Cineteatro São Luiz recebe nesta quarta, 21, às 19h, encerramento do Festfilmes, com premiação dos curtas vencedores

 

A terceira edição do Festival Audiovisual Luso Afro Brasileiro (Festfilmes) chega ao fim nesta quarta-feira, 21, às 19h, no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, com a solenidade de premiação aos vencedores das mostras Iracema, Nascente e Atlântica. Logo após, será exibido o filme “Padre Cícero: Os Milagres de Juazeiro”, de 1975, dirigido por Helder Martins. Tudo com entrada franca.

A exibição de “Padre Cícero: Os Miagres de Juazeiro” foi um dos momentos mais marcantes da etapa do Festfilmes no Cariri, no começo de novembro. A produção mostra a primeira metade da vida e da obra religiosa da figura polêmica e excêntrica de Cícero Romão Batista, mais conhecido como Padre Cícero, um padre que sempre exerceu suas funções às margens das diretrizes da Igreja Católica, tornando-se um personagem político influente e um líder religioso fervorosamente adorado por milhões de fiéis até os dias de hoje.

A premiação aos melhores filmes inclui troféu personalizado do Festfilmes além de prêmios em dinheiro: R$ 7 mil para os filmes da Mostra Atlântica, R$ 3 mil na Mostra Iracema e R$ 4 mil na Mostra Nascente.

Após passar pelo Cariri, por Redenção e Baturité, a terceira edição do Festfilmes, Festival do Audiovisual Luso Afro Brasileiro, chegou a Fortaleza, com uma programação marcante para esta terça-feira, 20/11, Dia da Consciência Negra. A própria identidade do festival ressalta o compromisso com a temática luso afro brasileira e com a produção de cinema da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), levando a cidades do Ceará essa produção, habitualmente distante das grandes salas de cinema e da maioria das opções de exibidores em TV por assinatura ou serviços de “streaming”.

 

Emoção no primeiro contato com o cinema

A emoção dos estudantes de escolas públicas e de participantes de projetos sociais como o Instituto Tonny Italo, de Itaitinga, também deu o tom das exibições de filmes nessa terça-feira. Como aconteceu nas diversas etapas do festival, mais uma vez crianças tiveram a primeira oportunidade de contato com o mundo mágico de um cinema. E que experiência! Logo Cineteatro São Luiz, aquele que, para muitos, é o mais belo cinema de rua de todo o País.

 

Debate sobre salas públicas

Outro momento marcante na terça-feira do festival foi o seminário sobre o tema “Programação e Curadoria de Salas Públicas de Cinema: Desafios e Perspectivas”, com Letícia Santinon, gerente de Difusão do Circuito SPCINE, de São Paulo, e Duarte Dias, diretor do Festfilmes, cineasta, curador de cinema do Cineteatro São Luiz e coordenador de audiovisual do Governo do Estado.

“O seminário foi uma ótima oportunidade de diálogo sobre esse tema tão importante, que é a programação e curadoria de cinema em salas públicas, algo de extrema relevância não só para o conjunto de realizadores e empresas atuantes no mercado nacional, mas também para o público em geral”, destaca Duarte Dias.

“É para essas plateias que é dedicado todo esse esforço do poder público em ofertar conteúdo de qualidade, ao mesmo tempo em que promove acessibilidade para os mais diversos segmentos da sociedade brasileira”, complementou o curador, detalhando números e ações do Cineteatro São Luiz.

“É muito importante que as salas públicas de todo o Brasil discutam sobre sua programação e curadoria, pra entender o público que frequenta as nossas salas e trabalhar com diversidade pra formação dessas plateias”, destacou por sua vez, Letícia Santinon. “É importante que as salas tragam todos os tipos de filmografia, priorizando o cinema nacional mas também garantindo a diversidade. Esse é o papel de uma sala pública”.

Você também pode gostar leia