Browsing Tag

musica

Grupo Deixe In Off lança novo single nas plataformas digitais

 

Acaba de sair do forno a nova música de trabalho do grupo de pagode Deixe In Off. O sigle leva o título de ‘O Movimento’ e já está disponível no Spotify, Deezer, SoundClou, iTunes Store, Apple Music e Tidal.

O hit é uma composição de Buga Pádua, um dos cinco integrantes do grupo que tem ainda na comissão de frente Tatá Carfi, Neném, Allan Pádua e Paulo Irlan.

Fugindo um pouco da pegada do grupo, que é o pagode romântico, “O Movimento” é uma música dançante e de refrão chiclete. O quinteto já está na produção de um videoclipe da canção, que será lançado em breve no canal oficial do grupo no You Tube.

A Deixe In Off é formada por quatro baianos e um pernambucano, mas foi em Fortaleza que começaram a tocar juntos, em 2012.

Maloca Dragão 2018 celebra o poder transformador da arte no Ceará

 

De 24 e 29 de abril de 2018, o Governo do Estado do Ceará realiza a 5ª edição da Maloca Dragão, o maior festival de artes do Brasil, com programação totalmente gratuita no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e em outros 20 pontos da Praia de Iracema e Centro de Fortaleza. Com o tema “As barricadas abriram caminho: 50 anos de maio de 68”, o festival convida o público a fazer uma reflexão sobre esse momento histórico e os seus desdobramentos nos dias atuais.

Surgida com o objetivo de celebrar o aniversário do Centro Dragão de Arte e Cultura, que comemora 19 anos no dia 28 de abril, a Maloca apresenta ao público centenas de atrações, entre shows, espetáculos cênicos de teatro, dança, circo, arte urbana, cultura popular, além de exposições, feiras de gastronomia, design e moda, lançamentos literários e sessões de cinema, debates e rodadas de negócios entre artistas e players de diferentes países. Durante seis dias, o festival traz mais de 150 apresentações, 90% delas cearenses, e tem a expectativa de receber um público total circulante de 500 mil pessoas. A programação completa pode ser conferida no site: www.malocadragao.org.br.

Entre os destaques desta edição, o lançamento da Maloca Futuro, uma rede de escolas criativas que vai abrir as portas do mundo da economia criativa para mais de 50 mil jovens cearenses, e o programa Conexões Maloca, mercado de negócios da Maloca Dragão que oportuniza um hub cultural do Ceará para o mundo e que, neste ano, além de promover um intercâmbio com renomados curadores e programadores de música, também trará convidados ligados às artes cênicas.

 

PROGRAMAÇÃO:

 

CONEXÕES MALOCA

O Conexões Maloca é o mercado de negócios da Maloca Dragão. Iniciativa única no Estado, o Conexões proporciona, durante o festival, o contato de atores do mercado da musica nacional e internacional com a mais recente produção musical cearense. O objetivo é promover um intercâmbio de experiências e impulsionar a circulação das produções do Ceará em novos palcos nacionais e estrangeiros. Chegando à quarta edição consecutiva, o Conexões Maloca tem fortalecido e aprimorado, a cada ano, as articulações com o mercado das artes e assim ampliado a projeção da produção cearense para outros públicos e palcos. A novidade deste ano é a realização de encontros com curadores e programadores de espetáculos cênicos.

dia 27

14h | Auditório do Dragão | A aceleração como novo modelo de negócios na música

convidado: Rizoma, Aceleradora do Programa Natura Musical

15h | Cena 15 | Roda de conversa com curadores e programadores de espetáculos cênicos e lançamento da revista TREMA! (PE)

convidados: Fernando Ziegler Zugno (RS) e Pedro Henrique Lira Vilela (PE)
Mediador: Rogério Mesquita e Andrei Bessa

dia 28

14h | Auditório do Dragão | Como conseguir projeção no cenário das plataformas digitais?

convidados: Altafonte, One RPM, Deezer

Mediador: Bruno Silveira

16h |Auditório do Dragão | Os mercados da música na Europa em 2018

Convidados: Casa da Música Porto (PT), Festival Ao Sul do Mundo (PT) Agência artística Two Gentlemen (SW), Le Silex, Catalpa Festival (FR), Le Rocher de Palmer, Festival Musiques Metisses – (FR).
Mediador André Bourgeois

dia 29

15h | Auditório do Dragão | Comunicação e Promoção da música na Europa

Convidados: Rádio Nova (FR), Rádio TSFJazz (FR), Festival Ao Sul do Mundo (PT), Agência Two Gentlemen SWI.
Mediador André Bourgeois

17h | Modelos criativos de negócios para a música

Aceleradora de projetos artísticos Makinita, mercado de música Imesur e Frecuencias (CH)

MALOCA FUTURO

Feira da Rede de Escolas Criativas do Instituto Dragão do Mar que apresentará possibilidades de formação em artes e esportes em escolas mantidas pelo Governo do Ceará.

De 27 a 29 de abril, das 17h às 23h, na quadra poliesportiva da Praça Almirante Saldanha

ARTES VISUAIS

Depois de homenagear, em 2017, o fotógrafo Chico Albuquerque, a Maloca Dragão celebra, neste ano, a vida e a obra de Sérvulo Esmeraldo (1926-2017), artista visual nascido no Crato e que, em trajetória brilhante, tornou-se um dos principais nomes da arte contemporânea do Brasil, em especial da arte cinética. No dia 26 de abril, a partir das 19h, o Museu de Arte Contemporânea do Ceará abre “Sérvulo Esmeraldo, o Artista Homenageado”, uma prévia de uma grande exposição que será aberta em maio, no Dragão. Com curadoria de Dodora Guimarães, a instalação traz vídeos, fotos, livros e catálogos sobre o Sérvulo Esmeraldo.

Além de percorrer brevemente a biografia de Sérvulo, a instalação trará a obra “La Femme Bateau”, recém-resgatada do mar da Praia de Iracema. Com acesso gratuito, a instalação poderá ser visitada até 06 de maio, de terça a domingo, das 9h às 19h (acesso até as 18h30) e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30).

No dia 26 de abril, às 18h, o Dragão abre, na Multigaleria, “No Coração de Maio de 68”.

Fruto de parceria entre o IDM, a Aliança Francesa de Fortaleza, o Institute Français do Brasil e o Consulado Geral da França no Recife, a mostra apresenta 43 fotos inéditas do fotógrafo francês Philippe Gras e a série de dois documentários inéditos “Mai 68, un étrange printemps” (Maio de 68, uma primavera estranha), dirigida pelo historiador Dominique Beaux.

As visitações podem ser feitas até 06 de maio, de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30).

MALOCA CINEMA

De 26 a 29 de abril, o Cinema do Dragão exibirá 9 filmes, divididos entre 3 pequenas mostras. “No Coração de Maio de 68”, “Maloca Dragão Apresenta”, que traz filmes inéditos ou pré-estreias, e “Hub Chileno”, com produções de Valparaíso (CH).
Dia 26 de abril | Quinta-feira

16h30 | Sala 2 | Mostra No coração do maio de 68 | Le fond de l’air est rouge (O fundo do ar é vermelho) – 1977 (de Chris Marker)
As esperanças e as decepções suscitadas pelos movimentos revolucionários de 1968 no mundo inteiro. Do regime chinês ao cubano, passando pela Primavera de Praga, até os movimentos estudantis e operários franceses. Chris Marker ressalta que não se pode simplificar o que nada tem de simples: as manifestações populares, os movimentos da política, os rumos incertos da História e da sociedade.

20h | Sala 2 | Maloca Apresenta | ABC da Greve – 1990 (de Leon Hirszman)
O filme cobre os acontecimentos na região do ABC paulista, acompanhando a trajetória do movimento de 150 mil metalúrgicos em luta por melhores salários e condições de vida. Sem obter êxito em suas reivindicações, decidem-se pela greve, afrontando o governo militar. Este responde com uma intervenção no sindicato da categoria. Mobilizando numeroso contingente policial, o governo inicia uma grande operação de repressão. Sem espaço para realizar suas assembleias, os trabalhadores são acolhidos pela igreja. Passados 45 dias, patrões e empregados chegam a um acordo. Mas o movimento sindical nunca mais foi o mesmo.

Dia 27 de abril | Sexta-feira

17h30 | Sala 2 | Hub Chileno | Valparaíso (29 min) – 1962 (de Joris Ivens) + Valparaíso Mi Amor (89 min) – 1969 (de Algo Francia)
Valparaíso: Um documentário de curta-metragem sobre Valparaíso, Chile. Uma cidade construída em cima de colinas, onde a vida é uma constante luta contra a geografia.

Valparaíso mi amor: O filme conta a história de quatro irmãos órfãos, seu pai é preso por roubo na tentativa de encontrar comida para a família. Quando as crianças são deixadas sozinhas, bruscamente lhes é apresentada uma nova realidade: a rua. Então, eles são forçados a encontrar o seu próprio meio de sobrevivência. Ao longo da obra, vemos como os personagens evoluem, uma das crianças morre, uma menina acaba por torna-se prostituta e os outros dois entram para a vida do crime.
19h30 | Sala 2 | Maloca Apresenta | Ex Pajé – 2018 (de Luis Bolognesi)
Um poderoso pajé passa a questionar sua fé depois de seu primeiro contato com brancos que julgam sua religião como demoníaca. No entanto, a missão evangelizadora comandada por um pastor intolerante é posta em cheque quando a morte passa a rondar a aldeia e a sensibilidade do índio em relação aos espíritos da floresta mostra-se indispensável.
Dia 28 de abril | Sábado

17h30 | Sala 2 | Mostra No coração do maio de 68 | Milou en mai (Loucuras de uma Primavera) primavera) – 1990 de Louis Malle)
Em um casarão do sudoeste da França, cercado de vinhedos, a avó acaba de falecer. Estamos em maio de 1968. Apesar das greves, a família virá par o enterro. Milou, o neto da falecida, vai contra o resto da família que deseja vender a propriedade.
19h30 | Sala 2 | Maloca Apresenta | Rogério Duarte o Tropikaoslista – 2018 (de Walter Lima Jr.)
Rogério Duarte é um dos nomes mais importantes da Tropicália, movimento cultural brasileiro da década de 60. O artista plástico foi um dos primeiros a denunciar publicamente as torturas cometidas no regime militar. Durante a ditadura, a sua atuação política e seus feitos culturais mobilizaram muitos artistas e inspiraram toda uma geração.
Dia 29 de abril | Domingo

17h30 | Sala 2 | Mostra No coração do maio de 68 | Mourir à trente ans (Morrer aos 30 anos) – 1982 (de RomainGoupil)
O filme é um documentário biográfico em preto e branco sobre Michel Racanati, um lider militante durante os protestos de maio de 68 em Paris

19h30 | Sala 2 | Mostra No coração do maio de 68 | Mai 68: Un étrange printemps (Maio de 68 uma Estranha Primavera) – 2018 (de Dominique Beaux)
Maio de 1968: A França está em meio a uma revolução. Este documentário entrevista pessoas que participaram ativamente desse momento histórico e remonta alguns dos seus acontecimentos mais importantes, assim como seus desdobramentos nos dias de hoje.

OCUPA PERIFA

Contra o extermínio da juventude, coletivos de arte da periferia trazem à Maloca ainda mais vida, arte e cultura, ocupando o Pavilhão Atlântico do Poço da Draga e o Largo dos Tremembés com uma programação formada por saraus, discotecagens, rodas de conversa, workshop de passinho e reggae, performances e shows.
Dia 27 de abril | Sexta-feira

17h30 | Oca Maloca

Dj William apresenta Baile de Favela
Fortal la máfia
Set Baile de favela
Negrada Sounds
Set Baile de favela
Grupo Samille Ervely – cover Beyoncé
Capim Santo – Canto para despertar (música popular)

Dia 28 de abril | Sábado

18h | Pavilhão Atlântico (Poço da Draga)

Arte no Poço – Arte urbana
Sarau Natorart
Workshop do passinho do reggae
DJ Piá
Performance Larissa Paiva
Wanderson Barney
ZLK
DJ Piá
Encerramento

Dia 29 de abril | Domingo

16h | Pavilhão Atlântico (Poço da Draga)

Sunset no Pavilhão – Negrada Sounds
Sarau SlamOkupa
Batikum
MIC LIVRE
Na quebrada do Côco
Coletivo Polarizar (performance)
Frieza Records (rap)
Encerramento
MALOCA DE RUA

A cultura de rua marca presença na Maloca Dragão 2018 com uma extensa programação realizada de 27 a 29 de abril, na rua Dragão do Mar, a partir das 20h. A cultura de rua será celebrada com treinos livres e campeonatos de skate, workshops, danças urbanas (street dance) e batalha de rima.

