Browsing Tag

DVD

Pingo de Fortaleza lança Centauros e Canudos Redivivo em LP e CD no Mercado dos Pinhões

 

O LP Centauros e Canudos lançado pelo artista Pingo de Fortaleza em 1986 renasce em formato de LP e CD, após 32 anos de seu Lançamento através de uma releitura e com o título Centauros e Canudos Redivivo será apresentado ao público com show neste sábado, 14, às 19h, no Mercado dos Pinhões na programação da Feira do Vinil. Na apresentação, canções, prosa e audição do LP. Entrada gratuita.

A epopeia do cearense Antônio Conselheiro, a saga e o massacre da comunidade de Canudos na Bahia constituem substancialmente fatos relevantes da história do Brasil.

Após 125 anos da fundação desse arraial, essa temática que tanto inspirou e inspira reflexões e releituras de múltiplas linguagens sobre seus personagens e sua existência, continua a intrigar e a mover diversas engrenagens sociais brasileiras.

Desde a publicação do clássico Os Sertões, de Euclides da Cunha, em 1902, ao surgimento da ficção A Guerra do Fim de Mundo, do escritor peruano Vargas Llosa, em 1981, até nossos dias, Canudos continua inspirando e sendo reinventada por inúmeros trabalhos acadêmicos e centenas de obras de arte reconhecidas e anônimas.

Assim foi com o LP Centauros e Canudos – Pingo, primeiro disco existente sobre esse tema, lançado de forma independente no ano de 1986 em Fortaleza.

Agora em 2018, 32 anos após seu surgimento, Centauros e Canudos (LP) ganha um renovado lançamento sob o título de Centauros e Canudos Redivivo – Pingo de Fortaleza (LP/CD). Esse disco de valor histórico recebe uma nova leitura e um dimensionamento em seus aspectos sonoros e gráficos.

E assim como um centauro guerreiro, a história de Canudos e também a história desse disco continuam a ser recontadas através de vários olhares e tempos, feito o sertão que de vez em quando muda sua paisagem e a poesia dos que nele se inspiram.

Considerado um clássico pela complexidade de seus arranjos em estilo armorial (movimento cultural que mescla o erudito com o popular tendo o escritor Ariano Suassuna como um dos seus idealizadores) o LP original Centauros e Canudos apresenta 12 faixas do compositor Pingo de Fortaleza em parceria com Guaracy Rodrigues, Oswald Barroso, Rosemberg Cariry, Eurico Bivar, Leite Júnior e Diogo Fontenelle (primeiros parceiros do artista) interpretadas por um conjunto de instrumentistas de primeira linha da música brasileira, tais como: Jaques Morelembaum (Cello), Paulo Russo (Baixo Acústico), João Daltro (Violino) e Celso Woltzernlogel), entre outros. Os conteúdos das canções do disco abordam de várias maneiras o tema de Canudos e seus aspectos correlatos e o encarte do trabalho original de 1986 apresenta 12 páginas com fotos históricas de Canudos e textos elucidativos sobre o tema, como por exemplo um texto escrito por Firmino Holanda.

Nessa nova roupagem de 2018 o LP/CD Centauros e Canudos Redivivo mantém 9 faixas com os arranjos originais do disco de 1986, acrescidas de novas vozes de Pingo de Fortaleza e algumas de um com coro feminino, além de uma faixa inédita intitulada Centauros e Canudos Redivivo composta em parceria com Augusto Moita, com arranjo de Tarcísio Lima (diretor musical do LP Centauros e Canudos -1986) e que apresenta em seu conteúdo uma espécie de suíte (conjunto) de arranjos de outras 5 faixas do LP original de 1986 e mantém a mesma instrumentação acústica do disco original Centauros e Canudos. A releitura desse trabalho trás também duas faixas bônus que simbolizam dois momentos e olhares diferenciados sobre Canudos: 3ª Missa Pelos Mártires de Canudos (Pingo de Fortaleza) que relata a chegada do artista Pingo de Fortaleza na região de Canudos para cantar na 3ª Missa Pelos Mártires de Canudos em 1986 (LP Lendas e Contendas, 1988) e a canção Canudos (Marinho Júnior), que trata da memória de Canudos gravada por Pingo em seu CD Cantares de 1996.

