessora de
Comunicação) 99982.0608

EXPOSIÇÃO COR É FORMA CELEBRA 45 ANOS DE ARTE DE JOSÉ MESQUITA

Fiel ao abstracionismo, mas sob novas leituras, José Mesquita apresenta obras inéditas na exposição Cor é Forma, a partir de 17 de setembro, no Espaço Cultural Ana Amélia no Hotel Sonata de Iracema. A mostra marca seus 45 anos de arte e a curadoria é assinada pelo artista plástico Jorge Luiz. A visitação é gratuita e acontece diariamente, de 7h às 22h.

 Além das criações mais atuais, a mostra reserva um espaço para mostrar alguns trabalhos que representam, cronologicamente, as diversas fases pelas quais José Mesquita passou ao longo dessas mais de quatro décadas. “Essa é uma proposta da curadoria: proporcionar aos visitantes a visualização da trajetória pictórica que me trouxe até aqui”, explica o artista.

Ele lembra que, no início de sua carreira, suas pinturas remetiam ao movimento francês do início do século XX, conhecido como Fauvismo, em que a composição da obra ficava em segundo plano diante das qualidades expressivas a serem criadas a cada leitura e interpretação. Nesse mesmo sentido, se encantou com o expressionismo alemão do Grupo Die Brücke. “Posso assim dizer que essas foram as primeiras influências que me direcionaram para o que pinto hoje”, conta José Mesquita.

Sobre as principais inspirações, o artista acredita que a escritora Clarice Lispector traduz todo esse universo ao definir: “Na arte, a inspiração tem um toque de magia, porque é uma coisa absoluta, inexplicável. Não creio que venha de fora para dentro, de forças sobrenaturais. Suponho que emerge do mais profundo eu da pessoa, do inconsciente individual, coletivo e cósmico”.

“No meu caso, o olhar e o inconsciente que captam – à minha revelia – volumes, texturas, cores, luzes e sombras, das imagens armazenadas na memória ao longo desses anos todos, findando em um conjunto sensorial que irão compor as obras”, diz o artista. Sua arte, sob o olhar do curador, se apresenta como “a mais pura arte brasileira primitivista” na mostra Cor é Forma.

“Por um lado, revela o processo abstrato que não é formal em sua totalidade, mas carregado de gestualismo com seus contornos formais, por outro, nos presenteia com o abstracionismo carregado de lirismo que nos remete a um universo de profusão de cores em processo direto de seu inconsciente intuitivo”, define Jorge Luiz.

Sobre José Mesquita – Determinado a se tornar piloto comercial de linha aérea, o jovem alcançou o seu objetivo e se dedicou à profissão por várias décadas. Quanto ao universo da arte, teve os primeiros contatos ainda criança, por meio do seu pai, que além de General era Engenheiro Civil. No seu escritório, em casa, o jovem Mesquita teve as primeiras noções de traço, volume, perspectiva, cor, luz e sombra.

Em paralelo, surgiram outros interesses, como a literatura, principalmente os grandes clássicos da literatura universal, poesia e filosofia. “No entanto, tanto as imagens vistas do ar, bem como as imaginadas no universo lírico, onírico, concreto, surrealista, da literatura e da poesia, contribuíram para o desenvolvimento da capacidade de materializar em imagens, o que a literatura descrevia, fosse no aspecto cenográfico, fosse no aspecto emocional”, lembra o artista. Assim, ao longo da infância e adolescência, ele costumava retratar “essas invisibilidades”.

Somente em 1974, incentivado pela professora de arte Jane Lane, participou da sua primeira mostra coletiva. “De lá para cá, lá se vão 45 anos e mais de 200 exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior”, contabiliza o artista. Para ele, Jane Lane foi fundamental para que acreditasse que o que eu produzia tinha qualidade, era arte.

Em 1975 conheceu a mais importante galerista do Ceará, Ignez Fiuza, por meio do artista Gilberto Cardoso. Segundo José Mesquita, Ignez já era um dos nomes mais respeitados na comunidade artística no Brasil, e acompanhou seu trabalho por três anos até o convidar para expor em sua galeria.

