Browsing Tag

porto do pecém

Presidente do Porto do Pecém recebe novo CEO da CSP

 

 

Na manhã desta quarta-feira (8), o Presidente do Porto do Pecém, Danilo Serpa, recebeu o novo CEO da Companhia Siderúrgica do Pecém – CSP, Claudio Bastos. Serpa apresentou o porto ao novo comandante do maior Investimento privado no Estado e grande parceiro do Pecém, abordando os números alcançados e a parceria com o porto de Roterdã.

O grupo realizou uma visita guiada ao terminal portuário do Pecém, acompanhou as operações das placas de aço produzidas pela siderúrgica e conheceu toda a infraestrutura do terminal, resultado dos investimentos do Governo do Ceará nos últimos anos.

Desde o início do funcionamento do siderúrgica, já foram exportadas através do Pecém mais de 3 milhões de toneladas de placas de aço. Segundo o presidente do CIPP, Danilo Serpa, a CSP é um orgulho para todos os cearenses e uma importante peça na atual conjuntura econômica do Ceará.

“Desejamos muito sucesso nessa nova fase a frente da Siderúrgica e estamos a disposição para tudo que estiver ao nosso alcance, mantendo a parceria que construímos ao longo dos anos e resultou no sucesso de hoje”, finaliza Serpa.

Também participaram da visita Roberto Loureiro, diretor de gestão empresarial do Porto, Fábio Abreu, assessor da presidência, José Alcântara, coordenador de operações, Ricardo Parente, gerente geral de Relações Institucionais, Comunicação e Mídia da CSP, e Wilson Mariante, gerente geral de logística.

 

NOVO CEO

Cláudio é formado em economia peIa Universidade de Brasília (UNB), com mestrado em Economia Industrial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e diversos treinamentos executivos de gestão, estratégia e liderança.

Possui vasta experiência executiva. Atuou na Cepal – Comissão Econômica para a América Latina e Caribe, nos Ministérios da Indústria e Comércio e da Fazenda e em empresas de diversos setores: transportes, comunicação e mineração.
Nos últimos quinze anos, Cláudio Bastos atuou na Vale em diferentes países. Foi diretor financeiro na Vale Indonésia – produtora de níquel, e na Vale em Singapura para a Ásia e Pacífico; e por seis anos e meio presidente da Compañia Minera Misky Mayo, no Peru. Obteve resultados significativos nos aspectos financeiros e operacionais nas organizações que liderou.

Porto do Pecém será o único do Brasil em nova linha da Maersk Line para a Ásia

 

O Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP) será o único ponto de parada no Brasil da nova linha (AC5) da Maersk Line, maior empresa de transporte contêineres do mundo, junto com a Hamburg Süd. As cargas deverão levar em média 29 dias entre o Brasil e Singapura.
As operações do novo serviço serão iniciadas em abril deste ano e devem reduzir o tempo de viagem em até 31 dias. Atualmente, empresas que desejam importar ou exportar do continente asiático por outras linhas levam até 60 dias para concluir o transporte.

Para o presidente do CIPP, Danilo Serpa, a chegada do novo serviço consolida o Porto do Pecém como um HUB, já que navios maiores irão trazer as cargas da Ásia que serão transportadas em navios menores para portos do Norte e Nordeste, principalmente.
“Estamos começando a assumir o papel de HUB de verdade. Essa nova linha é um estimulo aos negócios, já que as empresas ganham na redução do tempo de transporte e nos custos. Vamos ter uma linha direta para a Ásia, sobretudo para as principais cidades da China e o porto de Singapura (segundo maior porto do mundo), via canal do Panamá, será um serviço único e por isso, tão importante”, afirma.
Para André Magalhães, gerente nordeste da Hamburg Süd Brasil, a linha Porto do Pecém/Ásia era um antigo sonho que virou realidade após os investimentos do CIPP e da APM Terminais em infraestrutura.

“As instalações e os modernos equipamentos, proporcionaram um aumento significativo na produtividade operacional do Porto. Com o ganho de produtividade, conseguimos reduzir o tempo que o navio fica atracado no Porto, melhoramos as conexões de transbordo com os nossos navios de cabotagem e consequentemente melhoramos o fluxo – reduzimos o lead time – dos nossos clientes”, explica Magalhães.

É esperada uma movimentação adicional de mais de 31 mil contêineres em negócios por ano apenas com a linha AC5. A expectativa é que somente para Manaus (AM) sejam transportados em média 600 contêineres por semana, por exemplo.
O Porto do Pecém estará conectado com os principais destinos da Ásia: Singapura, China, Hong Kong, Coreia do Sul, além da Colômbia e do Caribe, com um navio por semana, inicialmente.
A iniciativa da nova linha faz parte da estratégia de ampliação dos serviços da Maersk Line após a integração com a Hamburg Süd de oferecer aos clientes uma melhor cobertura de mercado, serviços diretos atraentes e outros benefícios através da rede global combinada.

UTE Pecém atinge marca de 21mil GWh de energia elétrica gerada

 

 

A UTE Pecém, usina termoelétrica de propriedade do grupo EDP, alcançou neste mês, a marca de 21mil GWh de energia elétrica gerada no Ceará, energia suficiente para abastecer todo o Estado durante dois anos. Para isso, foram mais de 70 mil horas de funcionamento somando seus dois geradores elétricos desde o início da operação comercial, em dezembro de 2012, o que foi o diferencial para transformar o estado em exportador de energia nos últimos anos.

