Browsing Tag

musica

CEARÁBIA: uma mistura exótica das culturas nordestina e árabe através da dança e da música

Foto: Luiz Alves

 

Uma viagem que atravessa o antigo oriente e desembarca no sertão nordestino. O espetáculo CEARáBIA percorre as origens da miscigenação cultural, étnica e religiosa através da música e da dança, expondo traços das culturas islâmica, judaica, cigana, cristã, africana e indígena.

Em única apresentação no dia 19 (domingo), às 19h, no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, o espetáculo cênico-musical uni dança e música em uma linguagem inovadora, somada a um figurino bastante elaborado, contando com cerca de 150 peças trazidas de várias partes do mundo, sementes de árvores brasileiras, rendas cearenses, algodão e chapéus de couro com estrelas.

Idealizado e criado pela bailarina Lenna Beauty com o músico e produtor Yury Kalil e dirigido por Cristiane Azem, o espetáculo CEARáBIA estreou em 2012 em São Paulo, mas em 2017 passou por um processo de formação criativa, ganhando um novo formato. Em vez de uma bailarina em cena, passou a contar com um coletivo de mulheres artistas, totalizando 20 bailarinas, todas de diferentes idades e ocupações, profissionais da dança ou não, mas que se conectam através do coração e da alma.

Fugindo de todos os lugares-comuns, CEARáBIA apresenta as duas artes – dança e música – com pesos equivalentes, levando ao palco um grupo de mulheres que tecem uma narrativa histórica sobre a fusão cultural entre o Oriente e o Nordeste brasileiro, trazendo personagens míticos como a Sacerdotisa de Ur, Sherazade, Iracema e Maria Bonita, que simbolizam as culturas miscigenadas retratadas nas canções.

A banda

Mesclando baião com antigas melodias judaicas, passando por tradicionais hinos ciganos em rock’n’roll e guitarras distorcidas, a banda formada para as apresentações do CEARáBIA é composta por Yury Kalil (bateria, direção musical e composições), Fernando Catatau (guitarra), Milton Ferreira (baixo) e Bruno Rafael (guitarra). Juntos eles criam uma linguagem musical inovadora e criativa que mescla a magia da Espanha e do Oriente com o swing afro-brasileiro e a sonoridade do sertão, criando um leque de infinitas possibilidades que une o Velho e o Novo Mundo.

A trilha sonora original, é tocada ao vivo, criando, junto com as bailarinas e demais elementos do espetáculo, uma atmosfera mística e sinestésica. As diversas similaridades entre o Nordeste, a Península Ibérica e o Oriente são notadas nos ritmos, cantos, rituais e trajes, fazendo com que o espetáculo viaje no tempo e no espaço.

Projeto

Cearense, a bailarina Lenna Beauty deixou o estado muito jovem para morar na Espanha, onde permaneceu durante 12 anos viajando constantemente ao Norte da África e Oriente Médio, formando-se com grandes maestros de música e dança, desenvolvendo uma sólida carreira internacional. Na sua trajetória se destaca a permanência por oito anos em MAYUMANA, importantíssima companhia de música e dança de Israel atuando em mais de 20 países em suas turnês. Através das profundas experiências com as culturas árabe, judaica e flamenca, Lenna reestabeleceu relações com sua terra natal.

Após anos de pesquisas históricas sobre a colonização ibérica e nos intercâmbios pessoais, a artista construiu uma parceria com o produtor musical cearense e descendente de libanês Yury Kalil, proporcionando-lhe ainda mais liberdade na expressão de seus conhecimentos por meio da arte. Assim, nasce o projeto CEARáBIA, com música original criada por esses dois artistas cearenses unindo o Estúdio Lenna Beauty e com renomado Totem Estúdio, criado por Yury Kalil.

O Cearábia foi exibido pela primeira vez no Sesc Belenzinho, em São Paulo, em 2012 e em 2017 passou por um processo de formação criativa e, de maneira orgânica, o projeto recebeu um coletivo de mulheres, de diferentes idades e ocupações, profissionais da dança ou não. Em uma união mística, repleta de conexões e homenagens a grandes mulheres da nossa história, essa irmandade surge em um momento propicio, em que a sociedade desperta para uma nova consciência feminina. Assim, o espetáculo é coração, alma e gênio da mulher. A mulher canal, mediadora entre os Deuses e a humanidade e que também é liberdade, alegria e pulso de vida.

Em cena, as bailarinas utilizam-se da dança para representar personagens femininas que simbolizam as culturas que compõem essa miscigenação e participam da formação do nosso País. Ao mesmo tempo em que representam essas mulheres, Lenna recria sua própria história de vida, marcada pelo período em que viveu no Brasil, mais especificamente no Ceará, sua terra natal, e pelos anos de formação pessoal e profissional na Europa, na Ásia e na África, onde participou de diversos espetáculos e de importantes companhias de dança.

 

Serviço: CEARáBIA

Dia 19 de agosto de 2018, às 19h, no Anfiteatro do Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema, Fortaleza – CE). Telefone: (85) 3488 8600 / (85) 3488 8608. Entrada: R$ 5,00 (meia) e R$ 10,00 (inteira).

Festival Nordestino de Teatro comemora 25 anos

Foto: Patrícia Almeida

 
Uma celebração às artes da cena. Esse é o espírito do Festival Nordestino de Teatro (FNT) em 2018, quando completa 25 anos. Anualmente o evento transforma Guaramiranga, no Ceará, proporcionando a artistas e público oito dias de uma verdadeira imersão nas artes cênicas. Apresentações teatrais de artistas dos nove estados do Nordeste, além de convidados de outras regiões e países, já estiveram nos palcos e participaram deste importante intercâmbio na cidade serrana.

Para comemorar o jubileu de prata do FNT, que acontece de 1 a 8 de setembro deste ano, a Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA) escolheu contemplar os valores presentes em todas as edições do Festival e que estruturam sua via de crescimento, diversidade e diálogo plural: as artes da cena.

