Browsing Tag

Dona Zefinha

Dona Zefinha lança álbum “Da Silva: El Hijo de Las Américas” em show dia 16 de setembro no Anfiteatro do Dragão do Mar

 

 

Dona Zefinha e Pato Mojado. Dois grupos de países e idiomas diferentes. Um é de Itapipoca, cidade brasileira do interior do Ceará, e o outro, de Rosário, no interior da Argentina. Fora isso, têm muita coisa em comum. Uma delas é o uso das linguagens da música e do teatro como expressões artísticas em seus espetáculos. A afinidade entre eles deu margem ao intercâmbio que resultou em uma montagem teatral com apoio cultural do IBERESCENA, cuja estreia aconteceu em Rosário em 2016. A trilha sonora da peça está no álbum Da Silva: El Hijo de las Américas (Independente/2018), que Dona Zefinha lança em show no dia 16 de setembro, às 20h, no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

“Ambos somos ativistas culturais natos que contribuem para difusão de shows em suas moradas através de ações, eventos, festivais e projetos de exibição pública de arte. A partir destes e de outros itens de pertença e similitude surgiram os primeiros rabiscos de ideias, troca de referências, parcerias musicais e vivências artísticas”, diz Orlângelo Leal, do grupo Dona Zefinha, sobre a parceria com Pato Mojado.

Com 12 faixas, o disco foi gravado em Itapipoca (Studio JP) e Rosário (Studio El Espacio La Casona), entre julho e outubro de 2016, numa co-produção dos dois grupos, através de e-mails e com o auxílio das redes sociais. Tem a participação especial do cearense Daniel Groove na música “Indecisão”. A mixagem e masterização é de Gustavo Portela.

Os temas alternam entre instrumentais e canções populares nas línguas maternas criolas, português e castelhano, figurando lado a lado numa mistura de sotaques que aponta o quanto os dois povos são iguais e distintos no cotidiano. É um trabalho baseado na vida do povo latino, com arranjos inspirados nas expressões artísticas populares e fusões de ritmos como tango, bolero, cumbia, arrocha, samba, milonga e carnavalito. O ecletismo sonoro destaca-se pela diversidade de timbres de instrumentos como rabeca, piano, violão, bombardino, tuba, trompete, flauta, congas, pandeiro, zabumba, proporcionando uma atmosfera de word music.

 

O SHOW

O show no dia 16 de setembro no Anfiteatro do Dragão do Mar faz parte do edital da Temporada de Arte Cearense (TAC), programa de ocupação artística do Dragão do Mar, e da turnê de lançamento do disco, que começa no dia 8 de setembro no Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga (FNT). Também no dia 8 o álbum será lançado de forma digital nas plataformas de streaming. Será um espetáculo dançante, com uma pegada latino-americana, envolvente e divertida, tudo junto e misturado, quente fervendo Dona Zefinha e Pato Mojado sabem fazer.

O time dos brasileiros no show será composto por Orlângelo leal (voz, baixo, guitarra), Paulo Orlando (vocal, percussão), Ângelo Márcio (sax, percussão) Joélia Braga (voz) Samuel Furtado (rabeca, bombardino, trompete, trombone, tuba), Vanildo Franco (pífano, percussão), Maninho (bateria), Tamily Braga (baixo, ukulele, vocal) e, como participação especial, o cantor Daniel Groove em “Indecisão”. Do Pato Mojado o show contará com a presença dos músicos Alejo Castillo (voz, sintetizador, piano) e Pedro Jozzami (voz, sintetizador, piano, violão, baixo, guitarra).

 

O ÁLBUM

“Da Silva: El Hijo de las Américas é um disco baseado na vida do povo da América Latina e sua relação com a natureza, sociedade e cultura. Os países da América do Sul são todos frutos da colonização ibérica e vítimas do mercantilismo mundial. As fusões étnicas ‘íberoafroameríndias’ deram margem a diversidade sonora, criando uma música variada e pulsante, que serviu como inspiração para concepção de um álbum latino”, explica Orlângelo Leal, do Dona Zefinha.