Arte Urbana

Dia 24 de abril | Quarta-feira

15h | Ksim (CE) | Sem título (graffiti) | Muro Dragão do Mar
15h | Felipe Figueroa (Chile) | Pertenencia (graffiti) | Muro Dragão do Mar
16h | Yarzon (CE) | Abaixo (picho) | Muro Dragão do Mar
17h | Wonkla (CE) | Pink Pelé Beijando o Mundo (lambe) | Muro Dragão do Mar

Dia 25 de abril | Quarta-feira

09h | Maíra Ortins (CE) | Sobrevivência dos vaga-lumes, mural e intervenção (graffiti e instalação) | Muro Dragão do Mar
16h | Ise Araujo (CE) | Sem título (graffiti) | Muro Dragão do Mar
17h | Abaporu Produção e Cultura (CE) | Cores da Rua (lambe) | Muros Dragão e muros entorno

Dia 26 de abril | Quinta-feira

15h | Charles Lessa (CE) | Sem título (graffiti) | Muro do Dragão do Mar
16h | Yarzon (CE) | 1968 1968 (performance) | Arena Dragão do Mar
18h | Aparecidos Políticos (CE) | Grande acordo Nacional (lambe) | Muros do Dragão do Mar e muros do entorno
21h | Edivaldo Ferrer (CE) | Batendo boca, batendo beira, pagando brabo (performance) | Rua Draga Dragão

Dia 27 de abril | Sexta-feira

15h | Hirlan Moura (CE) |Sem título (graffiti) | Muro do Dragão
16h | Narcélio Grud (CE) | Le Mur (instalação) | Entorno da quadra da Praça Almirante Saldanha
17h | Yarzon (CE) | Safra (stencil) | Muros Dragão e muros entorno
18h | Artur Bombonato (CE) | Sem título (instalação) | Colunas do espelho d´água

Dia 28 de abril | Sábado

17h | Ítalo Campos (CE) | Deriva (performance) | Pavilhão Atlântico
18h | Narcélio Grud (CE) | Etéreo lambe lambe & stickers (lambe) | Muro Dragão
19h | Vitor Grilo (CE) #IssoNãoéPixação ( videomapping) | entorno Dragão do Mar

Dia 29 de abril | Domingo

16h | Wonkla (CE) | Pink Pelé Beijando o Mundo (lambe) | Muro Dragão do Mar
17h | Abaporu Produção e Cultura (CE) | Cores da Rua (lambe) | Muros Dragão e muros entorno
21h | Ivna Lundgren (CE) | RGB Trick (videomapping) | Entrada principal do Dragão
20h | Vitor Grilo (CE) #IssoNãoéPixação ( videomapping) | entorno Dragão do Mar

Feiras

Maloca de Comer | Quinta, de 19h às 23h, e de sexta a domingo, das 17h às 23h | Praça de Alimentação no Palco Draga Dragão
Fuxico no Dragão | De sexta a domingo, das 17h às 23h | Arena Dragão do Mar
Feira Índice | De sexta a domingo, das 17h às 20h | Arena Dragão do Mar

TEATRO_DANÇA_CIRCO_LITERATURA_CULTURA DE RUA

Dia 25 de abril | Quarta-feira

Cineteatro São Luiz

19h30 |Coletivo Complexo Duplo (RJ) | Cabeça | TEATRO

Theatro José de Alencar

21h |Balé Castro Alves (BA) | Lub Dub | DANÇA

Porto Dragão

22h30 | Grãos de Imagem (MG) | Vaga Carne | TEATRO

Dia 26 de abril | Quinta-feira

Oca Maloca

19h | Grupo Formosura de Teatro (CE) | Frei Tito Vive | TEATRO
Porto Dragão

20h | Teatro Máquina (CE)| Nossos Mortos | TEATRO

Teatro Dragão do Mar

21h | Valéria Pinheiro / Cia. Vatá (CE) | 233 A, 720 Khalos | DANÇA

Dia 27 de abril | Sexta-feira

Oca Maloca

17h30 | Ocupa Perifa | MÚLTIPLAS LINGUAGENS
20h20 | Orlângelo Leal (CE)|Autômato | CIRCO
21h15 | Trupe do Palhaço Baratinha (CE) | O Mundo do Circo | CIRCO
21h35 | Companhia Itinerante de Malabares (CE)| Na Companhia um do outro | CIRCO
Arena Dragão do Mar

15h às 18h | Brincando e Pintando no Dragão | INFANTIL
16h | Cia Prisma de Arte | Era Uma Vez… Conta, Canta e Encanta | INFANTIL
18h | Felipe Camilo (CE) |Perecível | LITERATURA
19h |Paula Yemanjá (CE) |Mnemosine: Porquê memória é feminina! | LITERATURA

Teatro Dragão do Mar

20h | Coletivo Nopok (RJ) | Deslizes | CIRCO
22h | Manada Teatro (CE) | Aquelas | TEATRO

Porto Dragão

19h | Cia. Balé Baião (CE) | A Invenção do Baião Teimoso | DANÇA
23h | Coletivo Arremate de Teatro (CE) | Entre Nós: Buzinas, chicotes e ácidos | TEATRO

Cena 15
18h |Andreia Pires (CE) | Fortaleza 2040 | DANÇA
Teatro das Marias

19h| Coletivo Barlavento (CE) | Corpos Embarcados | DANÇA
21h | Outro Grupo de Teatro (CE) | Expurgo | PERFORMANCE
22h | Cia dos Pés Grandes (CE) | Incompleto | DANÇA

Espetáculos de Rua

18h | Rua Dragão do Mar | DANÇAS URBANAS
18h |Tatiana Valente & Felipe Damasceno (CE) | Hater: posso ajudar? | DANÇA
20h | Rua Dragão do Mar | Treinos livres de Skate| CULTURA DE RUA
20h | Livia Mattos (BA) | A Sanfonástica Mulher Lona | CIRCO
21h | Jefferson Skorupski (CE) | Serviçal | PERFORMANCE
Dia 28 de abril | Sábado

Oca Maloca

18h30 | Boi Juventude (CE) |Bumba meu boi | CULTURA POPULAR
19h45 | Iagos Domingos (CE) | Permissão para Desmoronar | CIRCO
20h | Coletivo Os Desconhecidos (CE) | Elementus | CIRCO
20h40 | Circo do K’OS (CE) |Os Clássicos da Palhaçaria | CIRCO
Arena Dragão do Mar

15h às 18h | Brincando e Pintando no Dragão | INFANTIL
15h | Oficina de pintura facial | INFANTIL
16h | Mágico Éflem | INFANTIL
17h | Centenário Antônio Candido: Recortes com Ana Filgueiras | LITERATURA
18h | Jorge Pieiro | Escreverler, os caminhos da escrita | LITERATURA
Teatro Dragão do Mar

20h | Teatro Suspenso (CE) | Playback | TEATRO
22h | Nívea Jorge e Viana Junior (CE) | Solo de Barro – Primordia | DANÇA

Porto Dragão

19h | Teatro del Ocaso (Chile) | Pequeña Ficción Política | TEATRO
22h | Grupo Ânima (CE) | O Retorno a Juberlano | TEATRO

Teatro das Marias

18h | Rogeane Oliveira (CE) | Peça para Dias de Chuva | TEATRO
19h | Alysson Amâncio Cia. de Dança | Desatar | DANÇA
21h | Tatiana Valente e Gabriela Jardim (CE) | Embaraçzada | CIRCO

Teatro Boca Rica

21h | João Paulo Barros (CE) | Viração | DANÇA
Teatro da Praia

22h | No Barraco da Constância tem! (CE) | Marlene: dissecação do Corpo do Espetáculo | TEATRO
Espetáculos de Rua

18h | Rua Dragão do Mar | DANÇAS URBANAS

19h | Rua Viaduto Moreira da Rocha, 140 (Poço da Draga) | Joaquina Carlos (CE) | Reza de Maria | TEATRO
20h | Rua Dragão do Mar | Competição de Skate| CULTURA DE RUA
21h | Coletivo As Nega (CE) | Pela Força da Linha | DANÇA

Pavilhão Atlântico (Poço da Draga)

16h20 | Ocupa Perifa | MÚLTIPLAS LINGUAGENS

Dia 29 de abril | Domingo

Oca Maloca

17h | Grupo Miraíra (CE)| Fandango, a nau perdida | CULTURA POPULAR

19h | Grupo Desequilibradoz (CE) | Empoderamento Feminino | CIRCO
19h30| Trupe Marlyn (CE) | Compilação de Números | CIRCO
20h20 | Casa do Palhaço Produções (SC) | Bom apetite | CIRCO

Arena Dragão do Mar

15h às 18h || Brincando e Pintando no Dragão | INFANTIL
16h | Oficina de pintura facial | INFANTIL
17h |Julie Oliveira (CE) | Performance Sarau Versos e Canções | LITERATURA
18h| Lançamentos dos livros Claviculário, de Anna K Lima; A Rainha de Nada, de Úrsula Avelino, e 7Dayz, de Vítor Batista | LITERATURA

Teatro Dragão do Mar
17h | Edivaldo Batista (CE) | Iroko | INFANTIL

20h| Coletivo Ponto Art (BA) | Entrelinhas |DANÇA

Porto Dragão

21h | Aspásia Mariana (CE) | Guerreiras | DANÇA
22h | Coletivo Atuantes em Cena (CE) | Cardinal | TEATRO
23h|No Barraco da Constância tem! (CE) | Rara | DANÇA

Teatro das Marias

19h| Wellington Fonseca e Maria Epinefrina (CE)| Uma Dança Para Meus Pesares | DANÇA

Teatro Boca Rica

18h | Wellington Gadelha (CE) | Gente de Lá | DANÇA
20h | Grupo Imagens (CE) | Navalha na Carne | TEATRO

Teatro da Praia

19h | Thomas Saunders e Henrique Castro (CE) | REGinger | DANÇA
21h | Pedro Vilela ( PE ) | Altíssimo | TEATRO

Espetáculos de Rua

17h | Rua Dragão do Mar | DANÇAS URBANAS
19h | Pavilhão da Magnólia e Cia. Prisma de Artes (CE) |Urubus | TEATRO
20h | Rua Dragão do Mar | Oficina de Skate| CULTURA DE RUA

Largo dos Tremembés

16h20 | Ocupa Perifa | MÚLTIPLAS LINGUAGENS

Música

Dia 26 de abril | Quinta-feira

Palco Praça Verde

21h | Gero Camilo canta Belchior

Palco Draga Dragão

22h | Gilberto Gil, Mestrinho, Sofia Freire e Moreno Veloso – Refavela 40

Oca Maloca

20h | Luiza Nobel e Mulher Barbada com participação de Orlângelo Leal |Frei Tito Vive| ATO SHOW

Dia 27 de abril | Sexta-feira

Palco Praça Verde

19h | Maracatu UinuErê (CE)
20h10 | Maracatu Raízes de Pai Adão (PE)
22h | Luxo da Aldeia (CE) – Lançamento do disco “Tantos Carnavais Depois”

Palco Draga Dragão

20h | Daniel Groove – Lançamento do clipe “Seu Amor”
22h | Selvagens à Procura de Lei – Gravação de DVD ao vivo
Oca Maloca

23h30 | Miss Jane (CE) |MÚSICA
Palco José Avelino

19h |Glauco King
20h40 | Lascaux
22h20 | Apokálipo (CHILE)

Palco Rogaciano Leite Filho

19h50 | Intuición
21h30 | Casa de Velho
18h | Pulso de Marte

Palco Anfiteatro

19h30 | Vitor Colares
22h | Astronauta Marinho + Máquinas
Dia 28 de abril | Sábado

Palco Praça Verde

21h15 | Ilya
21h | Procurando Kalu
22h30 | Francisco El Hombre

Palco Draga Dragão

20h | Os Alfazemas – Lançamento do DVD “TU”
21h30 | Lagosta Bronzeada

Oca Maloca

23h15 | Radiola Sound System Feat Frank Luz |MÚSICA

Palco José Avelino

18h | Kapitch Rap
19h20 | LPO
21h | Caixeiros Viajantes

Palco Rogaciano Leite Filho

18h50 | Os Bardos
20h10 | Xavier FLM

Palco Anfiteatro

19h | Algarobas
22h | Cristiano Pinho

Dia 29 de abril | Domingo

Palco Praça Verde

19h | Getúlio Abelha
20h20 | Silvero Pereira perto do mar, longe da cruz – Participações de Linn da Quebrada, Mulher Barbada e Valéria Houston
21h40 | Soledad – Lançamento do single “De manhã, logo cedo”
23h | Letrux

Palco Draga Dragão

19h | Bukét O Fabuloso
20h10 | Padêro Mc
21h20 | Rincón Sapiência
23h30 | Mákina Kandela (Chile)

Palco José Avelino

18h | Encéfalo
19h40 | Faixa de Gaza
20h30 | Richie Ramone (USA)

Palco Rogaciano Leite Filho

18h50 | Ankerkeria
21h | Facada

Palco Anfiteatro

18h | Vacilant
21h30 | Mandacaru Jazz
Oca Maloca

23h | Nara Hope | Vênus
Maloca Iracema
Dia 26 de abril | Quinta-feira

23h | Largo dos Tremembés | Tertúlia Black
23h | Ritmo Urbano | Juruviara
Dia 27 de abril | Sexta-feira

21h | Órbita Bar | BATEU
Dia 28 de abril | Sábado
00h |Ritmo Urbano | Pedro Falcão & Sertônica Band
00h |Largo dos Tremembés | Os Transacionais | Do boqueirão ao pé de coco – Homenagem a Messias Holanda
00h | Mambembe | Fertinha
Dia 29 de abril | Domingo

00h|Mambembe | Fliperama
00h|Largo dos Tremembés | Trovador Eletrônico – Tributo a Belchior
00h|Ritmo Urbano | Dubaile
Serviço: Maloca Dragão 2018
De 24 a 29 de abril, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e em outros pontos da Praia de Iracema e do Centro
Acesso gratuito.
programação completa no site: www.malocadragao.org.br

“SEXTA SENSA” TRAZ ATRAÇÕES PARA AGITAR A SEXTA-FEIRA (20), NO COLOSSO

​Super Banda – Foto: Divulgação​

A baladinha que já é conhecida pelo público fortalezense chega em mais uma edição no Colosso Lake & Lounge, em Fortaleza, nesta sexta-feira (20). A “Sexta Sensa” traz atrações como Super Banda, Luna e os DJ’s Thiago Camargo & Javier Gonzalez que, juntos, prometem garantir a animação do público com uma mistura de pop alternativo com o melhor da Deep House.

 

Serviço:

SEXTA SENSA
Atrações: Super Banda, Luna e os DJ’s Thiago Camargo & Javier Gonzalez
Data: sexta-feira (20)  – Horário: a partir das 23h
Local: Colosso Fortaleza (Rua Hermenegildo Sá Cavalcante, s/n – Edson Queiroz)
Ingressos: R$ 20 (feminino) l R$ 30 (masculino) – 1º lote
Pontos de venda: APP COLOSSO FORTALEZA – disponível para iOS e Play Store e Bilheteria do Colosso
Informações e reservas: (85) 98160.0088

FESTIVAL DE SANFONEIROS DE LIMOEIRO DO NORTE CHEGA À SUA 11ª EDIÇÃO

 

 


Com acesso gratuito, o evento começa no próximo dia 19 e vai apresentar grandes nomes da música, com destaque para as mulheres sanfoneiras na programação.

A cidade de Limoeiro do Norte (CE), na região do Vale do Jaguaribe, vai se tornar a Capital da Sanfona, nos dias 19, 20 e 21 de abril de 2018. Grandes artistas sobem ao palco, na praça da Igreja Matriz (Praça José Osterne), em programação inteiramente gratuita e aberta ao público. As mulheres sanfoneiras também são destaque, nas três noites de festival.