Ao longo destes 25 anos, o FNT vem apresentando e refletindo sobre transversalidade entre as diversas linguagens cênicas. E pensar acerca dessas artes significa não somente buscar novos modos de criação e formatos estéticos, mas debater a sustentabilidade das artes, a ideia de cena ampliada e os intercruzamentos com outras linguagens artísticas.

Foi com esse conceito que o FNT este ano buscou um olhar híbrido sobre o teatro nordestino e compôs uma equipe de curadores de diversas linguagens, que trabalhou junta para apresentar uma programação especial na Mostra Nordeste. Os 25 anos serão festejados com a participação dos nove estados da região, representados por grupos e artistas convidados, revelando a potência e a diversidade das artes cênicas no Nordeste, presentes no teatro, na dança, no circo e na música. Dessa forma, o Festival em 2018 extrapola as convencionalidades de um evento cultural e configura-se como uma PLATAFORMA que fomenta processos de criação, reflexão e fruição artística, mecanismos de difusão e circulação e acessos à produção cênica.

Curador desta edição comemorativa, Paulo Feitosa, gestor da Rede Brasileira de Festivais de Artes Cênicas, ressalta a importância do FNT para o Nordeste. “Ao longo de duas décadas e meia de trajetória, tornou-se umas das principais plataformas de difusão, reflexão e promoção das artes da cena nordestina”, avalia. “O Festival agora reconfigura o seu papel no campo cultural, indo além da promoção de mostra de espetáculos, seminários e atividades de formação artística e de plateia para se assumir enquanto importante espaço de provocação e reflexão de temas relacionados ao fortalecimento da economia e da sustentabilidade dessas artes”, comenta.

Quem conhece de perto a história do FNT sabe o quanto sua transformação, crescimento e reconhecimento são importantes para o Festival e a cidade que o abriga. Que o diga o jornalista Magela Lima, doutor em Teatro pela UFBa, que tantas vezes fez a cobertura jornalística e passou a assumir funções mais próximas da organização, como curador e debatedor. “Quando a Compadecida intercede a Jesus por João Grilo, ela diz que ele é merecedor porque teve que suportar as maiores dificuldades, numa terra seca e pobre como a nossa. Lembro sempre dessa frase da famosa peça do Suassuna quando penso nos 25 anos do Festival de Guaramiranga, um gigante, apesar de tudo. Além do mérito de desafiar o tempo e as limitações tradicionais do campo da cultura no país, o FNT ajudou a redesenhar o mapa do teatro no Brasil, provocando um olhar sincero e delicado cada vez mais para dentro, revelando, assim, uma cena nova e potente, hoje central no panorama nacional”, diz.

AS ARTES DA CENA NA MOSTRA NORDESTE DO FNT 25 ANOS

Os nove estados da região estão presentes na Mostra Nordeste desta edição que festeja os 25 anos do FNT.

A turma do Biribinha (AL): “APalhassadamuzikada”

Lívia Mattos (BA): “A sanfonástica mulher-lona”

Teatro Máquina (CE): “Nossos Mortos”

No Barraco da Constância tem! (CE): “Marlene – dissecação do corpo do Espetáculo”

Criolina (MA): show “Radiola em Transe”

Grupo Teatro Carmin (RN): “A invenção do Nordeste”

Violetas de Teatro (PB): “Violetas”

Teatro Fronteira (PE): “Luzir é negro”

Grupo Teatral Boca de Cena (SE): “Os cavaleiros da triste figura”

Flávia Pinheiro (PE): “Como manter-se vivo”

Canteiro (PI): “Menu de heróis” e “Sacolândia”

CEARA CONVIDA

Além da Mostra Nordeste, a Bahia estará presente na Mostra Ceará Convida, espaço dedicado a companhias do Nordeste ou outras regiões. O espetáculo é “Looping: Bahia Overdub”, apresentado por artistas independentes, cujas trajetórias atravessam a dança, o teatro e a música. É também na Mostra Ceará Convida que o FNT recebe a paulista Companhia do Latão, que traz o espetáculo “Lugar Nenhum”, de Sérgio de Carvalho.

Outras mostras e ações formativas vão compor a 25ª edição do Festival Nordestino de Teatro. Em breve a programação completa estará disponível da página e redes do FNT.

O 25º FNT é apresentado pelo Governo do Estado do Ceará/Secretaria da Cultura, numa realização da Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (AGUA), com apoio institucional da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará/Secult, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, apoio institucional da Prefeitura Municipal do Guaramiranga, através da Secretaria de Cultura e Secretaria de Turismo. Consultoria executiva: Quitanda das Artes. Agradecimentos: Enel.

 

Serviço:

FNT 25 ANOS – 25ª edição do Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga: De 01 a 08 de setembro de 2018 em Guaramiranga, Ceará. Informações: (85) 3321-1405, fnt@agua.art.br. fnt.agua.art.br. Facebook e Instagram: fntguaramiranga. GRATUITO.

Glauco King se apresenta neste feriado em Fortaleza

 

 

O músico Glauco King se apresenta nesta quarta (15), a partir de 19h, no Teatro Sesc Iracema (Rua Boris, 90, Praia de Iracema). O show faz parte do projeto Porto Dragão e tem entrada gratuita. Glauco é acompanhado por sua banda de apoio, a Freak Gang.

 

Sobre Glauco King

Da Barra do Ceará saem as canções de punk rock de Glauco King, cuja performance no palco é cheia de energia, cativante e provocadora, assim como a sua música, influenciada por bandas como Kiss, New York Dolls e Sex Pistols. Em sua carreira, Glauco tem lançados os seguintes trabalhos: dois EP’s com o Bonecas da Barra (“Batom Navalha”, 2008, e “Esqueça a Anvisa”, 2011), um álbum com o West Wolves (“Sexy Offender”, 2014) e um EP solo (“Freakstar”, 2018).