As letras de cunho social assumem seu duplo: ora como aglutinador de culturas entre povos de territórios distantes e realidades parecidas, ora como chave para abertura das mentes enclausuradas nas ideologias de dominação, neste ambiente contemporâneo, pós-colonial, trazendo à tona discussões como a subsistência, a capacidade de resiliência e a expertise criadora para fugir da escravidão moderna e navegar com mais autonomia nos tortuosos caminhos da insegurança da era planetária.

As composições são de Orlângelo Leal, Samuel Furtado e dos argentinos Alejo Castillo e Pedro Jozzami. Entre os convidados, Além de Daniel Groove, estão os Itapipoquenses Mauro de Moraes, Alcio Barroso e Arizzinho no samba “Bloco dos Excluídos”, com arranjos vocais de Davi Silvino.

 

SERVIÇO

“Silva: El Hijo de las Américas” – Show de lançamento do novo CD do grupo Dona Zefinha, dia 16 de setembro de 2018, às 20h, no Anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema). Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Informações: (85) 99972-2871.

Grupo Dona Zefinha leva dois espetáculos ao Centro de Fortaleza

Depois de circular durante o mês de março por cidades da Paraíba e do Ceará, incluindo uma apresentação em Fortaleza, o grupo Dona Zefinha retorna à Capital para mais dois dias de programação do projeto “Dona Zefinha Volante – Programação Cultural Itinerante”, dias 17 e 19 de abril. O projeto é contemplado pelo edital de chamada pública do Programa de Patrocínios Banco do Nordeste Cultural 2016/2018. Toda a programação tem acesso gratuito.

A circulação comemorativa aos 25 anos de carreira do grupo traz a Fortaleza dois espetáculos para público de todas as idades e uma ação formativa destinada a profissionais da cultura (educadores/professores e estudantes). No dia 17 de abril (terça-feira), às 13h, será realizada a “Vivência Cenomusical” na Escola Municipal João Saraiva Leão, e, às 16h30, apresenta o espetáculo “O casamento de Tabarim”, na calçada do Theatro José de Alencar. E no dia 19, às 12h, o grupo Dona Zefinha estará no Foyer do Cineteatro São Luiz para encenar “Ch@furdo”. A direção é de Orlângelo Leal.

 

ESPETÁCULOS – SINOPSES E FICHAS TÉCNICAS

“O Casamento de Tabarim” (2003) – Tabarim deseja encontrar uma noiva para se casar. Vive inventando trapaças para ganhar dinheiro do modo mais fácil. Górgibus, o velho avarento, é seduzido pelas facetas do malandro e troca sua valiosa aliança por um saco de feijões mágicos. A trapaça é descoberta e o velho, na ânsia de tornar-se rico, vende a alma de sua filha Angélica para Méfisto, um diabo que vagueia pelo mundo em busca de novas almas. O destino cruel faz Tabarim se apaixonar por Angélica e para escapar das garras do velho e conseguir a mão da moça em casamento, aceita enfrentar Méfisto.

Classificação Indicativa: 12 anos. Comédia Teatral: 60min. Texto e Direção: Orlângelo Leal. Figurinos e Adereços: Joélia Braga. Elenco: Orlângelo Leal, Joélia Braga, Ângelo Márcio e Paulo Orlando. Técnica: Junior Pereira e Vanildo Franco.

“Ch@furdo” (2013) – Em “Ch@furdo” três irmãos se reúnem para realizar uma apresentação musical improvisada com a maioria dos instrumentos feitos de materiais alternativos. Ao longo do espetáculo, vão descobrindo, junto do público, diversas formas de composição musical. O irmão mais velho tenta a todo o momento reger e organizar a apresentação, façanha que se torna difícil uma vez que o irmão mais novo sempre se desconcentra atrapalhando os números e deixando o irmão do meio entre a obrigação e a brincadeira. Chafurdo, que significa caos, descontrole, algazarra e festa é o que proporciona os musicômicos Orlângelo Leal, Ângelo Márcio e Paulo Orlando, provocando o público com música excêntrica e outras surpresas. Um espetáculo livre para todos os públicos.