O LP/CD Centauros e Canudos tem o apoio da SECULT (Secretaria de Cultura do Estado do Ceará) através da Lei de Incentivo à Cultura (Mecenato) e será lançado no dia 20, às 19h, no Foyer do Theatro José de Alencar, com audição do disco e uma apresentação por Pingo de Fortaleza de algumas faixas do referido trabalho, além de uma fala do autor baseado no texto do encarte do disco que conta a história da gravação do LP Centauros e Canudos e demais acontecimento envolvendo Pingo de Fortaleza e a temática de Canudos.

Em agosto o disco será lançado em São Paulo no evento Estéticas da Periferia (ONG Ação Educativa) e ainda esse ano o artista Pingo de Fortaleza realiza a caravana Pelos Caminho do Conselheiro, lançando esse trabalho em várias cidades (Uauá, Monte Santo, Euclides da Cunha, Nova Canudos etc) emblemáticas na história de Canudos situadas no nordeste da Bahia.

Nas palavras de Pingo de Fortaleza: “Lançar esse disco Centauros e Canudos Redivivo é remexer nas memórias iniciais do meu trabalho musical. É retornar ao ponto de partida e recontar não só a história de Canudos, mas minha própria história. Refazer as vozes desses complexos arranjos 32 anos depois foi um grande desafio, redimensionar a capa e o encarte do LP foi um grande passeio pelos acontecimentos que se elucidaram após o lançamento do meu primeiro disco.

Transformar esse disco tão querido e apreciado no Brasil e no exterior e lança-lo redimensionado (redivivo) em formato de LP e CD representa uma emoção muito grande, pois além de rever minha própria história, estou voltando a cantar e a difundir um dos maiores acontecimentos da história do Brasil e que continua a estimular uma reflexão, não só sobre a história brasileira, mas sobre a realidade atual e as desigualdades sociais de nosso pais, além de outros temas, como a luta contra a violência em todas as suas formas e a valorização da importância da convivência coletiva e o papel da espiritualidade no equilíbrio individual e social, dentre muitos outros tópicos que cantar Canudos sucinta”.

 

Serviço
Lançamento do LP/CD Centauros e Canudos Redivivo, de Pingo de Fortaleza

Local: Mercado dos Pinhões

Praça Visconde de Pelotas S/N- Centro

Data: 14 de julho

Horário: 19h

Entrada gratuita

Discos à venda no local: CD com Livreto: R$ 30,00 / LP capa dupla com encarte de 12 páginas: R$ 100,00

Som D’Luna lança seu primeiro CD apostando na renovação da música popular brasileira

A nova MPB ganha frescor paraibano em dobro com o lançamento do disco NESSE TREM, do Som D’Luna, formado pelos gêmeos Vitor e Diogo Luna. De João Pessoa, os irmãos, que decidiram caminhar juntos pela música, lançam o seu primeiro CD gravado em estúdio, totalmente autoral, renovando o cenário nacional da música popular brasileira, em composições que vão desde o baião ao soul/funk.

Com 11 faixas e produzido no estúdio Gota Sonora, em João Pessoa, o NESSE TREM carrega uma variedade de estilos diferentes, conectados por timbres, histórias, texturas e arranjos. Um disco que guarda os olhares dos gêmeos sobre a vida, sobre os amores, as paixões que os fazem vibrar e acordar dispostos, sobre enxergar com esperança cada recorte das horas. “Esse disco é uma tentativa de escancarar uma relação entre nós e as sonoridades que nos fizeram chegar a decisão da música”, afirmam. “Dormimos e acordamos pensando em dividir aquilo que amamos fazer e achamos que não tem algo que descreva melhor esse momento do que: uma incessante busca de sempre fazer música com o coração. Fazer esse trabalho com toda entrega possível”.

Sob direção geral do paulista Jader Finamore (os Fulano), mixagem de Renato Oliveira e arranjos de Vitor Luna e Diogo Luna, Jader Finamore e Ítalo Viana (baixista), o disco foi finalizado junto a uma campanha bem-sucedida de financiamento coletivo. Fazem parte do disco ainda, os bateristas Thiago Jorge, Herbert José e Gilson Machado, os tecladistas Uaná Barreto e Renato Oliveira, o percussionista paulista Luccas Martins (Serelepe), além do saxofonista Joab Andrade, o trompetista Emanoel Barros, o trombonista Sabiano Araújo, o violoncelista Tom Drummond, o flautista Renan Rezende e o clarinetista Thompson Moura. Violões e guitarras por conta dos irmãos gêmeos.

