Covid-19 deixa sequelas que impactam diretamente na vida de milhares de pessoas

O impacto da pandemia na vida cotidiana transforma rotinas diariamente, há mais de um ano. A maior pandemia da história em números absolutos deixa sequelas nos indivíduos e na sociedade. A maior parte dos indivíduos acometidos manifesta sintomas persistentes pós-infecção, principalmente relacionadas ao sistema nervoso. Podendo perdurar de duas semanas pós infecção, até quatro meses. As principais queixas são fadiga, estresse, ansiedade, falta de memória, dificuldade para se concentrar e queda de cabelo.

Segundo o ortopedista Rodrigo Astolfi, esses sintomas são retroalimentados pela própria pandemia, na fase aguda da doença. “A melhor maneira de dar oxigênio para o doente com lesão pulmonar é com o uso de máscaras de oxigênio, gerando uma situação em que o doente fica acordado no ambiente de UTI, com a máscara de oxigênio e o aparelho apenas ajudando a respirar, e não sedado com o aparelho respirando por ele. Isso fez com que muitas pessoas que estiveram internadas manifestassem sintomas clássicos de estresse pós traumático: ansiedade, medo, ataques de pânico”, explica Rodrigo.

Além das sequelas deixadas no corpo, a infecção causa medo e altera os modelos de relações sociais, de trabalho e até sexuais. Uma dezena de estudos mostra como as rotinas faziam parte da vida das pessoas e como suas limitações por causa da covid-19 resultaram em consequências inesperadas, a tal ponto que esse cotidiano se tornou algo desejado, privilégio ou objeto de desejo. Funcionários que sonham em retornar ao trabalho, mães trabalhadoras sobrecarregadas com o desmantelamento de suas redes de apoio, jovens que mudam suas formas de lidar com as relações sexuais e afetivas ou pessoas que querem se levantar sem medo todas as manhãs são apenas exemplos das outras sequelas da pandemia.

Para Rodrigo Astolfi o mundo está vivendo um enorme desafio global e para este, as soluções precisam ser abordadas em conjunto e todas as ferramentas precisam ser avaliadas. Suplementações nutricionais principalmente com vitamina B, D, ácido fólico, e zinco, dietas com boa concentração de proteínas, exercícios pulmonares, de fortalecimento muscular e exercícios para memória ajudam na recuperação dos danos orgânicos. Para além do número de doentes, mortos ou desempregados, a pandemia implica também uma crise na vida cotidiana, nas formas de se relacionar, comunicar, divertir, de viajar, estudar, dividir as tarefas domésticas, etc. “Quanto aos danos sociais a única saída é utilizar o sofrimento para reavaliar as prioridades na vida, nos atos e na consciência da efemeridade das coisas materiais”, conclui.

Você também pode gostar leia