Segundo o diretor Lourival Teixeira, durante esse período houve muitos investimentos em melhoria de processos e eficiência, o que continua em 2018 com o investimento da EDP de cerca de R$ 100 milhões em novas ações preventivas de manutenção de seus equipamentos.

“Terminamos o ano de 2017 com índice de disponibilidade média em 92,3%. Essa marca supera em 2,1 pontos percentuais o valor estabelecido em contrato, ou seja, entregamos ainda mais valor agregado aos consumidores. Outra importante marca alcançada em 2017 foi a taxa de falhas da UTE Pecém, já que fechamos o ano em 5,4 falhas/ano, muito abaixo do recomendado pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) que é de 12 falhas/ano para esse tipo de usina. Alguns dos motivos para esse excelente resultado foi o intenso trabalho preventivo realizado durante o ano, comprometimento e integração dos nossos colaboradores”, afirma Lourival.

 

Sobre a EDP – UTE Pecém

Em operação desde 2012, a UTE Pecém é um empreendimento do Grupo EDP. A Empresa gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da usina é responsável pela transformação do Ceará de estado importador para estado exportador da energia elétrica.

A EDP Brasil atua nos segmentos de Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Soluções em Energia no País. Além do Ceará, a EDP possui ativos em outros onze estados: Amapá, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Já nos negócios de Comercialização e Soluções em Energia, atua em todo o território nacional.

Controlada pela EDP Energias de Portugal S.A, uma das maiores operadoras europeias no setor energético, a EDP Brasil integra o Índice de Sustentabilidade da BM&F Bovespa (ISE) há 12 anos, que reúne empresas que adotam boas práticas corporativas no que diz respeito a aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa.

Porto do Pecém movimenta 15,8 mil toneladas e fecha o ano com crescimento 41%

 

Em 2017 o Porto do Pecém movimentou mais de 15 milhões de toneladas de cargas. As exportações subiram 95% e as importações 29% na comparação com o ano anterior.

 

Acumulando resultados positivos a cada mês durante 2017, o Terminal Portuário do Pecém fechou o ano com movimentação de cargas 41% maior na comparação com o mesmo período do ano anterior, o que resultou no faturamento bruto da ordem de R$ 144 milhões, um crescimento 62,2% superior ao de 2016.
Em 2017 foram movimentadas 15.808.961 toneladas pelo porto cearense. O grande destaque nas movimentações foram as exportações que subiram 95% em relação ao ano de 2016, atingindo a marca de 4.402.370 toneladas de janeiro a dezembro de 2017.

 

Entre as cargas enviadas para fora do País pelo Porto do Pecém, as placas de aço tiveram o maior volume, com mais de 2,5 milhões de toneladas, seguidas das frutas, com mais de 201 mil t e do gás natural, com 121.511 t exportadas.

 

“A exportação das placas de aço impulsionou os resultados das exportações, mas é preciso ressaltar também o trabalho de divulgação das potencialidades do Porto do Pecém para o mercado internacional. Trabalhamos fortemente em parceria com o Governo do Estado esse aspecto durante todo o ano de 2017”, afirma Danilo Serpa, presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

 

Já as importações cresceram 29%, passando de 9.156.702 t em 2016 para 11.766.591 t em 2017. Os destaques ficaram por conta do carvão mineral com mais de 4,9 milhões de toneladas, do gás natural com mais de 714 mil toneladas e dos produtos siderúrgicos que somaram mais de 206 mil toneladas.

 
Nacional
A navegação entre portos brasileiros cresceu 62% na comparação com o mesmo período do ano anterior. O crescimento foi puxado pelo desembarque de 4,2 milhões de toneladas de minério de ferro, de mais de 329 mil toneladas de produtos siderúrgicos e mais de 215 mil toneladas de arroz. Ao mesmo tempo em contribuíram para o resultado anual os embarques de farinha de trigo (121,1 mil toneladas), cimento (66,7 mil toneladas) e gás natural (63,4 mil toneladas).

 

“O Porto do Pecém se destacou também na relação com o mercado nacional, se mostrando como uma opção bastante eficiente no transporte de cargas. Sobretudo pela infraestrutura agregada ao Terminal, como as boas rodovias, a localização, que é próxima à Capital ao mesmo tempo que foge dos problemas de grandes centros urbanos, além dos outros aspectos indispensáveis para a movimentação das mercadorias, como o abastecimento de energia, água e internet”, explica Serpa.

Porto do Pecém melhora desempenho em simulado de emergência ambiental

 

 
Como parte da política de preservação ambiental e de capacitação dos colaboradores e parceiros, o Porto do Pecém realizou nesta segunda-feira, 11, no Terminal de Múltiplo Uso (TMUT) o simulado de emergência ambiental em caso de vazamento de óleo no mar, sinistro previsto no Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR). A conclusão do simulado apontou melhora em todos os resultados na comparação com o exercício feito anteriormente.
No exercício um rebocador colidia com o navio causando o derramamento de óleo e contou com a participação do Ibama, Antaq e da Capitania dos Porto, além dos operadores portuários. Tudo para dar maior sensação de realidade e segurança aos participantes.
Para o presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), Danilo Serpa, os simulados são uma forma de treinamento muito eficaz para as equipes.

“Desejamos e trabalhamos para nunca passar por isso, mas é um risco que corremos porque faz parte do nosso trabalho. Então realizar treinamentos de diferentes maneiras: teóricos, práticos, atualizações, palestras é um modo de estarmos bem preparados caso aconteça”, conta Serpa.
O presidente afirma que essa também foi uma maneira de avaliar os novos equipamentos de segurança adquiridos este ano (barcos, barreiras de contenção e absorventes de óleo, bombas e três caminhões sugadores).