 

Vitor e Diogo Luna

Nascidos e residindo em João Pessoa (Paraíba), os irmãos começaram sua história profissionalmente com apresentações em bares locais, casamentos, recepções e festas fechadas. Com o tempo, um repertório autoral ganhou corpo e, em 2013, uma nova percepção sobre o mercado se consolidou buscando novos caminhos, que vieram em seguida, em 2014, com uma apresentação na Usina Cultural Energisa (João Pessoa –PB) e, logo depois, a pedido de um produtor musical, um período em Portugal, onde realizaram apresentações em diversas casas, inclusive na Avenida da Liberdade, principal avenida de Lisboa.

De volta ao Brasil, gravaram em home studio e de forma independente o EP “Secura”, formado por 7 faixas autorais e executadas de forma acústica, basicamente vozes, violões e, em algumas canções, percussão. O EP foi importante para os irmãos se tornarem conhecidos na cidade, com músicas tocando em diversas rádios locais e virtuais, com destaque para o single “Mais Ninguém”, gravado depois da estreia do disco, atingindo uma divulgação inesperada na programação diária das emissoras e redes sociais.

Onde ouvir:

Youtube

Spotify

Deezer

https://www.deezer.com/en/artist/14480423

Imusic

https://itunes.apple.com/br/album/nesse-trem/1367777775

Download completo: www.somdluna.com.br

CD NESSE TREM

Artista: Som D’Luna

Gravadora: Independente

Distribuição: OneRPM

Preço médio: R$ 20,00

Cordel do Fogo Encantado lança clipe 360º para Liberdade, A Filha do Vento e plataforma interativa.

 

Após o lançamento do disco Viagem ao Coração do Sol, no último dia 6, o Cordel do Fogo Encantado divulga vídeo da faixa Liberdade, a Filha do Vento, gravado em 360 graus e dirigido por Marcela Nunes e Felipe Barros. O clipe traz o grupo em estúdio ao lado de bailarinas, que representam a personagem Filha do Vento, citada na canção. Além do vídeo, a banda lança hoje uma plataforma que permite a edição da faixa.

Segundo Lirinha, lançar o vídeo em 360 graus “se relaciona diretamente com a personagem da canção, com a ideia da música e com o tema liberdade. Usando um óculos 3D, com o celular acoplado, ou apenas pelo celular, podemos escolher para que lado olhar e todos os lugares terão ações diferentes, inclusive no alto, de onde vem as bailarinas que representam a filha do vento”, diz o compositor.

Para a gravação foi construído um cenário em forma de cilindro onde imagens, que farão parte da cenografia dos shows, foram projetadas. Além disso, grandes luminárias foram confeccionadas para o vídeo e também estarão no palco da banda. As bailarinas, Monique Vilela, Júlia Franca e Isabela Loepert, são do grupo de dança recifense do dançarino Dielson Pessoa. “As bailarinas criaram a coreografia que começa no teto, aproveitando esse recurso do 360 graus, e aí elas vêm penduradas em cordas, descem, tocam no chão no meio da canção e dançam, simbolizando a filha do vento”, conta Lirinha.

Além do clipe de Liberdade, A Filha do Vento em 360 graus, a banda lança também uma plataforma que permite ao público editar a faixa do álbum. A ideia da ferramenta é para que o fã possa escutar a música da forma que quiser, é possível mexer nos canais [voz, violão e percussão], baixar e subir o volume. Além disso, ele poderá também subir a sua gravação na ferramenta e retirar um dos canais, por exemplo: tirar a voz de Lirinha e inserir a dele.
Ao final, poderá compartilhar nas redes sociais a versão própria de Liberdade, A Filha do Vento. “Disponibilizamos as faixas de áudio separados para se fazer novas mixagens. Esse clipe com a plataforma traduz o sentimento de liberdade que conduz a nossa canção”, diz Lirinha.

Shows

Até o lançamento do disco, as datas divulgadas são: 21 de abril em Salvador-BA, na Concha Acústica, dia 28 no Rio de Janeiro-RJ, no Circo Voador, 12 de maio em Recife-PE no Clube Português, 19 de maio em Belo Horizonte-MG, no Music Hall, 09 de junho no João Rock, em Ribeirão Preto-SP, 29 de junho no MECAInhotim e 11 de agosto em Fortaleza-CE, no Dragão do Mar.