Cantoras cearenses homenageiam Led Zeppelin no Theatro Via Sul Fortaleza

Com a participação de mulheres do rock cearense, como Nayra Costa, Claudine Albuquerque, Shirley Cordeiro e Marília Lima, o Theatro Via Sul Fortaleza recebe, no próximo dia 17 de agosto, às 21h, o projeto “Mulheres Cantam Led Zeppelin”, que homenageia a lendária banda de rock britânica. O espetáculo foi sucesso em sua primeira edição realizada no Theatro José de Alencar.

Idealizado pelo baterista e produtor Adriano Azevedo, o projeto reúne cinco belas vozes e dez amantes da obra deixada por essa banda, o que torna o espetáculo único e com uma das maiores produções de rock local já realizadas. Dentro da programação que antecede o espetáculo, além de ensaios abertos, será realizada uma audição pública para seleção de uma nova cantora que integrará esse maravilhoso time de vozes femininas. Para a seleção da cantora, cada participante terá direito a cantar uma música da banda Led Zeppelin, a sua escolha, sendo avaliada por um júri composto por cinco pessoas formadoras de opinião com experiência musical.

 

Serviço: 

MULHERES CANTA LED ZEPPELIN

Datas: 17 de agosto de 2018 (sexta-feira)

Horário: 21 horas

Local: Theatro Via Sul Fortaleza – Av. Washington Soares, 4335 – Edson Queiroz

Ingressos: R$80/R$40 (inferior); R$60/R$30 (superior)

Classificação: Livre

Capacidade do Teatro: 732 Pessoas

Informações: (85) 3099-1290

Horário de funcionamento da bilheteria: De segunda a domingo, das 10 às 22h, inclusive feriados.

Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.

Estacionamento no Shopping Via Sul

28º Cine Ceará terá shows de bandas cearenses

 

 

As noites do 28º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema vão ficar ainda mais animadas. Nesta quarta-feira, dia 08, começa a programação “Música na Praça”, que vai contar com shows de quatro bandas cearenses, na Praça do Ferreira.

As apresentações ocorrerão a partir das 22h30, logo após as exibições dos filmes no Cineteatro São Luiz. Na quarta-feira, a atração é o DJ Guga de Castro com o seu mix de ritmos de todo o mundo. Na quinta-feira, 09, o som fica por conta da SUPERBANDA, que trará para o público uma diversidade de sons que vão do Axé ao Rock, do Pagode ao Forró e do Sertanejo ao Funk.

Na sexta-feira, dia 10, a banda Os Muringa promete animar o público com o forró pé de serra. E no sábado, 11, o festival encerra sua 28ª edição com o show da banda Os Transacionais, que tem seu repertório marcado por vários estilos, ritmos e temáticas provenientes das mais diversas regiões do país.

O 28º Cine Ceará acontecerá até o dia 11 de agosto, numa promoção da Universidade Federal do Ceará (UFC), através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Lei Estadual Nº 13.811), do Ministério da Cultura, via Secretaria do Audiovisual, da Agência Nacional do Cinema (Ancine), do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Prefeitura Municipal de Fortaleza, através da Secultfor. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e Bucanero Filmes. Patrocínio: SP Combustíveis, M. Dias Branco, Banco do Nordeste, Café Santa Clara e Indaiá. Agradecimentos: Enel e Oi.

 

Serviço:

Música na Praça – De 08 a 11 de agosto, às 22h30, na Praça do Ferreira (R. Floriano Peixoto – Centro).

28° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema – De 4 a 11 de agosto de 2018 em Fortaleza. Cineteatro São Luiz (Praça do Ferreira, s/n – Centro); Cinema do Dragão (R. Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema); Hotel Oásis Atlântico (Av. Beira Mar, 2500 – Meireles), Acesso gratuito mediante ingressos com distribuição no local. Distribuição de ingressos na bilheteria – Cinema do Dragão: a partir das 14h; Cineteatro São Luiz: Uma hora antes do início da sessão; Encerramento: Dia 11 a partir das 19h, na bilheteria do Cineteatro São Luiz. Informações: www.cineceara.com. Email: contatos@cineceara.com. Tel: (85)3055-3465. Grátis.

THIAGO PETHIT APRESENTA NOVA TURNÊ NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA

 

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, nos dias 01 e 02 de setembro de 2018, o show ‘Som & Imagem’ do cantor Thiago Pethit, um dos novos e grandes talentos da música brasileira atual. O espetáculo inédito faz um passeio por sua carreira, revisitando álbuns e videoclipes.

Neste novo espetáculo, o cantor mostra que é também responsável por uma videografia que inclui alguns dos mais emblemáticos videoclipes nacionais dos anos 2010. Cada show conta com projeções simultâneas desses clipes e filmes que inspiraram seus trabalhos, promovendo uma interação entre as canções do artista com o cinema.

“O conceito do show é bastante simples, minha carreira nestes oito anos desde meu primeiro álbum sempre apontou muito para a questão audiovisual. Não só pelos clipes que produzi, mas também pelas referências musicais que muitas vezes passaram mais pelo cinema do que pela música. Estou bem feliz de apresentar esse projeto em Fortaleza”, revela o cantor.

Será um encontro entre a cultura pop brasileira, nas suas mais diferentes formas de expressão, com o rock psicodélico dos anos 70 atualizados pela música de Pethit.

Thiago Pethit – Desde sua estreia oficial nos palcos em 2008, Pethit passou a ser elogiado pelos principais meios especializados, entre jornais, blogs e sites. Dando um giro pelo lado soturno das relações amorosas e pessoais e avesso a rótulos, ele define seus sons como “pop universal”. Muito desta estética e performance vieram de sua carreira como ator de teatro com passagem por companhias de destaque na cena contemporânea.

