Browsing Tag

Espetáculo

BLUBELL APRESENTA SHOW “CONFISSÕES DE CAMARIM” NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA

 

Foto do album “Blubell – Confissões de Camarim”

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 19 a 21 de outubro, o show “Confissões de Camarim”, em que a cantora e compositora paulista Blubell interpreta canções do seu quinto álbum (homônimo ao espetáculo), lançado em 2016. No repertório, misturas de música pop contemporânea e jazz com a performance teatral de Blubell, que também entoa faixas de discos anteriores. Ela ainda empunha guitarra em algumas músicas e sobe ao palco com a banda composta por Bruno Serroni (violoncello), Zé Ruivo (teclados) e Richard Ribeiro (bateria e programações). O show se desvenda como uma peça de teatro em três atos: “o primeiro ato é mais dançante, o segundo mais romântico e o terceiro mais ‘maluquete'”, aponta a artista.

Produzido por Marcio Arantes (Liniker e Mariana Aydar), que trouxe ao álbum novas tonalidades contemporâneas à provocante verve vintage da cantante, “Confissões de Camarim” consagra Blubell como uma das vozes brasileiras da atualidade e pelas composições autorais. Sua assinatura permeia as 11 faixas do disco, que conta ainda com participação de Zeca Baleiro em “A Tardinha”, com letra do maranhense, e a versão da cantora para “Pretexto”, de Pélico. Blubell segreda penitências de amor, prazeres e fluências vindas com as cores lustradas do cotidiano, entre poéticas revelações, finas doses de ironia e encantamentos da vida, como na bossa-novista “Vida em Vermelho” com levada ska; na balada “Cosmos”; em “Another Day”, cantada em inglês e com pegada beatlemaníaca e no “Bolero do Bem” com nuances de reggae.

A multiplicidade rítmica traz músicas modernas com cara de antigas, como “Funny Honeymoon” e “Ontem”, além da diversidade em “Liberdade X Segurança”, canção mais existencialista que romântica; na mensagem irmanada ao público em “No Camarim” e na final “We’re All Alone”. No show, Blubell ainda retoma discos anteriores, como “Eu Sou do Tempo Em Que A Gente Se Telefonava” e “Diva É A Mãe”, entre as embaladas revelações de “Confissões de Camarim”.

 

Incentivo à cultura:

A CAIXA investiu mais de R$ 385 milhões em cultura nos últimos cinco anos. Em 2018, nas unidades da CAIXA Cultural em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, está prevista a realização de 244 projetos de Artes Visuais, Cinema, Dança, Música, Teatro e Vivências.

A CAIXA Cultural Fortaleza oferece, desde 2012, uma programação diversificada, com opções gratuitas ou a preços populares, estimulando a inclusão e a cidadania. O espaço, situado em um prédio histórico na Praia de Iracema, conta com um cine-teatro com 181 lugares, três amplas galerias de arte, sala de ensaios, salas para oficinas de arte-educação, foyer, café cultural e livraria, além de um agradável jardim e espaços para convivência e realização de eventos.

 

Serviço:
[Música]: Confissões de Camarim

Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema.
Data: de 19 a 21 de outubro de 2018 (de Sexta-feira a Domingo)

Horário: Sexta-feira e sábado às 20h (19 e 20/10) e domingo às 19h (21/10)

Classificação indicativa: Livre

Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada para estudantes, professores, funcionários e clientes CAIXA e pessoas acima de 60 anos).

Vendas a partir de 18 de outubro, das 10h às 20h

Paraciclo disponível no pátio interno

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

Cia Solar de Dança apresenta o espetáculo Maracatuará – Nascendo com o Sol no Teatro Chico Anysio

 

 

A Cia Solar de Dança apresenta durante o feriado prolongado, o espetáculo “MARACATUARÁ – Nascendo com o Sol”. O espetáculo em cartaz nos dias 12, 13 e 14 de outubro, às 19h, no Teatro Chico Anysio, no qual celebra o encontro da ancestralidade com o brincar, reverenciando a história do Ceará e a estética da manifestação do maracatu cearense, além de cortejar a nossa variedade de sons, ritmos, cores e corpos dançantes que se farão abertos na brincadeira. Neste trabalho de estreia, o grupo conta com 16 componentes, entre dançarinos, batuqueiros e cantores. As músicas são interpretadas ao vivo.

 

A Cia Solar de Dança

Fundada em 2016, a Cia Solar de Dança é institucionalmente um programa de formação cultural continuada da Associação Cultural Solidariedade e Arte – SOLAR. Sua criação se deu com forte fundamentação histórica no universo das manifestações populares como o maracatu, e tem como objetivo agregar valores a esta importante manifestação cultural de Fortaleza, e servir como instrumento de formação de novos praticantes (brincantes) de maracatu na capital cearense.

A Cia tem à frente os atores/dançarinos Gil Rodriguês e Débora Ingrid, responsáveis pela concepção do espetáculo. Outro aspecto importante do grupo, é seu caráter de formação com oficinas ministradas semanalmente.

 

Serviço
Cia Solar de Dança

“MARACATUARÁ – Nascendo com o Sol

Teatro Chico Anysio

Av. da Universidade, 2175 – Benfica
Dias: 12, 13 e 14 de outubro às 19h
Ingressos: R$ 20 inteira / R$ 10 (meia)

· As 20 primeiras pessoas pagam R$ 10 reais

Nova versão do clássico de Chico Buarque e Paulo Pontes, Gota d’Água [a seco], chega à Fortaleza

 

 

Em dezembro de 1975, Bibi Ferreira subia ao palco do Teatro Tereza Rachel (Rio de Janeiro) para estrear Gota D’Água, transposição da tragédia grega Medeia, de Eurípedes, para a realidade de um conjunto habitacional do subúrbio carioca. Com um arrojado texto em versos de Chico Buarque e Paulo Pontes e canções como Basta um Dia, o espetáculo marcou época e se tornou um clássico moderno do Teatro Brasileiro.

Mais de quatro décadas depois, a história voltou à cena com uma adaptação absolutamente inédita do diretor Rafael Gomes. Batizada de Gota D’Água [a seco], a nova versão estreou no Rio de Janeiro em maio de 2016. Contemplado pelo edital da BR, o espetáculo chega a Fortaleza dias 3 e 4 de novembro, no Cineteatro São Luiz, às 19 horas. No palco, Laila Garin e Alejandro Claveaux são acompanhados por cinco músicos sob a direção musical de Pedro Luís.

Como ‘a seco’ do título já indica, a montagem busca chegar à essência da história, através dos embates entre os protagonistas, Joana e Jasão, ainda que outros personagens do original também apareçam na adaptação. Mesmo com parte da trama sociopolítica reduzida na versão, Rafael Gomes reitera que a sua leitura da peça é focada em sua natureza política, cruelmente atual.

“A Gota D’Água original possui uma trama política bastante latente em seu embate entre opressores e oprimidos. Ao concentrar a história em Joana e Jasão, em suas ideologias, ações e sentimentos, eu gostaria ainda assim de falar sobre essa política mais essencial da vida, do dia a dia, essa que a maioria das pessoas sublima, esquece ou finge que não é com elas, achando que ser político é somente saber apontar o dedo para o adversário e se manifestar eventualmente por aquilo que interessa, de forma um tanto o quanto individualista”, afirma o diretor, que manteve toda a estrutura formal da peça e inseriu novas canções e pequenas citações de letras de Chico Buarque em algumas passagens do texto.

Gota D’Água [a seco] é o primeiro espetáculo que Rafael Gomes dirigiu fora de sua companhia, a Empório de Teatro Sortido, de onde trouxe alguns colaboradores para esta montagem, como o cenógrafo André Cortez (Prêmio Shell por Um Bonde Chamado Desejo, 2015) e o iluminador Wagner Antônio. Rafael foi convidado pela produtora Andréa Alves, da Sarau Agência, e por Laila Garin para embarcar no projeto.

Estrela de Elis – A Musical, Laila experimenta agora um novo desafio em cena: além de interpretar a mítica personagem eternizada por Bibi Ferreira, dá voz a músicas que não faziam parte da peça original, como Eu Te Amo, Baioque e Cálice. Revelado no projeto Clandestinos, Alejandro Claveaux interpreta o personagem que já foi de Roberto Bonfim e Francisco Milani (na temporada paulistana, em 1977).

 

Uma tragédia carioca, embates universais

Chico Buarque e Paulo Pontes começaram a trabalhar no texto original a partir de uma transposição que Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974) havia feito para a televisão. A feiticeira Medeia virou Joana, moradora do conjunto habitacional Vila do Meio-Dia, mãe de dois filhos, frutos de seu casamento com Jasão, alguns anos mais novo do que ela. Compositor popular, Jasão é cooptado pelo empresário Creonte, que o ajuda a fazer sucesso, e termina por largar Joana para se casar com a filha do milionário. A trama passional – que culmina na vingança de Joana –  tem como pano de fundo as injustiças sociais pelas quais os moradores do local passam, vítimas da exploração de Creonte, todo-poderoso da região.

Por conta deste acúmulo de tensões, Rafael Gomes elegeu o embate como o conceito central de sua montagem. Não somente o embate amoroso, que está no cerne da trama do casal, mas também o social, em um sentido mais amplo, e, principalmente, o íntimo. “São as batalhas internas a que as circunstâncias externas nos sujeitam. Jasão no conflito entre o que está ganhando e o que está deixando para trás, assim como Joana na decisão entre ir às últimas consequências para se vingar ou simplesmente seguir vivendo – o embate entre o humano e o divino, o terreno e o espiritual’, conclui o diretor.