O Festival de Sanfoneiros de Limoeiro do Norte é uma realização do Instituto Brasil de Dentro, em parceria com a ENEL, e tem o apoio da Prefeitura de Limoeiro do Norte e do Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura do Estado.

PUXA O FOLE, SANFONEIRA!

Sanfoneiras cearenses prometem mostrar todo o seu talento, no palco da Praça da Matriz. Karolzinha do Acordeon, Cecília do Acordeon e Maria Marlene vão encher de música a cidade de Limoeiro do Norte, nos três dias de evento.

A sanfoneira fortalezense Karolzinha do Acordeon se apresenta na noite do dia 19/04 e garante muita animação. Com carreira profissional, Karolzinha integra uma banda de forró composta só por mulheres, na capital cearense.

A pequena Cecília do Acordeon, de Redenção (CE), toca na noite de sexta-feira, 20/04, e vem pra mostrar que talento não tem idade. Revelação no cenário do forró raiz, com apenas 10 anos, ela se dedica tanto à sanfona que já ganhou destaque nacional, como atração do Programa da Eliana, no SBT, em 2017.

A sanfoneira Maria Marlene também se apresenta no Festival de Limoeiro, na noite de sábado, 21/04. Natural de Russas (CE), ela recebeu, em março deste ano, o título de Cidadã Aracatiense, da câmara municipal de Aracati, cidade onde mora há 30 anos. Acostumada aos palcos, Maria Marlene tem o forró na ponta dos dedos e deve botar o povo pra dançar, no último dia de programação.

MÚSICA DE TODOS

O Festival de Sanfoneiros de Limoeiro do Norte é o cenário perfeito para a reunião das mais variadas correntes da boa música que têm a sanfona como principal instrumento, em suas formações. Este ano, o público tem a grande oportunidade de assistir a apresentações de nomes de peso da música instrumental do Ceará. São artistas como Adelson Viana, o acordeonista, compositor, arranjador e cantor que já trabalhou ao lado do amigo e mestre Dominguinhos, além de Fagner, Zeca Baleiro, Jorge Vercillo, Elba Ramalho e Yamandu Costa. Com ele, sobe ao palco o renomado violonista Nonato Luiz, músico de prestígio internacional, referência em seu instrumento, com 35 títulos em sua discografia. Em 2009, os dois assinaram um CD juntos, o “Dobrado”, que vai inspirar grandes momentos neste festival.

Referência na sanfona cearense e do Nordeste do Brasil, elogiado por Dominguinhos e outros mestres do acordeon, Chico Justino se apresenta no palco da Praça da Matriz, que também recebe atrações como o jovem talento do acordeon Freitas Filho. O músico, de apenas 21 anos de idade, já acompanhou Fagner, Fausto Nilo, Flávia Venceslau e o próprio Dominguinhos. Freitas toca ao lado de outro grande músico, o violonista Samuel Rocha, que já é nome importante das rodas de choro e samba de Fortaleza, sendo reconhecido por sua técnica e versatilidade ao violão de 7 cordas.

Os acordes dos sanfoneiros locais também animam os três dias de festival, em Limoeiro, com a participação de nomes como Caetano do Prado; Dom Ratinho, o músico que já integrou a banda Mastruz com Leite, no início dos anos 1990; Raimundo Gabriel, que já integrou bandas como Styllus, Forró Beleza, e a banda do sanfoneiro Carlito Bandeira; Clementino Moura Filho, herdeiro do saudoso sanfoneiro Clementino Moura – falecido em 2017 e já foi atração de edições passadas do festival, inclusive como homenageado; Fransquin do Mela Pinto; Zé Airton, Eu e Nós Aqui; e Deuseirton do Acordeon.

FORRÓ NA FEIRA

Como parte da programação, o Forró na Feira vai fazer a festa na praça da Coluna da Hora (praça Capitão João Ennes), na manhã de sábado, 21/04. O palco é aberto para instrumentistas iniciantes, amadores e os amantes da sanfona, com um reforço especial das “canjas” de músicos profissionais convidados.

 

 

HISTÓRIA E MISSÃO DO FESTIVAL

Na sua forma original, o Festival começou em 1968, a partir do programa de rádio “Vesperal do Volante”, do radialista Luiz Gonzaga de Freitas, na Rádio Educadora Jaguaribana. Como era grande o número de sanfoneiros fazendo fila na porta da rádio, em busca de divulgação, nasceu a ideia de reunir os músicos num festival, com comissão julgadora, seleção e premiação de vencedores. Foram realizadas cinco edições do evento, até 1972.

Uma longa pausa (de 34 anos) foi interrompida, por iniciativa do Instituto Brasil de Dentro que retomou o festival, em 2006, no mesmo formato de concurso. A demanda pela volta da programação era tamanha que cerca de 40 instrumentistas, de várias regiões do país, se apresentaram, nas três noites de shows, na Praça Matriz.

O Festival de Sanfoneiros de Limoeiro do Norte manteve o formato competitivo até sua 9ª edição, quando passou a valorizar a amostragem musical e artística, priorizando seu caráter cultural – riqueza imaterial que o festival quer transformar em riqueza material, revertida em renda para artistas e cidadãos locais, tanto na forma de inserção cultural como da expressão da arte.

A missão do festival é incrementar a cadeia produtiva da música, a formação de plateia, o intercâmbio entre músicos de diferentes regiões e estilos, mostrando a sanfona como protagonista da boa música.

O evento já se consagrou no calendário cultural do Ceará, tendo recebido, ao longo das suas edições, nomes como Dominguinhos (PE), Renato Borghetti (RS), Waldonys (CE), Toninho Ferragutti (SP), Chambinho do Acordeon (SP), o premiado acordeonista Mahatma Costa (PE), além de atrações internacionais como a alemã Cathrin Pfeifer e o bandoneonista argentino Martín Mirol.

 

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Dia 19 de abril, Quinta-feira

20:00 – Cortejo de abertura

20:30 – Caetano do Prado

21:00 – Freitas Filho e Samuel Rocha

22:00 – Dom Ratinho

22:30 – Karolzinha do Acordeon

Dia 20 de abril, Sexta-feira

20:00 – Raimundo Gabriel

20:30 – Cecília do Acordeon

21:00 – Clementino Moura Filho

21:30 – Fransquin do Mela Pinto

22:00 – Chico Justino, com a participação de Redondo

Dia 21 de abril, Sábado

20:00 – Maria Marlene

20:30 – Adelson Viana e Nonato Luiz

21:30 – Zé Airton, Eu e Nós Aqui

22:00 – Deuseirton do Acordeon

22:30 – Lucas Souza

 

Serviço:

11º Festival de Sanfoneiros de Limoeiro do Norte

Data: 19 a 21 de abril de 2018 (Abertura: dia 19/04, às 20h)

Local: Praça da Matriz (Praça José Osterne) – Limoeiro do Norte (CE)

Cordel do Fogo Encantado lança clipe 360º para Liberdade, A Filha do Vento e plataforma interativa.

 

Após o lançamento do disco Viagem ao Coração do Sol, no último dia 6, o Cordel do Fogo Encantado divulga vídeo da faixa Liberdade, a Filha do Vento, gravado em 360 graus e dirigido por Marcela Nunes e Felipe Barros. O clipe traz o grupo em estúdio ao lado de bailarinas, que representam a personagem Filha do Vento, citada na canção. Além do vídeo, a banda lança hoje uma plataforma que permite a edição da faixa.

Segundo Lirinha, lançar o vídeo em 360 graus “se relaciona diretamente com a personagem da canção, com a ideia da música e com o tema liberdade. Usando um óculos 3D, com o celular acoplado, ou apenas pelo celular, podemos escolher para que lado olhar e todos os lugares terão ações diferentes, inclusive no alto, de onde vem as bailarinas que representam a filha do vento”, diz o compositor.

Para a gravação foi construído um cenário em forma de cilindro onde imagens, que farão parte da cenografia dos shows, foram projetadas. Além disso, grandes luminárias foram confeccionadas para o vídeo e também estarão no palco da banda. As bailarinas, Monique Vilela, Júlia Franca e Isabela Loepert, são do grupo de dança recifense do dançarino Dielson Pessoa. “As bailarinas criaram a coreografia que começa no teto, aproveitando esse recurso do 360 graus, e aí elas vêm penduradas em cordas, descem, tocam no chão no meio da canção e dançam, simbolizando a filha do vento”, conta Lirinha.

Além do clipe de Liberdade, A Filha do Vento em 360 graus, a banda lança também uma plataforma que permite ao público editar a faixa do álbum. A ideia da ferramenta é para que o fã possa escutar a música da forma que quiser, é possível mexer nos canais [voz, violão e percussão], baixar e subir o volume. Além disso, ele poderá também subir a sua gravação na ferramenta e retirar um dos canais, por exemplo: tirar a voz de Lirinha e inserir a dele.
Ao final, poderá compartilhar nas redes sociais a versão própria de Liberdade, A Filha do Vento. “Disponibilizamos as faixas de áudio separados para se fazer novas mixagens. Esse clipe com a plataforma traduz o sentimento de liberdade que conduz a nossa canção”, diz Lirinha.

Shows

Até o lançamento do disco, as datas divulgadas são: 21 de abril em Salvador-BA, na Concha Acústica, dia 28 no Rio de Janeiro-RJ, no Circo Voador, 12 de maio em Recife-PE no Clube Português, 19 de maio em Belo Horizonte-MG, no Music Hall, 09 de junho no João Rock, em Ribeirão Preto-SP, 29 de junho no MECAInhotim e 11 de agosto em Fortaleza-CE, no Dragão do Mar.

LINK VÍDEO: https://youtu.be/twD4Gvjumbs
LINK PLATAFORMA: https://cordeldofogoencantado.com.br/mix

FICHA TÉCNICA CLIPE:

Direção: Marcela Nunes e Felipe Barros

Assistente de Direção: Bruno Lima e Rafael Machado

Operador de Câmera: Rafael Machado e Felipe Barros

Edição: Rafael Machado

Montagem: Rafael Machado

Acabamento: Rafael Machado

Diretor de Produção: Felipe Barros
Produção Executiva: Felipe Falcão

Bailarinas: Monique Vilela, Júlia Franca e Isabela Loepert
Produtora: Mergulho

Gerente de Produção: Marcela Nunes

Pesquisador: Bruno Lima

PARA OUVIR
Loja Cordel: https://bit.ly/2q8sT0b
Spotify: https://spoti.fi/2Ix2bpm
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/59398282
Google Play: https://goo.gl/Kiwmpo
Amazon Music: https://amzn.to/2GYuGPy
iTunes e Apple Music: https://apple.co/2Ixexhc

CORDEL DO FOGO ENCANTADO É

Lirinha – Voz

Clayton Barros – Voz e Violões

Nego Henrique – Voz e Percussões

Emerson Calado – Voz e Percussões

Rafael Almeida – Voz e Percussões
REDES SOCIAIS:

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube
SITE:

Cordel do Fogo Encantado

DISCOGRAFIA

Cordel do Fogo Encantado (2001)

O Palhaço do Circo Sem Futuro (2002)

MTV Apresenta: Cordel do Fogo Encantado (2005) DVD

Transfiguração (2006)

Viagem Ao Coração Do Sol (2018)

Sobre o Cordel do Fogo Encantado

No ano 1997, em Arcoverde, sertão de Pernambuco, no Nordeste brasileiro, surgiu um grupo cênico-musical, compartilhando o teatro e a poesia oral e escrita dos cantadores e ritmos afro-indígenas da região. E, dessa mistura, nasceu o espetáculo: Cordel do Fogo Encantado.

Cordel é sinônimo de história de um povo em forma de poesia. Enquanto, Fogo é o elemento mais representativo do lugar de origem e da intenção músico-poética inconstante e mutável do grupo. Já Encantado ressalta a visão fantástica e profética dos mistérios entre o céu e a terra.

Por dois anos, o espetáculo, sucesso de público, percorreu o interior pernambucano.

No carnaval de 1999, o Cordel se apresentou no Festival Rec-Beat, em Recife, e adaptou a narrativa do Fogo Encantado aos palcos de rua. Nisso, a estreia no carnaval pernambucano chamou a atenção da crítica, e o que era, até então, sucesso regional, ultrapassou as fronteiras, ganhando visibilidade em outros estados e a condição de revelação da música brasileira.

Foi quando a banda consolidou sua formação definitiva com os arcoverdenses José Paes de Lira (Lirinha), Clayton Barros e Emerson Calado, e os percussionistas recifenses, Nego Henrique e Rafael Almeida (do Morro da Conceição).

Através da poesia de Lirinha, a força do violão de Clayton, a referência rock de Emerson e o peso da levada dos tambores dos ogãs Rafa e Nego Henrique, o Cordel do Fogo Encantado passou a percorrer o país, conquistando a todos com suas apresentações únicas e antológicas. Surpreendendo não somente, pela ousada mistura sonora, mas também, pela intensidade cênica de seus integrantes e os requintes de um projeto de iluminação e cenário.

Em 2001, com a produção musical de Naná Vasconcelos, o grupo lançou seu primeiro álbum: Cordel do Fogo Encantado. A evolução artística ampliou ainda mais o alcance do som da banda que, atuando de forma independente, por onde passava, ganhava mais público e atenção da mídia.

Em 2003, o grupo lançou seu segundo registro de estúdio: O Palhaço do Circo Sem Futuro, co-produzido pelos próprios integrantes e por Buguinha Dub e Ricardo Bolognine. O álbum foi considerado pela crítica especializada um dos mais inventivos trabalhos musicais produzidos nos últimos anos. Em turnê, seu show ganhou projeção internacional, com apresentações na Bélgica, Alemanha, França e Portugal.

Em outubro de 2003, o Cordel do Fogo Encantado lançou o DVD “MTV Apresenta”, o primeiro registro audiovisual da banda. “Transfiguração”, terceiro álbum, lançado em setembro de 2006, com produção de Carlos Eduardo Miranda e Gustavo Lenza, e mixagem de Scotty Hard, vem transformar, ainda mais, a linha tênue entre poesia, artes cênicas e música, firmando o Cordel do Fogo Encantado como um dos grupos mais representativos no cenário da música independente nacional.