 

Serviço:

Thiago Pethit com o show Som & Imagem

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 01 e 02 de setembro de 2018

Horários: sábado, às 18h e 20h | domingo, às 19h

Classificação indicativa: 12 anos

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Vendas a partir do dia 31/08, das 10h às 20h, na bilheteria do local

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza:
(85) 3453-2770

A cor do som – 40 anos

 

No dia 26 de agosto (domingo), às 18h, Dadi (baixo), Armandinho (guitarra, bandolim e guitarra baiana), Ary Dias (percussão), Gustavo Schroeter (bateria) e Mu Carvalho (teclados) misturam rock, choro e pop no show “A cor do som – 40 anos”. O espetáculo que ocorre no Cineteatro São Luiz (Rua major Facundo, 500 – Centro) tem classificação livre e já está com ingressos à venda na bilheteria do Cineteatro e através do site da Tudus (www.tudus.com.br) por R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia).

Com a formação original, o grupo comemora 40 anos de carreira em turnê e com um novo disco. O repertório de “40 anos” aponta para o futuro, com canções novas, além das regravações de clássicos tirados dos primeiros álbuns.

Com sua inusitada e orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo, A Cor do Som foi a grande surpresa da música brasileira em fins dos anos 1970, antecipando o rock que iria imperar na década seguinte. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo de Moraes Moreira, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos.

Estavam nessas gravações Dadi (o jovem baixista carioca que tinha entrado para a comunidade musical dos Novos Baianos e também tocava com Jorge Ben), Armandinho (o mestre da guitarra baiana e do bandolim, filho do Osmar, um dos inventores do trio elétrico) e Gustavo (outro carioca, baterista que veio do grupo A Bolha e também músico de Jorge Ben), com Mú (pianista e tecladista, irmão caçula de Dadi) estreando profissionalmente em uma faixa – e, logo em seguida, incorporado à banda nos shows. Já Ary Dias (percussionista baiano que veio de Banda do Companheiro Mágico), tocou no disco de estreia d’A Cor, mas só entrou oficialmente, completando a formação clássica, a partir do segundo álbum.

Como Dadi, mais de três décadas depois, contou no livro de memórias “Meu caminho é chão e céu” (Record, 2014), a paixão de Armandinho e Mú pelo choro foi o estímulo para as primeiras músicas do grupo que começava a nascer. Quanto ao nome, foi pedido emprestado a Galvão e Pepeu Gomes, que chamavam de A Cor do Som o núcleo instrumental dos Novos Baianos.

 

“A Cor do Som 40 anos” / Faixa a faixa

“Somos da cor” (Armandinho / Maria Vasco): Uma das composições inéditas do disco, a letra, na voz de Armandinho, é uma exaltação ao amálgama de etnias que caracteriza o povo brasileiro. Embalado por muito groove, é perfeito antídoto para o racismo que tenta sair do armário.

“Abri a porta” (Gilberto Gil / Dominguinhos): Esse sucesso do terceiro disco d’A Cor, “Frutificar” (editado em 1979), volta com o auxílio luxuoso de seu co-autor, Gilberto Gil, que toca violão e divide o canto com Dadi. Outro destaque na nova versão é o acordeom de Waldonis.

“Alto astral” (Mú Carvalho, Dadi e Evandro Mesquita): Lançada no quinto álbum do grupo, “Mudança de estação” (1981), essa parceria dos irmãos Mú e Dadi com o eterno Blitz Evandro Mesquita foi a escolhida para o encontro o Roupa Nova. As vozes de Serginho Herval (também na bateria) e Kiko (guitarra) se juntam à de Mú (também pilotando o Korg MS2000), que cantou na versão original.

“Sou volúvel” (Arnaldo Antunes / Marisa Monte / Dadi Carvalho): Outra faixa nunca gravada em disco pelo grupo, ela tinha sido lançada por Arnaldo Antunes em 2013, no álbum “Disco”. Agora, além de cantar, Dadi se desdobra em baixo, órgão Hammond e guitarras.

“Zanzibar” (Armandinho / Fausto Nilo): Sucesso do quarto álbum d’A Cor, “Transe total” (em 1980), essa canção de letra deliciosamente nonsense também foi um veículo para a delirante guitarra baiana de Armandinho, que, nessa regravação, canta em dueto com Samuel “Skank” Rosa.

“Swingue menina” (Mú Carvalho / Moraes Moreira): Outro clássico do álbum “Frutificar” (1979), esse reggae de pegada naturalmente brasileira continua irresistível. Convite à dança e à alegria que Mú refaz em dueto com Lulu Santos, outro fã de primeira hora d’A Cor do Som.

“Alvo certo” (André Carvalho / Dadi Carvalho): Mais uma inédita com A Cor, essa parceria de filho e pai é um samba que remete aos Novos Baianos de “Acabou chorare” e já tinha sido gravada por ambos: tanto no CD solo de estreia de Dadi, em 2007, para o selo japonês Rip Curl Recordings, quanto no de estreia de André, “Tempo do tanto” (2010). Para a nova versão, Dadi canta em dueto com Djavan (com direito a inspirados vocalises), enquanto Armandinho troca a guitarra baiana pelo bandolim, reforçando o elo novo-baiano.

“Magia tropical” (Mú Carvalho / Evandro Mesquita): Faixa que abria e dava nome ao sexto álbum do grupo, lançado em 1982 (período em que Victor Biglione ocupou o lugar de Armandinho), ela volta na voz de Paulinho Moska (também no violão).

“Eternos meninos” (Mú Carvalho / Paulinho Tapajós): Outra canção lançada no disco “Magia tropical”, essa parceria de Mú com seu então cunhado, o saudoso Paulinho Tapajós, era uma homenagem a John Lennon. A nova versão conta com a participação de outro fã dos Beatles, Flávio Venturini, que toca órgão e canta junto a Mú (também no piano elétrico e o arranjador do quarteto de cordas e do flugelhorn tocado por Jessé Sadoc).

