“Mind Games” apresentará imagens inéditas, que garantem provocar o imaginário do público

 

O Museu da Fotografia fortaleza inaugura nesta quinta (06), sua primeira exposição internacional. “Mind Games”, do aclamado fotógrafo norte americano Roger Ballen, tem curadoria da artista portuguesa Ângela Berlinde, que já revelou ser uma exposição norteada pelo sentido da existência humana, convidando o público a uma travessia pelas profundezas da mente, despertando discursos enigmáticos enquanto dialoga verdade e ficção, prometendo causar desassossego e transportar o visitante para um enigma de metamorfoses reais e simbólicas. Sábado (08), a partir das 14h, haverá visita mediada e palestra do fotógrafo.

Cerca de 60 obras compõem este acervo inédito no Norte e Nordeste, construído durantes as últimas 4 décadas de trabalho de Roger Ballen. As imagens estarão expostas em médio e grande formato, sendo a maioria em preto e branco, com um diferencial: a exibição das imagens a cor, produzidas pela primeira vez por Ballen, que são criações mais recentes.

A estética de “Mind Games” mostra figuras absurdas e um elenco de personagens sobrenaturais, recorrente na obra do artista. Ele “é conhecido por evocar o absurdo da condição humana e por criar imagens perturbadoras e inesperadamente familiares, que são o reflexo de uma jornada psicológica pessoal. Ao longo da sua carreira, somam-se as imagens icônicas que realizou em lugares ruinosos, habitados por pessoas que vivem de forma extrema, à margem da sociedade. O objetivo de Ballen sempre foi o mesmo: questionar o significado e sentido da existência humana”, explica a curadora Ângela Berlinde.

É mais um acervo de destaque, que passa pelo Museu da Fotografia Fortaleza, fazendo um convite para vivenciar a arte em diferentes linguagens. Além da inauguração da exposição, teremos dois momentos importantes: uma visita mediada, às 10h, e no horário de abertura da mostra, às 14h, uma palestra com o artista. No horário da manhã, o equipamento receberá exclusivamente quem estiver inscrito pelo sympla.com.br. A visita mediada contará com as presenças de Roger Ballen, Ângela Berlinde e integrantes do educativo do MFF. A programação é gratuita e uma oportunidade incrível para conhecer mais da trajetória do artista e suas motivações e inspirações.

 

Perfil Roger Ballen

Um dos mais importantes fotógrafos do século 21 e a sua carreira estende-se ao longo de 50 anos. Ballen é fortemente conhecido pelas suas imagens psicológicas, poderosas e magistralmente compostas, que circulam no espaço entre a pintura, o desenho, a instalação e a fotografia. Nasceu em Nova York, em 1950, mas vive na África do Sul há cerca de 35 anos. O seu trabalho como geólogo levou-o para o meio rural e o fez apontar a sua câmera para explorar o mundo secreto das pequenas localidades Sul Africanas.

No início, explorou as ruas desertas no abrasador sol do meio-dia, mas assim que ousou bater à porta das pessoas, descobriu um mundo secreto que iria gerar um profundo impacto no seu trabalho. Estes interiores, com os seus distintivos acervos de objetos e os seus ocupantes, levaram a formar a sua visão única numa trajetória que vai desde a crítica social, até à criação de metáforas sobre o subconsciente. Ao longo dos últimos 40 anos, o seu caraterístico estilo de fotografia evoluiu usando um simples formato quadrado num forte e belo preto e branco.

Nos primeiros trabalhos em exposição, a sua ligação à tradição da fotografia documental é notória mas, ao longo dos anos 90, desenvolveu um estilo que descreve como “ficção documental”. No ano de 2000, as primeiras pessoas que descobriu e documentou vivendo à margem da sociedade Sul Africana tornaram-se progressivamente o elenco de atores com quem Ballen trabalhou na série “Outland” (2001) e “Shadow Chamber” (2005), colaborando na criação de perturbadores psicodramas. A linha entre fantasia e realidade, nas séries “Boarding House” (2009) e “Asylum of the Birds” (2014), tem se tornado cada vez mais indefinida e o autor passa a utilizar desenhos, pinturas, colagens e técnicas de escultura para criar cenários elaborados e complementados pelos imprevisíveis comportamentos dos animais que aparecem fotografados num instante de observação.

Ballen inventou uma nova estética híbrida nestes trabalhos, mas uma estética que continua bastante enraizada na fotografia. O autor expôs individual e coletivamente em diversas instituições tais como George Eastman House, Rochester, exposição retrospectiva nomeada finalista na categoria de melhor exposição de 2010 do Lucie Awards, considerado o Oscar da Fotografia; Berlin Biennial; PhotoEspana, Madri, onde recebeu o prêmio de melhor livro em 2001; State Museum of Russia, São Petersburgo; Triennale, Milan; Fondation Cartier, Paris; Rencontres de La Photo d’Arles, onde foi selecionado como fotógrafo do ano de 2002; Biblioteque Nationale, Paris; Noordelicht, Amsterdã; Victoria and Albert Museum, Londres; New Museum, MoMA-NY. Suas exposições individuais figuraram entre as Top 10 Exhibitions da ArtForum, nos anos 2002 e 2004. As fotografias de Roger Ballen fazem parte de coleções tais como as do MoMA de Nova York; Centre Georges Pompidou, Paris; Maison Européenne de la Photographie e Musée Nicephore Niepce, França; Fotomuseum, Munique; Victoria & Albert Museum, Londres; Stedelijk Museum, Amsterdã; Cafa Arte Museum em Pequim, entre outros.

 

Sobre o Museu

Inaugurado dia 10 de março de 2017 com a coleção Paula e Silvio Frota, o MFF recebe cerca de 3 mil visitantes por mês, que podem conferir dois andares de acervo fixo, além de mais outro que recebe exposições temporárias. Compreendendo sua função social para além do espaço expositivo, os projetos Museu na Comunidade e Museu no Interior já visitaram diversas comunidades da capital e do interior (Maracanaú, Jericoacoara e Redenção), levando até o público em situação de vulnerabilidade, teoria e prática acerca do mundo da fotografia.

Além disso, o equipamento realiza uma série de ações que têm como objetivo a divulgação de novos talentos e a promoção da fotografia contemporânea a partir da realização de cursos e visitas guiadas para a terceira idade e de oficinas e workshops voltados a artistas, estudantes e educadores – resultado, inclusive, da proximidade da instituição junto às Secretarias de Cultura (Secult), de Turismo (Setur) e de Educação do Estado (Seduc), e às Secretarias Municipais da Educação (SME), de Turismo (Setfor) e de Cultura de Fortaleza (Secultfor).

O MFF tem também uma equipe de monitoria formada pelos alunos dos cursos de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade de Fortaleza (Unifor), Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Artes Visuais do Instituto Federal do Ceará (IFCE) e do curso de Fotografia do Porto Iracema das Artes.

 

Serviço:

Mind Games

Coquetel para convidados:

Data: 05.09 (quarta) – 19h

Abertura Visitação: 06 de setembro (quinta) – 12h

Visita mediada: 08 de setembro (sábado)

Horário: 10h (inscrições pelo sympla.com.br e capacidade máxima para 40 pessoas)

Palestra: 08 de setembro (sábado)

Horário:14h

Censura: 16 anos

Local: Museu da Fotografia Fortaleza

Endereço: Rua Frederico Borges, 545 – Varjota

Mais informações: (85) 3017-3661

Você também pode gostar leia