Browsing Tag

40 anos

Grupo Aço Cearense: 40 anos contribuindo para o desenvolvimento do Brasil


Com atuação em todo o país, o Grupo Aço Cearense trabalha na produção e na comercialização do aço, contribuindo com o crescimento das cadeias local e nacional.  Completando 40 anos de mercado em 2019, gerando desenvolvimento econômico e social, o Grupo celebra a construção de uma história que começou pequena, cresceu ao longo dessas quatro décadas, e hoje faz parte da vida de muitos brasileiros.

Líder no segmento do aço nas regiões Norte e Nordeste, o Grupo conta com quatro empresas e um instituto com operações no Ceará, Pará e Tocantins. São elas: Aço Cearense Comercial, Aço Cearense Industrial, SINOBRAS, SINOBRAS Florestal e Instituto Aço Cearense. As empresas têm como prioridade atender com dinamismo e excelência. Nessa visão de mercado estão presentes também valores que guiam os colaboradores e parceiros, dos mais simples cargos até a presidência da empresa. Entre esses valores estão humildade, integridade, transparência, respeito, trabalho seguro e fé em Deus.

Com evidência no seu setor de atuação durante esses anos, o Grupo Aço Cearense e suas empresas já apareceram em diversas publicações de pesquisas no seu segmento se destacando entre os grandes do país. Exemplo disso é a publicação Exame Melhores e Maiores em que o Grupo figurou no ranking das 200 maiores empresas por quatro anos consecutivos e a SINOBRAS, entre as 100 maiores por região e entre as mil maiores do Brasil de 2013 a 2018.  Outra publicação relevante é o Anuário Valor 1000: o Grupo Aço Cearense destacou-se desde 2013 como uma das maiores empresas do país. Além disso, empresas do Grupo também figuram no ranking de edições como a Isto É Dinheiro 2019 e o Prêmio Anamaco 2019.

Atuando nos segmentos de siderurgia e metalurgia, o Grupo Aço Cearense tem hoje uma capacidade de produção de um milhão de toneladas/ano e representantes comerciais em todo o Brasil, mantendo uma logística dinâmica que garante a chegada de seus produtos em todos os estados brasileiros, atendendo o mercado de forma pulverizada e contemplando as necessidades de clientes de vários portes.

Um dos diferenciais do Grupo Aço Cearense é atender os clientes de forma personalizada, independentemente do tamanho da sua compra e da forma como deseja o produto. Esse atendimento singular é um dos pontos fortes do Grupo, que faturou R$ 2,7 milhões em 2018 e trabalha incansavelmente para seu aprimoramento, desde a qualidade dos produtos ao preço justo e à forma de tratar as pessoas.

Outro diferencial que trouxe o Grupo Aço Cearense ao patamar em que se encontra hoje é a sua contribuição com o desenvolvimento das regiões nas quais atua, gerando cerca de 4 mil empregos diretos e 20 mil indiretos. Com a mentalidade de contribuir para o crescimento de seus 16 mil clientes, a empresa ajuda a economia a girar com mais facilidade e, com isso, o Brasil cresce junto e todos saem ganhando.

MRV anuncia nova marca e posicionamento ao completar 40 anos de atuação no mercado imobiliário

A MRV, líder nacional no mercado de imóveis econômicos, completa 40 anos com nova marca e posicionamento. As mudanças refletem as transformações que a companhia passou nos últimos anos, de incorporadora e construtora de imóveis econômicos, para ser uma especialista em soluções de moradia, atuando como uma plataforma habitacional.

A partir de outubro, a MRV passa a ter novo logotipo e a adotar novas cores e linguagem na sua comunicação com clientes e mercado. Também deixará de usar o “Engenharia”, que fazia parte de seu nome, marcando a ampliação da atuação da empresa no mercado. Toda a comunicação passará a compor o novo propósito definido pela companhia: construir sonhos que transformam o mundo.

“A mudança da marca e o novo posicionamento passam a estar alinhados com a trajetória construída até aqui pela companhia, refletindo a abrangência da atuação e o compromisso de transformar sonhos em realidade”, destaca Rodrigo Resende, diretor de marketing e vendas da MRV.