“Ali, ao longo de cerca de três décadas, tive o privilégio de participar de várias exposições individuais e coletivas, junto a grandes nomes da arte, no Ceará e no Brasil, como Aldemir Martins, Floriano Teixeira, Carlos Costa, Burle Marx, Floriano Teixeira, Roberto Galvão, Carlinhos Moraes, José Guedes, Hélio Rola, Zé Tarcísio, Sérvulo Esmeraldo, Luiz Áquila, Heloísa Juaçaba, Leonilson, Dante Diniz, Cláudio Tozzi, Arcangelo Ianelli, Tomie Ohtake, Barrica, Sérgio Lima, Eduardo Eloy, Babinski e Oto Cavalcanti”, relembra.

Após o encerramento das atividades da Galeria Ignez Fiuza, José Mesquista continuou expondo em galerias no Brasil e no exterior. Nos últimos cinco anos, se dedicou a estudar e desenvolver novas técnicas, experimentar novos materiais e se aventurar por novos caminhos no fazer artístico. “Experiências nunca antes por mim tentadas, foram sendo exploradas, e que me levaram a esse novo caminho que agora exponho pela primeira vez”, conta. E conclui: “O artista que fizer planos para onde caminhará seu trabalho estará condenado a se repetir”.

SERVIÇO:

EXPOSIÇÃO COR É FORMA

Data: De 17/09 a 16/10

Local: Espaço Cultural Ana Amélia – Hotel Sonata de Iracema (Av. Beira Mar, 848, Praia de Iracema)

Visitação: Diariamente, das 7h às 22h.

Gratuita

MÚSICA BRASILEIRA NO CARIRI


O acesso ao patrimônio e à diversidade musical brasileira são os propósitos dos projetos Sesc Instrumental, o Sonora Brasil, e Sesc Sonoridades que acontecem de 14 a 30 de setembro, no Cariri. Na programação, destaque para o grupo Wiyae, apresentando músicas de povos indígenas, nos dias 24 e 26, nas unidades do Sesc de Juazeiro do Norte e do Sesc Crato, respectivamente.

No repertório, o grupo apresenta músicas do povo Tikuna, além de composições próprias e músicas de outros povos indígenas recolhidos em pesquisas, que serão apresentadas a partir de recriações e arranjos artísticos. Toda a programação é gratuita.

O grupo Wiyae, que significa canto na língua Tikuna, se reuniu especialmente para o projeto Sonora Brasil do Sesc Brasil. É formado por Tikuna – nascida em Umariaçu, nas “fronteiras” do Brasil, Peru e Colômbia; Magda Pucci, cantora, educadora musical e pesquisadora das músicas de vários povos há 23 anos, e também diretora musical do Mawaca, grupo de São Paulo que recria músicas de diferentes tradições do mundo; Diego Janatã, maranhense que tem viajado por diversas comunidades indígenas, por todo o Brasil, pesquisando e registrando a musicalidade dos povos das florestas e também das comunidades quilombolas e tradicionais do Maranhão; e Gabriel Levy, arranjador, compositor, educador e produtor musical, acordeonista do Mawaca.

Enquanto o Sonora Brasil contempla a riqueza da música brasileira, o Sesc Instrumental é um projeto de caráter artístico e educativo que visa proporcionar aos públicos momentos de apreciação sonora e acesso ao patrimônio musical brasileiro. Ambos, primam pela diversidade de estilos e gêneros. Assim, o Sesc Instrumental, promove duas apresentações de: Grupo Contemple, Serginho Groove (RN), Brasuca, Alan Kardec (Fortaleza), Edu Sales, Grupo Cariri Roda de Choro, Sarah Lopes (PE), Ranier Oliveira no Terreiro da Mestra Margarida e Cangaço, em Juazeiro do Norte, e no Arajara Park, em Barbalha. Eles também sobem ao palco do Teatro Sesc Patativa do Assaré, em Juazeiro, por meio de parceria com o projeto Artefatos da Cultura Negra.

O Contemple é fruto e semente da paixão de amigos em torno da música. O grupo é formado pela cantora Fatinha Gomes; o pianista, maestro e educador Diego Amorim; e pelo multiinstrumentista Vinícius Pinho. As apresentações no Cariri ainda contam com a participação do acordeonista Ranier Oliveira.

O cantor, compositor e instrumentista natural do Cariri – CE, apresenta um trabalho que reforça sua identidade plural e múltipla, transbordando o estereótipo de gênero e o do sertão nordestino para propor um outros olhares sobre as tradições de sua terra.