“Sonho de carnaval” (Armandinho / Fausto Nilo): Mais uma composição inédita, ela mistura com perfeição elementos de rock, do Caribe e dos trios elétricos. Na voz de Armandinho, que também esbanja sua guitarra baiana, é outro irresistível convite à folia.

“Olhos d’água” (Mú Carvalho / Pierre Aderne / Alexia Bomtempo): A terceira composição inédita no disco é uma balada romântica com tinturas progressivas que Mú canta (e pilota Moog Voyager, mellotron e piano), com vocais de Ana Zingoni.

“Semente do amor” (Mú Carvalho / Moraes Moreira): Para fechar o álbum, mais um sucesso lançado em “Transe total” (1980), que volta num dueto de Mú com Alexandre Carlo, o cantor do grupo Natiruts.

​ WORK SHOW LANÇA ESCRITÓRIO QUE VAI TRABALHAR COM FOCO EXCLUSIVO NA REGIÃO NORDESTE

​​

Eberth Santos, Fernando Parente, Toninho Duettos, Wander Oliveira, Douglas Santos, Eugenio                                                                    Parente e Filipe Risse (Foto: Nara Fassi)

 

Que a Região Nordeste é uma potência em diferentes aspectos, isso todo mundo sabe. Detém a segunda maior população do Brasil com cerca de 57 milhões de habitantes, o segundo maior colégio eleitoral e o terceiro maior PIB do país. Além disso, é um dos destinos mais procurados por turistas do mundo inteiro. No entretenimento, destaca-se como centro das mais diversas manifestações culturais.

Quem nunca ouviu falar no São João do Nordeste ou no carnaval de Salvador? Nos bonecos gigantes de Olinda, no frevo, no forró, no axé ou no reggae que embala os maranhenses? E nos shows de humor que lotam as barracas de praia de Fortaleza? No bumba meu boi, no maracatu ou nas micaretas que atraem pessoas de todos os cantos do país e fazem uma mistura de ritmos que agradam a todos os gostos?

Foi observando o comportamento do mercado musical e a forma de como os nordestinos abraçaram a música sertaneja e seus respectivos artistas, que a gigante Work Show – uma das mais importantes empresas da indústria do entretenimento no Brasil – resolveu fazer um trabalho exclusivo para o Nordeste, dando à marca o sobrenome da região. O lançamento da WORK SHOW NORDESTE aconteceu na noite desta terça-feira (17), em coquetel realizado em Fortaleza-CE, cidade onde está instalada a nova sede da produtora, e contou com a presença de empresários do show business de várias partes do país.

“Eu não nasci no Nordeste. Mas meu coração nasceu. Eu me apaixonei pelo Nordeste antes mesmo de pisar o pé aqui. Não troco, não dou, não vendo o amor que tenho por vocês e que vocês têm por mim. Meu coração mora nessa terra e eu jamais vou abrir mão. Sentia que o público nordestino era fiel. A mulher que deixa de comprar uma sandália, de fazer uma escova, para curtir seu show. Comecei aqui, depois fui espalhando para as outras partes do país. Não consegui descer por um ano. Fiz cerca de 120 shows nessa terra”, Marília Mendonça em declarações sobre o início da carreira na Região Nordeste.

A Work Show Nordeste terá à frente quatro empresários cearenses que carregam na bagagem um know how já consolidado no universo de mega produções e agenciamento artístico. Douglas Santos, Eberth Santos, Eugenio Parente e Fernando Parente conhecem bem o mercado de eventos e dirigem paralelamente a D&E Entretenimento e, junto a outros sócios, fazem parte da diretoria da 7tons Eventos. “Com a instalação do escritório em uma capital nordestina, vamos facilitar, valorizar e aproximar ainda mais o público da região aos maiores eventos e artistas do Brasil”, afirma Eberth.

Dona do cardápio artístico mais cobiçado do momento, o casting da Work Show é formado por Marília Mendonça, Henrique e Juliano, Maiara e Maraisa, Zé Neto e Cristiano, Naiara Azevedo, Marcos e Belluti, Jads e Jadson, Kleo Dibah, Breno e Caio César e Luiza e Maurílio. E para quebrar o monopólio do ritmo sertanejo, o cantor Léo Santana integra o time com a swingueira baiana.

A produtora assina, além da carreira dos artistas, eventos que conquistaram o público brasileiro e se firmaram no calendário anual de grandes shows. Sob os cuidados da Work Show, o Festeja passou a ser considerado o ‘Melhor Festival de Música Sertaneja’ do Brasil. É um mega festival itinerante com agenda mais extensa, ultrapassando 30 edições por ano. Em 2017, foi o primeiro do segmento a cruzar fronteiras e chegou a Boston – EUA, Lisboa – POR, Londres – ING e Bruxelas – BEL.

Já a ‘Festa das Patroas’, tem mais de 40 edições por ano e é protagonizada por Marília Mendonça e Maiara e Maraisa. A grade não se limita a atrações femininas, mas tem a mulher como foco. Já no noroeste paulista, a Work Show revitalizou o Recinto de Exposições de Mirassol, de forma totalmente privada. Mais de 50 mil pessoas testemunharam em quatro dias de festa, a volta do orgulho da população de Mirassol. Em 2018, foi a vez do lançamento do Skuta, um festival que promete ser um divisor de águas fazendo as melhores combinações musicais, passando pelo sertanejo, forró, axé, eletrônico, pop, rock, funk e muito mais.

A Work Show nasceu em 2006 fruto de um sonho de Wander Divino de Oliveira: construir a melhor empresa de entretenimento artístico do Brasil. Talvez o maior diferencial da empresa seja o fato de já ter nascido grande. Não em tamanho ou estrutura, mas em ideais. Em resposta ao esforço, a Work Show passou a colher frutos sem interromper a semeadura. Com o crescimento estrutural, o aprimoramento e evolução do seu casting e equipe, o time cresceu e a notícia se espalhou. Hoje temos os artistas mais consagrados na música brasileira, apresentando números físicos e digitais surpreendentes para os padrões nacionais.