O processo de mudança da marca começou com um estudo encomendado para a Fundação Dom Cabral, que analisou a transformação da empresa nesses 40 anos e entrevistou os colaboradores para incorporar no novo posicionamento a visão de quem está no dia a dia da operação. Com base nesse estudo, a Interbrand iniciou o processo de construção da nova identidade, unindo a solidez e a experiência adquirida à capacidade da empresa de se inovar e lançar tendências em um mercado em constante transformação. “O novo propósito da MRV foi o grande orientador da nova identidade da marca. Assumir esse posicionamento valorizando seu impacto na nossa sociedade e no mundo trouxe um fio condutor legítimo e inspirador para guiar todas as expressões, experiências e relacionamentos da MRV“, diz Beto Almeida, CEO da Interbrand no Brasil.

Nova identidade da marca

A nova marca segue o conceito de que a aquisição da casa própria é o começo, pois a partir dela, vários outros sonhos se tornarão realidade: um casamento, o nascimento de um filho, amigos e parentes em almoços de fim de semana. Além disso, quando a MRV cuida da vizinhança, promove a convivência e busca a sustentabilidade, ela transpõe as paredes de um imóvel e transforma vidas. O novo logotipo é construído na intersecção destes elementos, formando o desenho de uma casa, ponto de partida para todas essas mudanças. 

O verde e o laranja, cores características da comunicação da companhia, assim como os ícones e elementos visuais foram preservados como legado, e renovadas para acompanharem os movimentos de renovação das pessoas. As formas geométricas fazem referência a uma construção confiável e de qualidade, enquanto os cantos arredondados aproximam a relação com as pessoas. As fotos passam a refletir a concretização da conquista da casa própria, humanizando os espaços e remetendo à capacidade da MRV em transformar sonhos em realidade, utilizando as mais modernas técnicas de engenharia, entregando produtos com qualidade e atendendo às expectativas dos compradores.

Sobre a MRV

Fundada em outubro de 1979, a MRV Engenharia é líder nacional no mercado de imóveis econômicos e a primeira construtora da América Latina a oferecer energia fotovoltaica para seu segmento de atuação. Presente em mais de 160 cidades de 22 Estados e no Distrito Federal, em seus 40 anos de atividade já lançou mais de 400 mil unidades. A companhia investe em responsabilidade social e mantém desde 2014 o Instituto MRV, organização sem fins lucrativos, voltada para promoção da transformação social do país por meio da educação.

Sistema Hapvida Saúde completa 40 anos

Uma trajetória traçada pela busca constante do melhor para seus pacientes. Esta é a premissa da atuação do Sistema Hapvida Saúde, que completa 40 anos no dia 15 de janeiro. A história de uma das maiores operadoras do País teve início em 1979, na cidade de Fortaleza (CE), quando o médico oncologista Candido Pinheiro de Lima inaugurou o Hospital Antonio Prudente, um dos mais modernos da cidade. A projeção veio quando Candido criou, em 1993, o Hapvida Saúde. A partir de então, a operadora seguiu passos importantes, expandindo sua rede por todo o Brasil.

Após esse trajeto de muito trabalho, hoje com mais de 3,8 milhões de clientes, o Sistema Hapvida se posiciona como uma das maiores operadoras de saúde do Brasil. Os números são resultado de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos. O Hapvida conta atualmente com 20 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 26 hospitais, 75 clínicas médicas, 19 prontos atendimentos, 84 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial (Vida&Imagem) distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria. Para garantir um sorriso com mais saúde, a Operadora criou, em 2009, o Hapvida+Odonto.

Para o fundador do sistema Hapvida, Candido Pinheiro, o Hospital Antonio Prudente, que impulsionou a criação do Hapvida, nasceu com a vontade de servir à população. “Quando se faz alguma coisa e pensa nisso para as pessoas que vão usar, vai dar certo. Sempre buscamos entender esse desejo e necessidade das pessoas que nos cercavam, primeiro em Fortaleza, e depois no resto do Brasil. Quando conseguimos descobrir, deu certo”, ressalta.