Entre os prêmios conquistados pelo grupo estão o de banda revelação pela APCA (2001), melhor grupo nacional pelo BR-Rival (2002), Caras (2002), TIM (2003), Qualidade Brasil (2003), bicampeonato do prêmio Hangar (2002 e 2003) e APCA, como melhor compositor nacional, Lirinha (2006).

No cinema, a banda participou do filme de Cacá Diegues, Deus é Brasileiro, e do documentário O Homem que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira.Em fevereiro de 2010, após 13 anos de trabalho ininterrupto, a banda anunciou a paralisação de suas atividades.

No início de 2017, o Cordel do Fogo Encantado voltou a se reunir para a criação de um novo disco, que será lançado em abril de 2018, e turnê, que dará início logo em seguida.

LAGOSTA BRONZEADA COMEMORA ANIVERSÁRIO COM SHOW EXCLUSIVO EM FORTALEZA

 

 

Considerada a banda de forró mais romântica do país, a Lagosta Bronzeada comemora seu aniversário de 18 anos com um show exclusivo, neste sábado (07), na casa de shows Kukukaya, trazendo atuais e relembrando os antigos sucessos da banda em seu repertório e prometendo embalar o coração dos apaixonados.

 

A Lagosta Bronzeada apresenta um repertório de forró diferenciado, e aproveitará a ocasião para presentear os fãs com um show de três horas de duração, trazendo músicas românticas e dançantes que encantam e conquistam um público fiel por todo Brasil, principalmente pela região Nordeste.

 

Sucessos como “Louca de saudade”, “Você é meu melhor”, “Longe Demais”, “Tudo ou nada”, “Se eu errei” e “Só Deus Sabe” não podem ficar de fora do repertório da banda. São músicas conhecidas pelo público nas vozes dos irmãos Lana e Lano Gama e o cantor Frank Moreno, dentre esses muitos marcaram a história de vários casais apaixonados que são fãs de carteirinha da banda.

 

Serviço:

ANIVERSÁRIO DA LAGOSTA BRONZEADA
Data: 07 de abril (sábado) a partir das 22h
Local: Kukukaya (Av. Pontes Vieira, 55 – Joaquim Távora)
Ingressos: R$ 25 (meia) l R$ 50 (inteira) l R$ 80 (ingresso duplo)
Pontos de venda: no local
Informações: (85) 3227.5661

Encontro reúne mais de 200 músicos em Aquiraz

 

 

Um convite para viver e celebrar música durante o feriado da Semana Santa atraiu mais de 200 músicos, entre gestores, professores e educandos que sonham viver de música, no 1º Encontro Plataforma Sinfonia do Amanhã, que teve início na última quinta-feira, 29, no município de Aquiraz.

Após uma calorosa recepção ao som do piano de Thiago Almeida e do bandolim de Carlinhos Patriolino, o organizador do projeto, Mardônio Barros, deu boas-vindas aos participantes oriundos de quatro estados brasileiros – Ceará, Bahia, Goiás e Rio de Janeiro – que abrigados na Tapera das Artes, esperavam atentamente pelo início dos atividades.

“A ideia desse momento não é apenas construir uma agenda de desafios que precisam ser superados. Esse espaço foi pensado também para que nós pudéssemos compartilhar metodologias e tecnologias sociais que cada instituição desenvolve”, explica.

De acordo com Mardônio, além das ações formativas para os alunos e das ações de qualificação de professores, os participantes terão uma oportunidade para se debruçarem sobre a discussão “música e sociedade”.

“A verdadeira transformação social passa também por transformar os territórios em locais mais seguros, mais felizes, e é por isso que a gente se organiza e vem construindo os projetos sociais que aqui estão representados por cada um de vocês”, disse.

 

Programação

Até domingo, dia 1º de abril, serão realizadas palestras, diálogos, apresentações e residências artísticas, compondo a programação formativa do Encontro.

Durante as noites Jam Sessions, em palco aberto, proporcionarão momentos de vivências musicais e trocas de experiências sonoras entre os participantes.

O Encontro Plataforma Sinfonia do Amanhã é apresentado pela Plataforma Sinfonia do Amanhã, com produção da Cinco Elementos e produção executiva da Marco Zero. Conta com a parceria da Tapera das Artes e Imaginário. Realização: BR Artes, Quitanda das Artes, e Prefeitura de Aquiraz, por meio da Secretaria da Cultura e da Secretaria de Educação. Apoio institucional: Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura. Agradecimento especial: Enel Distribuição Ceará.

Músico gaúcho Renato Borghetti se apresenta no sábado (31) no Teatro Tapera das Artes em Aquiraz

 

Músico conduzirá oficinas formativas a partir de terça (27), na Tapera das Artes, irá compartilhar conhecimento na quinta (29), no Centro Cultural Belchior, e realizará o concerto “Renato Borghetti e convidados” no sábado (31), no Teatro Tapera das Artes em Aquiraz

“Minha música é regional gaúcha, é minha fonte e rumo, é a partir desta posição que desenvolvo o meu trabalho”, é assim que um dos instrumentistas mais conceituados e respeitados do Brasil, detentor do “Primeiro Disco de Ouro da Música Instrumental Brasileira”, Renato Borghetti, define sua música e o papel dela em sua vida. O acordeonista e gaiteiro dará continuidade a programação 2018 do projeto “Encontro Mestre & Aprendiz” – Contraponto Harmônico, tendo como ponto alto o concerto no Teatro Tapera das Artes, na cidade de Aquiraz, zona metropolitana de Fortaleza.

Gerando diálogos criativos e musicais entre jovens estudantes de música, Renato Borghetti ministrará a partir da terça-feira (27) uma série de oficinas e encontros no Teatro Tapera das Artes, em Aquiraz. Além disso, em Fortaleza, numa parceria do projeto “Encontro Mestre & Aprendiz – Contraponto Harmônico” com a Plataforma Sinfonia do Amanhã, Renato Borghetti participará na quinta-feira (29), às 19h, do ciclo de Diálogos Sinfonia, um polo de discussão mediada com grandes artistas da música instrumental nacional. O encontro entre músico e público será no auditório do Centro Cultural Belchior.

Já no sábado (31), às 17h, no Teatro Tapera das Artes, em Aquiraz, o músico gaúcho realizará o concerto “Renato Borghetti e convidados”. Para a apresentação será respeitada a capacidade máxima de 350 pessoas no teatro, onde serão distribuídos ingressos 1 hora antes do evento. A entrada é gratuita.

 

Sobre Renato Borghetti

Renato Borghetti é versátil, as formações musicais que o acompanham alternam entre Duos, Quartetos, Quintetos e Sextetos. Com a desenvoltura que abre sua gaita em um salão de baile ou CTG (onde começou) também circula com naturalidade em salas sofisticadas e festivais instrumentais. Trabalhos como solista são frequentes, emprestando a sonoridade do acordeon gaúcho para as mais diversas formações, tendo se apresentado com quase todas as Sinfônicas do Brasil. Renato Borghetti é também um dos artistas brasileiros de mais sólida carreira internacional.

 

Sobre o projeto “Encontro Mestre & Aprendiz” – Contraponto Harmônico

Desenhado para possibilitar a aproximação de jovens aprendizes com nomes consagrados da música instrumental, o projeto “Encontro Mestre & Aprendiz – Contraponto Harmônico” oferece ações educativas que resultam em concertos interativos.

Realizado mensalmente, de fevereiro a novembro de 2018, as ações ocupam diferentes espaços, contemplando um público vasto. Dessa forma, atua, não apenas na formação dos aprendizes, mas também com foco no público geral interessado pela música em seus aspectos sonoros e teóricos. Para este ano, grandes nomes nacionais e internacionais já estão confirmados:

· Abril – Marlui Miranda – compositora, cantora e pesquisadora da cultura indígena brasileira;

· Maio – Ensemble – trio de palhetas de São Paulo;

· Junho – Barbatuques – grupo brasileiro de percussão corporal;

· Julho – Maite Hontelé – trompetista especializada em ritmos caribenhos, da Colômbia;

· Agosto – Ricardo Herz – o artista que reinventou o violino brasileiro;

· Setembro – Ji Hae Park – pesquisador de música contemporânea, da Coreia do Sul;

· Outubro – Badi Assad – cantora violonista;

· Novembro – Toquinho – cantor e compositor brasileiro.

O Projeto Mestre & Aprendiz tem realização do Centro de Pesquisa e Difusão da Arte-Imaginário, Co-realização da Tapera das Artes, e parceria com a Plataforma Sinfonia do Amanhã, patrocínio da Usibras, Verdes Mares, Hipercor, Esmaltec, FAN, Dakota, Frezenius, M. Dias Branco, Acal. E conta com apoio institucional da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará e consultoria executiva da Quitanda das Artes. Agradecimento especial à Enel Distribuição Ceará.

 

Plataforma Sinfonia do Amanhã

No intuito de ampliar sua atuação, ao mesmo tempo em que fortalece laços colaborativos, o Encontro Mestre & Aprendiz recebe estudantes de diversas instituições que trabalham educação musical em todo o estado do Ceará, vinculados ao projeto Plataforma Sinfonia do Amanhã. Trata-se de entidades que, assim como a Tapera, dispõem recursos artísticos e pedagógicos a crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, numa perspectiva de ampliar as possibilidades de desenvolvimento social. A Plataforma, em 2018, conta com 26 instituições, sendo 22 delas no Ceará, uma na Bahia, uma em Goiás e duas no Rio Grande do Sul.

 

Associação Tapera das Artes

A Tapera das Artes, com mais de 30 anos de existência, dedica-se a atividades culturais voltadas para jovens e crianças oriundas de famílias de baixa renda no município de Aquiraz, onde vem se consolidando como um vetor fundamental de transformação social, artística e cultural local.

O trabalho iniciado com o ensino de pífano tomou novas proporções, possibilitando a expansão e inclusão de novas modalidades artísticas. Foram fundadas, assim, a banda de pífanos “Girassol”, o grupo “Sementes da Terra”, o grupo de chorinho “Feijão de Corda”, o Grupo de Forró “Natureza do Forró”, o Espetáculo “Sons e Sonhos”, “Orquestra Bachiana Jovem”, “Camerata de Violões Dedilharte 6”, “Orquestra Sanfonica Essência”, “Coro Canto Livre”, dentre outros.

Em 2012, a Tapera das Artes iniciou a parceria com a Fundação Bachiana de São Paulo e, com o apoio do Maestro João Carlos Martins, protagonizou a Orquestra Bachiana Jovem de Aquiraz.

Desde 2013, oferece o Programa de Cultura Tapera das Artes, atendendo a um público de 400 crianças, sob a direção artística pedagógica do Maestro Ênio Antunes, que abriga a metodologia “Um Toque de Classe” para o ensino de música, e as atividades inventivas da Luteria experimental com as criações exóticas do Mestre Luthier Fernando Sardo.

 

Encontro Mestre & Aprendiz – Contraponto Harmônico apresenta Renato Borghetti (RS), com:

Residência Artística

Data: 27/03 a 31/03

Local: Centro Cultural da Tapera das Artes

Concerto “Renato Borghetti e convidados”

Quando: 31/03 (sábado), às 17h

Local: Teatro Tapera das Artes (Rua Antônio Gomes dos Santos, S/N – Centro, Aquiraz / Ao lado do Parque Ecoeducativo Engenhoca)

Informações: (85) 3361-2704 / 987548496

ACESSO GRATUITO

Será respeitada a capacidade máxima de 350 pessoas no teatro, onde serão distribuídos ingressos 1 hora antes do evento.

Diálogos Sinfonia com Renato Borghetti

Quando: 29/03 (quinta-feira), às 19h

Local: Centro Cultural Belchior (Onde: Rua dos Pacajus, 123 – Praia de Iracema).

Tapera das Artes

http://www.taperadasartes.org.br/

Facebook: Tapera das Artes

Instagram: @taperadasartes_

OSUECE é a atração especial em comemoração aos 60 anos do Cineteatro São Luiz


Com um concerto de temas de filmes, a Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará – OSUECE é a atração na Sessão Sonora especial em comemoração aos 60 anos do Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará. A apresentação será no 26 de março, data do aniversário do São Luiz, às 18h30, com acesso gratuito. No repertório, temas de filmes consagrados como Indiana Jones, E.T. – O Extraterrestre, A Missão e a saga de Guerra nas Estrelas, incluindo os temas da Princesa Leia, Mestre Yoda e Darth Vader.

Como parte da comemoração do aniversário do São Luiz, antes do concerto, às 16h, acontece a exibição do filme Lumière! A aventura começa, documentário francês de 2016. Com direção de Thierry Frémaux, o filme é uma jornada pelo universo dos fundadores do cinema, os irmãos Louis e Auguste Lumière.

 

OSUECE

A OSUECE teve seu início em agosto de 2009. Tem um conjunto variado de obras em seu repertório: de compositores brasileiros em geral, com destaque especial para jovens compositores cearenses que desenvolvem atividade composicional no Bacharelado em Composição da UECE, arranjos e adaptações de grandes obras populares e obras do repertório tradicional sinfônico.

É formada por cerca de 65 integrantes distribuídos dentre os naipes das madeiras, metais, percussão e cordas. A direção e regência titular é do prof. Alfredo Barros, maestro e compositor, doutor em Artes Musicais pela Universidade do Texas, Austin, EUA. Professor de composição do Curso de Música da UECE, o maestro desenvolve projetos artísticos dessa natureza desde 1988.

O projeto da OSUECE é uma ação tríplice de ensino, pesquisa e extensão que atua como um forte agente aglutinador de músicos de diferentes camadas sociais e alunos matriculados em cursos superiores da UECE. É sobretudo uma orquestra jovem que tem um compromisso de inclusão social e acadêmica. Abre perspectivas para a orientação e apoio àqueles estudantes de música que procuram uma oportunidade de ingressar na universidade. A Reitoria e Vice-Reitoria da UECE, as Pró-Reitorias de Assuntos Estudantis–PRAE, de Extensão–PROEX, de Pesquisa e Pós-Graduação–PROPGP têm dado importantíssimo apoio à Orquestra.