Com esta nova e enxuta adaptação, as músicas que não estavam no original entram justamente para servir à dramaturgia, ao contar partes da história, revelar melhor o caráter e as contradições das personagens, além de amplificar alguns contextos e situações que precisaram ser sumarizados. A entrada de Pedro Luís na direção musical vem ao encontro da vontade de não fazer necessariamente um musical tradicional. “É um arejamento, um olhar diferente. Pedro fez com as canções, todas já tão conhecidas e consagradas, o que eu pretendo fazer com a dramaturgia: dar uma nova dimensão, jogar uma luz por um lado que não estamos acostumados a ver. Isso não implica em uma ambição de ‘melhorar’ nada, apenas de tentar pensar e criar por um caminho menos óbvio”, ressalta Rafael.

 

Música, letra e teatro

Laila Garin sempre teve a carreira teatral atravessada pela música, seja em shows paralelos ou na série de espetáculos musicais que protagonizou recentemente. Após ter iniciado a vida artística em Salvador, sua cidade natal, ela se mudou para o São Paulo e trabalhou com Luiz Carlos Vasconcelos, a Cia. Piolim, antes de ficar por sete anos na Casa Laboratório, dirigida por Cacá Carvalho e a Fondazione Pontedera. Após o período na capital paulista, fixou residência no Rio de Janeiro, onde estrelou Eu Te Amo Mesmo Assim (2010), musical supervisionado por João Falcão, diretor de Gonzagão – A Lenda (2012), do qual Laila fez parte por algumas temporadas.

A sua recriação do mito Elis Regina em Elis – A Musical (2013) provocou um verdadeiro fenômeno teatral de público e crítica, coroado com todos os principais prêmios de atuação do País: APCA, APTR, Bibi Ferreira, Cesgranrio, Quem, Reverência e Shell. No último ano, ainda esteve em O Beijo no Asfalto, versão musical de Claudio Lins para o clássico de Nelson Rodrigues, e estreou na TV na novela Babilônia, de Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga.

Andréa Alves abraçou a empreitada de revitalizar a tragédia e as canções de Gota D’Água após produzir a recente montagem de Ópera do Malandro, em cartaz por quase dois anos com enorme sucesso popular. À frente da Sarau Agência desde a sua fundação, em 1992, também é a responsável pelo Festival Villa-Lobos e os musicais Grande Otelo – Eta Moleque Bamba!, Gonzagão – A Lenda e Auê, nova criação da Cia. Barca dos Corações Partidos.

Da mesma forma, a música sempre foi um elemento determinante no teatro de Rafael Gomes. Seu texto de estreia, Música Para Cortar os Pulsos (prêmio APCA de Melhor Peça Jovem, 2010), era estruturado a partir de citações musicais e trechos de letras, enquanto nos espetáculos seguintes a trilha sonora sempre exerceu um relevante diálogo com a dramaturgia, caso de Gotas D’Água Sobre Pedras Escaldantes (2014) e Um Bonde Chamado Desejo (2015), que acaba de lhe render o Prêmio Shell de Melhor Direção. Ele considera Gota D’Água [a seco] o seu primeiro musical, embora prefira pensar na montagem como uma “peça com música”.

“Quando Andréa e Laila me convidaram para este trabalho, para além de todo deleite imediato que seria trabalhar com ambas, a ‘questão Chico Buarque’ também calou fundo. Não só pelos motivos óbvios, de Chico ser esse artista gigante, mas porque minha trajetória no teatro está carimbada pela obra dele. A primeira peça que fiz na vida foi como assistente de direção e dramaturgista de Calabar, em 2008, numa montagem dirigida por Heron Coelho. E já dirigi uma releitura de Cambaio, que chamamos também de Cambaio [a seco], em caráter de evento, com apenas sete apresentações”, conta Rafael, que sempre foi admirador de musicais, “de Brecht a Sondheim, passando pelos filmes da Disney e Bob Fosse. Espero que este seja o primeiro de vários”, ressalta.

 

Ficha técnica:

GOTA D’ÁGUA [A SECO] – De Chico Buarque e Paulo Pontes. Adaptação e direção: Rafael Gomes. Com Laila Garin e Alejandro Claveaux. Músicos: Pedro Silveira, Diogo Sili, Marcelo Muller, Luiz Urjais e Marcelo Cebukin. Direção Musical: Pedro Luís. Cenografia: André Cortez. Iluminação: Wagner Antônio. Figurinos: Kika Lopes. Direção de Produção: Andréa Alves. Diretor assistente e direção de movimento: Fabrício Licursi. Design de som: Gabriel D’angelo. Preparação e arranjos vocais: Marcelo Rodolfo e Adriana Piccolo. Assistente de direção musical: Antônia Adnet. Assistente de cenografia: Rodrigo Abreu. Coordenação de Produção: Leila Maria Moreno.

 

Serviço:

GOTA D`ÁGUA [A SECO]

Dias: 3 e 4 de novembro – Sábado 19h e domingo 18h
Local: Cineteatro São Luiz – Rua Major Facundo, 500 – Centro
Classificação: 14 anos
Duração: 100 minutos
Gênero: Musical
Ingressos: R$ 25,00 inteira | 12,50 meia
Vendas: na bilheteria do teatro e no site => www.tudus.com.br

No elenco, Laila Garin e Alejandro Claveaux.

VENCEDOR DO PRÊMIO CESGRANRIO: Melhor Atriz em Musical – Laila Garin.
VENCEDOR DO PRÊMIO BIBI FERREIRA: Melhor Atriz em musical – Laila Garin e Melhor Desenho de Luz – Wagner Antônio
VENCEDOR DO PRÊMIO CENYM: Melhor Trilha Sonora Original ou Adaptada – Pedro Luis e Melhor Canção Original ou Adaptada – Cálice, por Laila Garin (voz) e Pedro Luís (arranjos).
VENCEDOR DO PRÊMIO ARTE QUALIDADE BRASIL: Melhor atriz em Musical – Laila Garin
VENCEDOR DO PRÊMIO MUSICAL CAST: Melhor Musical Brasileiro, Melhor Direção – Rafael Gomes e Melhor Atriz – Laila Garin.
VENCEDOR DO PRÊMIO REVERÊNCIA – Melhor Atriz em musical – Laila Garin
VENCEDOR DO PRÊMIO APLAUSO BRASIL: Melhor Atriz – Laila Garin, Melhor Iluminação – Wagner Antônio e Melhor Arquitetura Cênica – André Cortez

 

Este projeto foi aprovado pelo edital de circulação da BR e se apresentará nas cidades de Campinas, Fortaleza e Recife.

Espetáculo inspirado na obra de Jorge Amado chega a Caixa Cultural Fortaleza

Crédito: Silvia Machado

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 26 a 28 de outubro de 2018, “Amado”, romance-imaginário que procura levar ao palco a forma de escrita de Jorge Amado, que soube magnificamente traduzir a alma coletiva do povo brasileiro. O espetáculo nasceu no Instituto Brincante, criado e dirigido há mais de 25 anos por Antônio Nóbrega, consultor artístico da peça, e Rosane Almeida, que assina roteiro, montagem e direção. Após a sessão do dia 27 haverá bate-papo do grupo com o público.

“Amado” é um livro vivo para o palco. Várias histórias se entrelaçam numa dramaturgia que contempla uma visão de amor que passa pelos diversos personagens encontrados na obra do autor e ganham vida na voz e no corpo de nove brincantes. Pode também ser visto como uma obra brasileira que usa dança, música, circo e teatro para contar histórias para público de todas as idades, gêneros e classes sociais.

A peça trama diversos personagens que se fundem em uma história. A principal obra inspirada foi Os Velhos Marinheiros ou O Capitão de Longo Curso, passando por personagens de Gabriela Cravo e Canela; Tenda dos Milagres; Tocaia Grande; Terras do Sem Fim; A morte e a morte de Quincas Berro D’água; Jubiabá e Dona Flor e seus Dois Maridos.

O cenário busca, através de peças criadas com material de demolição (basicamente pallets), servir como complemento às narrativas da peça. Tanto o cenário quanto a luz são assinados pela premiada Marisa Bentivegna. Os figurinos tiveram inspiração nas obras de Caribé, que através de pinturas, gravuras, ilustrações, murais e esculturas desvendam o povo baiano de uma maneira única, em afinidade com os personagens, a religiosidade e as cores eternizados pelo amigo Jorge. A trilha sonora, composta em parte pelo elenco e em parte por ele arranjada, é uma síntese dos ritmos brasileiros, explorando o que de melhor se criou na música instrumental. As letras transmitem poeticamente as passagens mais significativas da obra de Jorge Amado e as canções são interpretadas ao vivo em quase toda a duração da peça.

O espetáculo nasceu para homenagear não só o escritor Jorge Amado, mas, também um pensamento do qual compartilham tantos outros brasileiros ilustres, como Dorival Caymmi, Caribé, Darcy Ribeiro, Guimarães Rosa, Anísio Teixeira e muitos outros.

Serviço:

Teatro: Amado

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data: 26 a 28 de outubro de 2018

Horários: sexta-feira e sábado às 20h | domingo, às 19h

Após a sessão do dia 27 haverá bate-papo com o grupo.

Duração: 75 minutos

Classificação indicativa: livre

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Vendas a partir de 25/10, das 10h às 20h, na bilheteria do local

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

Youtuber Kim RosaCuca apresenta espetáculo no Theatro Via Sul Fortaleza

 

 

Considerada a maior youtuber nas áreas da Beleza, DIY e Life Style do Brasil, com mais de 6 milhões e meio de seguidores no seu canal do Youtube e mais de 3 milhões de seguidores em suas redes sociais, Kim RosaCuca apresenta seu espetáculo dia 29 de setembro, às 16h, no Theatro Via Sul Fortaleza.