Na unidade Sesc Crato, o projeto Sesc Sonoridades traz Junú interpretando canções que marcaram a sua infância e adolescência, desde a cultura popular tradicional até nomes de artistas nacionais que direta e indiretamente tornaram-se mestres e mestras no início de sua formação musical, desde sempre, sem preconceitos ou discriminações estéticas. Belchior, Raul, Mestre Aldenir, Dorival Caymmi, Marinês, Nelson Gonçalvez, Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto, Beto Guedes, Gonzaga, João Do Vale, Alceu Valença, Elomar, Secos e Molhados, Engenheiros do Hawai, Legião Urbana, Rita Lee, Cazuza, Nelson Gonçalves, Mutantes, Caetano, Chico, Fagner são influências na formação do multiverso criativo da obra do cantor e compositor, um dos maiores expoentes da música cearense da atualidade.

Sesc Sonoridades também contempla o público com o show da Banda Madalena Vinil, que traz as músicas autorais de seu primeiro disco “Entre o Céu e o Bar”, que transita entre algumas vertentes do Rock. A apresentação acontece no Largo da RFSSA. 

A programação se encerra com o projeto Cordel na Feira trazendo o som regional vindo direto da sanfona e triângulos do trio de forró cearense “Chumbo Sim Senhor!” tocando sucesso de grandes nomes como Luiz Gonzaga e Gonzaguinha.  

SERVIÇO

Barbalha

Show Grupo Contemple – Projeto Sesc Instrumental

Data: sábado (14)

Horário: 13h

Local: Arajara Park – Barbalha (Sítios Farias e Santo Antônio, s/n°, Distrito de Arajara, município de Barbalha – CE)

Gratuito

Juazeiro do Norte

Mostra Instrumental – Projeto Sesc Instrumental

Data: 18 a 21/09

Horário: 18h às 20h

Local: Terreiro da Mestra Margarida – Unidade Juazeiro do Norte do Sesc (Rua da Matriz, 227)

Gratuito

Programação:

DataHorárioArtistaLocal
18/09 QUARTA18hSerginho Groove – Natal RNTerreiro Mestra Margarida
20hBrasuca – Juazeiro do NorteCangaço
19/09 QUINTA18hAlan Kardec – Fortaleza – CETerreiro Mestra Margarida
19hEdu Sales – Juazeiro do Norte  – CE
20/09 SEXTA18hGrupo Cariri Roda de Choro – Juazeiro do Norte – CETerreiro Mestra Margarida
19hSarah Lopes – Exu –  PETerreiro Mestra Margarida

Show Grupo Contemple – Projeto Artefatos da Cultura Negra

Data: 23/09

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Patativa do Assaré – Unidade Juazeiro do Norte do Sesc (Rua da Matriz, 227). 

Gratuito

Show Grupo Wiyae – Projeto Sonora Brasil

Data: 25/09

Horário: 17h

Local: Sesc Juazeiro do Norte

Gratuito

Crato

Show banda: Madalena Vinil – Projeto Sesc Sonoridades

Data: 14/9

Horário: 20h                      

Local: Largo da RFSSA – Feira Cariri Criativo

Classificação: livre

Entrada Gratuita

Junú – Show Referências – Projeto Sesc Sonoridades

Data: 19/9

Projeto: Sesc Sonoridades

Horário: 19h30                 

Local: Teatro Adalberto Vamozi – Unidade Sesc Crato

(Rua André Cartaxo, 443 – Palmeiral)

Classificação: livre

Entrada Gratuita

Show Grupo Wiyae – Projeto Sonora Brasil

Data: 24/9

Horário: 19h30                 

Local: Teatro Adalberto Vamozi – Unidade Sesc Crato

(Rua André Cartaxo, 443 – Palmeiral)

Classificação: livre

Entrada Gratuita

Show Trio de Forró – Chumbo Sim Senhor!

Data: 30/9

Projeto: Cordel na Feira

Horário: 8h

Local: Feira Livre do Crato

Classificação: livre

Entrada Gratuita

Secult e Minimuseu Firmeza celebram os 100 anos de Estrigas

O centenário de um dos principais nomes das artes cearenses será celebrado pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) e o Minimuseu Firmeza, com uma programação especial. De 19 de setembro a 18 de outubro, a vida e a obra de Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas, serão lembradas a partir de atividades como debates, exposições e a entrega do Diploma Estrigas destinada a artistas e personalidades de destaque da cultura cearense.