Diferenciais
A aposta em uma estrutura vertical para crescer, com a rede própria, permite viabilizar a estratégia de custo baixo e qualidade aos beneficiários, dois dos pilares trabalhados pelo Sistema. E o acolhimento, outro pilar importante para o Hapvida, acontece pelo primor no atendimento eficiente aos pacientes, com os diferenciais tecnológicos e assistenciais, como:

  • Monitoramento da operação em tempo real– O investimento na área de Tecnologia de Informação (TI) é destaque. A empresa criou uma plataforma tecnológica que envolve a integração por sistema de todas as suas unidades em tempo real. Por meio dessa ferramenta e com o auxílio de câmeras de vídeo, o atendimento e o tempo de espera em todas as urgências e emergências são monitorados pelo Núcleo de Controle e Qualidade da empresa. Se a espera ultrapassa 15 minutos, um alarme é acionado e a sala de controle se comunica com a unidade para agilizar a operação.

  • Biometria– O Hapvida é a primeira operadora do setor a utilizar a identificação biométrica de médicos e pacientes. Cada procedimento médico adotado em um paciente é registrado no sistema. Durante a consulta, o médico tem acesso ao prontuário médico, com todo o histórico do associado, como imagens de exames, resultados laboratoriais, conclusão de diagnósticos e outras informações médicas de relevância. Além do diagnóstico mais preciso, essa inovação dá agilidade ao atendimento, gerando mais conforto e segurança aos associados da operadora. Para os planos corporativos, o sistema evita ainda o absenteísmo dos colaboradores, oferecendo rapidez no atendimento e mais qualidade de vida.

  • Prontuário eletrônico – Ainda na área de tecnologia do Hapvida, o prontuário eletrônico é um grande diferencial. Com o sistema, obtêm-se as informações dos clientes da rede própria e sabemos o histórico do paciente. Esse mecanismo contribui para a redução de desperdícios e ajuda para o diagnostico correto e tratamento dos clientes.

  • Medicina Preventiva– O Hapvida cuida da saúde de seus clientes desde a infância até a terceira idade. Nos núcleos de Medicina Preventiva são realizados projetos e ações que promovem a qualidade de vida de grupos especiais, como gestantes e da melhor idade, além de grupos de risco e portadores de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e obesidade.

Programas
Duas iniciativas merecem destaque: o programa Viver Bem, em Fortaleza, identifica, cuida, orienta e incentiva pacientes que possuem diabetes tipo 2 a ter uma vida melhor e com mais saúde, inclusive com a prática regular de atividade física. Outro programa é o Nascer Bem, que orienta e cuida das gestantes para terem uma gestação acompanhada, com pré-natal realizado por uma equipe exclusiva e um parto adequado para a mãe e para o bebê, nas cidades de Fortaleza (CE), Recife (PE), Belém (PA) e Salvador (BA).

Além disso, o Hapvida consolidou projetos que trazem mais qualidade de vida para a população, como o Hapvida +1k, assessoria de corrida e caminhada presente nas cidades de Fortaleza (CE), Recife (PE), Salvador (BA), Maceió (AL) e Belém (PA); o VAMO, carros elétricos compartilhados em Fortaleza, e o Bike Belém e ManôBike, projeto de bicicletas compartilhadas.

Crescimento
Como consequência desse processo de crescimento, em abril de 2018, o Sistema Hapvida chegou à B3 com a oferta pública inicial de ações (IPO) e o início da negociação destas no segmento Novo Mercado com o ticker HAPV3. Esse movimento foi reflexo da solidez que a empresa adquiriu nessa história de 40 anos.

De acordo com Jorge Pinheiro, diretor-presidente do Hapvida, a iniciativa é uma consequência da expansão da operadora pelo Brasil. “É um tema de relevância no mundo inteiro. Sabemos que a empresa precisa dar um passo em suas operações. Ser consolidadora em um mercado em concentração. Foi uma decisão acertada, não só do ponto de vista de instituirmos uma melhor governança, mas também pela possibilidade de expandir com mais responsabilidade”.

Candido Pinheiro, fundador do Hapvida, destaca que o Hapvida nasceu com a proposta de levar mais saúde para as pessoas, e faz isso até hoje. Por isso, continuará contribuindo para a qualidade de vida da população. “Não se pode desistir de buscar fazer aquilo que é correto. Não para si mesmo, mas para aquilo a que você se presta”.