Nesta peça, Kim traz para o palco uma apresentação sobre o sonho de muitas crianças e adolescentes: o sonho de cantar! E para isso conta com a participação de seus personagens do canal (todos interpretados por ela) para contar esta história divertida e cheia de realizações.

 

Sinopse

Valentina é uma menina alegre, sonhadora e muito fã da youtuber Kim RosaCuca. Com ela, Valentina aprende a fazer material escolar, bijuterias, enfeites e muitas outras coisas legais. Mas Valentina tem um grande sonho desde pequena. Ela quer muito ser cantora. Seu irmão, Joaquim, sempre gostou muito de dançar. Os dois cantavam e dançavam juntos por horas. Mas, a medida que foram crescendo, a realidade foi afastando o menino do seu sonho.

 

Quando Valentina e Joaquim mudam para uma nova escola, fazem novas amizades e conhecem muita gente legal, como a Karolyn e suas irmãs Robervalda e Charlene, o tio Careta e o solitário menino Punk. Valentina descobre que ele, apesar de ser esquisito, era um grande músico. Resolve então incentivar o garoto a se inscrever no Concurso de Talentos da escola. Assim, todo mundo poderia conhecer e admirar o Punk e ele deixaria de ser discriminado pela turma. Karolyn também ia se apresentar. Em seu canal, a Kim ensinou a fazer uma flor rosa-cuca de papel e explicou que esta linda flor tem um significado especial: “Siga em frente, prossiga, não desista”. E foi aí que Valentina criou coragem para participar. Era a sua grande chance de cantar em público!

 

Ficha Técnica

Texto e Direção: Dig Dutra

Atores: Kim Rosa Cuca e Felipe Mariano Direção de Produção: Nilza Guimarães Produção Executiva: Dezo Mota Cenário: Nello Maresse

Projeção Rico Villarouca Figuirno Nello Maresse

Classificação: LIVRE

 

Serviço:

KIM ROSACUCA

Local: Theatro Via Sul Fortaleza- Av, Washington Soares, 4335 Edson Queiroz

Data: 29 de setembro, às 16h

Ingressos: Ingressos: R$80/R$40 (inferior); R$60/30 (superior)

Pontos de venda: Bilheteria do Teatro Via Sul e no site ingresso rápido (www.ingressorapido.com.br)

Classificação indicativa: LIVRE

Capacidade do Teatro: 732 Pessoas

Telefone do teatro: (85) 3099-1290

Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.

Estacionamento no Shopping Via Sul

Júlia Dantas, sucesso do The Voice Brasil, se apresenta no Theatro Via Sul Fortaleza

 

 

Participante que abriu a atual temporada do reality show The Voice Brasil, e já fazendo as quatro cadeiras virarem para seu talento, Júlia Dantas se apresenta no Theatro Via Sul Fortaleza, dia 30 de setembro, às 19h.

Júlia fez da música um instrumento que transforma a vida e a realidade de dezenas de crianças em Fortaleza. E foi esse sonho de ampliar seu trabalho que a fez se inscrever no concurso. Tenente da Polícia Militar no Ceará, um de seus trabalhos é coordenar o projeto Acordarte, que ensina música para crianças de comunidades locais.

A paixão pela música começou já na infância, aos 11 anos, quando aprendeu a tocar violão. Aos 18, quando ingressou na faculdade de Direito, começou a trabalhar com música para ter uma renda durante o curso, apresentando-se em bares e fazendo shows em eventos fechados.

Após se formar, Júlia passou no concurso pra a Polícia Militar, onde ingressou como tenente e atua hoje como subcomandante de uma companhia. E foi durante uma operação em uma comunidade, ao ver a proximidade de crianças tão pequenas com a violência, que ela teve a ideia de resgatar a sua música para servir como instrumento para ajudar esses meninos e meninas. Assim nasceu o projeto Acorde’ Arte! “São crianças que brilham os olhos por um simples estender de mãos e a música mudou a realidade deles”, ressalta a cantora.

Selecionada para a sétima temporada do The Voice Brasil, Júlia iniciou sua participação no programa cantando a música “Começaria Outra Vez”, de Gonzaguinha. Ela escolheu o time de Ivete Sangalo para seguir na disputa, onde se destaca pelas elogiadas performances de clássicos da MPB como “Serrado”, de Djvan; “Vitoriosa”, de Ivan Lins; e escolheu “Explode Coração”, de Gonzaguinha, para cantar na batalha dos técnicos, sua última performance no programa.

 

Serviço:

JÚLIA DANTAS – RECOMEÇAR

Local: Theatro Via Sul Fortaleza (AV. WASHINGTON SOARES, 4335)

Data: 30 de setembro, às 19h

Ingressos: Ingressos: R$60/30

Pontos de venda: Bilheteria do Teatro Via Sul e no site ingresso rápido (www.ingressorapido.com.br)

Classificação indicativa: LIVRE

Capacidade do Teatro: 732 Pessoas

Telefone do teatro: (85) 3099-1290

Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.

Estacionamento no Shopping Via Sul

Gero Camilo traz “Andy” para o Cineteatro São Luiz


                                                        Fotos: Roberto Setton

 

O Cineteatro São Luiz será palco, no próximo dia 28 de setembro, de “Andy”, novo espetáculo da Cia Tertúlia de Acontecimentos. Com direção de Gero Camilo e texto também dele, em parceria com Victor Mendes, a peça faz um mergulho na vertiginosa trajetória do performer americano Andy Kaufman, um humorista à frente do seu tempo. O espetáculo dialoga com os pensamentos transgressores do artista tido como morto em 1984 nos EUA.
A história, uma “biografia ficcional”, traz Victor Mendes como Andy Kaufman e Gero Camilo como Laika, a cadela russa que foi o primeiro animal a viajar para o espaço. Gero interpreta ainda personagens que fizeram parte da vida do artista, como o empresário George Shapiro e o melhor amigo, Bob Zmuda. “Faremos um paralelo entre o homem que tira o pé do chão e está com a cabeça na Terra e o homem que está na Terra mas tem a cabeça na Lua”, explica o diretor.
Embora o artista americano seja mais conhecido por ser um humorista, o espetáculo “Andy” não pode ser classificado apenas como uma comédia, mas também como um espaço para se emocionar com a carreira meteórica de Andy Kaufman.
Sobre Andy Kaufman:

Andy Kaufman (Nova Iorque, 17 de janeiro de 1949 – Los Angeles, 16 de maio de 1984) foi um cantor, dançarino e ator performático estadunidense. O artista quebrou as estruturas da comédia convencional, apresentando números vanguardistas no teatro e outros eventos públicos diversos. O performer misturava a própria vida com a arte e é pioneiro nessa linguagem que buscava desenvolver.
Nesse universo, interpretava personagens que escondiam sua verdadeira identidade, como o cantor Tony Clifton. Seus números irreverentes e criativos o tornaram célebre nos Estados Unidos. Fez sucesso no programa Saturday Night Live e ganhou a admiração de críticos e artistas diversos com suas performances.
Mas Kaufman não se considerava humorista e começou a realizar piadas herméticas para se relacionar com o público. Muitas vezes, irritava seus espectadores com pegadinhas, além de inventar falsas histórias para a imprensa americana. Kaufman queria ser o melhor artista do mundo e, após ser demitido da ABC, passou a fazer shows em ringues de luta livre, onde desafiava mulheres. Muitos o consideraram louco durante essa fase, mas Kaufman, muito além da realidade, estava interpretando seus personagens realísticos.
Devido ao estilo de humor conhecido por encarnar alteregos e aplicar trotes em si mesmo, especula-se até mesmo que o comediante, morto vítima de um câncer em 1984, aos 35 anos, poderia, pelo contrário, estar vivo.
Sobre a Companhia Tertúlia de Acontecimentos:

Criado em janeiro de 2016, a Companhia Tertúlia de Acontecimentos é formada pelos atores Gero Camilo e Victor Mendes e pela produtora cultural Flávia Corrêa.

O significado de Tertúlia é agrupamento ou reunião de pessoas para trocarem conhecimento no campo das artes e pensamentos, justamente o propósito desta nova companhia, que pretende criar espetáculos com dramaturgia própria e alheia, a partir da experiência cênica. Arte e Pensamento no Teatro.

O primeiro trabalho que a companhia assinou, nasceu em 2015 em Portugal é a peça “Caminham nus empoeirados”. Soma-se ao repertório da Companhia as peças “Aldeotas”(2004) ,”Cartas à/de Pio”(2014), “Razão Social” (2016), “Plinioceia Desvairada” (2017) (homenagem a Plinio Marcos), “Andy “ (2018). Estreia ainda este ano o espetáculo infantil “Umbigo”.
Serviço:

ANDY, com Victor Mendes e Gero Camilo

Local: Cineteatro São Luiz

Endereço: Rua Major Facundo, 500 – Centro – Fortaleza

Data: Sexta, 28 de setembro de 2018

Horário: 19h

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 90 minutos

Ingressos: R$20,00(inteira) / R$10,00(meia)

Bilheteria Cineteatro São Luiz

Os ingressos já podem ser adquiridos de terça a sábado, de 10h às 18h30. Venda com taxa de conveniência no site da Tudus: https://www.tudus.com.br/evento/cineteatro-sao-luiz-andy-com-victor-mendes-e-gero-camilo

Mais informações: (85) 3252.4138

Companhia Laguz Circo APRESENTA Espetáculo Pedra no Sapato

O espetáculo “Pedra no Sapato”, encenado pela Companhia Laguz Circo estará em cartaz, em Fortaleza, dias 22 e 29 de setembro, às 15h. no Centro Cultural Banco do Nordeste (Ria Conde D’Eu, 560 – Centro). A companhia Laguz Circo é formada peelo brasileiro, Felipe Abreu, e a argentina, Romina Sanchez, que pesquisa o circo e o palhaço explorando a comicidade nas técnicas circenses.