LINK VÍDEO: https://youtu.be/twD4Gvjumbs
LINK PLATAFORMA: https://cordeldofogoencantado.com.br/mix

FICHA TÉCNICA CLIPE:

Direção: Marcela Nunes e Felipe Barros

Assistente de Direção: Bruno Lima e Rafael Machado

Operador de Câmera: Rafael Machado e Felipe Barros

Edição: Rafael Machado

Montagem: Rafael Machado

Acabamento: Rafael Machado

Diretor de Produção: Felipe Barros
Produção Executiva: Felipe Falcão

Bailarinas: Monique Vilela, Júlia Franca e Isabela Loepert
Produtora: Mergulho

Gerente de Produção: Marcela Nunes

Pesquisador: Bruno Lima

PARA OUVIR
Loja Cordel: https://bit.ly/2q8sT0b
Spotify: https://spoti.fi/2Ix2bpm
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/59398282
Google Play: https://goo.gl/Kiwmpo
Amazon Music: https://amzn.to/2GYuGPy
iTunes e Apple Music: https://apple.co/2Ixexhc

CORDEL DO FOGO ENCANTADO É

Lirinha – Voz

Clayton Barros – Voz e Violões

Nego Henrique – Voz e Percussões

Emerson Calado – Voz e Percussões

Rafael Almeida – Voz e Percussões
REDES SOCIAIS:

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube
SITE:

Cordel do Fogo Encantado

DISCOGRAFIA

Cordel do Fogo Encantado (2001)

O Palhaço do Circo Sem Futuro (2002)

MTV Apresenta: Cordel do Fogo Encantado (2005) DVD

Transfiguração (2006)

Viagem Ao Coração Do Sol (2018)

Sobre o Cordel do Fogo Encantado

No ano 1997, em Arcoverde, sertão de Pernambuco, no Nordeste brasileiro, surgiu um grupo cênico-musical, compartilhando o teatro e a poesia oral e escrita dos cantadores e ritmos afro-indígenas da região. E, dessa mistura, nasceu o espetáculo: Cordel do Fogo Encantado.

Cordel é sinônimo de história de um povo em forma de poesia. Enquanto, Fogo é o elemento mais representativo do lugar de origem e da intenção músico-poética inconstante e mutável do grupo. Já Encantado ressalta a visão fantástica e profética dos mistérios entre o céu e a terra.

Por dois anos, o espetáculo, sucesso de público, percorreu o interior pernambucano.

No carnaval de 1999, o Cordel se apresentou no Festival Rec-Beat, em Recife, e adaptou a narrativa do Fogo Encantado aos palcos de rua. Nisso, a estreia no carnaval pernambucano chamou a atenção da crítica, e o que era, até então, sucesso regional, ultrapassou as fronteiras, ganhando visibilidade em outros estados e a condição de revelação da música brasileira.

Foi quando a banda consolidou sua formação definitiva com os arcoverdenses José Paes de Lira (Lirinha), Clayton Barros e Emerson Calado, e os percussionistas recifenses, Nego Henrique e Rafael Almeida (do Morro da Conceição).

Através da poesia de Lirinha, a força do violão de Clayton, a referência rock de Emerson e o peso da levada dos tambores dos ogãs Rafa e Nego Henrique, o Cordel do Fogo Encantado passou a percorrer o país, conquistando a todos com suas apresentações únicas e antológicas. Surpreendendo não somente, pela ousada mistura sonora, mas também, pela intensidade cênica de seus integrantes e os requintes de um projeto de iluminação e cenário.

Em 2001, com a produção musical de Naná Vasconcelos, o grupo lançou seu primeiro álbum: Cordel do Fogo Encantado. A evolução artística ampliou ainda mais o alcance do som da banda que, atuando de forma independente, por onde passava, ganhava mais público e atenção da mídia.

Em 2003, o grupo lançou seu segundo registro de estúdio: O Palhaço do Circo Sem Futuro, co-produzido pelos próprios integrantes e por Buguinha Dub e Ricardo Bolognine. O álbum foi considerado pela crítica especializada um dos mais inventivos trabalhos musicais produzidos nos últimos anos. Em turnê, seu show ganhou projeção internacional, com apresentações na Bélgica, Alemanha, França e Portugal.

Em outubro de 2003, o Cordel do Fogo Encantado lançou o DVD “MTV Apresenta”, o primeiro registro audiovisual da banda. “Transfiguração”, terceiro álbum, lançado em setembro de 2006, com produção de Carlos Eduardo Miranda e Gustavo Lenza, e mixagem de Scotty Hard, vem transformar, ainda mais, a linha tênue entre poesia, artes cênicas e música, firmando o Cordel do Fogo Encantado como um dos grupos mais representativos no cenário da música independente nacional.

Entre os prêmios conquistados pelo grupo estão o de banda revelação pela APCA (2001), melhor grupo nacional pelo BR-Rival (2002), Caras (2002), TIM (2003), Qualidade Brasil (2003), bicampeonato do prêmio Hangar (2002 e 2003) e APCA, como melhor compositor nacional, Lirinha (2006).

