ESPETÁCULO CADELA BRANCA ESTREIA EM FORTALEZA

 
“Você será devorado por uma cadela branca!”. A frase chega como profecia aos ouvidos do personagem Diego, doce e inocente figura que acompanhamos desde o nascimento até a morte, no espetáculo Cadela Branca, que estreia no  dia 17 de novembro na Casa da Esquina.
A obra é o trabalho de conclusão da segunda turma do Curso Livre de Práticas Teatrais (CLPT), que, durante oito meses, desenvolveu formação em teatro com aulas de improvisação, interpretação, voz, teatro popular, dramaturgia e, por fim, pesquisa e montagem. De acordo com o diretor Luís Carlos Shinoda, o espetáculo traz um teor filosófico, mas sem perder o bom humor. “Cadela Branca brinca de teatro aos olhos público, a montagem joga com a questão da fragmentação de personagens e de situações, com uma proposta de encenação bem dinâmica e divertida, fazendo o público pensar junto com a peça, criando códigos e relações”, aponta o diretor.
A dramaturgia da peça é assinada por Rafael Barbosa, um dos professores do curso, que escreveu um texto original a partir de provocações criadas pelos alunos como exercício de escrita dramatúrgica. “O texto de Rafael Barbosa traz uma crítica social relacionada à violência e opressão com a metáfora da Cadela Branca, ou seja, o “mundo cão” e a tentativa de sobrevivência, sem sermos devorados. Diego representa um pouco de nós mesmos, sua ingenuidade e inocência às vezes cria empatia, mas também angústia, suas ações dentro da história nos permitem pensar sobre como agiríamos se fosse conosco”, relata Shinoda.
Metateatro

Um diferencial da apresentação é o desenvolvimento do metateatro para formação do elenco. Segundo o diretor do espetáculo, a técnica é utilizada para reforçar o teor teatral da encenação, deixando claro ao espectador todo o jogo cênico. “Os atores estão sempre manipulando os materiais de cena: trocando de roupas, movendo cenário, revezando as personagens e intervindo nas cenas. Não escondendo o que há na maquinaria do teatro”, destaca.

O espetáculo, realizado pelo Cangaias Coletivo Teatral fica em cartaz na Casa da Esquina, sede dos grupos Bagaceira e Teatro Máquina, nos dois últimos finais de semana de novembro, com sessões às 18h e às 20h.
Sinopse

Cadela Branca conta a saga do personagem Diego do nascimento até a morte. Nesse percurso, a figura ingênua e delicada de Diego precisa suportar os baques da vida, a fase escolar, o primeiro amor, a busca por emprego e as pessoas rudes que encontra em um mundo complexo e cruel.
Intervenção urbana

Espalhada em diversos pontos da cidade, a frase profética dita o destino daqueles que, assim como o personagem principal, seguem resistindo ao insensível. Criados pelo designer e fotógrafo Tim Oliveira, os “lambes” colados nos muros e espaços públicos traduzem a arte no caos urbano, cenário-referência para cenas do espetáculo.
Serviço:

Espetáculo Cadela Branca

Dias 17, 18, 24 e 25 de novembro

Sessões às 18h e às 20h

Local Casa da Esquina (Rua João Lôbo Filho, 62 – Bairro de Fátima)

Ingressos* R$ 20 (inteira) / R$ 10 (meia)

Mais informações: cangaiascoletivoteatral@gmail.com / (85) 988383763 / 996064124
*Os ingressos estão sendo vendidos antecipadamente pela turma.

Você também pode gostar leia