A programação acontece com o apoio da Universidade Federal do Ceará (UFC), do Museu de Arte da UFC (Mauc), da Secultfor, do Sobrado Dr. José Lourenço, Museu do Ceará, Porto Iracema das Artes, Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, Galeria Multiarte, do Instituto de Estudos e Pesquisas sobre o Desenvolvimento do Estado do Ceará – INESP e da TV Assembleia.

Em 19 de setembro de 1919 nascia o pintor, ilustrador, escritor e crítico de arte Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas. Cem anos depois, na mesma data, é tempo de celebrar sua vida e obra com uma programação especial,  a começar pela Exposição “100 Estrigas”, em cartaz no Mauc e com abertura às 18h30. Contando com a curadoria de Gilmar de Carvalho, a exposição traz obras do artista e contará com a exibição do documentário “Estrigas”, uma produção Núcleo de Documentários da TV Assembleia do Ceará. A exposição segue em cartaz até dia 18 de outubro com, lançamento do livro “A Grande Arte de Estrigas – Memória Crítica”, de Gilmar de Carvalho.

“Estrigas assumiu vários papéis durante a vida longa que teve: pintou, desenhou, fez aquarelas, poesia, crítica de arte, biografias, e estimulou carreiras de jovens artistas. Defendia o Humanismo, tinha uma profunda consciência do papel social das artes e fugia de qualquer manifestação narcisista, optando pelo coletivo, vendo a História como processo e não se imiscuindo em questões mesquinhas. Pensava grande e nos deixou um legado como artista e como historiador da arte”, destaca o curador da exposição Gilmar de Carvalho.

Diploma Estrigas

Na ocasião de abertura da exposição “100 Estrigas” acontece também a entrega do Diploma Estrigas, uma homenagem da Secult e do Minimuseu ao próprio pintor e a artistas e personalidades da cultura cearense que se dedicam à preservação, à memória e à divulgação da cultura do Estado. São eles: a escritora Ângela Gutiérrez, o colecionador Schubert Machado, a pesquisadora Olga Paiva, o artista Bené Fonteles, o pesquisador Gilmar de Carvalho, o filósofo e professor Auto Filho e o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará – MAUC/UFC.

Mais programação comemorativa

Para dar continuidade à programação comemorativa do centenário de Estrigas, o Minimuseu Firmeza – equipamento cultura que já foi a casa e ateliê do artista e de sua esposa Nice Firmeza – abre uma nova exposição no dia 20 de setembro do artista e professor de artes visuais Leo Lima, com trabalho produzido por idosos do Lar Francisco de Assis e Lar Torres de Melo. A exposição é resultado de um projeto de oficinas de pinturas, que foi contemplado por meio do XI edital de Incentivo às Artes Visuais da Secult. A mostra terá 96 trabalhos, entre pinturas em telas, como intervenções de pinturas em fotografias. Em cartaz até 20 de outubro, a exposição terá visitações abertas nos horários de funcionamento do espaço.

Já no dia 21 de setembro, às 10h, o Sobrado Dr. José Lourenço, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), fará um Café do Zé especial, em homenagem ao centenário de Estrigas. Também na ocasião acontece uma homenagem especial da Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, equipamento da Secult, que, por meio de seus alunos e professores, proporcionará um momento de degustação de uma receita da Nice Firmeza.

Na programação, também a distribuição de cópias da Hemeroteca doada ao Sobrado Dr. José Lourenço. Estrigas analisou e documentou o cenário artístico cearense, publicando vários livros sobre o assunto ao longo de sua carreira. Parte dessa história também está registrada na hemeroteca que Estrigas doou ao Sobrado Dr. José Lourenço. São recortes de jornais, folders de exposições e catálogos de arte colecionados pelo artista e que datam dos anos 1950 aos 1990.

O Porto Iracema das Artes, por sua vez, promove um ciclo de palestras, entre os dias 26 e 27 de setembro, sempre às 15h. No dia 26/9, a escritora Ângela Gutiérrez aborda o tema “Estrigas e Nice no território mítico do Mondubim e nas Artes do Ceará” e o pesquisador Gilmar de Carvalho fala sobre o “Estrigas Centenário”. No dia 27/9, acontecem as palestras “Estrigas, o crítico de arte”, com o professor Auto Filho; “Minimuseu Firmeza: formação e permanência de um acervo”, com a historiadora Paula Machado; e “O Minimuseu Firmeza como bem cultural”, com a pesquisadora Olga Paiva.