No cinema, a banda participou do filme de Cacá Diegues, Deus é Brasileiro, e do documentário O Homem que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira.Em fevereiro de 2010, após 13 anos de trabalho ininterrupto, a banda anunciou a paralisação de suas atividades.

No início de 2017, o Cordel do Fogo Encantado voltou a se reunir para a criação de um novo disco, que será lançado em abril de 2018, e turnê, que dará início logo em seguida.

Com música de Marília Mendonça, Zé Cantor grava DVD de inéditas

 

 


Com um setlist de inéditas, Zé Cantor participou – junto aos empresários – da escolha das canções para a gravação de seu DVD intitulado  “Agora Sou Eu e Você”. Da lista, o cantor dá destaque à faixa “Você Não Vai Ter’, composição de Marília Mendonça, Juliano Tchula, Vine Show, Vinícius Poeta e Junior Gomes. Outros nomes importantes também estão no time de compositores como ”Seu Hit” e ”Cabeção”.

O DVD será um marco na carreira de Zé, já que vai assinar a transição do nome ‘Solteirões’ para ‘Zé Cantor’. O local escolhido para a produção, que acontece no dia 11 de abril, foi o conceituado Coco Bambu Sul, em Fortaleza-CE, da premiada rede gastronômica Coco Bambu, internacionalmente conhecida.

Sobre o DVD, Zé Cantor aposta no repertório autoral e de músicas inéditas, com uma pegada jovem que chega para caminhar com as mudanças que são constantes no cenário musical. A direção musical é de Messias Santiago; e artística da Show Designer. A gravação será fechada apenas para convidados.

Em suas redes sociais, Zé Cantor divulgou, entre as participações que ainda serão confirmadas, a presença de Xand Avião.

Cordel do Fogo Encantado apresenta Viagem Ao Coração Do Sol

 

 

 

 

O grupo Cordel do Fogo Encantado lança nesta sexta, 06 de abril, o disco Viagem Ao Coração Do Sol. O quarto trabalho autoral da banda traz canções que ficaram guardadas durante a pausa e composições nascidas no reencontro de Lirinha (voz e pandeiro), Clayton Barros (violão e voz), Emerson Calado (percussão e voz), Nego Henrique (percussão e voz) e Rafa Almeida (percussão e voz). Diante da grande espera pela volta do Cordel, os cinco integrantes não veem a hora de encontrar o público para apresentar as novas músicas.

São 13 faixas que seguem a tradição dos títulos duplos da literatura de cordel e que dialogam com os sentimentos humanos ao longo de uma história de cinco personagens, que percorrem caminhos, por vezes misteriosos e mágicos, em busca da filha do vento, chamada Liberdade. Gravado no Estúdio El Rocha, em São Paulo, e em Fortaleza, no Totem Estúdio, o disco é uma continuidade no processo criativo da banda. “A mística que envolve o Cordel se manteve suspensa durante esses oito anos. Inicialmente, éramos um grupo de teatro, o nome da banda era o título de um espetáculo.

No nosso primeiro disco, contamos a história do Fogo Encantado. Depois falamos de um Palhaço de um Circo sem Futuro, uma metáfora da existência humana. E, por fim, na turnê do álbum Transfiguração, apresentamos um cenário que se recolhe para uma espécie de pausa, algo bem significativo para o momento em que se deu, mesmo não sendo planejado”, conta o vocalista. Portanto, para a volta do grupo, serão apresentados elementos que prosseguem a essa narrativa do terceiro disco, “agora é momento de sair para o sol, florescer, caminhar em direção à luz, sair de dentro da terra, rasgar o casulo em busca da Liberdade”, completa Lirinha.

A capa e encarte, que foi lançado em CD primeiramente, foram desenvolvidos pelo estúdio de design Savia Design&Branding e traz diferentes elementos, como a luz, o raiar, o vento e o otimismo representados na forma de um personagem, uma vez que esses símbolos transitam por todo o disco. “Criamos uma figura de luz, uma persona do movimento, que nasce da terra como um sopro de otimismo e cor”, comenta Lucas Bacic, que assina a direção criativa ao lado de Lucas Falcão.

 

Shows

Até o lançamento do disco, as datas divulgadas são: 21 de abril em Salvador-BA, na Concha Acústica, dia 28 no Rio de Janeiro-RJ, no Circo Voador, 12 de maio em Recife-PE no Clube Português, 19 de maio em Belo Horizonte-MG, no Music Hall, 09 de junho no João Rock, em Ribeirão Preto-SP e 15 de junho em Fortaleza-CE, no Dragão do Mar.