 

ORQUESTRA DE FORMAÇÃO SESI/UECE

Em 2014 a OSUECE deu início a sua segunda etapa pedagógica de formação de músicos de orquestra, inicialmente chamada de Orquestra de Base. Em julho de 2015 a UECE, por meio do Curso de Música, e o Serviço Social da Indústria (SESI/CE), ligado à Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), por meio do Museu da Indústria, firmaram um convênio para criação da Orquestra de Formação SESI/UECE e oferta de cursos de música para a comunidade.

 

OSUECE NOS PALCOS

A Orquestra Sinfônica da UECE já chamou a atenção de músicos importantes, professores de festivais e regentes, como o violista Carlos Boltes (chileno radicado nos EUA), que em julho de 2011 solou com a Orquestra o Concerto para Viola e Orquestra de G. P. Telemann. A cantora Marina de la Riva em janeiro de 2012 apresentou-se com a OSUECE em Fortaleza, tendo mencionado de forma muito elogiosa o trabalho dos jovens músicos da orquestra.

Em 2013 a OSUECE participou da gravação do DVD “Homenagem do Ceará aos 100 anos de Luiz Gonzaga”, com Adelson Viana, Waldonys e Rodolfo Forte, Manassés e Nonato Luiz, entre outros. No mesmo ano fez o concerto de encerramento do Fórum Harmônicas Brasil, no Anfiteatro do CDMAC, com o gaitista José Staneck como solista.

Em fevereiro de 2016 lotou a Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura com o concerto “Humberto Teixeira – viva a memória do Dr. do Baião”, onde teve a participação do acordeonista Adelson Viana e dos cantores Marina Cavalcante, Paulo Belim, Marcos Caffé e Calé Alencar. O concerto teve transmissão ao vivo pela TV Ceará.

Ao longo desses anos a Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará vem realizando dois projetos diferenciados no Theatro José de Alencar: Série Concertos de Câmara, com apresentações de subgrupos da orquestra no Foyer, e Série Concertos Sinfônicos no palco principal, sempre com plateia lotada. E foi também com lotação completa que encerrou a temporada de 2016, com repertório de temas de grandes filmes.

Em maio de 2017, no Centro de Eventos do Ceará, a OSUECE foi a orquestra que acompanhou o tenor José Carreras no aplaudidíssimo concerto da turnê A Life in Music. O maestro da Sinfônica da UECE, Alfredo Barros, ensaiou o grupo, que na apresentação foi conduzido pelo regente titular do tenor, o espanhol David Gimenez.

Em outubro, a Orquestra foi atração ao lado do sanfoneiro Waldonys em apresentação aberta ao público, no Estacionamento Aberto do Shopping RioMar Fortaleza. A apresentação foi parte da campanha “AVC tem Conserto”, promovida pela Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV), para alertar à população sobre as medidas de prevenção contra a doença.

Ainda em 2017, em novembro a OSUECE abriu a programação cultural do Ceará Natal de Luz na Praça Portugal com um concerto ao ar livre interpretando temas natalinos com os cantores Giorgi Gelashvili e Liana Fonteles. E em dezembro apresentou no Beach Park o espetáculo em homenagem ao compositor e poeta Humberto Teixeira.

 

SERVIÇO

ANIVERSÁRIO DO CINETEATRO SÃO LUIZ

CINEMA:

Lumière! A aventura começa – Dia 26 de março às 16h, exibição do documentário de Thierry Frémaux (França. 2016. Duração: 1h30. Legendado). Uma jornada pelo universo dos fundadores do cinema, os irmãos Louis e Auguste Lumière. Imagens históricas e um olhar único da França e do mundo da Era Moderna através de 114 breves filmes dos irmãos franceses restaurados em 4K e montados para celebrar o legado da dupla. Classificação indicativa: 12 anos. Entrada gratuita.

CONCERTO:

Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará (OSUECE) – Dia 26 de março, às 18h30, concerto sinfônico com temas de filmes. Classificação indicativa: Livre. Entrada gratuita.

Endereço: Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro, Fortaleza-CE). Informações (85) 3252-4138.

VÍDEOS da OSUECE:

Espetáculo Humberto Teixeira, Viva a Memória do Doutor do Baião

Concerto de Abertura da Temporada 2016, Michelle Lucena, Piano

CONTATOS

Sede da OSUECE: Curso de Música da Universidade Estadual do Ceará – UECE

Campus do Itaperí – Bloco F (Av. Dr. Silas Munguba, 1700 – Fortaleza – CEP: 60.714.903)

Tel.: 3101 9760. E-mail: osuece.adm@uece.br

Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará

CORAL DA UFC ESTÁ COM INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ FINAL DE MARÇO

 

 
O Coral Canto da Casa está recebendo novos alunos até o final deste mês de março. Para se inscrever, tem que ter entre 14 e 21 anos, estudar em escola pública e ter um desejo dentro do peito: descobrir o que a faz querer cantar!

As inscrições são realizadas no mesmo local onde são realizados os ensaios, no teatro da EIM Instalações Industriais, nas segundas, quartas e sextas, das 14h às 17h. O endereço é Avenida Washington Soares, 5700 (entre o Viaduto da Maestro Lisboa e a Casa José de Alencar).

 

Coral Canto da Casa
É um projeto da Casa da Voz da Universidade Federal do Ceará (UFC) que, através da Associação de Amigos do Coral da UFC (ACUFC) e das parcerias firmadas entre Enel Distribuição Ceará e EIM Instalações industriais, objetiva a formação musical de estudantes adolescentes de escolas públicas.

Almeja desenvolver o potencial humano através da arte e estimular a solidariedade pela criação e expressão musical. Cumpre assim os verdadeiros objetivos da extensão universitária, na configuração de um coro jovem que congrega a comunidade e que conta com o apoio e o compromisso social de agentes dos setores acadêmico, artístico e empresarial.

Contemplado pelo VIII Edital Mecenas do Ceará, da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, integra os projetos da Plataforma Sinfonia do Amanhã, mantida pela Enel em parceria com o Governo do Estado do Ceará.

Centro Dragão do Mar anuncia programação semanal

Confira a agenda do Centro Dragão do Mar para a semana.

 

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.

Cinema do Dragão: de terça a domingo, das 14h às 22h. Ingressos: R$ 14 e R$ 7 (meia). Às terças-feiras, o ingresso tem valor promocional: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Acesso gratuito.

Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Acesso gratuito.

OBS.: Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.

► ABERTURA DE CHAMADA PARA MALOCA DRAGÃO 2018

O Instituto Dragão do Mar lança chamada para compor parte da programação artística e o quadro de profissionais de produção cultural da Maloca Dragão 2018. Poderão ser inscritos projetos artísticos de Teatro, Circo, Dança, Literatura, Música, Arte Urbana e Culturas Populares. A chamada também receberá inscrições de produtores culturais, técnicos de som e de luz, roadies e cenotécnicos interessados em atuar na equipe de produção do festival. Neste ano, a novidade é a seleção de projetos de Gastronomia para a Maloca de Comer e de um projeto de cenografia e ambientação para a Praça Almirante Saldanha, área de convivência da Maloca. Gratuitas, as inscrições poderão ser realizadas a partir desta segunda-feira (12), no site www.dragaodomar.org.br, e seguem até o dia 26 de março.

Chamada

Esta é a terceira vez consecutiva em que o festival utiliza uma chamada para compor parte de sua programação artística. No ano passado, cerca de 75% das atrações foram selecionadas através desse processo. A Maloca Dragão 2017 recebeu um total de 703 inscrições entre projetos artísticos e profissionais da área de produção cultural, número 118% maior que o de 2016, ano em que o chamamento foi instituído pelo festival.

É importante salientar, no entanto, que a chamada para a Maloca Dragão não é um edital, mas um meio usado para mapear e formar um banco de projetos artísticos e profissionais de todo o Estado, subsidiando assim o trabalho da curadoria do festival.”O interesse crescente de artistas e demais profissionais da cultura no festival tem não só legitimado a Maloca Dragão enquanto um dos momentos mais importantes para a cultura e a arte do Estado, como também ampliado o mapeamento da crescente produção artística no Ceará, do litoral ao interior”, afirma João Wilson Damasceno, diretor de Ação Cultural do Dragão.

Em 2018, a seleção de projetos artísticos terá como curadores: Fernando Catatau (música), Francis Wilker (teatro), Alysson Lemos (circo), Bitu Cassundé (arte urbana), Joubert Arrais (dança), Alênio Carlos (cultura popular), João Luiz Lima (gastronomia) e Ronaldo Correia de Brito (literatura). Os selecionados vão compor uma parte da programação da Maloca Dragão, que também terá artistas e grupos convidados. Os proponentes dos projetos escolhidos serão contatados previamente pela produção do festival, uma vez que a divulgação do resultado da seleção ao público só se dará com a veiculação da programação completa, no site da Maloca.

Desde o ano passado, a Maloca Dragão tem selecionado sua equipe de produção também por meio de chamada. Poderão inscrever-se produtores culturais, técnicos de som, técnicos de luz, roadies e cenotécnicos que devem submeter currículo, portfólio e breve descritivo de atuação profissional. Os candidatos devem ainda estar disponíveis para atividades formativas relativas ao festival em data ainda a ser divulgada.

Novidade

Além de projetos artísticos e de profissionais de produção cultural, a chamada da Maloca 2018 também selecionará um projeto cenográfico e de ambientação para área de convivência e feira de artesanato localizadas na Praça Almirante Saldanha. Poderão inscrever-se arquitetos urbanistas, designers, artistas urbanos ou coletivos de artistas. O proponente selecionado deverá desenvolver e executar o projeto em prazos de montagem e execução indicados pelo Instituto Dragão do Mar. Também é novidade deste ano a seleção de interessados em fazer parte do espaço gastronômico do festival, a Maloca de Comer.

Inscrições

As inscrições na chamada da Maloca Dragão 2018 devem ser feitas exclusivamente no endereço eletrônico www.dragaodomar.org.br. Para efetivar a inscrição e ter acesso ao formulário on-line, o interessado deverá, primeiramente, estar cadastrado no Mapa Cultural do Ceará (http://mapa.cultura.ce.gov.br), plataforma digital que integra uma rede de agentes culturais do nosso Estado.

O Mapa Cultural do Ceará é um banco de dados colaborativo que integra o Sistema de Informações Culturais do Estado do Ceará (Siscult). Esta é uma plataforma livre, gratuita e colaborativa de mapeamento da Secult sobre o cenário cultural cearense. Entre os inúmeros benefícios gerados, a participação no Mapa proporciona ao agente cultural a visibilidade de trabalhos, formação de networking, o acompanhamento da agenda cultural e a consulta a outros projetos culturais.

// De 12 a 26 de março de 2018, no site www.dragaodomar.org.br. Acesso gratuito.

► [ARTES VISUAIS] ABERTURA DA INSTALAÇÃO DE RICARDO BASBAUM, NA EXPOSIÇÃO /SIMULTÂNEOS/

Além de quatro mini-mostras abertas no dia 8 de março, a exposição /Simultâneos/ apresenta, a partir do dia 13, a instalação “Você gostaria de participar de uma experiência artística? Circulação & repouso”, de Ricardo Basbaum, que convida o público à participação. O artista paulista propõe o envolvimento do outro como participante em um conjunto de protocolos indicativos dos efeitos, condições e possibilidades da arte contemporânea. O projeto se inicia com o oferecimento de um objeto de aço pintado (125 x 80 x 18 cm) para ser levado para casa pelo participante (indivíduo, grupo ou coletivo), que terá um certo período de tempo (em torno de um mês) para realizar com ele uma experiência artística.

A exposição /Simultâneos/ é um bloco composto por cinco pequenas mostras. O maranhense Thiago Martins de Melo apresenta um conjunto poético que convida o público a discutir o colonialismo por meio da metanarrativa. Com o filme de animação “Barbara Balaclava” (2016), o artista apresenta a trajetória de uma mártir anônima desde a desapropriação e massacre de sua aldeia e sua morte sob tortura policial até sua experiência como “encantada” encontrando a si mesma em encarnação anterior e culminando em seu batismo no coração de Pindorama. Bárbara balaclava é uma narrativa anarco-xamanista de transcendência da luta anticolonialista.

/Simultâneos/ traz ainda “Montar uma Ruína”, de Lis Paim. A artista visual baiana radicada em em Fortaleza exibe, pela primeira vez, seu arquivo audiovisual constituído a partir da edificação em ruína do Alagoas Iate Clube – o Alagoinha, um antigo clube modernista localizado dentro do mar da orla de Ponta Verde, na cidade de Maceió (AL). Alvo de peculiares ocupações transitórias e de ameaças constantes de desaparecimento desde o momento da sua desapropriação e abandono pelos vários governos em Alagoas, a imagem do Alagoinha na paisagem urbana é a de um apêndice; uma aresta consentida e mal aparada de Maceió: um lugar de limbo.

Em outra sala, o MAC-CE apresenta fragmentos de álbuns de família da cidade de Várzea Alegre/CE, a partir de um conjunto de imagens produzidas pelo “Studio Saraiva” e pela artista “Telma Saraiva”, que evidencia a sofisticação de pensar, executar e reinventar a fotografia na metade do século passado no Cariri cearense (Crato/CE), ao inovar, à época, com o uso da fotopintura, detalhamento de fotografias a partir de pintura com tintas, o que a projetou nacionalmente.

Na Sala Experimental, a curadora Carolina Vieira elege algumas obras do Acervo MAC e da Pinacoteca do Estado do Ceará, e aproxima de um recorte de artistas, homens e mulheres que apresentam, de alguma maneira, a energia feminina ao exibir imagens que remetem às noções de trama, memória, conexão e rede de apoio, muito comum ao universo da mulher. O trabalho manual aparece em obras que envolve tapeçaria, desenhos, instalação e pinturas. Como recepção do visitante esta sala apresenta duas obras bastante significativas, uma imagem de nossa senhora do Euzébio Sloccowick e uma gravura de Nossa Senhora dos Escribas do Francisco de Almeida. Elas são o ponto de partida para pensar organização das demais obras da sala.