A cor do som – 40 anos

 

No dia 26 de agosto (domingo), às 18h, Dadi (baixo), Armandinho (guitarra, bandolim e guitarra baiana), Ary Dias (percussão), Gustavo Schroeter (bateria) e Mu Carvalho (teclados) misturam rock, choro e pop no show “A cor do som – 40 anos”. O espetáculo que ocorre no Cineteatro São Luiz (Rua major Facundo, 500 – Centro) tem classificação livre e já está com ingressos à venda na bilheteria do Cineteatro e através do site da Tudus (www.tudus.com.br) por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia).

Com a formação original, o grupo comemora 40 anos de carreira em turnê e com um novo disco. O repertório de “40 anos” aponta para o futuro, com canções novas, além das regravações de clássicos tirados dos primeiros álbuns.

Com sua inusitada e orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo, A Cor do Som foi a grande surpresa da música brasileira em fins dos anos 1970, antecipando o rock que iria imperar na década seguinte. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo de Moraes Moreira, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos.

Estavam nessas gravações Dadi (o jovem baixista carioca que tinha entrado para a comunidade musical dos Novos Baianos e também tocava com Jorge Ben), Armandinho (o mestre da guitarra baiana e do bandolim, filho do Osmar, um dos inventores do trio elétrico) e Gustavo (outro carioca, baterista que veio do grupo A Bolha e também músico de Jorge Ben), com Mú (pianista e tecladista, irmão caçula de Dadi) estreando profissionalmente em uma faixa – e, logo em seguida, incorporado à banda nos shows. Já Ary Dias (percussionista baiano que veio de Banda do Companheiro Mágico), tocou no disco de estreia d’A Cor, mas só entrou oficialmente, completando a formação clássica, a partir do segundo álbum.

Como Dadi, mais de três décadas depois, contou no livro de memórias “Meu caminho é chão e céu” (Record, 2014), a paixão de Armandinho e Mú pelo choro foi o estímulo para as primeiras músicas do grupo que começava a nascer. Quanto ao nome, foi pedido emprestado a Galvão e Pepeu Gomes, que chamavam de A Cor do Som o núcleo instrumental dos Novos Baianos.

 

“A Cor do Som 40 anos” / Faixa a faixa

“Somos da cor” (Armandinho / Maria Vasco): Uma das composições inéditas do disco, a letra, na voz de Armandinho, é uma exaltação ao amálgama de etnias que caracteriza o povo brasileiro. Embalado por muito groove, é perfeito antídoto para o racismo que tenta sair do armário.

“Abri a porta” (Gilberto Gil / Dominguinhos): Esse sucesso do terceiro disco d’A Cor, “Frutificar” (editado em 1979), volta com o auxílio luxuoso de seu co-autor, Gilberto Gil, que toca violão e divide o canto com Dadi. Outro destaque na nova versão é o acordeom de Waldonis.

“Alto astral” (Mú Carvalho, Dadi e Evandro Mesquita): Lançada no quinto álbum do grupo, “Mudança de estação” (1981), essa parceria dos irmãos Mú e Dadi com o eterno Blitz Evandro Mesquita foi a escolhida para o encontro o Roupa Nova. As vozes de Serginho Herval (também na bateria) e Kiko (guitarra) se juntam à de Mú (também pilotando o Korg MS2000), que cantou na versão original.

“Sou volúvel” (Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Dadi Carvalho): Outra faixa nunca gravada em disco pelo grupo, ela tinha sido lançada por Arnaldo Antunes em 2013, no álbum “Disco”. Agora, além de cantar, Dadi se desdobra em baixo, órgão Hammond e guitarras.

“Zanzibar” (Armandinho / Fausto Nilo): Sucesso do quarto álbum d’A Cor, “Transe total” (em 1980), essa canção de letra deliciosamente nonsense também foi um veículo para a delirante guitarra baiana de Armandinho, que, nessa regravação, canta em dueto com Samuel “Skank” Rosa.

“Swingue menina” (Mú Carvalho / Moraes Moreira): Outro clássico do álbum “Frutificar” (1979), esse reggae de pegada naturalmente brasileira continua irresistível. Convite à dança e à alegria que Mú refaz em dueto com Lulu Santos, outro fã de primeira hora d’A Cor do Som.