 

Para ouvir:
Loja Cordel: https://bit.ly/2q8sT0b
Spotify: https://spoti.fi/2Ix2bpm
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/59398282
Google Play: https://goo.gl/Kiwmpo
Amazon Music: https://amzn.to/2GYuGPy
iTunes e Apple Music: https://apple.co/2Ixexhc

VALOR SUGERIDO R$25,00
FAIXA A FAIXA
01 – O Sonho Acabou (Lira)

02 – Sideral ou Quem Ama Não Vê Fim (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

03 – Raiar ou O Vingador Da Solidão (Lira)

04 – Força Encantada ou Largou As Botas E Mergulhou No Céu (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

05 – Liberdade, A Filha Do Vento (Lira)

06 – No Compasso Da Mãe Natureza ou O Amor, A Pureza e A Verdade (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

07 – Pra Cima Deles Passarinho ou Semente Brilhante (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

08 – Dentro Dos Teus Olhos ou Passageira Florescente (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

09 – Destilações (Maviael Melo e Alisson Menezes)

10 – Eternal Viagem (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

11 – Conceição ou Do Tambor Que Se Chama Esperança (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

12 – Primeira Paisagem ou A Flor Molhada (Lira, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafael Almeida)

13 – Cavaleiro Das Estradas Do Sol (Clayton Barros)

FICHA TÉCNICA
Produção musical: Fernando Catatau

Engenheiro de Som: Éric Yoshino, Gabriel Arbex e Fernando Takara

Mixagem: Yuri Kalil e Fernando Catatau no Totem Estúdio-CE

Arranjos: Cordel do Fogo Encantado

Direção Executiva: Fogo Encantado Iniciativas Culturais

Masterização: Felipe Tichauer no estúdio Red Traxx-EUA

Participações especiais: Fernando Catatau, Nataly Rocha, Jeyce Viana e Rian Batista.

Gravado no estúdio El Rocha (São Paulo) e no Totem Estúdio (Fortaleza)
CAPA & ENCARTE
Desenvolvido por Savia Design&Branding

Direção Criativa: Lucas Bacic e Lucas Falcão

Fotografias: Lucas Bacic

Projeto Gráfico: Lucas Bacic e Lucas Falcão

Modelo: Eduardo Nóbrega

Arquivo: ​
Capa Viagem Ao Coração do Sol.jpg

CORDEL DO FOGO ENCANTADO É
Lirinha – Voz

Clayton Barros – Voz e Violões

Nego Henrique – Voz e Percussões

Emerson Calado – Voz e Percussões

Rafael Almeida – Voz e Percussões
REDES SOCIAIS:

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube
SITE:

Cordel do Fogo Encantado
DISCOGRAFIA

Cordel do Fogo Encantado (2001)

O Palhaço do Circo Sem Futuro (2002)

MTV Apresenta: Cordel do Fogo Encantado (2005) DVD

Transfiguração (2006)

Viagem Ao Coração Do Sol (2018)

 

Sobre o Cordel do Fogo Encantado

No ano 1997, em Arcoverde, sertão de Pernambuco, no Nordeste brasileiro, surgiu um grupo cênico-musical, compartilhando o teatro e a poesia oral e escrita dos cantadores e ritmos afro-indígenas da região. E, dessa mistura, nasceu o espetáculo: Cordel do Fogo Encantado.

Cordel é sinônimo de história de um povo em forma de poesia. Enquanto, Fogo é o elemento mais representativo do lugar de origem e da intenção músico-poética inconstante e mutável do grupo. Já Encantado ressalta a visão fantástica e profética dos mistérios entre o céu e a terra.

Por dois anos, o espetáculo, sucesso de público, percorreu o interior pernambucano.

No carnaval de 1999, o Cordel se apresentou no Festival Rec-Beat, em Recife, e adaptou a narrativa do Fogo Encantado aos palcos de rua. Nisso, a estreia no carnaval pernambucano chamou a atenção da crítica, e o que era, até então, sucesso regional, ultrapassou as fronteiras, ganhando visibilidade em outros estados e a condição de revelação da música brasileira.

Foi quando a banda consolidou sua formação definitiva com os arcoverdenses José Paes de Lira (Lirinha), Clayton Barros e Emerson Calado, e os percussionistas recifenses, Nego Henrique e Rafael Almeida (do Morro da Conceição).