Por sua vez, como uma bela ação de culminância da semana e para relembrar a vida e obra do nosso querido estrigas em seu terreiro, temos o “O Baobá apresenta” – uma programação afetiva e celebrativa que acontece no dia 28 de setembro, de 9h às 13h, também no Minimuseu Firmeza. A atividade conta com rodas de bordado, artes plásticas, visitas guiadas e apresentações artísticas no antigo sítio e ateliê de Nice e Estrigas.

Sobre Estrigas

Ao longo de sua trajetória de mais de 60 anos, Estrigas (1919-2014) participou ativamente do movimento artístico local e nacional, tendo suas obras alcançado espaço em grandes acervos. Estrigas retratou o mundo das artes plásticas cearense por meio pinturas e estudos sobre o tema, traduzidos em rica bibliografia.

Pesquisador e crítico das artes cearenses, escreveu diversos livros, como: “Arte: Aspectos Pré-Históricos no Ceará” (1969); “Fase Renovadora na Arte Cearense” (1983); “A Saga do Pintor Francisco Domingos da Silva” e “Contribuição ao Reconhecimento de Raimundo Cela” (ambos em 1988); “Barrica: o Alquimista da Arte” (1993); “O Salão de Abril” (1943 a 2009); entre outros.

Foi um dos principais articuladores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP), ao lado de artistas como Mário Baratta e Raimundo Cela. Em 1953, assumiu a presidência da entidade que o formou e ajudou a captar apoio da gestão municipal para a realização do Salão de Abril.

Sua relação com esta Mostra era sempre de afeto e delicadezas, participou dela como expositor por diversas vezes e publicou sobre ela o livro “Salão de Abril: História e Personagens”, em 1994, e “O Salão de Abril” (1943 a 2009), sendo também homenageado em sua 30ª edição, em 1980. Entre as décadas de 1950 e 1960, Estrigas chega a criar a Escola de Belas Artes do Ceará, projeto que é interrompido após dois anos de existência.

Nesse período, conhece a pintora cearense Nice Firmeza, com quem se casa. Desde então, o casal passou a realizar diversas exposições coletivas em circuito local e nacional.  Os quadros do casal já foram expostos no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, em São Paulo, na inauguração do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC) e na exposição Centrèe Hospitalier Specialisè, na cidade francesa de Toulon.

Ao casar-se com Nice, em 1961, mudou-se para o sítio da família Firmeza, no Mondubim. O espaço, no qual viveram até morrer, foi transformado em casa-museu em 1969. Chamado inicialmente de FirmezArte e posteriormente batizado de Minimuseu Firmeza, o espaço conta com obras de autoria de Estrigas e Nice, além de obras dos principais artistas plásticos cearenses, como Raimundo Cela, Mário Baratta, Aldemir Martins, entre outros.

Estrigas faleceu aos 95 anos de idade, em 02 de outubro de 2014.

Sesc Fortaleza garante programação movimentada no mês de setembro

Com o intuito de promover cultura de qualidade, valorizar os artistas locais e reconhecer a arte em suas mais variadas formas, o Sesc Ceará oferece programação cultural ampla e diversificada em diferentes espaços de Fortaleza. Nesta semana (10 a 16/9), o público confere apresentações musicais, espetáculos teatrais, palestras e oficinas para crianças e adultos. Confira abaixo:

PROGRAMAÇÃO 10 a 16/9

         Teatro

Palhaçaria e montagem infantil fazem parte da programação teatral do Sesc no mês de setembro. Durante esta semana, o público adulto e infantil tem opção de espetáculo garantida, em espaço aberto, possibilitando o acesso de todos os interessados.

Data: 10/9 (terça-feira)

Espetáculo: Um São Sebastião Flechado

Grupo: Paula Yemanjá e Zéis

Evento: Terça Encena

Horário: 12h

Local: Unidade Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 –  Centro)

      Música                                             

            Em setembro, a programação musical do Sesc promete agradar a diversos públicos. Do chorinho ao forró, passando também pela MPB, música clássica e tradição, os projetos de música do Sesc trazem a Fortaleza artistas de gêneros musicais variados, primando pela diversidade.