A companhia utiliza técnicas inerentes da palhaçaria clássica, usando as técnicas circenses como pano de fundo do espetáculo “Pedra no Sapato”. Felipe e Romina buscam manter viva a arte cômica na qual o corpo está em evidência, explorando as possibilidades de quedas, golpes e absurdos cômicos. A dupla se inspira nos antigos clowns de picadeiro, teatro e cinema trazendo-os para o momento atual. O intuito é experimentar possibilidades estéticas, gerando no espectador novas referências de comédia ressaltando a poesia sem a necessidade do recurso apelativo.

 

Sinopse

A história baseia-se na relação entre o palhaço Suspiro, o artista, e a palhaça Burbuja, faxineira do teatro. Suspiro entra em cena para apresentar o show, mas é interrompido pela faxineira que se preocupa em fazer o seu trabalho. Com uma sequência de truques clássicos de palhaço, Suspiro e Burbuja direcionam o espetáculo para um final divertido, poético e surpreendente.

Os palhaços comunicam-se essencialmente através da linguagem corporal, gestos e expressões acompanhados pela trilha sonora instrumental, feita especialmente para o espetáculo. Um convite a mergulhar na singela e encantadora arte do palhaço clássico.

 

Histórico

A primeira montagem do espetáculo “Pedra no Sapato” nasceu em 2014 e estreou em Florianópolis/SC no Espaço Cultural Circo da Dona Bilica. No mesmo ano, foi apresentado em diversas cidades do Ceará no projeto “Arte Itinerante” e em Fortaleza pela “Programação Infantil” as duas através do Centro Cultural Banco do Nordeste. Em 2015, participou do “2º Encontro Internacional de Palhaços Euriso” em Fernandópolis/SP. Depois de dois anos com o espetáculo engavetado, os artistas decidem remontá-lo. O mesmo nome, a mesma ideia, mas cenas totalmente diferentes. Agora com outra roupagem, enfatizando a dramaturgia e a pesquisa na arte da palhaçaria clássica.

Programação semanal Theatro José de Alencar

Programação semanal  do Theatro José de Alencar – TJA de  17 a 23 de setembro

 

[OFICINA – TEATRO] CORPO EM TRABALHO
18 a 22 de Setembro

Anexo CENA do TJA

A oficina “Corpo em Trabalho“ é um projeto de pesquisa/prática acerca das referências ritualísticas abertas dos culto aos orixás e também as referências narrativas as quais os deuses iorubas aparecem; objetivando dessa maneira averiguar o processo criativo de cena por meio de estímulos sensoriais e sinestésicos na busca de outras terreiros de criação e expressão cênica ligadas diretamente ao trabalho físico do ator/atriz. Corpo em Trabalho é uma oficina de teatro prática destinado a atores,atrizes, estudantes de artes cênicas.

Dia 17.09 – Segunda-Feira

TEATRO DE PORTAS ABERTAS – Programação Gratuita

Visita Guiada – 09h 10h 11h 14h 15h 16h 17h

09h

[POLÍTICA CULTURAL] ENCONTRO DA COMISSÃO ESTADUAL DO SISTEMA ESTADUAL DE TEATROS – SET-CE

Local: Sala Sidney Souto | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

O Sistema Estadual de Teatro vincula-se à Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, tendo por objetivos sistematizar e implementar políticas de integração e incentivo aos teatros de todo o Estado, com diretrizes estabelecidas de forma democrática e participativa por essas instituições. Foi sancionado pela Lei 13.604, de 28 de junho de 2005, promovendo a articulação e a troca de experiência entre os teatros existentes no Estado, bem como encaminhando o debate sobre o papel e função dos teatros junto às comunidades, propondo formas de provimento de recursos, financiamento e fomento destinados aos equipamentos do Sistema. Atualmente o SET é composto por gestores de teatro de todas as macro-regiões do Estado.

15h

[TEATRO] ESPETÁCULO “DOIS LOKOS NA GUERRA CONTRA OS POLUIDORES” – Associação Cultural GTRV de Taíba (São Gonçalo do Amarante – CE)

Local: Saguão | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

“Dois Lokos na guerra contra os poluidores”, é uma comédia de temática ambiental que conta a história de dois soldados, soldado Ambiente e soldado Ecologia, de exércitos inimigos, que foram escolhidos para vigiar as fronteiras e cuidar para que invasores não poluam a natureza local, durante uma trégua na guerra.

16h

[HUMOR] SOBREMESA COM ARTE SORRINDO AO PINGO DO MEIO DIA

Local: Calçada | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

16h30

[TEATRO] ESQUETE “MINHA INTERNET CAIU, E AGORA?” – Grupo Cenas e Artes

Local: Teatro Morro do Ouro | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: 10 anos

17h

[TEATRO] ESPETÁCULO “GERAÇÃO TRIANON” – Instituto Teatro Público

Local: Diversos Locais | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: 12 anos

Com texto de Anamaria Nunes, a peça é ambientada no Teatro Trianon, célebre casa de espetáculos do Rio de Janeiro por suas comédias, entre as décadas de 20 e 30 do século XX.

18h

[TEATRO] HORA DO ANGELUS COM MASOR COSTA

Local: Calçada | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

19h30

[TEATRO] ESQUETE “O CALU” – Grupo Cenas e Artes

Local: Teatro Morro do Ouro | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: 10 anos

19h45

[TEATRO] ESPETÁCULO “BRASILEIRA: PROFISSÃO ESPERANÇA” – Grupo Clareia

Local: Pátio Nobre | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

O espetáculo é um passeio pela vida e obra da cantora Clara Nunes. A sereia Clara que canta e encanta arrastando todos para uma grande viagem pelo imaginário brasileiro. A peça adentra e busca revelar o universo mágico, místico e político do mito, seus sincretismos e sua importância para a música popular brasileira.

Dia 19.09 – Quarta-Feira

Visita Guiada – 09h 10h 11h 14h 15h 16h 17h

17h30

[TEATRO] ARTE DE RUA – “CONVERSA DE LAVADEIRAS” – Coletivo Rei Leal (CE)

Local: Calçada | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

Na peça “Conversas de Lavadeiras”, em tom de brincadeira, os atores destacam a inveja, a cobiça e outros pecados capitais através da história de três lavadeiras, na época em que surgiu o sabão em pó. O texto de Robson Araújo metaforiza a cobiça das pessoas quando mostra as duas que usavam sabão em pedra e a outra, mais jovem, com a novidade em pó.

Dia 20.09 – Quinta-Feira

Visita Guiada – 09h 10h 11h 14h 15h 16h 17h

17h30

[TEATRO] ESPETÁCULO “DA SILVA EL HIJO DE LAS AMÉRICAS “- Dona Zefinha (CE) e Pato Mojado (Argentina)

Local: Calçada | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

Dona Zefinha aposta numa pegada envolvente e divertida, quente fervendo como sabem fazer. Baseado na vida do povo latino com arranjos inspirados nas expressões artísticas populares e fusões de ritmos como a cumbia, tango, bolero, arrocha, samba, milonga, somado aos sons da rabeca, piano, violão, e sopros, trazendo um clima tropical. Convidados especiais Pato Mojado (Argentina) e Daniel Groove.

18h* e 20h

[TEATRO] ESPETÁCULO “O AMOR E O DIABO” – Grupo Arte de viver

Local: Palco Principal | Entrada: Fechado* e R$20 / R$10 | Classificação Indicativa: Livre

Dia 21.09 – Sexta-Feira

Visita Guiada – 09h 10h 11h 14h 15h 16h 17h

16h

[DANÇA] FESTIVAL DO CBDD – CONSELHO BRASILEIRO DA DANÇA – Seletiva Brasil

Local: Palco Principal | Entrada: R$40 / R$20 | Classificação Indicativa: Livre

Seletiva para o Festival Conselho Brasileiro de Dança realizado no Rio de Janeiro. O Festival de Dança do CBDD consiste em um evento com mostra competitiva contemplando os níveis Kids e Adulto, a partir de 4 anos ao avançado, aberto para todas as modalidades e categorias de dança.

18h

[MÚSICA] SHOW “HIATO ENTRE O VÃO E O NADA” – Banda Januário a Sete Palmos

Local: Teatro Morro do Ouro | Entrada: R$10 / R$5 | Classificação Indicativa: Livre

Este trabalho denota através do eu lírico as presenças e faltas de cada ser humano. O projeto se justifica através da humanidade de cada um dos integrantes da banda, que por serem amigos de longa data transparecem total intimidade entre si e conseguem fazer o público ter a mesma emoção, criando de forma muito pessoal uma atmosfera cheia de coloridos e sentimentos.

Dia 22.09 – Sábado

Visita Guiada – 14h 15h 16h 17h

16h

[MÚSICA] SHOW “SAMBAS QUE EU OUVI POR VOCÊ” – Keyliane e Azevedo

Local: Foyer | Entrada: R$10 / R$5 | Classificação Indicativa: Livre

O trabalho compila releituras de lindas canções do samba e bossa nova, envolvidas por um ar clássico e versátil, contando em ordem cronológica do repertório a história de cada música de forma poética. Esta proposta proporciona difusão e perpetuação da música Brasileira, historicamente marcada pelo samba e por suas vertentes.

16h

[DANÇA] FESTIVAL DO CBDD – CONSELHO BRASILEIRO DA DANÇA – Seletiva Brasil

Local: Palco Principal | Entrada: R$40 / R$20 | Classificação Indicativa: Livre

Seletiva para o Festival Conselho Brasileiro de Dança realizado no Rio de Janeiro. O Festival de Dança do CBDD consiste em um evento com mostra competitiva contemplando os níveis Kids e Adulto, a partir de 4 anos ao avançado, aberto para todas as modalidades e categorias de dança.