Através da poesia de Lirinha, a força do violão de Clayton, a referência rock de Emerson e o peso da levada dos tambores dos ogãs Rafa e Nego Henrique, o Cordel do Fogo Encantado passou a percorrer o país, conquistando a todos com suas apresentações únicas e antológicas. Surpreendendo não somente, pela ousada mistura sonora, mas também, pela intensidade cênica de seus integrantes e os requintes de um projeto de iluminação e cenário.

Em 2001, com a produção musical de Naná Vasconcelos, o grupo lançou seu primeiro álbum: Cordel do Fogo Encantado. A evolução artística ampliou ainda mais o alcance do som da banda que, atuando de forma independente, por onde passava, ganhava mais público e atenção da mídia.

Em 2003, o grupo lançou seu segundo registro de estúdio: O Palhaço do Circo Sem Futuro, co-produzido pelos próprios integrantes e por Buguinha Dub e Ricardo Bolognine. O álbum foi considerado pela crítica especializada um dos mais inventivos trabalhos musicais produzidos nos últimos anos. Em turnê, seu show ganhou projeção internacional, com apresentações na Bélgica, Alemanha, França e Portugal.

Em outubro de 2003, o Cordel do Fogo Encantado lançou o DVD “MTV Apresenta”, o primeiro registro audiovisual da banda. “Transfiguração”, terceiro álbum, lançado em setembro de 2006, com produção de Carlos Eduardo Miranda e Gustavo Lenza, e mixagem de Scotty Hard, vem transformar, ainda mais, a linha tênue entre poesia, artes cênicas e música, firmando o Cordel do Fogo Encantado como um dos grupos mais representativos no cenário da música independente nacional.

Entre os prêmios conquistados pelo grupo estão o de banda revelação pela APCA (2001), melhor grupo nacional pelo BR-Rival (2002), Caras (2002), TIM (2003), Qualidade Brasil (2003), bicampeonato do prêmio Hangar (2002 e 2003) e APCA, como melhor compositor nacional, Lirinha (2006).

No cinema, a banda participou do filme de Cacá Diegues, Deus é Brasileiro, e do documentário O Homem que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira.Em fevereiro de 2010, após 13 anos de trabalho ininterrupto, a banda anunciou a paralisação de suas atividades.

No início de 2017, o Cordel do Fogo Encantado voltou a se reunir para a criação de um novo disco, que será lançado em abril de 2018, e turnê, que dará início logo em seguida.

Romantismo e sofrência marcam a gravação do novo DVD “Tu!” do grupo Os Alfazemas

 

 

 

 

O grupo de brega-romântico-pós-pop-cafona “Os Alfazemas” vem agitando a cena musical de Fortaleza, chamando a atenção por interpretar canções tidas como bregas, mas com uma pegada mais moderna e irreverente. Os shows realizados em Fortaleza, e também em cidades do interior, têm levado a música brega para um público de todas as idades, lotando as casas de show.

Formado em 2010, o grupo se prepara para a gravação do segundo DVD intitulado “Tu!”, dia 22 de setembro, às 22h, no Complexo Armazém. O novo trabalho manterá a essência do grupo: a interpretação mais moderna de canções que marcaram época, precisamente músicas classificadas como bregas ou cafonas, além de trazer canções inéditas.

“Não fazemos sátira desse estilo. Ele, na verdade, nos representa enquanto sujeitos. Essas músicas nos marcam e emocionam de verdade. Então, com certeza pretendemos continuar fazendo isso com o máximo de respeito possível”, explica Adriano Uchôa, compositor e vocalista da banda, composta ainda por Alexandre Lima (baixista), Breno de Souza (baterista), Marcelo Almeida (tecladista) e Thiago Oliveira (guitarrista). Apesar do ritmo tradicionalmente mais tocado em Fortaleza ser o Forró, os integrantes da banda não tiveram medo de investir em um estilo musical diferente.

A banda foi iniciada sem preocupação com as tendências de mercado. “O único objetivo ​​​​era ter uma desculpa para tocar essas músicas que gostávamos, beber cachaça e fazer pose de brega-star paras as meninas. A aceitação do público foi se tornando algo natural diante disso, por isso nunca nos preocupamos com o fato do forró ser a grande força da indústria do entretenimento no Ceará. A ideia sempre foi se divertir, antes de mais nada”, conta Adriano.