► [PROGRAMAÇÃO DO CICLO “BÁRBARAS: MULHERES DO CEARÁ”] Encontros “As mulheres que fazem nossa história”

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 08 de março, o Centro Dragão do Mar segue com o ciclo “Bárbaras: mulheres do Ceará”, programação que ofertará, durante todo o mês, atrações em linguagens diversas, a maioria delas gratuita. A programação homenageia figuras femininas que marcaram a história do Ceará e continuam a ser referência em diferentes campos, nomes como Bárbara de Alencar, Maria Luíza Fontenele, Rachel de Queiroz, Maria da Penha, Preta Simoa, Cacique Pequena, Violeta Arraes e Amelinha.

Além de shows, exposições, espetáculos teatrais e exibições de filmes, o ciclo traz em destaque a série de encontros “As mulheres que fazem nossa história”, debates que acontecerão nos dias 13,15, 20 e 22 de março, às 19h, no Auditório do Dragão. O acesso é gratuito, sujeito à capacidade do local. Sociólogas, artistas e lideranças foram convidadas a propor temas que versassem sobre a participação feminina na política, nas lutas, nos movimentos sociais, na arte e na cultura.

Os debates serão divididos em dois eixos temáticos, cada um com dois encontros. Nos dias 13 e 15 de março, a temática abordada será “O Protagonismo feminino e a invisibilidade da mulher na História”. Na terça-feira (13), Maria Luíza Fontenele, primeira mulher a ser eleita prefeita de uma capital brasileira, e a socióloga Irlys Barreira abrem a discussão sobre as participações femininas na política, conversa mediada pela socióloga Paula Vieira. Na quinta-feira (15), a líder indígena Cacique Pequena, a primeira mulher a se tornar Cacique no Brasil, e a ativista Karla Alves, do Pretas Simoa, Grupo de Mulheres Negras do Cariri, conversam falam sobre a participação das mulheres nos movimentos sociais. O bate-papo contará com mediação da socióloga Monalisa Soares.

“Mulheres na produção de narrativas nas artes” será o tema discutido, no dia 20 entre a historiadora Adelaide Gonçalves e a escritora Socorro Acioli, com mediação da escritora Isabel Ferreira Lima, e no dia 22 entre a atriz e diretora Grupo de Teatro Máquina Fran Teixeira e a bailarina e coreógrafa Wilemara Barros, que dialogam sobre o protagonismo da mulher cearense nas produções artísticas e culturais. A conversa será mediada pela cantora, atriz e coordenadora de criação e produção da escola Porto Iracema das Artes Natasha Faria.

Segundo Paulo Linhares, presidente do Instituto Dragão do Mar, os encontros têm a finalidade de discutir a falta de visibilidade das mulheres na história oficial do Estado. “As mulheres cearenses sempre tiveram grande importância nos nossos processos históricos, a começar por Bárbara de Alencar, que foi fundamental no processo de autonomização do Ceará em relação a Portugal e na propagação da ideia de liberdade. Se temos uma ideia de liberdade enraizada por todo o projeto antropológico do Ceará, devemos isso a ela. Esse vanguardismo teve sequência em muitos outros nomes, mas ainda existe uma invisibilidade sobre a trajetória dessas precursoras, uma dívida histórica que precisa entrar em pauta de discussão”, afirma o gestor.

// Dias 13, 15, 20 e 22 de março de 2018, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

► [CIRCO] Espetáculo “Isca”
As 10 Graças

No ano de 1943, em plena noite, um navio zarpa em alto-mar com um grupo de pescadores. Ao comando do Capitão, os tripulantes Nestor, Mantêga e Sereno seguem a bordo de uma grande aventura que tem o riso e a crítica como pano de fundo. Uma velha matéria de jornal e um penico – que é signo e extensão do corpo do ator – são o ponto de partida para um mergulho nas surpresas, paixões, alegrias e tristezas presentes na narrativa.

// Dias 13 e 14 de março de 2018, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: Livre.

► [PALESTRA] Debate com Ginga

O Debate com Ginga é realizado uma vez por mês no Auditório do Dragão do Mar, proporcionando discussões de temáticas que se relacionam com a capoeira. Realizado pelo Grupo Capoeira Brasil, promove ainda oficinas e vivências de manifestações afro-brasileiras ou relacionadas com a capoeira. O debate promove a troca de saberes ao convidar pessoas oriundas de diversos setores da sociedade e de campos do saber. Nesta edição, confira a palestra “Mulher e Capoeira: recortes da trajetória histórica cearense”, com Mestra Carla e Mestra Vanda.

“O Debate com Ginga é uma proposta de ir além dos espaços mais tradicionais da capoeira, instigando os capoeiristas a buscarem ampliar suas fontes de conhecimento e suas visões das temáticas que atravessam nossa arte”, afirma Luciano Hebert, corda marrom do Grupo Capoeira Brasil e coordenador do projeto.

O projeto Debate com Ginga tornou-se Projeto de Extensão da Universidade Federal do Ceará-UFC, pelo Instituto de Educação Física e Esportes – IEFES, desde novembro de 2016. Isto significa que passou a ser reconhecido, conservado e apoiado pela Universidade, como capaz de desenvolver atividades de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico, envolvendo a Capoeira, cujas diretrizes e escopo de integração com a sociedade, agregam-se às linhas de pesquisa desenvolvidas pelo IEFES-UFC. Deste modo, o projeto será ainda capaz de provocar a investigação científica para alunos da graduação em Educação Física e outras áreas do conhecimento, bem como a socialização destes para quem não tem acesso direto à Universidade, com certificação a todos que dele participarem.

A Capoeira e o Grupo Capoeira Brasil

A origem da Capoeira ainda hoje é discutida por diversos estudiosos da área, mas acredita-se que ela remonta aos tempos da escravidão, sendo criada provavelmente pelos negros escravos aqui no Brasil, na ânsia de se libertarem. A capoeira atravessou diversas fases e inúmeras adversidades, sendo até considerada uma prática ilegal e proibida.

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a Capoeira encontra-se presente em todo o território nacional e em mais de 150 países, tornando-se inviável contabilizar o número de praticantes. A Capoeira hoje é incentivada e amparada por Lei Federal e em 2008 foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, sendo candidata a tornar-se patrimônio da humanidade.

O Grupo Capoeira Brasil, fundado em 1988 (ano de comemoração dos 100 anos da Abolição da Escravatura), na cidade de Niterói, pelos mestres Paulinho Sabiá (Niterói – RJ), Boneco (Barra – RJ) e Paulão Ceará (Fortaleza – CE), surgiu com o objetivo de incentivar, divulgar e resgatar a cultura e a arte da Capoeira, valendo-se desse instrumento como um meio de transformação e incentivando os praticantes a se tornarem cidadãos críticos.

/// Dia 14 de julho de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

► [ARTES VISUAIS] Abertura da exposição “Mulher Vírgula!”

Com curadoria de Cecília Bedê, será aberta, no dia 15 de março, a partir das 18h, na Multigaleria do Dragão, “Mulher Vírgula!”, mostra coletiva que se propõe como espaço de debate para além da temática do feminino, rebatendo esteriótipos e quebrando padrões. Dezenove artistas que materializam em diversas linguagens artísticas embates frontais a partir de suas presenças na arte, no trabalho, na política, na maternidade, na rua, no corpo e na cultura. Integram o coletivo Aline Albuquerque (instalação), Clara Capelo (fotografia), Fernanda Meireles (instalação com lambes), Aspásia Mariana, Beatriz Gurgel, Dhiovana Barroso, Elisa de Azevedo, Emi Teixeira, Marissa Moana, Micinete, Renata Cidrack, Shéryda Lopes, Flávia Memória (instalação), Ingra Rabelo (desenho/intervenção), Julia Debasse (pintura), Lia de Paula (fotografia), Marina de Botas (desenho), Simone Barreto (desenho) e Virgínia Pinho (vídeo).

// Abertura no dia 15 de março de 2018, às 18h, na Multigaleria. Em cartaz de 16 de março a 8 de abril. Visitação: de terça a domingo, das 14h às 21h (com acesso até 20h30).

► [TEATRO] Espetáculo “Maquinista”

Pavilhão da Magnólia

Esta é a incrível história do “ator” que entrou para o bando de Lampião após enganar toda uma cidade. Antônio Maquinista* é um tipo presepeiro, inteligente e bem-parecido, que, com boa leitura e não pior escrita, dispôs-se a promover, em meados de 1926, um espetáculo de teatro na cidade de Floresta, Pernambuco. Mas, após recolher o dinheiro dos ingressos e arrecadar por empréstimo um sem-número de cobertas a serem improvisadas em cortinas, desapareceu na hora da abertura do espetáculo com tudo o que se achava em seu poder.

Jurado de morte pela rapaziada fogosa da terra, justamente afrontada com o ridículo em que se envolveram indiretamente as suas famílias, é com pouca surpresa que dias depois estoura a notícia do alistamento do ator velhaco no bando de Lampião, que aliás não viria a pôr freio ao seu espírito criativo.

* Baseado numa história real.

// Dias 15, 16, 17, 18, 23, 24 e 25 de março de 2018, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: Livre.

► [MÚSICA] Pôr do Som Especial com Boubacar Cissokho

O programa semanal Pôr do Som, realizado pelo Dragão do Mar, tem edição especial no dia 17 de março, com o instrumentista senegalês Boubacar Cissokho. O músico é hoje a esperança senegalesa da Kora ou Corá que é uma harpa-alaúde de 21cordas amplamente utilizado por povos na África ocidental. Ele toca o instrumente desde os 13 anos.
Originário de Marssassoum em Casamance, Boubacar Cissokho é filho de um grande tocador de kora e maestro da orquestra do Théâtre National Daniel-Sorano à Dakar. Ele também é primo do virtuose Ballaké Sissoko com quem aprendeu a tocar no Mali, onde ele também tem suas raízes. Foi no Mali que ele conheceu o grande Toumani Diabaté e com quem se apresentou pela primeira vez em 2007.

Em 2012, ele iniciou uma parceria com Yann Tambour e seu grupo Stranded Horse com quem gravou o disco Luxe, que apresenta atualmente. Boubacar, apesar de ser ainda muito jovem, é considerado como um grande representante da música mandingue senegalesa.

No dia 15 de março, o instrumentista senegalês conversa ainda com o público, em workshop na sala de música da Escola Porto Iracema das Artes, às 14h. A vinda de Boubacar Cissokho é uma realização da Aliança Francesa.

// Workshop, dia 15 de março, às 14h, na Escola Porto Iracema das Artes. Acesso livre e gratuito. Show no dia 17 de março, às 17h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

 

► [TEATRO INFANTIL] Espetáculo “Senhorita Marshmallow”
Cia Teatro Mosca

Senhorita Marshmallow é a proprietária de uma grande rede de fast-food, que se encontra à beira da falência diante da chegada de uma grande e popular cozinheira na cidade. Para resolver esta situação, Marshmallow planeja uma sabotagem junto ao seu confidente Espelho Mágico sequestrado da Madrasta da Branca de Neve. O que ela não esperava era o que Espelho, fingindo lhe ajudar, já planejava a própria fuga tudo junto do funcionário escravizado do palácio.

Fotos: https://goo.gl/T3zasa

// Dias 17 e 18 de março de 2018, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Classificação etária: Livre.
► [MÚSICA] FESTA “MANTENHA O RESPEITO!”, COM PLANET HEMP + ASSUN + REBEL LION + TRAMPA (DF) + WOMEN OF REGGAE

A banda brasileira de rap rock Planet Hemp faz show no dia 17 de março, na Praça Verde do Dragão do Mar. A festa “Mantenha O Respeito!” terá ainda shows de Assun, das bandas Rebel Lion e Trampa (DF) e ainda do projeto Women of Reggae. Com uma temática urbana, a noite mescla atrações que vão do reggae ao rock, passando pelo hip hop, intercalando com DJ e chegando ao famoso rap rock da banda Planet Hemp. A festa terá ainda uma mini rampa de skate e praça de alimentação.

// Dia 17 de março, às 20h, na Praça Verde. Classificação etária: 16 anos.

Ingressos:

1º Lote

Pista meia R$ 50,00

Pista inteira social R$ 60,00 + 2 kg alimentos

Pista inteira R$ 100,00

2º Lote

Front meia R$ 80,00

Front inteira social R$ 100,00 + 2 kg de alimentos

Front inteira R$ 160,00

Vendas

Loja Pranchão (shopping RioMar Kenndy e North Shopping Joquei)

www.ingressando.com.br

Bilheteria do Dragão do Mar (de terça a domingo, das 14h às 20h)

 

► [FEIRA E MÚSICA] FUXICO NO DRAGÃO + FESTIVAL ALBERTO NEPOMUCENO

Nossa tradicional feirinha dominical de expositores de deign, moda e gastronomia recebe programação especial, no dia 18 de março: o Festival Alberto Nepomuceno, apresentações do Sexteto Irmãos Cruz, Preto Neon e Trio Nepomuceno da UFC. O FAN está na 7ª edição e consiste em uma série de atividades, desde concertos de perfil didático a rodas de conversa, congregando aprendizes, mestres da música e públicos de todas as idades, com alcance, inclusive, de populações residentes em área rural. É uma realização da produtora Vagalume, dirigida por Cris Queiroz e Renata Onofre.

No roteiro musical do FAN 2018, as cidades cearenses Fortaleza, Canindé, Aracati e Icó. Toda a programação é gratuita, com ênfase na formação artística do público. O festival dialoga com outras linguagens como artes visuais e literatura. Começou com uma série de concertos, os Concertos Solidários, em igrejas nas cidades Aquiraz e Fortaleza. Ao longo dos anos, ampliou as áreas de atuação levando música para espaços coletivos como praças, teatros, escolas públicas, bibliotecas, museus, igrejas e instituições que desenvolvem trabalhos na área de educação musical. Em 2014, adquiriu formato de festival.

Sexteto Irmãos Cruz

O grupo é formado por seis jovens irmãos: Axel Brendo (violão/violino), Maíra Cruz (flauta/violino), Cecília Cruz (Clarinete/viola), Mirian Cruz (violoncelo), Vitoria Cruz (violino) e Alisson B. Cruz (piano). Nasceu quando Axel, o mais velho, conseguiu uma bolsa para estudar no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno. Experiência que inspirou os outros irmãos.

O grupo carrega intensa trajetória na música. Os jovens são bisnetos e netos de músicos. No repertório, música instrumental erudita e popular, com arranjos criativos. Entre outros, interpretam Astor Piazzolla e Heitor Villa-Lobos.