Dia 23.09 – Domingo

Visita Guiada – 14h 15h 16h

16h

[DANÇA] FESTIVAL DO CBDD – CONSELHO BRASILEIRO DA DANÇA – Seletiva Brasil

Local: Palco Principal | Entrada: R$40 / R$20 | Classificação Indicativa: Livre

Seletiva para o Festival Conselho Brasileiro de Dança realizado no Rio de Janeiro. O Festival de Dança do CBDD consiste em um evento com mostra competitiva contemplando os níveis Kids e Adulto, a partir de 4 anos ao avançado, aberto para todas as modalidades e categorias de dança.

17h

[Música] SALA DE CONCERTO – SÉRIE CONCERTOS DE CÂMARAS – Orquestra de Base da OSUECE
Local: Foyer | Entrada: Gratuita | Classificação Indicativa: Livre

Musical “O Corcunda de Notre Dame” será apresentado no Theatro Via Sul Fortaleza

 

A escola de Teatro Encenna apresenta no dia 15 de setembro, em duas sessões, às 19h e 21h, no Theatro Via Sul Fortaleza, o espetáculo “O Corcunda de Notre Dame – O Musical”, inspirado em uma das obras mais famosas de Victor Hugo, lançado em 1831, considerado o maior romance histórico do autor. A adaptação e direção geral é de Aurélio Barros.

“O Corcunda de Notre Dame” narra a história do amor altruísta de Quasimodo, deficiente sineiro da catedral de Notre Dame, pela cigana Esmeralda. Quasímodo sonha em sair da Catedral para participar do “Festival dos Tolos”, e finalmente é instigado pelos amigos a fugir, aproveitando-se da ausência do poderoso Claude Frollo, homem que o criou desde a infância. A trama se fortalece com os planos cruéis do arquidiácono Frollo e de seus subordinados para deter os ciganos que vivem no pátio dos milagres. Uma reviravolta faz brotar o amor entre o Capitão Phoebus, militar convocado da guerra para perseguir e prender os ciganos e a jovem Esmeralda.

Uma história arrebatadora, em que, medo e coragem, fé e justiça se misturam, levando o expectador a perceber a superação sobre as limitações acerca das deficiências múltiplas, a repensar sua compreensão estética entre o feio e o belo, bem como enaltecer o amor como meio de superação das deficiências humanas.
O Musical conta ainda com a participação especial do coral “Soul Cantor” do Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, sob a direção musical de Domízia Almeida e arranjos de Alvany Silva.

 

Serviço:

O Corcunda de Notre Dame – O Musical

Datas: 15 de setembro de 2018 (sábado)
Horário: 19h e 21h
Local: Theatro Via Sul Fortaleza – Av. Washington Soares, 4335 – Edson Queiroz
Ingressos: R$40/R$20
Capacidade do Teatro: 732 Pessoas
Informações: (85) 3099-1290
Horário de funcionamento da bilheteria: De segunda a domingo, das 10 às 22h, inclusive feriados.
Acessibilidade: Elevadores, rampas de acesso e assentos especiais.
Estacionamento no Shopping Via Sul

Dona Zefinha lança álbum “Da Silva: El Hijo de Las Américas” em show dia 16 de setembro no Anfiteatro do Dragão do Mar

 

 

Dona Zefinha e Pato Mojado. Dois grupos de países e idiomas diferentes. Um é de Itapipoca, cidade brasileira do interior do Ceará, e o outro, de Rosário, no interior da Argentina. Fora isso, têm muita coisa em comum. Uma delas é o uso das linguagens da música e do teatro como expressões artísticas em seus espetáculos. A afinidade entre eles deu margem ao intercâmbio que resultou em uma montagem teatral com apoio cultural do IBERESCENA, cuja estreia aconteceu em Rosário em 2016. A trilha sonora da peça está no álbum Da Silva: El Hijo de las Américas (Independente/2018), que Dona Zefinha lança em show no dia 16 de setembro, às 20h, no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

“Ambos somos ativistas culturais natos que contribuem para difusão de shows em suas moradas através de ações, eventos, festivais e projetos de exibição pública de arte. A partir destes e de outros itens de pertença e similitude surgiram os primeiros rabiscos de ideias, troca de referências, parcerias musicais e vivências artísticas”, diz Orlângelo Leal, do grupo Dona Zefinha, sobre a parceria com Pato Mojado.

Com 12 faixas, o disco foi gravado em Itapipoca (Studio JP) e Rosário (Studio El Espacio La Casona), entre julho e outubro de 2016, numa co-produção dos dois grupos, através de e-mails e com o auxílio das redes sociais. Tem a participação especial do cearense Daniel Groove na música “Indecisão”. A mixagem e masterização é de Gustavo Portela.

Os temas alternam entre instrumentais e canções populares nas línguas maternas criolas, português e castelhano, figurando lado a lado numa mistura de sotaques que aponta o quanto os dois povos são iguais e distintos no cotidiano. É um trabalho baseado na vida do povo latino, com arranjos inspirados nas expressões artísticas populares e fusões de ritmos como tango, bolero, cumbia, arrocha, samba, milonga e carnavalito. O ecletismo sonoro destaca-se pela diversidade de timbres de instrumentos como rabeca, piano, violão, bombardino, tuba, trompete, flauta, congas, pandeiro, zabumba, proporcionando uma atmosfera de word music.

 

O SHOW

O show no dia 16 de setembro no Anfiteatro do Dragão do Mar faz parte do edital da Temporada de Arte Cearense (TAC), programa de ocupação artística do Dragão do Mar, e da turnê de lançamento do disco, que começa no dia 8 de setembro no Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga (FNT). Também no dia 8 o álbum será lançado de forma digital nas plataformas de streaming. Será um espetáculo dançante, com uma pegada latino-americana, envolvente e divertida, tudo junto e misturado, quente fervendo Dona Zefinha e Pato Mojado sabem fazer.

O time dos brasileiros no show será composto por Orlângelo leal (voz, baixo, guitarra), Paulo Orlando (vocal, percussão), Ângelo Márcio (sax, percussão) Joélia Braga (voz) Samuel Furtado (rabeca, bombardino, trompete, trombone, tuba), Vanildo Franco (pífano, percussão), Maninho (bateria), Tamily Braga (baixo, ukulele, vocal) e, como participação especial, o cantor Daniel Groove em “Indecisão”. Do Pato Mojado o show contará com a presença dos músicos Alejo Castillo (voz, sintetizador, piano) e Pedro Jozzami (voz, sintetizador, piano, violão, baixo, guitarra).

 

O ÁLBUM

“Da Silva: El Hijo de las Américas é um disco baseado na vida do povo da América Latina e sua relação com a natureza, sociedade e cultura. Os países da América do Sul são todos frutos da colonização ibérica e vítimas do mercantilismo mundial. As fusões étnicas ‘íberoafroameríndias’ deram margem a diversidade sonora, criando uma música variada e pulsante, que serviu como inspiração para concepção de um álbum latino”, explica Orlângelo Leal, do Dona Zefinha.

As letras de cunho social assumem seu duplo: ora como aglutinador de culturas entre povos de territórios distantes e realidades parecidas, ora como chave para abertura das mentes enclausuradas nas ideologias de dominação, neste ambiente contemporâneo, pós-colonial, trazendo à tona discussões como a subsistência, a capacidade de resiliência e a expertise criadora para fugir da escravidão moderna e navegar com mais autonomia nos tortuosos caminhos da insegurança da era planetária.

As composições são de Orlângelo Leal, Samuel Furtado e dos argentinos Alejo Castillo e Pedro Jozzami. Entre os convidados, Além de Daniel Groove, estão os Itapipoquenses Mauro de Moraes, Alcio Barroso e Arizzinho no samba “Bloco dos Excluídos”, com arranjos vocais de Davi Silvino.

 

SERVIÇO

“Silva: El Hijo de las Américas” – Show de lançamento do novo CD do grupo Dona Zefinha, dia 16 de setembro de 2018, às 20h, no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema). Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Informações: (85) 99972-2871.

TUDO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS DIZER SOBRE O CASAMENTO


Crédito: Ismael Monticelli

Casados na vida real, Maria Flor e Emanuel Aragão recontam sua relação, desde o primeiro encontro até o casamento. Nada fica de fora! Tudo aquilo que a gente não tem coragem de falar na frente do outro eles dividem com o público, sempre convidado a participar da conversa, até porque, quem nunca enfrentou as dificuldades, maluquices e delícias do relacionamento amoroso que atire a primeira pedra.

As apresentações com realização da Opus Promoções ocorrem nas seguintes datas e locais: 21 de setembro, no Teatro Riachuelo Natal (Natal/RN); 22 de setembro, no Teatro RioMar Recife (Recife/PE); 23 de setembro, no Teatro RioMar Fortaleza (Fortaleza/CE); 17 de novembro, no Teatro Feevale (Novo Hamburgo/RS); 18 de novembro, no Teatro do Bourbon Country (Porto Alegre/RS). Confira o serviço completo abaixo.

Uma comédia romântica, uma espécie de stand-up de dois, em dupla, uma daquelas peças de casal, só que não. Um stand-up de casal! Só que é tudo verdade. Os nomes, as histórias, os dois, a vida. Eles contam suas histórias para a plateia, que pode responder e interromper quando quiser, afinal, não são sempre as mesmas histórias com todos nós? Uma peça feita por um casal para casais de todas as idades.

“Na verdade, o que a gente fez foi sentar e listar todas as coisas que nunca deveriam ser contadas pra ninguém sobre a nossa vida conjugal e, a partir daí, a gente construiu a dramaturgia do espetáculo”, conta Emanuel, que além de ator é roteirista.