A inspiração para o show do DVD “Tu!” vem de dramas pessoais vividos por todos. “Tu é a ideia de sofrimento e do abandono, o interlocutor que acaba com a nossa vida, sobretudo o que diz respeito às tragédias e às frustrações amorosas”, afirma o vocalista da banda.

 

A origem do termo e as transformações musicais

A origem do termo brega ainda levanta discussões. Há quem diga ser a responsável pelo termo uma boate no Nordeste chamada Nóbrega, onde se apresentavam cantores considerados cafonas. Um dia, uma parte do letreiro estava apagada e só era visível o trecho “Brega”. A partir daí, o nome incompleto da boate batizou esse estilo musical. Outra possível origem do termo seria por conta da Rua Manoel da Nóbrega, em Salvador, localizada numa região de meretrício da cidade. A placa da rua também estaria apagada e as pessoas começaram a combinar encontros “no brega” ou “na rua do brega”.

De acordo com o Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, o termo brega foi utilizado inicialmente de maneira pejorativa para designar a chamada música romântica popular. Desde o começo da década de 80, segundo a publicação, a palavra brega vem sendo usada para designar a música de mau gosto, geralmente feita para as camadas populares, com exageros de dramaticidade ou letras de grande ingenuidade.

Com o passar do tempo, novos artistas foram surgindo e combinando influências diversas. Dessas misturas, surgiram o brega pop, o brega-funk e o Tecnobrega. Reginaldo Rossi e Odair José, ícones da música brega, ganharam tributos de artistas nacionais. No Recife, a festa Brega Naite, realizada há pouco mais de cinco anos, tem reunido tanto artistas do ritmo e seus derivados, sempre com ingressos esgotados. “O interessante seria que a moçada que curte o estilo e que acredita nele de verdade, e não somente como um momento de catarse, como algo frívolo ou uma piada, começasse a investir um pouco mais. É um caminho árduo, mas se isso se tornar algo coletivo eu acredito que a gente só teria a ganhar”, reflete Adriano. Apesar do compositor considerar o Brega um gênero marginalizado, o grupo vem marcando seu espaço na cena musical e artística da cidade.

Ingressos

As pessoas que levarem um 1 kg de alimento no dia da gravação terão direito à meia entrada e todos os alimentos arrecadados serão doados a uma instituição de caridade.

Serviço

Gravação do DVD “Tu!”, do grupo Os Alfazemas

Local: Complexo Armazém – Av. Almirante Barroso, 444, Praia de Iracema.

Data: 22/09/2017

Hora: às 22h

Ingressos: DLT Shopping Benfica (a vista e no cartão*)
DLT Shopping Iguatemi (somente a vista)
DLT North Shopping Jóquei (somente a vista)

Event Brite: https://goo.gl/9xAhP8

Valores de 1º Lote

Meia: R$ 25,00
Promocional: R$ 25,00 (+1kg de alimento no dia do evento)
Inteira: R$ 50,00

Informações: (85) 9.9798-6416 / 9.8525-3106

 

* Cartões Visa, Master, ELO, Dinners e American Express.

 

Samyra Show lança novo DVD, sábado (19), no Country Hall

 

 

O Country Hall recebe neste sábado (19) a cantora Samyra Show para lançar oficialmente seu novo DVD, “Samyra Exclusive no Paraíso”, que foi gravado em tom intimista, em novembro do ano passado, e contou com a participação de nomes como Wesley Safadão e Xand Avião, vocalista da banda Aviões do Forró.

Com mais de 20 anos no mercado forrozeiro, esse foi o primeiro DVD da cantora depois de seguir carreira solo. O cenário também foi escolhido minuciosamente. “Eu queria algo que representasse o nosso Nordeste, mas que não fosse só praia. Muita gente já fez perto do mar, eu queria algo diferente”, afirma Samyra.

No DVD, a diferentona, em parceria com os produtores musicais Melksedeque e Fabinho Quixadá, escolheu um repertório alegre e dançante com seis músicas inéditas e nove regravações, entre elas os hits “Coração Apertado”, “Alta Tensão” e “O Mundo Girou”. Momento marcante na carreira da artista, a gravação contará com instrumentos de alta qualidade e tecnologia, além de decoração com flores e cores vivas que remetem à temática de paraíso.

 

Serviço:

Data: Sábado, 19 de agosto

Horário: 21 horas

Local: Country Hall (Av. Washington Soares, 3500 – Edson Queiroz)

Ingressos: R$50  (unissex-1º lote)

Informações: (85) 99901.4300 / 3273.6033

Instagram: @countryhallfortaleza

Estacionamento: Sim (pago)

Aceita cartão de crédito