Preto Neon

Experimental eletrônica, sintetizadores e graves, darksound, Preto Neon é o Teste da Tábua. União de dois personagens, dois instrumentos, o digital e o orgânico, o beat e a densidade, duas personalidades. Em formação desde 2014, o grupo eletrônico experimental é composto por João Emannuel e Lucas Santos, que se revezam em múltiplos sons e instrumentos, abordando uma viagem, não só sonora, mas também visual.

Trio Nepomuceno da UFC

O Trio Nepomuceno da UFC é formado pela violinista Liu Man Ying, pela violoncelista Dora Utermohl de Queiroz e pelo pianista Vitor Duarte, todos professores do curso de Licenciatura em Música do Instituto de Artes da Universidade Federal do Ceará. O Trio homenageia o compositor brasileiro Alberto Nepomuceno, regente e pianista nascido em Fortaleza, considerado o pai do nacionalismo da música erudita brasileira.

O Trio Nepomuceno da UFC foi formado em agosto de 2015 por ocasião do ingresso das professoras de cordas Liu Man Ying e Dora Utermohl de Queiroz no ICA-UFC, que junto com o professor Vitor Duarte deram vazão ao anseio por desenvolverem um trabalho de música de câmara com repertório específico para o piano trio, cordas e piano. O Trio Nepomuceno tem se apresentado constantemente desde sua formação através de recitais, apresentações, oficinas e palestras. Em 2017 o Trio Nepomuceno esteve presente na Universidade Federal do Cariri (UFCA), na Universidade Federal do Acre (UFAC), assim como no Theatro José de Alencar e no Cine São Luiz em Fortaleza.

// Dia 18 de março de 2018, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.

 

TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR
Feira Dragão Arte
Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.
Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D’Água. Acesso gratuito.
Planeta Hip Hop
Crews de breaking e outras danças do hip hop promovem encontro de dançarinos do gênero com DJ tocando ao vivo.
Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.
Brincando e Pintando no Dragão do Mar
Sob a orientação de monitores, uma série de jogos, pinturas, brincadeiras e outras atividades são oferecidas às crianças.
Todos os domingos, às 16h, na Praça Verde. Acesso gratuito.

 

PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO
O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura informa que o Planetário Rubens de Azevedo modernização tecnológica. Está, portanto, temporariamente fechado para atendimento ao público amplo, funcionando apenas para escolas agendadas. Informações: 3488.8639 ou www.dragaodomar.org.br/planetario
VISITE NOSSAS EXPOSIÇÕES
► Exposição “Luciano Carneiro: O Olho e o Mundo”

Parceria entre o Instituto Dragão do Mar (IDM) e o Instituto Moreira Salles (IMS) traz a Fortaleza exposição inédita sobre o cearense Luciano Carneiro, fotojornalista com uma das mais expressivas produções do Brasil. Intitulada “Luciano Carneiro: O Olho e o Mundo”, a mostra está em cartaz dia 13 de maio de 2018, no Museu da Cultura Cearense, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. São cerca de 300 fotografias registradas entre o fim da década de 1940 e ao longo da década de 1950, período em que o fotojornalista atuou na revista O Cruzeiro. Sob curadoria de Sergio Burgi, coordenador de Fotografia do IMS, a mostra pretende difundir a visão de um talento ainda pouco conhecido na história da fotografia brasileira e permite um denso recorte do início do moderno fotojornalismo no país.

Luciano Carneiro foi um dos jornalistas mais atuantes de seu tempo. Em uma curta carreira, interrompida por sua morte aos 33 anos em um acidente aéreo, logo se destacou entre os principais nomes de O Cruzeiro. Trabalhou na revista entre 1948 e 1959, inicialmente como repórter e, no ano seguinte, escrevendo e fotografando. Nesse período, a publicação fez uma consistente inflexão em direção a um fotojornalismo mais humanista e engajado. Essa mudança foi concretizada por fotógrafos como José Medeiros, Flávio Damm, Luiz Carlos Barreto, Henri Ballot, Eugênio Silva e o próprio Carneiro, que passaram a integrar a equipe da revista, trazendo para as fotorreportagens maior ênfase na objetividade e no caráter documental e jornalístico.

Graças à enorme estrutura dos Diários Associados, grupo do qual a revista fazia parte, fundado por Assis Chateaubrinand, Carneiro pôde fazer séries de reportagens em quatro continentes, incluindo a cobertura da Guerra da Coreia, em 1951, sendo um dos únicos repórteres sul-americanos a cobrir o conflito. Com seu espírito aventureiro e com um brevê de paraquedista que possuía, saltou, ao lado do exército americano, sobre as linhas inimigas durante a guerra.

Carneiro documentou, em 1955, o trabalho humanista do dr. Albert Schweitzer na África – premiado três anos antes com o Nobel da Paz. Acompanhou a entrada de Fidel Castro e seus companheiros vitoriosos em Havana, em janeiro de 1959, e realizou ainda reportagens no Japão, na Rússia e no Egito de Gamal Abdel Nasser, presidente daquele país de 1954 até 1970.

No Brasil, realizou matérias sobre jangadeiros, posseiros, a seca no Nordeste, a herança do cangaço, as lutas estudantis e ainda diversas matérias reunidas na seção “Do arquivo de um correspondente estrangeiro” na revista O Cruzeiro, da qual era titular e onde expressava livremente suas opiniões. Ali, revelava influências da fotografia humanista do pós-guerra praticada por fotógrafos como Henri Cartier-Bresson, Robert Capa, Robert Doisneau e W. Eugene Smith. Era um contraponto à coluna de duas páginas de David Nasser, expoente de uma escola de jornalismo de viés sensacionalista, a qual Carneiro se opunha frontalmente.

Ao lado de Rachel de Queiroz, Luiz Carlos Barreto e Indalécio Wanderley, foi parte do elenco de jornalistas, fotógrafos e intelectuais cearenses que ajudaram a construir este grande veículo de comunicação de abrangência nacional e internacional que foi a revista O Cruzeiro. O Instituto Moreira Salles vem ao longo dos últimos anos dedicando-se à pesquisa sobre o fotojornalismo no Brasil, principalmente a partir da produção dos fotógrafos que atuaram na revista.

Apesar de sua evidente relevância, a produção fotográfica de Luciano Carneiro não foi ainda devidamente referenciada e pesquisada. Esta exposição é o primeiro passo mais abrangente nesta direção, com o objetivo de resgatar este importante legado, situando devidamente e definitivamente a obra de Luciano Carneiro no âmbito da fotografia e das artes visuais no Brasil. O conjunto de imagens apresentado corresponde integralmente à coleção de originais cedida ao IMS por sua família, em que se destacam as reportagens que realizou no exterior como correspondente da revista.

Além das fotografias originais, serão exibidos materiais de época, como revistas e fac-símiles de matérias. Outros destaques são: um vídeo sobre a importância da revista O Cruzeiro do ponto de vista de fotógrafos, com depoimentos de Luiz Carlos Barreto e Flávio Damm, que trabalharam na revista, e Walter Firmo e Evandro Teixeira, que nela encontraram a mais forte inspiração no início da carreira; e um minidocumentário produzido para a montagem original da exposição sobre Luciano Carneiro, com entrevistas de Ziraldo e Luciano Carneiro Filho, entre outros.

 

Sobre o fotógrafo

José Luciano Mota Carneiro (Fortaleza, 1926-Rio de Janeiro, 1959), filho de Antônio Magalhães Carneiro e Maria Carmélia Mota Carneiro, nasceu no dia 9 de outubro. Iniciou sua carreira como jornalista nos jornais Correio do Ceará e O Unitário, periódicos integrantes dos Diários Associados. Começou a fotografar nesse mesmo período e, em 1948, passou a integrar a equipe da revista O Cruzeiro, no Rio de Janeiro, como repórter. Suas fotos passariam a ilustrar as reportagens um ano depois.

Luciano Carneiro morreu tragicamente, no dia 22 de dezembro de 1959, em um acidente de avião próximo à cidade do Rio de Janeiro, quando retornava de um trabalho singelo em Brasília: fotografar o primeiro baile de debutantes da nova capital, então às vésperas da inauguração.

Dos destroços do avião, foram resgatadas suas máquinas fotográficas e os filmes com as fotos. A revista o homenageou publicando o que seria sua última matéria, no dia 16 de janeiro de 1960, sem título nem textos, apenas imagens – em uma delas, aparece o próprio fotógrafo refletido em um espelho. Antecedendo as imagens do acidente, na edição de 9 de janeiro, que anunciava o falecimento, foram publicadas duas páginas escritas por David Nasser lamentando a perda do colega. No texto, Nasser ressalta as diferenças entre o jornalismo praticado por ambos e, ao mesmo tempo, reconhece e enaltece sua objetividade e seu humanismo. Na edição de 16 de janeiro, foi Rachel de Queiroz quem publicou sua homenagem.

Fotos: https://drive.google.com/drive/folders/1zJpnObY8kZyRJJwClPUq1S9LLRCNz_4s?usp=sharing
// Em cartaz até 13 de maio de 2018, no Museu da Cultura Cearense. Visitação: de terça a sexta-feira, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30). Acesso gratuito.

► Exposição “Vaqueiros”

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

// Exposição de longa duração, no Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a domingo, das 9h às 19h (acesso até as 18h30) e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Acesso gratuito. Classificação etária: Livre.
MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ
► Exposição /Simultâneos/

A exposição /Simultâneos/ é um bloco composto por cinco pequenas mostras. O maranhense Thiago Martins de Melo apresenta um conjunto poético que convida o público a discutir o colonialismo por meio da metanarrativa. Com o filme de animação “Barbara Balaclava” (2016), o artista apresenta a trajetória de uma mártir anônima desde a desapropriação e massacre de sua aldeia e sua morte sob tortura policial até sua experiência como “encantada” encontrando a si mesma em encarnação anterior e culminando em seu batismo no coração de Pindorama. Bárbara balaclava é uma narrativa anarco-xamanista de transcendência da luta anticolonialista.

/Simultâneos/ traz ainda “Montar uma Ruína”, de Lis Paim. A artista visual baiana radicada em em Fortaleza exibe, pela primeira vez, seu arquivo audiovisual constituído a partir da edificação em ruína do Alagoas Iate Clube – o Alagoinha, um antigo clube modernista localizado dentro do mar da orla de Ponta Verde, na cidade de Maceió (AL). Alvo de peculiares ocupações transitórias e de ameaças constantes de desaparecimento desde o momento da sua desapropriação e abandono pelos vários governos em Alagoas, a imagem do Alagoinha na paisagem urbana é a de um apêndice; uma aresta consentida e mal aparada de Maceió: um lugar de limbo.

Em outra sala, o MAC-CE apresenta fragmentos de álbuns de família da cidade de Várzea Alegre/CE, a partir de um conjunto de imagens produzidas pelo “Studio Saraiva” e pela artista “Telma Saraiva”, que evidencia a sofisticação de pensar, executar e reinventar a fotografia na metade do século passado no Cariri cearense (Crato/CE), ao inovar, à época, com o uso da fotopintura, detalhamento de fotografias a partir de pintura com tintas, o que a projetou nacionalmente.

Na Sala Experimental, a curadora Carolina Vieira elege algumas obras do Acervo MAC e da Pinacoteca do Estado do Ceará, e aproxima de um recorte de artistas, homens e mulheres que apresentam, de alguma maneira, a energia feminina ao exibir imagens que remetem às noções de trama, memória, conexão e rede de apoio, muito comum ao universo da mulher. O trabalho manual aparece em obras que envolve tapeçaria, desenhos, instalação e pinturas. Como recepção do visitante esta sala apresenta duas obras bastante significativas, uma imagem de nossa senhora do Euzébio Sloccowick e uma gravura de Nossa Senhora dos Escribas do Francisco de Almeida. Elas são o ponto de partida para pensar organização das demais obras da sala.

Além das quatro mini-mostras que permeiam, de alguma forma, o universo feminino, /Simultâneos/ apresenta ainda, a partir do dia 13 de março, a instalação “Você Gostaria de participar de uma experiência artística? Circulação & repouso”, de Ricardo Basbaum, que convida o público à participação. O artista paulista propõe o envolvimento do outro como participante em um conjunto de protocolos indicativos dos efeitos, condições e possibilidades da arte contemporânea. O projeto se inicia com o oferecimento de um objeto de aço pintado (125 x 80 x 18 cm) para ser levado para casa pelo participante (indivíduo, grupo ou coletivo), que terá um certo período de tempo (em torno de um mês) para realizar com ele uma experiência artística.
// Em cartaz até 13 de maio de 2018, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Visitação de terça a sexta-feira, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30). Acesso gratuito.
MULTIGALERIA
► Exposição “Mulher Vírgula!”

Com curadoria de Cecília Bedê, será aberta, no dia 15 de março, a partir das 18h, na Multigaleria do Dragão, “Mulher Vírgula!”, mostra coletiva que se propõe como espaço de debate para além da temática do feminino, rebatendo esteriótipos e quebrando padrões. Dezenove artistas que materializam em diversas linguagens artísticas embates frontais a partir de suas presenças na arte, no trabalho, na política, na maternidade, na rua, no corpo e na cultura. Integram o coletivo Aline Albuquerque (instalação), Clara Capelo (fotografia), Fernanda Meireles (instalação com lambes), Aspásia Mariana, Beatriz Gurgel, Dhiovana Barroso, Elisa de Azevedo, Emi Teixeira, Marissa Moana, Micinete, Renata Cidrack, Shéryda Lopes, Flávia Memória (instalação), Ingra Rabelo (desenho/intervenção), Julia Debasse (pintura), Lia de Paula (fotografia), Marina de Botas (desenho), Simone Barreto (desenho) e Virgínia Pinho (vídeo).
// Abertura no dia 15 de março, às 18h, na Multigaleria. Em cartaz de 16 de março a 8 de abril de 2018. Visitação: de terça a domingo, das 14h às 21h (com acesso até 20h30). Acesso gratuito.

EL NEGRO LANÇA CLIPE DE “CINZA” DEPOIS DE 2 ANOS DE PRODUÇÃO

Foto: Doni Maciel

 

O trio gaúcho El Negro lança o clipe de “Cinza”, faixa de seu homônimo álbum de estréia lançado em 2014. O material levou dois anos para ficar pronto porque usou o efeito de rotoscopia, no qual cada segundo do vídeo é produzido por 24 fotos trabalhadas à mão. Com concepção de José Pedro Bortolini e Guilherme Petry, resultado é primoroso.