Data: 11/9 (quarta-feira)

Apresentação: Jorge Andrade – Beatles com Sotaque Nordestino

Evento: Sesc Instrumental

Horário: 17h30

Local: Unidade Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 –  Centro)

Entrada Gratuita   

Data: 12/9 (quinta-feira)

Apresentação: Danillo Lima – Ritos

Evento: Degusta Som           

Horário: 12h30

Local: Unidade Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 –  Centro)

Entrada Gratuita   

Data: 13/9 (sexta-feira)

Apresentação: Cariri Roda de Choro – Revivendo Chorinhos

Evento: Sesc Chorinho

Horário: 19h

Local: Unidade Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 –  Centro)

Entrada Gratuita   

XV Seminário Sesc de Educação Popular

Com o objetivo de discutir como o uso das plataformas digitais está cada vez mais inserido na rotina da humanidade, envolvendo diversas faixas etárias e despertando atenção para questões de saúde, o Sesc abre inscrições para o seminário que vai abordar o tema “A influência das mídias sociais e a saúde”, que acontece nos dias 17 e 18 de setembro, em Fortaleza.

O evento faz parte da XV edição do Seminário Sesc de Educação Popular em Saúde, que tem por objetivo promover espaços para debates e reflexões entre educandos, educadores e a sociedade como um todo, acerca das problemáticas sociais e da política de saúde no Brasil.

Para garantir a participação é preciso preencher o formulário disponível no link https://forms.gle/dtykkydFUmh2szWR6 e validá-la com a doação de 1kg de alimento não perecível (com entrega no momento do credenciamento). São ofertadas 25 vagas por oficina e 60 vagas por palestra e qualquer pessoa interessada no tema pode participar. As inscrições seguem até o preenchimento das vagas.

Data: 17 e 18 de setembro

Seminário Sesc de Educação Popular em Saúde

Horário: A partir das 8h

Inscrições:https://forms.gle/dtykkydFUmh2szWR6 

Locais: Unidade Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 – Centro) e Unifametro (Campus Conselheira Estelita – nº 500, Centro).

Sobre o Sesc

O Sesc, instituição integrante do Sistema Fecomércio, oferece ações de educação, cultura, esporte, saúde, lazer e promoção social. Os trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo, empresários e seus dependentes são os beneficiados pelo Sistema, mas os serviços também podem ser acessados pela população em geral.

www.sesc-ce.com.br

Facebook: /sescceara

Twitter: @sesc_ce

Instagram: sescce

Sucesso de público, comédia “O Auto do Cumpade Cido” entra em cartaz no Theatro Via Sul Fortaleza

Em cartaz desde 2007, com público estimado de 100 mil pessoas, a comédia “O Auto do Cumpade Cido” entra em cartaz para apresentação no dia 14 de setembro, às 21h, no Theatro Via Sul Fortaleza.

O Auto do Cumpade Cido é uma comédia que faz alusão ao clássico “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna. Através de dois grandes nomes do humor cearense, Wladson Sidney e João Netto, que fazem o papel de Seu Cido e João Besouro, respectivamente,  prometem arrancar gargalhadas do público, num cenário minimalista. Nesse cenário, apenas um tamborete, um lampião e duas coisas que não têm limitem: as reflexões e as gargalhadas. 

Elenco


Wladson Sidney faz o papel de Seu Cido, um velho coronel, viúvo, que acabou de perder a esposa e mora com um funcionário baixinho e engraçado, que vive querendo arrumar a vida do seu Cido: João Besouro, personagem do incrível João Netto, criador de Zé Modesto e tantos outros.

SERVIÇO

Auto do Cumpade Cido
Datas: 14 de Setembro de 2019

Horário: Sábado 21h;

Classificação: LIVRE

Duração: 60min

Local: Theatro Via Sul Fortaleza – Av. Washington Soares, 4335 – Edson Queiroz

Ingressos: R$50/R$25 (mezanino) e R$60/R$30 (plateia)

Programação e vendas: http://www.theatroviasulfortaleza.com.br/programacao/
Capacidade: 732 Pessoas

Informações: (85) 3099-1290
Horário de funcionamento da bilheteria: De segunda a sábado, das 10h às 22h; Aos domingos e feriados, das 11h às 21h
Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.

Estacionamento no Via Sul Shopping