“Eu nunca imaginei que eu fosse ter coragem de me expor tanto, mas, no final das contas, eu acho que é exatamente isso que gera tanta identificação com o público!”, revela Maria Flor. “A peça é uma espécie de livro aberto da nossa relação, tá tudo lá…”, arremata a atriz.

Cada apresentação é única
Como numa conversa, contando sempre com a abertura para a participação espontânea do público, Maria Flor e Emanuel passam por todos os assuntos possíveis no que se refere ao relacionamento amoroso e à vida de um casal. Nada fica de fora, nada é íntimo demais que não possa ser jogado ali: sexo, saudade, ciúmes, traição, filhos, as brigas pelo espaço na cama e pelo uso do controle remoto.

O espetáculo
Os dois juntos desenvolveram o texto a partir das próprias experiências e transformaram a sua vida de casal em uma peça absolutamente pessoal, íntima, intransferível e hilária. O resultado é uma comédia rápida, espontânea e absurdamente sincera! Com passagens mais tensas e outras totalmente descontraídas e leves, os dois vivem em cena, literalmente, a sua relação, em seus altos e baixos, como em todas as dinâmicas de casal.

Maria Flor
Com uma carreira de sucessos na televisão e no cinema, com várias novelas e séries no currículo, a atriz Maria Flor esteve em Malhação, Cabocla, Aline, As Brasileiras, Belíssima, O Rebu, A lei do Amor e filmes como Cazuza, Dois Filhos de Francisco, Pode Crer, O Bem Amado e, ainda sem data de estreia, Albatroz, de Bráulio Mantovani, além de estar na segunda temporada da série 3% da NETFLIX. Maria Flor não para e por isso se juntou ao marido, o ator e roteirista Emanuel Aragão, para escrever e protagonizar este espetáculo.

Emanuel Aragão
Ator e roteirista de sucesso, Emanuel Aragão transita por todos os gêneros da escrita, assim como encara o palco e a criação de roteiros e textos teatrais. Autor do filme “Os Homens são de Marte e é pra lá que eu vou – 2″ além de três temporadas da série com o mesmo título, Emanuel ainda tem no currículo peças como “Nãotemnemnome”, 24por1, “Meu avesso é mais visível que um poste” e “Hamlet – processo de criação”, trabalhos muito elogiados pela crítica.

FICHA TÉCNICA:

Texto e Atuação

Maria Flor

Emanuel Aragão

Produção

Maria Clara Horta

Free Lancer Producções

Iluminação e Sonoplastia

Guiga Ensa

Fotos

Ismael Monticcelli

Projeto Gráfico

Marcos Pavão

TUDO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS DIZER SOBRE O CASAMENTO

Dia 21 de setembro, no Teatro Riachuelo Natal (Natal/RN)

Dia 22 de setembro, no Teatro RioMar Recife (Recife/PE)

Dia 23 de setembro, no Teatro RioMar Fortaleza (Fortaleza/CE)
Dia 17 de novembro, no Teatro Feevale (Novo Hamburgo/RS)
Dia 18 de novembro, no Teatro do Bourbon Country (Porto Alegre/RS)

Duração: 80 min
Classificação: 14 anos

MINISTÉRIO DA CULTURA apresenta
Lei Federal de Incentivo à Cultura
Realização: OPUS PROMOÇÕES, MODAL PRODUÇÕES e MINISTÉRIO DA CULTURA, Governo Federal

FORTALEZA (CE)

Dia 23 de setembro
Domingo, às 20h
Teatro RioMar Fortaleza (Rua Desembargador Lauro Nogueira, 1500 Piso L3 – Shopping RioMar Fortaleza – Papicu / Fortaleza – CE)
www.teatroriomarfortaleza.com.br

INGRESSOS:

Setor

Valor

Meia-Entrada

Plateia Alta

R$ 50,00

R$ 25,00

Plateia Baixa B

R$ 100,00

R$ 50,00

Plateia Baixa A

R$ 120,00

R$ 60,00

*Descontos não cumulativos a demais promoções e/ou descontos;
** Política de venda de ingressos com desconto: as compras poderão ser realizadas nos canais de vendas oficiais físicos, mediante apresentação de documentos que comprovem a condição de beneficiário. Nas compras realizadas pelo site e/ou call center, a comprovação deverá ser feita no ato da retirada do ingresso na bilheteria e no acesso à casa de espetáculo;
***A lei da meia-entrada mudou: agora o benefício é destinado a 40% dos ingressos disponíveis para venda por apresentação. Veja abaixo quem têm direito a meia-entrada e os tipos de comprovações oficiais no Ceará:
– IDOSOS (com idade igual ou superior a 60 anos) mediante apresentação de documento de identidade oficial com foto.
– ESTUDANTES mediante apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) nacionalmente padronizada, em modelo único, emitida pela ANPG, UNE, UBES, entidades estaduais e municipais, Diretórios Centrais dos Estudantes, Centros e Diretórios Acadêmicos. Mais informações: www.documentodoestudante.com.br
– PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E ACOMPANHANTES mediante apresentação do cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da Pessoa com Deficiência ou de documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que ateste a aposentadoria de acordo com os critérios estabelecidos na Lei Complementar nº 142, de 8 de maio de 2013. No momento de apresentação, esses documentos deverão estar acompanhados de documento de identidade oficial com foto.
– JOVENS PERTENCENTES A FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA (com idades entre 15 e 29 anos) mediante apresentação da Carteira de Identidade Jovem que será emitida pela Secretaria Nacional de Juventude a partir de 31 de março de 2016, acompanhada de documento de identidade oficial com foto.
– JOVENS COM ATÉ 15 ANOS mediante apresentação de documento de identidade oficial com foto.
– PROFESSORES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE FORTALEZA mediante apresentação de carteira funcional emitida pela Secretaria Municipal de Educação e Assistência Social (SEDAS).
– DOADORES REGULARES DE SANGUE mediante apresentação de documento oficial válido, expedido por banco de sangue. São considerados doadores regulares de sangue aqueles registrados nos bancos de sangue cos hospitais do Estado do Ceará.
**** Caso os documentos necessários não sejam apresentados ou não comprovem a condição do beneficiário no momento da compra e retirada dos ingressos ou acesso ao teatro, será exigido o pagamento do complemento do valor do ingresso.

 

CANAIS DE VENDAS OFICIAIS:
Site: www.uhuu.com
Atendimento: falecom@uhuu.com

Bilheteria do Teatro RioMar Fortaleza: Rua Desembargador Lauro Nogueira, 1500 Piso L3 – Shopping RioMar Fortaleza – Papicu / Horário de funcionamento: de terça-feira a sábado, das 12h às 21h, e domingo e feriados, das 14h às 20h. Em dias de apresentações: das 12h até o início da última apresentação. Segunda-feira: fechada.

Formas de pagamento:

Internet : Visa, Master, Diners, Hiper, Elo, American.
Bilheteria: Dinheiro, Visa, Master, Diners, Hiper, Elo, American e Banricompras (débito).

Musical inspirado na obra de Odair José chega a Fortaleza

 

 

Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José costura vinte músicas do cantor goiano numa narrativa não biográfica com roteiro inédito e ficcional, assinado pelo baiano Sérgio Maggio. Odair José faz a supervisão musical. O espetáculo já foi visto por mais de 22 mil espectadores em 100 sessões por quatro capitais brasileiras – Brasília, Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro, além de três cidades do Distrito Federal – Taguatinga, Ceilândia e Gama.

Em Fortaleza, o musical, produzido pelo Criaturas Alaranjadas Núcleo de Criação Continuada, fará três apresentações no Cineteatro São Luiz. Serão duas no dia 14 de setembro, às 14h30 e 19 horas, e uma no dia 15 de setembro, às 19 horas. A sessão de estreia será gratuita para estudantes da rede de ensino público. As demais têm ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10(meia). O patrocínio é do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura.

A partir de uma pesquisa sobre arquétipos que habitam as canções de Odair José, quase crônicas do cotidiano brasileiro, o musical se move numa trama que se inicia, em 1923, quando a cidade de São Paulo foi abalada por um escândalo moralista – o assassinato da cortesã Nenê Romano, morta por um jovem e renomado advogado, filho de família tradicional – e segue para o ano de 1973, com o Brasil amordaçado no auge da ditadura militar. “É nesse contexto que surge a história de um jovem que enfrenta a força patriarcal para realizar o sonho de ser um cantor de rock´n´roll. Tensões políticas e jogos de costumes conduzem a narrativa de uma comédia musical formalmente inspirada em gêneros populares”, conta Sérgio Maggio, autor do livro Conversas de Cafetinas (Prêmio Jabuti 2010).

O desafio de criação era compor uma montagem que fosse esteticamente popular como as mensagens das letras de Odair José, mas que guardasse em si um conteúdo de protesto e indignação social, que fez do cantor e compositor um dos mais censurados pela ditadura militar. Para isso, Sérgio Maggio mergulhou numa pesquisa sobre os gêneros populares, que, no Brasil, foram condenados pelo preconceito intelectual por alcançar a larga audiência, não iniciada em arte. Os pejorativamente acusados de popularesco.

“Hoje, a obra de Odair José passou por revisão crítica. Mas, nos anos 1970, ou foi ignorada ou escanteada por alcançar os quartos de fundos da classe média, onde habitavam as empregadas domésticas, e as casas de prostituição (daí ser chamado de brega). Odair José era cantor de rádio AM e o nosso desafio recaiu em criar um musical com o alcance do radinho de pilha. Por isso, fui beber nas chanchadas (cinema), nas novelas de Janete Clair (tevê), nas comédias ligeiras das companhias Eva Todor e Dulcina-Odilon, no escracho de Dercy Gonçalves, nas fotonovelas e radionovelas. Tudo que foi considerado menor, mas que hoje, com os olhos da contemporaneidade, é revisto criticamente”, destaca Maggio.