“Cada um dos mais mais de 2mil quadros que fazem o filme foram desenhados e distorcidos individualmente no Adobe Photoshop, para dar essa efeito. Depois joguei alguns efeitos para reforçar mais a textura dos brushes e pinceladas, dando esse aspecto mais pesado e diferente”, conta Bortolini.

“A música fala sobre a dificuldade de enfrentar a vida, quando muitas vezes ela mesma pode jogar contra e como tudo parece ser mais fácil se temos alguém do nosso lado”, explica o vocalista e guitarrista Mumu. “O clipe, que é todo cinza como o nome da música, foi desenvolvido em cima da passagem ‘a vida lambuza as pessoas’. Efeitos como pingos e gotas se misturando ilustram isso”, finaliza.

Formado por Mumu (vocal e guitarra), Fabian Steinert (baixo) e Leandro Schirmer (bateria), o trio se prepara para lançar o segundo álbum de sua carreira, “Tudo Vai Mudar”, ainda no começo de março.

Assista o clipe de “Cinza”: https://youtu.be/aDcdoWTMF8Q

 

Sobre El Negro
O power trio gaúcho El Negro é formado por Mumu (vocal e guitarra), Fabian Steinert (baixo) e Leandro Schirmer (bateria). A banda foi formada no início de 2012, quando lançou o single com clipe “Pé no Talo”, cujas captações foram feitas no estúdio Guga Munhoz, com mixagem de Ray Zimmer e masterização do norte-americano Jim Diamond (ex-baixista do The Dirtbombs e produtor dos dois primeiros discos dos The White Stripes). Em dezembro deste mesmo ano, o trio registrou ao vivo 10 músicas em dois dias de gravação, em uma fábrica abandonada, num clima total old school. A captação ficou por conta do produtor holandês, radicado no Brasil, Marcel Van der Zwam.

 

O resultado é o primeiro álbum da banda, homônimo, lançado em maio de 2014. O El Negro fez uma série de shows pelo Rio Grande do Sul e pelo Rio de Janeiro, onde foi convidado para gravar no clássico estúdio Toca do Bandido, com produção de Felipe Rodarte. O resultado é o seu segundo álbum, “Tudo Vai Mudar”, que será lançado no começo de março de 2018.
Facebook: https://www.facebook.com/musicelnegro/
Instagram: https://www.instagram.com/el_negro_insta/
Spotify: http://spoti.fi/2CnXJuk

ANA CAÑAS SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA

Foto: Caroline Bittencourt

 

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 16 a 18 de março de 2018, o show da turnê de encerramento do disco “Tô na Vida”, da cantora Ana Cañas. Considerado pela crítica especializada o melhor disco de sua carreira, nesse quarto trabalho, lançado em 2015, Ana apresenta uma verve mais rockeira. Ela é conhecida pela voz potente e por suas interpretações viscerais, carregadas de emoção. Em dez anos de carreira, traz na bagagem parcerias com Arnaldo Antunes, Dadi Carvalho e Nando Reis, entre outros.

Entre as novidades para a série de shows pela CAIXA Cultural Fortaleza estão versões para “Tigresa” (música que Ana cantou uma única vez, a convite do Prêmio Multishow em 2015 – considerado o ponto alto da noite), “Eu Amo Você” (clássico de Tim Maia) e “Velha Roupa Colorida”, de Belchior. Ana Cañas também apresenta uma música inédita, que integrará o repertório do disco novo, previsto para o segundo semestre de 2018.

Compõe ainda o repertório do show canções conhecidas e queridas do grande público, como o single “Respeita” (música que ganhou clipe com a participação de 86 mulheres que estão à frente da resistência feminista, como Elza Soares e Maria da Penha), “Esconderijo”, Urubu Rei”, “Será Que Você Me Ama?” e “Pra Você Guardei O Amor”.

 

Sobre Ana Cañas

Ana Cañas iniciou o curso de Artes Cênicas na ECA-USP e, ao fazer um teste para um musical, descobriu sua vocação para a música. Ela ouviu pela primeira vez um standard de jazz interpretado por Ella Fitzgerald e foi nesse momento que, profundamente tocada, sentiu que aquele era uma espécie de ‘momento-colisão’. Depois disso, Ana Cañas começou a cantar jazz na noite paulistana. Apresentou-se em bares e hotéis até ser contratada pelo renomado Baretto (Hotel Fasano), que teve, entre os habitués de suas apresentações, Chico Buarque e Paulinho da Viola.

Para consolidar sua carreira como cantora, Ana Cañas lançou em 2007 o seu primeiro álbum, “Amor e Caos”, com grande influência de jazz e MPB. Ela foi indicada como a grande promessa da música popular brasileira por muitos críticos. Em 2009, chegou às lojas o segundo disco da cantora, “Hein?”. Produzido por Liminha, a cantora acrescentou à sua sonoridade o rock, além de contar com participação de Gilberto Gil e a parceria de Arnaldo Antunes em cinco das 12 canções que compõem o disco. O álbum também trouxe o maior sucesso de Ana até então, a balada “Esconderijo”.

Quem também se encantou por Ana foi Nando Reis, que a chamou para fazer uma participação em seu álbum de 2009, ‘Drês’. A canção “Pra Você Guardei o Amor” foi tema de novela e tocou nas rádios de todo o país, atingindo 30 milhões de views no Youtube. Em 2012, Ana lançou seu terceiro e aguardado disco, intitulado “Volta”. O trabalho foi gravado inteiramente ao vivo e conta com canções autorais inéditas (“Urubu Rei”, “Será Que Você Me Ama?” e “Volta”) e versões para clássicos da música (“La Vie En Rose”, “Stormy Weather”, “My Baby Just Cares For Me” e “Rock and Roll” do Led Zeppelin). O show “Volta” contou com a direção e iluminação de Ney Matogrosso e sua estreia nacional aconteceu em junho de 2012 em São Paulo, obtendo sucesso de público e crítica por todo o país. O show gerou seu primeiro DVD, “Coração Inevitável”.

Em 2015, Ana Cañas lança o disco “Tô Na Vida” – o quarto de estúdio da carreira. Foi produzido por Lúcio Maia (Nação Zumbi) em parceria com Ana e mixado por Mario Caldato. Gravado em São Paulo, é o primeiro disco totalmente autoral da carreira da cantora. Foi considerado pela crítica especializada o seu melhor disco. Com 13 canções, “Tô na Vida” conta com grandes parcerias além de Lúcio e de Marcelo Jeneci, Ana gravou com Pedro Luís (“O som do osso”), Dadi (“Hoje nunca mais”) e três com Arnaldo Antunes: “Tô na vida”, “Madrugada quer você” e “Um dois um só”.

 

Serviço:

Música: Ana Cañas

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 16 a 18 de março de 2018

Horários: sexta, às 20h | sábado, às 20h | domingo, às 19h
Duração: 75 minutos

Classificação indicativa: Livre

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Vendas a partir do dia 15/03, das 10h às 20h, na bilheteria do local

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza:
(85) 3453-2770

Giro das Artes traz a Fortaleza grupos internacionais de música, teatro e dança

 

Uma simbólica volta ao mundo a partir de espetáculos de música, teatro e dança. Essa é a proposta do Giro das Artes, projeto que estreia este ano trazendo a Fortaleza artistas da França, Espanha e Suíça, com apresentações e atividades formativas. Com acesso gratuito, a programação começa no dia 2 de março no Cineteatro São Luiz.

A mostra conta com um apanhado das dimensões e possibilidades de manifestações artísticas proporcionadas pelas diversidades históricas, geográficas e sociais dos territórios onde as obras foram criadas. O intercâmbio cultural experienciado pelo público será expandido por meio da realização de residência artística, workshop e palestra.

Quem abre o Giro das Artes é o grupo espanhol aupaQUARTET, que ministra residência artística de 26 de fevereiro a 3 de março e apresenta o show SetUp no dia 2 de março.Nos dias 11 e 12 de março a programação segue com o espetáculo teatral Hamlet, do diretor suíço Boris Nikitin, que além das apresentações profere uma palestra no segundo dia. A dança será contemplada pelas companhias francesas Kubilai Khan investigations e Herman Diephuis, com espetáculos no dia 4 de maio. Grupos locais de dança participarão do workshop em data a ser confirmada.

Com exceção da residência do aupaQUARTET, que será realizada em Aquiraz para os estudantes de música da Tapera das Artes, toda a programação acontecerá no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza. A primeira apresentação acontece no dia 02 de março, às 20h. Já nos dias 11 e 12 de março e 04 de maio, os espetáculos começam mais cedo, às 18h.

 

AS ATRAÇÕES

O grupo aupaQUARTET traz ao público de Fortaleza o show SetUp, trabalho que realiza com uma fusão particular de estilos, alimentados pelo desafio de ser ao mesmo tempo criadores e intérpretes. Este show representa um breve passeio pela história do grupo ao propor a apresentação de músicas de alguns dos artistas que influenciaram e inspiraram suas carreiras como Michael Jackson, Sting, John Coltrane ou James Brown. Preocupados em manter a identidade do som que produzem, combinam as sonoridades de suas influencias com suas próprias composições. O aspecto clássico de seus instrumentos de cordas contrasta com a música que produzem, cheia de estratagema, força e espontaneidade.

Hamlet é um trabalho do diretor suíço Boris Nikitin, um dos principais nomes do teatro contemporâneo do país. Neste espetáculo se utiliza da obra shakespeariana como mote para uma reflexão sobre identidade, individualidade, ilusão e realidade. Em um misto de performance de documentário experimental e teatro-musical queer, o intérprete e eletro-músico Julian Meding assume o papel de um Hamlet contemporâneo que se rebela contra a realidade. No dia 12, às 14h, o diretor fará uma demonstração técnica e um bate-papo sobre seu trabalho com artistas convidados.

A companhia de dança francesa Kubilai Khan investigations tem 20 anos de existência e mais de 30 criações representadas na França e em mais de 60 países. Em Black Belt,espetáculo que traz a Fortaleza, chama o público a contemplar uma África em movimento a partir de uma visão interna e não fantasiada que se tem sobre o continente.

Herman Diephuis traz a obra Tremor and More para explorar, através da dança, a capacidade de transformação do intérprete. Nascido em Amsterdã e residente em Paris, Herman Diephuis trabalhou como intérprete por muitos anos com coreógrafos como Régine Chopinot, Mathilde Monnier, Jean-François Duroure, Philippe Decouflé, François Verret, Jerome Bel, Xavier Le Roy e Alain Buffard. Em 2004 criou a associação ONNO para implementar suas próprias criações e projetos.

O projeto Giro das Artes tem como realizadores a Quitanda das Artes, o Instituto BR Arte e o Cineteatro São Luiz. Patrocínio: Enel. Apoio cultural: Instituto Francês, Fundação suíça para a cultura Pro Helvetia, Embaixada da França no Brasil e Rede de Festivais – MIT SP, MID e Viva Dança. Produção executiva: Marco Zero. Produção: Cinco Elementos Produções. Apoio institucional: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, através da Lei Nº 13.811, de 16 de agosto de 2006.

 

 

PROGRAMAÇÃO / SERVIÇO

MÚSICA

Giro das Artes apresenta SetUp, de aupaQUARTET (Espanha) – Dia 02 de março, às 20h, no Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro, Fortaleza-CE). GRATUITO. Informações: (85)3235.4063.

TEATRO

Giro das Artes apresenta Hamlet, de Boris Nikitin (Suíça) – Dias 11 e 12 de março, às 18h, no Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro, Fortaleza-CE). GRATUITO. No dia 12, às 14h, acontece uma demonstração técnica e bate-papo para artistas convidados. Interessados devem enviar e-mail para contato@quitandadasartes.com. Informações: (85)3235.4063.

DANÇA

Giro das Artes apresenta Black Belt, de Kubilai Khan investigations (França) e Tremor and More, de Herman Diephuis (França) – Data: 04 de maio, às 18h no Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro, Fortaleza-CE). GRATUITO. Informações: (85)3235.4063.

VIDEOS

aupaQUARTET – “StepUP”. Own compositions

Tremor and More, de Herman Diephuis (França)

Maraponga ganha maior espaço de gastronomia e entretenimento da Zona Oeste

 

 

Um dos bairros mais charmosos e movimentados de Fortaleza vai ganhar o maior espaço de gastronomia e entretenimento da Zona Oeste, nesta quinta-feira (22). Conhecida como a ‘nova Aldeota’, o bairro Maraponga é um pólo de moda e lazer, e tornou-se também, referência em ambientes gastronômicos e de entretenimento.

 

Com uma estrutura nunca vista na Região Sul da capital cearense, o Complexo Maraponga chega para misturar o melhor da gastronomia e do entretenimento no mesmo espaço. O Complexo vai atender ao público desde restaurante, barzinho com área externa, sala de jogos, à balada mais dançante no pub climatizado localizado no próprio Complexo.

 
No dia da abertura da casa, quinta-feira (22), os freqüentadores vão poder curtir a música sertaneja das duplas Fran e Diego e Stéfano e Leonardo, além de muitos convidados que vão embalar a noite no formato acústico e intimista, na parte externa do Complexo.

 

A inauguração se estende pela sexta-feira (23) com Paulo Calado, Rafa Silva e DJ Sandiego e, no sábado (24), com Clauber Mariano, Erick Land e o projeto Let´s Funk. Sexta e sábado, a programação musical acontece no pub que vira boate, localizada na parte interna do Complexo.

Serviço:

Local: Avenida Godofredo Maciel, 3800 – Maraponga

Data: 22, 23 e 24 de fevereiro

Horário: 22h

Atrações e valores:

Quinta-feira, dia 22: Fran e Diego, Stéfano e Leonardo e convidados | R$10

Sexta-feira, dia 23: Paulo Calado, Rafa Silva e DJ Sandiego | R$15

Sábado, dia 24: Clauber Mariano, Erick Land e o projeto Let´s Funk | R$15

*Para a sexta e o sábado, a entrada fica R$10 com cadastro no site www.listavipfortal.com.br

Informações: 85 3298.5252