Silva traz ao Theatro Via Sul Fortaleza seu novo show “Brasileiro”

 

O Theatro Via Sul Fortaleza apresenta nos dias 20 e 21 de julho, às 21h, o show da nova turnê do cantor Silva, que lançou recentemente seu quarto álbum de inéditas, “Brasileiro. Nessa nova turnê, mais do que nunca, Silva se dedica intensamente a construir novos caminhos entre tempos e estéticas musicais diferentes, mostrando toda força de um dos nomes mais produtivos e criativos dessa geração.

Silva se apresenta na companhia de de Lucas Arruda (baixo, synth e piano) e Hugo Coutinho (bateria e programações).

Três anos após o lançamento de Júpiter (2015), terceiro álbum da carreira, o cantor e compositor capixaba Silva está de volta com um novo trabalho de estúdio: Brasileiro (2018). São 13 composições inéditas (duas delas instrumentais) em que o músico se concentra em explorar um material claramente inspirado pelos ritmos e referências nacionais, sonoridade reforçada há poucos dias no lançamento de A Cor É Rosa, primeiro single do disco.

Sequência ao bem-recebido Silva Canta Marisa (2016), obra em que revisitou a carreira da cantora carioca Marisa Monte, Brasileiro brinca com elementos do samba e bossa nova enquanto costura batidas eletrônicas e sintetizadores, marca do artista desde a estreia com Claridão.
Serviço:
SILVA – Brasileiro

Datas: 20 e 21 de julho de 2018
Horário: 21 horas
Local: Theatro Via Sul Fortaleza – Av. Washington Soares, 4335 – Edson Queiroz
Ingressos: Inteira R$ 80 e meia entrada R$ 40
Capacidade do Teatro: 732 Pessoas
Informações: (85) 3099-1290
Horário de funcionamento da bilheteria: De segunda a domingo, das 10 às 22h, inclusive feriados.
Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.
Estacionamento no Shopping Via Sul

EM JULHO, TEATRO DA PRAIA OFERECE PROGRAMAÇÃO VARIADA

 

 

 

O Teatro da Praia, equipamento cultural independente com 25 anos de atividades em Fortaleza, oferece uma programação artística diversificada para esse mês de julho. Após o Sucesso das duas sessões da comédia “AS VIZINHAS”, o diretor e ator Carri Costa confirmou uma série de atrações que incluem teatro, música e exposição, agendados para as sextas, sábados e domingos de julho.

 

Programação julho:

MOSTRA:
O espaço oferece a exposição especial “FESFORT 20 Anos”, que exibe a memória visual do Festival de Esquetes de Fortaleza que fora produzido pelo Teatro da Praia entre 1996 e 2016, promovendo a participação de mais de 500 artistas. Dias 20, 21, 22, 28 e 29 de julho, a partir das 19h, com ENTRADA GRATUITA.

TEATRO:
O palco do Teatro da Praia terá apresentações das esquetes “Elucubrações” (20/7), e “Querer, Comer, Ver” (21 e 22 de julho), com ENTRADA GRATUITA.

MÚSICA:
Em parceria com o SESC e como parte do ciclo SESC Sonoridade, o Teatro também traz shows musicais de músicos e grupos locais, tais como Masor Costa, Ronald Carvalho e Serrão Castro Carvalho. Dias 20 (21h), 21 (21h), 28 (20h) e 29 (19h) de julho, nos horários especificados, com ENTRADA GRATUITA.

COMÉDIA
A peça “As Vizinhas˜, conta a história de duas habitantes de um condomínio da avenida Leste-Oeste, que vão da maior rivalidade à mais profunda amizade, com muita diversão e risos ao longo do processo. Com mais de oito anos em cartaz, o espetáculo tem autoria e direção de Carri Costa, e interpretação dele junto a Solange Teixeira e Lucas Alexandre. Dias 14 e 15 de julho (20h), 28 (21h) e 29 (20h) de julho, com ingressos a R$20,00 e R$10,00.

 

Serviço:

Teatro da Praia: Rua José Avelino, 662, Praia de Iracema (a 150 metros do Dragão do Mar), Fortaleza-CE

https://www.facebook.com/ciacearensedemolecagem/ | Instagram: @teatrodapraia

Alfredo Dias Gomes resgata o inédito disco ECOS

 

Na esteira do elogiado CD JAM, lançado em janeiro deste ano, o baterista Alfredo Dias Gomes resolveu sacodir a poeira de seus antigos arquivos e disponibilizar, a partir deste mês nas plataformas digitais (iTunes, Spotify, Napster e CD Baby), seu nono CD solo, ECOS, gravado em 2000, porém nunca lançado. Assim como o CD JAM, o disco traz composições do baterista e foi gravado em trio, com Norman Sharp na guitarra (já tocou com Baby do Brasil, Eduardo Dusek, Léo Gandelman, dentre outros) e Igor Araújo no baixo (integrante do Vitória Régia durante a última turnê do Tim Maia, de 1997 a 1998), porém com profundas diferenças estilísticas e conceituais.

Ao contrário da performance mais espontânea e do improviso que nortearam seu último disco, ECOS manteve seu foco nas composições, nas melodias, acentos e grooves mais definidos.

Gravado e mixado naquele ano, o disco precisava de distribuição e prensagem, mas devido à percalços pessoais, o baterista não pôde levar adiante e concluir todas as etapas. “Passou o tempo, mudanças de equipamento, tecnologia e o disco ficou esquecido. Cheguei a pensar que tinha perdido as sessões do disco”, lembra. “Até que agora, em 2018, meu sobrinho Arthur me mandou uma música em que ele estava tocando baixo em cima…era a minha música “Ecos”, gravada só com teclados por mim quando fiz a composição.