Com processo de criação compartilhada (com os atores propondo a criação das cenas no sistema de workshop), o musical leva o âmbito das canções de Odair José (melodicamente primorosas) para o rock, raiz e forte influência do compositor nos anos 1970, quando chegou a ser comparado à sonoridade de Bob Dylan.

O Programa Petrobras Distribuidora de Cultura é uma seleção pública que tem como objetivo contemplar projetos de circulação de espetáculos teatrais não inéditos, em parceria do Ministério da Cultura. No último edital foram investidos R$ 15 milhões. Ao todo, foram escolhidos 57 espetáculos, representantes de todas as regiões do País, com apresentações em todos os estados.

Em cena, estão intérpretes de três gerações de musicais brasileiros: Watusi (primeira brasileira e negra a estrelar um show no mítico Moulin Rouge, em Paris, e que por 12 anos estrelou “Golden Rio”, tendo Grande Othelo como patner), Jones Schneider (de “O Tocador da Viola Envenenada” e “O Coqueiro que Dá Coco”), Luiz Filipe Ferreira (“O Fole Roncou – Uma História do Forró! e “O Tocador da Viola Envenenada”), Camila Guerra (“OperAta”), Gabriela Corrêa (“L, O Musical”), Rodrigo Mármore (“Á Margem do Abrigo”), Tainá Baldez (“L, O Musical) e Renato Milan (do projeto “Garçons que Cantam”). Na banda, estão Guilherme Gê (teclados), Zé Krishna (guitarra) e André Togni (bateria). A direção musical é de Luís Filipe de Lima (“Sassaricando” e “L, O Musical”), enquanto a direção de movimento, de Márcia Duarte.

Durante a temporada de Fortaleza, haverá, em todas as sessões, acessibilidade para pessoas com surdez (libras), estimulo à coleta de lixo eletrônico. Após a sessão das 14h30 do dia 14 de setembro (sexta), artistas promovem o painel “Yes, nós temos musical brasileiro!”, além da oficina “Dramaturgia para Musical”, ministrada pelo autor e diretor Sérgio Maggio, que acontecerá gratuitamente no dia 15 de setembro (das 9h às 12h e das 13h às 16h). “Chegar em Fortaleza, onde as canções de Odair José têm uma força natural é um sonho para toda a equipe”, comemora o diretor-dramaturgo Sérgio Maggio.

 

Prêmios

Sucesso de público e de crítica, Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José foi indicado como melhor espetáculo em voto popular ao Prêmio Bibi Ferreira 2015, o mais prestigiado do gênero no país. Venceu nas categorias Trilha Sonora (canções de Odair José) e Personalidade do Ano (Sérgio Maggio) no Prêmio Melhores do Teatro de 2014 do Portal R7 SP (ainda foi indicado à Atriz Revelação – Gabriela Correa). Em 2017, foi eleito pelo portal especializado Musical Cast (SP), como um dos 10 melhores musicais genuinamente brasileiros produzidos neste século.

 

Serviço

Eu Vou Tirar Você Deste Lugar – As canções de Odair José

Local: Cineteatro São Luiz (rua Major Facundo, 500 – Centro)

Contato: 85. 3252.4138

Data: R$ 20 (inteira) / R$ 10 (meia)

Classificação etária: 12 anos
Duração: 90 minutos

*Em todas as sessões, haverá intérprete de libras

Data:

14/9

14h30: sessão gratuita pra estudantes, idosos, portadores de necessidades especiais

Painel de debate “Yes, Nós Temos Musical Brasileiro” após a sessão

19h: sessão aberta ao público mediante ingresso

15/9

19h: sessão aberta ao público mediante ingresso

A produção pede que os espectadores doem lixo eletrônico

Oficina Dramaturgia para Musicais Brasileiros, com Sérgio Maggio

Data: 15/9 (9h às 12h e das 13h às 16h)

Local: Cineteatro São Luiz

Público-alvo: intérpretes, diretores, dramaturgos, jornalistas e amantes do teatro

Inscrição: oficina.criaturas@gmail.com

Intercâmbio com grupo de teatro

Coletivo do Curso Livre do CPBT do Theatro José de Alencar

Data: 15/9, das 16 às 18 horas

Onde: Theatro José de Alencar

Mestre Valdeck de Garanhuns é atração da Parte II do Festival Internacional de Teatro de Boneco – FIB

 

O Festival Internacional Mestre Pedro Boca Rica de Teatro de Boneco – FIB terá continuidade, de 25 a 27 de agosto, no Theatro José de Alencar em Fortaleza, cidade em que o bonequeiro viveu e mais mostrou sua arte. Com o evento, que terá programação inteiramente gratuita, a Escola Ponto de Cultura Teatro da Boca Rica encerra os festejos do aniversário de 80 anos do multiartista, nascido em 16 de novembro de 1936 na cidade de Ocara, que sediou a parte I em novembro de 2017.

Com espetáculos, mostra de vídeos, seminário e exposição sobre o Mestre Pedro Boca Rica, entre fotografias, acervo de figuras de Boi e Reisado, a parte II do evento chegará ao ápice no encerramento da programação com Folia Brasileira, espetáculo temático de brincadeiras populares do nordeste a partir da arte do mamulengo com atuação e direção de Valdeck de Garanhuns. A apresentação acontecerá no palco principal do teatro no dia 27 a partir das 19h com participação especial do grupo Regional de Ocara e do sanfoneiro e bonequeiro Wagner dos Santos Oliveira, sobrinho de Pedro Boca Rica.

A diretora da Escola Ponto de Cultura Teatro da Boca Rica, Rejane Reinaldo, conta que o projeto “surgiu de um encontro de afetos e criações, de memórias e lembranças alegres e saudosas do Mestre, entre o Teatro da Boca Rica e o bonequeiro Halen Oliveira dos Santos, filho do saudoso Pedro”. Além de celebrar os 80 anos de nascimento do homenageado, completados em novembro de 2016, o evento fortalece o processo de criação do Memorial Mestre Pedro Boca Rica, que será instalado em Ocara.

Programação

A abertura oficial será a partir das 18h do dia 25, no foyer do teatro, seguida da mostra audiovisual sobre a vida e a obra do mestre de influência marcante na cultura cearense. No mesmo dia, a partir das 19h, a Exposição Mestre Pedro Boca Rica: entre afetos, memórias e criações reúne bonecos, figuras de boi e fotografias do artista na Praça Mestre Pedro Boca Rica. Para encerrar o primeiro dia de programação, o palco principal do teatro receberá o espetáculo Criaturas de Papel do grupo Bricoleiros Teatro de Bonecos.

O segundo dia (26) contará com o Seminário: Mestre Pedro Boca Rica: entre afetos, memórias e criações no Teatro Morro do Ouro a partir das 14h. Com estudiosos e admiradores de Pedro Boca Rica, o seminário vai proporcionar à plateia presente um debate aberto a perguntas sobre a vida e a obra do multiartista e terá como encerramento, às 19h, a apresentação do grupo MiraIra com o espetáculo Felicidade Interna Bruta sob o comando da professora e multiartista Lourdes Macena. As inscrições para participar do seminário são gratuitas e poderão ser feitas no local e horário do evento com direito à certificação. Na Praça Mestre Pedro Boca Rica, o grupo Calu Maravilha apresentará, a partir das 17h, o espetáculo infantil A Bruxa e a Natureza, seguido do Boi Coração e Boi Catavento, de Ocara, às 18h.

Espetáculos de boneco e apresentação de boi encerram o festival no dia 27. O grupo Bricoleiros Teatro de Bonecos voltará ao palco principal do teatro com o espetáculo infantil Olha o Olho do Menino às 14h. Logo em seguida, às 15h30, é a vez do Grupo Formosura subir ao palco com a apresentação O Boi Estrela. Com participação especial do grupo Regional de Ocara e do bonequeiro Wagner dos Santos Oliveira, Folia Brasileira é a grande atração da noite com o bonequeiro, e amigo pessoal de Pedro Boca Rica, Valdeck de Garanhuns.

O Festival conta com o patrocínio do Facebook e do Banco do Nordeste por meio do Ministério da Cultura com a Lei Federal de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet e apoio da Prefeitura de Ocara por meio da Secretaria da Cultura e Juventude, da Universidade Federal do Ceará (UFC) por meio da Casa Amarela Eusélio Oliveira, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE, da Secretaria da Cultura do Ceará por meio do Theatro José de Alencar e do Instituto Dragão do Mar.

 

Homenageado

Pedro dos Santos de Oliveira morreu jovem, em 28 de março de 1991, vítima de câncer. Com 55 anos, o Mestre Boca Rica, que ganhou o apelido em razão de ter alguns dentes inferiores revestidos de ouro, formou artistas na família de sangue e na da arte e tem sua obra reverenciada em museus do mundo: Estados Unidos, Japão, Alemanha, França e outros. Imortalizou dezenas de personagens da tradição sagrada e profana, que tinham nomes e almas de entidades religiosas ou não. Em seu leito de morte, compôs os versos com que queria ser recebido lá em cima “La vem, lá vem o bonequeiro/ com seus bonecos de empanada/ ele traz boneco presepeiro/ que faz a gente dar risada/ Tem Casimiro, João Redondo e Baltazar/ Manoel Fugarça, Paruara e Tiridá/ Também tem o Capitão Arunge/ que é calunga da cultura popular” (Oswald Barroso).

