Primeira feira internacional do calendário 2020 deve render US$ 34,4 milhões para brasileiros

 

 

Tradicionalmente, o calendário de eventos internacionais dos calçadistas inicia com a feira italiana Expo Riva Schuh, que acontece na cidade de Riva Del Garda e apresenta as coleções de Outono/Inverno. Neste ano, a 93ª edição da mostra, que ocorreu entre os dias 11 e 14 de janeiro, deve gerar cerca de US$ 34,4 milhões em negócios, somados os realizados in loco e os alinhavados, para as 44 marcas brasileiras apoiadas pelo Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados mantido pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Durante os quatro dias do evento, os brasileiros comercializaram 389 mil pares de calçados, que geraram aproximadamente US$ 8,6 milhões em negócios in loco. A expectativa para os próximos meses é de que as negociações ultrapassem 1,4 milhão de pares, o equivalente a US$ 25,8 milhões. Considerando os resultados efetivados no evento e os alinhavados, houve um crescimento de 18% em relação à edição do mesmo período de 2019. “Embora a edição de junho, que lança as coleções de verão, seja a mais forte para os calçadistas brasileiros, tivemos resultados positivos. Além de atenderem seus clientes habituais, os expositores nacionais conseguiram realizar novos importantes contatos, e suas coleções de inverno performaram melhor do que em janeiro do ano passado, o que reforça o posicionamento do Brasil como um dos principais produtores de calçados do mundo”, destaca a coordenadora de Promoção de Imagem da Abicalçados, Alice Rodrigues. No total, foram aproximadamente 566 contatos, sendo 229 deles novos, 24 a mais do que no ano passado.

Expectativas alcançadas
De acordo com a gerente de Exportação da Piccadilly, Bruna Kremer, o evento vai muito além dos números. “Esta é uma feira muito importante para nossa empresa, pois é o momento de encontrar nossos distribuidores e buscar novos contatos. Estamos bastantes satisfeitos, superamos nossas expectativas, inclusive”, avalia. A mostra, segundo ela, trouxe novos clientes e contatos em países importantes para a Piccadilly, cuja exportação representa 30% do faturamento. “Estamos em mais de 100 países, é uma boa representatividade, mas há muito espaço para crescer”, conclui Bruna.

Para a Sapatoterapia não foi diferente. Segundo o analista de Exportação, Gustavo Figueiredo, a feira abriu novas oportunidades para a empresa, que tem 60% de seu faturamento proveniente das exportações. “Estávamos esperando alguns clientes, trouxemos amostras especiais para eles e já recebemos alguns pedidos. Tivemos novos contatos de alguns países nos quais já trabalhamos e, no geral, ficamos satisfeitos com os resultados finais da feira”, frisa, completando que muitas das negociações iniciadas serão efetivadas nos próximos meses, especialmente durante a Micam Milano, que acontece entre os dias 16 e 19 de fevereiro em Milão, na Itália. “A Micam é importante para finalizar atendimentos iniciados aqui. Alguns clientes já escolheram modelagem, mas nos procuram em Milão para fechar quantidade e preço”, explica.

As expectativas em relação à Expo Riva Schuh foram alcançadas também entre os novos expositores. Após anos sem participar de feiras na Europa, a Dakota sai satisfeita de sua primeira edição em Riva del Garda. “Por muito tempo, focamos na América Latina, que representa hoje quase o total do faturamento com exportações da Dakota, cerca de 4% do global da empresa. Nossa intenção, agora, é a reentrada no mercado europeu, principalmente no leste europeu. Acredito que Riva seja a feira ideal para o nosso tipo de produto e objetivo”, pondera o gerente de Exportação da empresa, Leandro Feiten. “Tivemos alguns contatos que podem render, mas precisam ser trabalhados ao longo dos próximos meses”, completa ele, afirmando ter sido uma boa estratégia estrear em um período mais calmo e poder melhorar as condições até a edição mais movimentada, que ocorre entre os dias 13 e 16 de junho.

Participam da feira italiana com o apoio do Brazilian Footwear as marcas Klin, Werner, Andacco, Carrano, Madeira Brasil, Verofatto, Piccadilly, Pegada, Vizzano, Beira Rio Conforto, Moleca, Molekinha, Molekinho, Modare Ultraconforto, Usaflex, Tabita, Pampili, Jorge Bischoff, Loucos & Santos, Ramarim, Comfortflex, Whoop, Stéphanie Classic, Cristofoli, Suzana Santos, Renata Mello, Sapatoterapia, Democrata, Sollu, Pimpolho, Indiana Colours of Brazil, Grendha, Grendene Kids, Copacabana, Cartago, Capodarte, ADG Export, Adrun, GVD International, Awana, Itapuã, Dakota, Cecconello e NMD Brazil.

Sobre o Brazilian Footwear:
Brazilian Footwear é um programa de incentivo às exportações desenvolvido pela Abicalçados em parceria com a Apex-Brasil. Este programa tem por objetivo aumentar as exportações de marcas brasileiras de calçados através de ações de desenvolvimento, promoção comercial e de imagem voltadas ao mercado internacional.
Conheça: www.brazilianfootwear.com.br | www.abicalcados.com.br/brazilianfootwear.

Sobre a Apex-Brasil:
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Para alcançar esses objetivos, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil.
Conheça: www.apexbrasil.com.br.

Você também pode gostar leia