Levei um susto, a música era legal e lembrei da gravação com a banda, tinha que recuperar isso!”. A partir daí, foi um pulo para que o baterista procurasse em mídias diferentes e em diversos back-ups antigos até reencontrar o disco. “Agora, num mundo de streaming e download, remixei o disco, mandei masterizar online nos Estados Unidos, e lanço, neste momento, do meu estúdio direto para distribuição nas plataformas digitais.Viva as novas tecnologias!”, conclui.

O disco abre com “Norman’s Funk”, composição do guitarrista que despertou em Dias Gomes a ideia de gravar o disco todo. A faixa-título “Ecos” é inédita e foi composta baseada no groove do baixo e um refrão bem melódico. Já “Renata”, também autoral, foi dedicada à filha, gravada no seu primeiro dico solo (de 1991), e muito tocada na época na Globo FM. A música foi gravada para esse disco com um arranjo bem intimista da banda.

Originalmente em ritmo de afoxé no disco Atmosfera (1996), “Ladeira da Fonte” ganhou aqui uma versão rock/instrumental. Também inédita, “Starlight” foi composta na mesma época da música Ecos e se apresenta como um poprock instrumental, de melodia com muito “feeling”. O super groove “Copa 79” é uma composição do baixista Igor Araújo, com destaque para o solo do autor. O funk/rock “Camaleão”, inédita na época, foi mais tarde gravada no disco Corona Borealis (2010), porém com arranjo mais jazzístico. Em homenagem à casa de shows dos anos 80, no Alto da Boa Vista, onde montou sua primeira banda instrumental, “Existe um Lugar” foi gravada no primeiro disco solo do baterista, mas aqui ganhando uma versão jazz-rock, com destaque para o solo de bateria.

 

ALFREDO DIAS GOMES

Nascido no Rio de Janeiro, em 1960, Alfredo Dias Gomes estreou profissionalmente na Música instrumental aos 18 anos, tocando na banda de Hermeto Pascoal. Gravou o disco “Cérebro Magnético” e tocou em inúmeros shows, com destaque para o II Festival de Jazz de São Paulo e o Rio Monterrey Festival. Alfredo tocou e gravou com grandes nomes da música instrumental como Márcio Montarroyos, Ricardo Silveira, Torcuato Mariano, Arthur Maia, Nico Assumpção, Guilherme Dias Gomes, Luizão Maia, entre outros. Na MPB e no Rock, tocou com Ivan Lins, participou do grupo Heróis da Resistência, tocou e gravou com Lulu Santos, Ritchie, Kid Abelha e Sergio Dias, entre outros.

Completam sua discografia os CDs JAM (2018), Tributo a Don Alias (2017), Pulse (2016), Looking Back (2015), Corona Borealis (2010), Groove (2005), Atmosfera (1996, com participações de Frank Gambale e Dominic Miller); Alfredo Dias Gomes (1991, com a participação especial de Ivan Lins) e o single Serviço Secreto, de 1985.

 

 

CD ECOS – Alfredo Dias Gomes – Links para download ou streaming

 

https://open.spotify.com/album /4OWfiHNlQwKbCJE0vjE5OB?si=BQC XRnocRJClakAJWWp0RA

https://itunes.apple.com/br/al bum/ecos-feat-norman-sharp-igo r-ara%C3%BAjo/1396863122

 

http://store.cdbaby.com/cd/alf redodiasgomes8

https://br.napster.com/artist/ alfredo-dias-gomes/album/ecos- feat-norman-sharp-and-igor-ara ujo

 

 

CD JAM – Alfredo Dias Gomes – Links para download ou streaming

 

https://open.spotify.com/album /7h8bvSNrmKr0aU0b65Gnv3 

https://itunes.apple.com/br/al bum/jam/1321749461 

https://store.cdbaby.com/cd/al fredodiasgomes9

Palco Sobral Shopping recebe diversos ritmos musicais durante o mês de agosto

 
O Sobral Shopping divulgou as atrações musicais que estarão no Palco Sobral Shopping durante o mês de agosto. Todas as sextas e sábados, a partir das 19h, na Praça de Alimentação, o público poderá curtir vários ritmos e repertórios diversos interpretados pelos melhores músicos da cidade. O acesso é gratuito. O Palco Sobral Shopping conta com o patrocínio do Burger King Sobral e apoio da Gráfica Ocean.

 

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO:

Sexta – 03/08 – Adam Ferrer – Pop Nacional e Internacional
Sábado – Pedro Wagson – Sertanejo

Sexta – 10/08 – Márcio Brandão – Samba e MPB
Sábado – 11/08 – Marcos Nogueira – Pop e Sertanejo
Domingo (dia dos pais) – 11/08 – Dyego Moraes – Pop Nacional e Internacional

Sexta – 17/08 – Almir Martins – MPB Regional
Sábado – 18/08 – Mário Paiva – Pop e MPB

Sexta – 24/08 – Juca Viana – MPB

Sexta – 31/08 – Luís Cleiton – MPB

 

Sobre o Sobral Shopping

O Sobral Shopping é um complexo multiuso que oferece aos seus clientes um ambiente seguro e climatizado com diversas opções de compras, entretenimento e serviços, além de uma torre empresarial e um hotel, tudo em um só lugar. Atualmente, conta com 158 operações, dentre elas as âncoras Riachuelo, Lojas Americanas, Marisa e LeBiscuit, além da academia Smart Fit.

O complexo Multicine Cinemas do Sobral Shopping possui cinco salas, sendo duas em 3D, com capacidade total de 1.008 lugares. As salas são digitalizadas com equipamento de última geração com tecnologia 100% digital. As telas são consideradas as maiores do nordeste.