 

Mais informações:

Rejane Reinaldo (Coordenação Geral do Festival e Diretora Teatro da Boca Rica): (85) 98758.1374; festivaldeteatrodeboneco@gmail.com

Fotos e informações

Bricoleiros Teatro de Bonecos –

http://grupobricoleiros.blogspot.com/

Calu Maravilha –

https://www.youtube.com/channel/UCLMOib2yufWBZiaO8-odwWw

Boi Coração (Ocara) –

https://www.instagram.com/boi_coracao_official/ https://www.youtube.com/channel/UCmhP_5ld5ZBeo5gkQjZxzyw

Grupo Formosura de Teatro –

https://www.youtube.com/channel/UCxu5s6QP7rqGc90Hk9LoJkQ

Valdeck de Garanhuns –

http://www.valdeckdegaranhuns.art.br/

Serviço:

Festival Internacional Mestre Pedro Boca Rica de Teatro de Boneco – FIB – de 25 a 27 de agosto em Fortaleza. Programação das 14h às 20h no Theatro José de Alencar (Rua Liberato Barroso, nº 525, Centro – Fortaleza).

‘OS REALISTAS’ ENTRA EM CIRCULAÇÃO. COM DIREÇÃO DE GUILHERME WEBER E DEBORA BLOCH, EMÍLIO DE MELLO, GUILHERME WEBER E ISABEL TEIXEIRA NO ELENCO

 

 

‘Quarteto de atores em interpretação vigorosa e refinada. Debora Bloch em atuação irretocável’.
( O Globo / Macksen Luiz)

‘As admiráveis interpretações sob a direção de Guilherme Weber realçam a humanidade tocante do espetáculo’.
(Jefferson Lessa / Veja Rio)

‘No palco, quatro atores que honram o teatro com T maiúsculo’.
(Martha Medeiros)
Este projeto foi selecionado pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2017/2018.

A estreia de ‘The RealisticJoneses’ marcou a estreia de Will Eno na Broadway em 2014, após vários êxitos no teatro americano. Debora Bloch – que já acompanhava e estudava a trajetória do autor – assistiu à montagem e decidiu que iria produzir o texto no Brasil. Com os direitos cedidos, firmou parceria com Guilherme Weber, que assina a direção da empreitada e tem total intimidade com o universo do dramaturgo: ele ostenta o título de ator que mais encenou Will Eno em todo o mundo.

O espetáculo, que estreou em janeiro de 2016 no Teatro Poeira (RJ), cumpriu 3 meses de temporada na cidade carioca e, em abril deste mesmo ano, estreou no Teatro Porto Seguro, na capital de São Paulo, ficando por mais 2 meses em cartaz. Duas bem-sucedidas temporadas, marcadas pelo encontro inédito nos palcos de Debora com Emílio de Mello, Fernando Eiras e Mariana Lima. No segundo semestre de 2016, a peça circulou por sete cidades brasileiras, percorrendo Sul, Centro Oeste e Nordeste.

Em cena, dois casais de vizinhos se encontram e descobrem ter mais em comum do que as casas idênticas e sobrenomes iguais. Com este ponto de partida, a peça flagra a convivência do quarteto e os relacionamentos que começam a se entrelaçar. Em um hábil jogo de cena, o autor mostra também que nem tudo é o que parece ser, fazendo ainda que as situações reflitam sobre os diferentes estágios do casamento.

Para o diretor, ‘Os Realistas’ é um exercício do autor sobre o gênero realista. ‘É um gênero em que os heróis dão lugar a pessoas comuns. Nesta história, Eno desloca seus personagens para uma pequena cidade interiorana e campestre, em um movimento de alguma maneira também reverente ao teatro de Tchekhov. Este confronto com a natureza, o vasto e o desconhecido faz com que estes personagens se cruzem em uma comédia existencialista sobre vida, morte, amor e vizinhos’, analisa Guilherme Weber, cuja relação com a obra de Will Eno começou em 2003, quando estrelou e assinou a criação com Felipe Hirsch da montagem brasileira de ‘Temporada de Gripe’ (‘The FluSeason’). Depois, seguiu com ‘ThomPain – Baseado em Nada’ (2006) e ‘Lady Grey – Em Luz Cada Vez Mais Baixa’ (2006), nas quais também atuou e dividiu a criação com Hirsch, e ‘Ah, a Humanidade e Outras Boas Intenções’, reunião de cinco peças curtas do autor, em que atuou e assinou o projeto junto com Murilo Hauser.

‘Os Realistas’ marcou ainda o retorno de Debora Bloch à produção teatral, tarefa que abraçou em meados dos anos 80. De lá para cá, ela foi responsável por espetáculos que marcaram a história recente do teatro brasileiro, como ‘Fica Comigo Esta Noite’ (1990), que lhe rendeu o Prêmio Shell de Melhor Atriz em 1990, ‘Duas Mulheres e Um Cadáver’ (2000), estrelado e produzido ao lado de Fernanda Torres, ‘Tio Vânia’ (2003), em montagem dirigida por Aderbal Freire-Filho que ocupou o Parque Lage. Seu último espetáculo foi o monólogo ‘Brincando Em Cima Daquilo’ (2007/2008), com direção de Otávio Muller.

Will Eno por Guilherme Weber

Will Eno já foi chamado pela crítica nova iorquina de ‘O Samuel Beckett da geração Jon Stewart’, em referência ao apresentador e comediante que esteve à frente do programa Daily News por dezesseis anos. Aluno de Edward Albee, em sua famosa oficina de dramaturgia, foi apontado pelo mestre como o melhor dramaturgo de sua década. Criando códigos originais a partir de suas consagradas referências, como Harold Pinter, além de Beckett e o próprio Albee, Eno foi indicado ao prêmio Pulitzer pelo monólogo ‘ThomPain – Baseado em nada’.

Em sua primeira experiência como espectador, junto ao seu pai em uma pequena plateia, é que o dramaturgo passa a criar seus códigos de criação, lembrando da delicada situação pela qual passaram os atores daquela montagem quando, ao tentar realizar um truque cênico, foram revelados em sua tentativa de ilusão. Uma cadeira, presa a um fio de nylon, deveria sair do palco em um movimento mágico, conduzida pelo fio invisível. No meio do movimento, a cadeira cai e sai do palco arrastada, como um peixe morto. O truque falhado, a cadeira arrastada, os atores fragilizados e as entranhas do teatro reveladas aos espectadores provocou tal impacto no jovem Eno que a ativação desta memória passou a pautar sua sofisticada escrita, que busca, de diferentes maneiras, recriar esta sensação de perigo e exposição, que em sua obra às vezes acomete os personagens, às vezes os atores e quase sempre os espectadores.

‘Os Realistas’ (‘The RealisticJoneses’, no original) marca a estreia do autor na Broadway. O que faz uma peça como esta, no mais tradicional circuito de teatro americano, é a pergunta que a maioria dos críticos e espectadores se fez ao longo da temporada. Will Eno não é conhecido por suas tramas urdidas para o espectador médio. Mas, ao longo dos meses, os personagens complexos e os diálogos profundos, engraçados e cheios de jogos de linguagem, que são uma das mais fortes características do autor, conquistaram o público através das performances de ourivesaria dos quatro atores. A estreia de Will Eno na Broadway terminou com pleno êxito.

Este projeto foi selecionado pelo Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2017/2018, uma seleção pública que tem como objetivo contemplar projetos de circulação de espetáculos teatrais não inéditos, em parceria com o Ministério da Cultura. No último edital foram investidos R$15 milhões. Ao todo, foram escolhidos 57 espetáculos representantes de todas as regiões do país, com apresentações em todos os Estados brasileiros. Os Realistas circulará por quatro importantes cidades, abrangendo Nordeste e Sudeste.

Natal (RN) – 11 e 12 de agosto de 2018

Fortaleza (CE) – 01 e 02 de setembro de 2018

Campinas (SP) – 14, 15 e 16 de setembro de 2018

Niterói (RJ) – 22 e 23 de setembro de 2018

HISTÓRICO OS REALISTAS

PRÊMIOS E INDICAÇÕES em 2016

Prêmio APTR 2016

Atriz – Debora Bloch

Cenografia – Daniela Thomas e Camila Schmidt _ PREMIADAS

Iluminação – Beto Bruel

Produção – Alessandra Reis, Cristina Leite e Paula Valente

Prêmio SHELL 2016 / 1º semestre

Atriz – Debora Bloch

Prêmio CESGRANRIO 2016

Atriz – Debora Bloch _ PREMIADA

Ator – Emílio de Mello

Diretor – Guilherme Weber

Cenografia – Daniela Thomas e Camila Schmidt

Prêmio Aplauso Brasil

Elenco – Os Realistas

Prêmio Questão de Crítica

Ator – Emílio de Mello _ PREMIADO

FICHA TÉCNICA

Texto

Will Eno

Tradução

Ursula de Almeida Rego Migon e Erica de Almeida Rego Migon

Direção Geral, Adaptação e Trilha Sonora

Guilherme Weber

Elenco

Debora Bloch, Emílio de Mello, Guilherme Weber e Isabel Teixeira

Cenografia

Daniela Thomas e Camila Schmidt

Figurinos

Ticiana Passos

Iluminação

Beto Bruel

Direção de Produção

Alessandra Reis

Produção local:

FreeLancer Producções

SERVIÇO:

Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro)

Dias: 01 (sábado) e 02 (domingo) de setembro de 2018

Sábado 18h e 21h | Domingo 18h

Acessibilidade: apresentações em Libras dia 01 (sábado) nas duas sessões e audiodescrição na apresentação do dia 02 (domingo).

Duração 100 minutos

Gênero comédia dramática

Classificação 12 anos

Valores: R$25,00 inteira| R$12,50 meia

Ingressos no local ou www.tudus.com.br