“Alvo certo” (André Carvalho / Dadi Carvalho): Mais uma inédita com A Cor, essa parceria de filho e pai é um samba que remete aos Novos Baianos de “Acabou chorare” e já tinha sido gravada por ambos: tanto no CD solo de estreia de Dadi, em 2007, para o selo japonês Rip Curl Recordings, quanto no de estreia de André, “Tempo do tanto” (2010). Para a nova versão, Dadi canta em dueto com Djavan (com direito a inspirados vocalises), enquanto Armandinho troca a guitarra baiana pelo bandolim, reforçando o elo novo-baiano.

“Magia tropical” (Mú Carvalho / Evandro Mesquita): Faixa que abria e dava nome ao sexto álbum do grupo, lançado em 1982 (período em que Victor Biglione ocupou o lugar de Armandinho), ela volta na voz de Paulinho Moska (também no violão).

“Eternos meninos” (Mú Carvalho / Paulinho Tapajós): Outra canção lançada no disco “Magia tropical”, essa parceria de Mú com seu então cunhado, o saudoso Paulinho Tapajós, era uma homenagem a John Lennon. A nova versão conta com a participação de outro fã dos Beatles, Flávio Venturini, que toca órgão e canta junto a Mú (também no piano elétrico e o arranjador do quarteto de cordas e do flugelhorn tocado por Jessé Sadoc).

“Sonho de carnaval” (Armandinho / Fausto Nilo): Mais uma composição inédita, ela mistura com perfeição elementos de rock, do Caribe e dos trios elétricos. Na voz de Armandinho, que também esbanja sua guitarra baiana, é outro irresistível convite à folia.

“Olhos d’água” (Mú Carvalho / Pierre Aderne / Alexia Bomtempo): A terceira composição inédita no disco é uma balada romântica com tinturas progressivas que Mú canta (e pilota Moog Voyager, mellotron e piano), com vocais de Ana Zingoni.

“Semente do amor” (Mú Carvalho / Moraes Moreira): Para fechar o álbum, mais um sucesso lançado em “Transe total” (1980), que volta num dueto de Mú com Alexandre Carlo, o cantor do grupo Natiruts.

Pioneiro no Ceará, Grupo Magistral comemora 40 anos


Há 40 anos, o pioneirismo cearense do Grupo Magistral surgia pelo amor às fórmulas magistrais, através da Magistral Homeocosmiatria Ltda. Erguia-se então, no mercado de Fortaleza, um serviço precursor cujo objetivo era atender a demanda de fórmulas medicinais oficiais e de modernos cosméticos. O farmacêutico José Periguary Coelho que deu início ao grupo quando, à época, realizava não somente avaliações e assistências farmacêuticas, mas também limpeza de pele e manipulação de medicamentos.
Buscando excelência em satisfazer cada vez mais as necessidades de seus clientes, a Magistral foi evoluindo e crescendo junto a essas demandas. Atualmente, faz parte do grupo a farmácia, a clínica estética e o recovery center, destinado a recuperação e performance esportiva. Recentemente foi criada a marca de cosméticos industrializados, BioElo, cuja proposta é permitir que produtos com qualidade Magistral, cheguem mais facilmente a seus clientes.
Em cada segmento, o compromisso de manter um serviço primoroso a seu público se mantém, seja em produtos manipulados na farmácia, desenvolvidos na indústria ou nos serviços dos tratamentos na clínica médica e estética.

De acordo com Jana Torres Coelho, diretora da Magistral, enfermeira e cosmetologista, a preocupação com cada cliente também é uma característica do grupo. “Temos, na nossa história, 40 anos de cumplicidade, respeito e compromisso com cada um dos nossos clientes. Nossa missão é entregar um serviço de qualidade e magistral, tanto nas fórmulas, como no atendimento”, conclui.
SERVIÇO
Grupo Magistral

Unidade Aldeota: Rua Pereira Filgueiras, 2183 – Meireles

Unidade Sul: Rua Vicente Lopes, 229 – Cidade dos Funcionários

Telefone: (85) 3264.3264

Redes Sociais:
Farmácia (@magistralfarmacia.ce e FB/magistralfarmacia.ce)

Medicina e estética (@magistralmedicinaestetica.ce e FB/magistralmedicinaestetica.ce)
Recovery Center (@recoverycenter_magistral e FB/recoverycentermagistral)
BioElo (@bioelocosmeticos e FB/bioelocosmesticos)