O Shopping também conta com um amplo estacionamento, agora mais seguro, além de uma completa Praça de Alimentação com diversas opções gastronômicas.

Guto Ribeiro e Xandynho comandam o sábado do Bar do Cebolinha Maraponga

 

O Bar do Cebolinha Maraponga reúne neste sábado o melhor do sertanejo e para abrilhantar a “Baladinha Sertaneja” recebe os cantores Guto Ribeiro e Xandynho Diferenciado, a partir das 21 horas. E mais: André Vinícius e Lucas Senna.

 

 

Guto Ribeiro
Há quatro anos em carreira solo, com seu estilo renovado, Guto é atração nas melhores casas de shows de Fortaleza, interior do Ceará e outros estados do país, como Piauí, Paraíba, Rio Grande do Norte e Goiânia, levando muita energia por onde passa e arrastando a legião de fãs que conquistou durante sua trajetória. Em novembro de 2015, Guto gravou um DVD solo com megaestrutura e participações especiais na casa de shows Saloon Western Pub, em Fortaleza.

A canção intitulada “A Porca e o Parafuso”, composta por Guto em homenagem à esposa, Lorrane Cabral, tornou-se música de trabalho após o sucesso do videoclipe que tem a faixa como trilha sonora e mostra cenas reais do casamento e lua de mel de Guto e Lorrane. Outros sucessos como “Vira Copo”, “Obedece”, “Tá na Cara” e “No apagar da luz” compõem o setlist autoral de Guto Ribeiro.

 

Xandynho Diferenciado

Felipe Uchôa Bezerra de Oliveira, ou simplesmente Xandynho Diferenciado, iniciou sua carreira aos seis anos de idade quando ganhou um concurso para ser cover do cantor Xandy, do Harmonia do Samba. Após a vitória, se apresentou em vários programas nacionais, como o do Raul Gil, fez participação no Carnaval de Salvador, em 2004, junto com a dançarina Carla Perez no bloco Algodão Doce, dentre outras participações com o Harmonia do Samba pelo Nordeste.

Aos sete anos de idade recebeu o convite do cantor Felipão, que na época estava no Forró Moral onde gravaram juntos dois DVD´s, consolidando o sucesso “Quebra menino”, música que identificou e marcou sua carreira na banda. Gravou seu primeiro CD aos 9 anos de idade, mas manteve a parceria com o cantor Felipão. Dois anos depois, fez parte de algumas bandas de Fortaleza e, desde então, vem conquistando seu espaço no mercado.

Xandynho teve seu primeiro show no dia 19 de abril do ano de 2016, onde também foi lançado seu primeiro CD com a música “Não deu valor perdeu”, onde percorreu toda a capital do forró e parte do Ceará. No final do ano de 2016, lançou mais um disco com duas músicas autorais, já dando início ao ano de 2017. Esse ano promete vir com novidades e uma proposta única com repertório autoral.

 

SERVIÇO
Baladinha Sertaneja com Guto Ribeiro e Xandynho Diferenciado
Bar do Cebolinha Maraponga – Av. Godofredo Maciel, 711 – Maraponga
Data: 30 de junho (sábado)
Horário: a partir das 21h
R$ 10,00 (piso superior)
Informações: (85) 99765-8079
@bardocebolinhamaraponga

Tulipa Ruiz apresenta “TU” dia 1º de julho no Cineteatro São Luiz

 

Em “TU”, Tulipa Ruiz apresenta um espetáculo em violão, voz e algumas percussões. “Em tempos de relações rasas, esse é um disco que me aproxima do ritual da fogueira. Do olho no olho. Dos meus amigos. Os antigos e os novos. Os da floresta e os da cidade. Tu sou eu, Gustavo e Stéphane San Juan. Gustavo Ruiz no violão e na inventação das músicas junto comigo. Stephane nas percussões.”, afirma a cantora que se apresenta no dia 1º de julho, às 18h, no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult). Os ingressos para o evento começam a ser vendidos nesta sexta-feira (15/6), às 10h, na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus (com taxa de conveniência).

Em “TU”, Tulipa apresenta novas canções e releituras, como: “Pedrinho”, “Desinibida” (parceria com o músico português Tomás Cunha Ferreira da banda “Os Quais”), “Algo Maior” e “Dois Cafés”. Das novas: “Pólen”, “Game” e “Tu” em parceria com Gustavo Ruiz; “Terrorista del Amor”, segunda experiência da cantora em uma composição coletiva (parceria com Ava Rocha, Paola Alfamor, Gustavo Ruiz e Saulo Duarte); “Pedra” (Luiz Chagas). “Esse disco me aproxima de todos os meus cordões umbilicais”, destaca Tulipa.

SERVIÇO:
Tulipa Ruiz apresenta “TU”
Data: 01/07 (domingo), às 18h
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
À venda na bilheteria do Cineteatro de terça a sábado, das 10h às 18h30, ou através do site da Tudus (http://www.tudus.com.br/).
Classificação indicativa: Livre
Duração: 70

Júnior Vianna, Chicabana e Forró de Qualidade são as atrações que vão animar o Barril West logo após o jogo do Brasil, domingo (17)

 

 

Futebol, forró e axé vão se misturar neste domingo (17) no Barril West. A partir das 14 horas, a casa vai abrir os portões para transmitir ao vivo o primeiro jogo da seleção brasileira contra a Suíça. Logo após a partida, o cantor Júnior Vianna sobe ao palco para embalar os forrozeiros. O axé fica por conta da banda baiana Chicabana. Os meninos do Forró de Qualidade completam a festa.
Serviço;

Atrações: Junior Vianna, Chicabana e Forró de Qualidade

Data: Domingo, 17 de junho

Local: Barril West (Avenida Godofredo Maciel – Maraponga)

Hora: A partir das 14 horas

Valor: R$30 pista | R$50 camarote

Vendas: Lojas Blinclass

Mais informações: 85 9 8773.7330