Vacinação em dia, férias com proteção

É comum que a chegada das férias escolares seja aguardada com ansiedade e alegria diante da possibilidade de muitas brincadeiras, descanso e viagens. Mas a aproximação desse período associado ao verão no Brasil, gera algumas preocupações e alertas. Não basta só comprar as passagens e aprontar as malas.

É preciso ficar atento aos riscos à saúde, principalmente ao risco da febre amarela que é causada por vírus e transmitida por vetores, cujo o principal é o mosquito Haemagogus e do gênero Sabethes. No meio urbano, pode ser transmitida através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue), podendo o Aedes albopictus também ser um transmissor dos vírus.
Já são 1.311 casos da doença confirmados no Brasil, em 2018. Os primeiros meses do ano foram marcados por muitas mortes, cerca de 450, das quais mais de um terço, 175, foram registradas no estado de São Paulo. A doença é caracterizada por febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.
A prevenção contra a doença é fundamental. Segundo a Organização Mundial da Saúde, em zonas de alto risco, onde há baixa cobertura vacinal, a imunização em massa é fundamental para evitar as epidemias. A vacinação deve ocorrer na maioria (80 % ou mais) da população de risco, para evitar a transmissão numa região com um surto de febre amarela.
O pediatra e diretor da clínica, especializada em vacinação, Vaccine Care Fortaleza, Dr. Samuel Valões explica que a imunização é a principal forma de prevenir a febre amarela. Os pais devem estar atentos nesses períodos de férias e verão, pois a sazonalidade da doença vai de dezembro a maio. É importante que as pessoas ainda não vacinadas procurem o quanto antes deixar em dia as imunizações”, reforça o médico. O ideal é que as vacinas sejam tomadas com dez dias de antecedência à viagem, para garantir proteção efetiva. É recomendável que 95% dos moradores de cada município sejam imunizados.
O alerta não serve apenas para a febre amarela, mas para outras doenças também, por isso Dr. Samuel explica: “É interessante estar com calendário vacinal atualizado para gripe, tétano e as meningite ACWY e B. Pela gravidade do tétano e meningite. E pela facilidade de pegar uma doença como a gripe”.
Visitar um especialista com pelo menos um mês de antecedência à viagem, também é recomendado para organizar as imunizações necessárias e não ter nenhuma surpresa desagradável durante o período de férias. Essas orientações são para crianças e adultos. Dependendo do destino, a falta da atualização do calendário vacinal pode até comprometer a liberação para a viagem.

Você também pode gostar leia