Classificação: LIVRE. Música Excêntrica/comicidade: 60min. Roteiro e Direção: Orlângelo Leal. Figurinos e Adereços: Joélia Braga. Elenco: Orlângelo Leal, Paulo Orlando e Ângelo Márcio. Técnica: Junior Pereira e Vanildo Franco.

 

O projeto

“Dona Zefinha Volante – Programação Cultural Itinerante” é um projeto de difusão, circulação e intercâmbio cultural que passa por cinco cidades. Começou em Sousa, na Paraíba, de 9 a 11 de março, esteve em Juazeiro do Norte de 22 a 24 de março, em Jaguaribe de 6 a 8 de abril e, além de Fortaleza, onde esteve no dia 27 de março e retorna agora nos dias 17 e 19 de abril, o Dona Zefinha encerra a temporada em Itapipoca, cidade do grupo, com programação de 11 a 13 de maio.

Esta é a quarta edição do projeto Dona Zefinha Volante, que teve início em 2013 com circulação no Nordeste, em 2015 passou por bairros de Itapipoca e teve sua terceira etapa na região Sul do Brasil em 2016. Apresentada pelo do Ministério da Cultura e realizada pela Casa de Teatro Dona Zefinha, a nova circulação tem, além do Banco do Nordeste, o patrocínio das empresas Grande Moinho Cearense, Rubberloss e DASS.

 

Serviço:

“Dona Zefinha Volante – Programação Cultural Itinerante” – Dias 17 e 19 de abril em Fortaleza. Dia 17, às 13h, ação formativa “Vivência Cenomusical” na Escola Municipal João Saraiva Leão (Av. Professor José Arthur de Carvalho, 42-258 – Lagoa Redonda). Espetáculos: Dia 17, às 16h30, “O Casamento de Tabarim” na calçada do Theatro José de Alencar (R. Liberato Barroso, 525 – Centro); Dia 19, às 12h, “Ch@furdo”, no Foyer do Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro). As apresentações fazem parte do projeto de circulação “Dona Zefinha Volante – Programação Cultural Itinerante”. Acesso livre e gratuito. Informações: (88) 98870-0007.

 

CIRCULAÇÃO EM FORTALEZA (CE)

17 de abril | Terça-Feira

13h – Vivência Cenomusical Local: Escola Municipal João Saraiva Leão (Professor Jose Arthur De Carvalho, 50, Lagoa Redonda)

16h30 – Espetáculo O casamento de Tabarim. Local: Calçada do Theatro José de Alencar (Praça José de Alencar, Centro)

19 de abril | Quinta-Feira

12h – Espetáculo Ch@furdo. Local: Foyer do Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro)

Evaldo Gouveia também é “Invocado que só”

 

 

 

Neste domingo (8), o espetáculo “Invocado que Só”, encenado pelo grupo Dona Zefina se apresenta no Cineteatro São Luiz, eem Fortaleza, a partir das 18h. Após se apresentar em São Paulo, Ibiapaba, Sobral e Itapipoca, o espetáculo vai homenagear o compositor cearense Evaldo Gouveia, que fará participação especial.

“Invocado que só” é homônimo ao livro-CD “Invocado um jeito brasileiro de Ser musical”, de Flávio Paiva (Armazém da cultura – 2014), com ilustrações musicais de autores cearenses e gravações acústicas exclusivas de Dona Zefinha. Assim como o livro e o espetáculo, o disco, que contou com a produção musical do músico e produtor paulistano André Magalhães, traz um relicário da diversidade musical cearense, organizado dentro do conceito de “música Invocada”, com sons que vão de Abdoral Jamarcaru, Neo Pinel, a Luis Fidelis, Xerém, Petrúcio Maia e Evaldo Gouveia.

“É por isso que ter Evaldo no palco, cantando acompanhado da Dona Zefinha é uma emoção grande. É um encontro muito esperado por todos nós” explica Orlângelo Leal dramaturgo, compositor e um dos fundadores do grupo. No livro-CD e na turnê de “Invocado que Só”, a música “Alguém Me Disse”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, já faz parte do repertório.

A performance teatral, um traço marcante do grupo, se une a um repertório que diverte e, ao mesmo tempo, propõe uma reflexão ao público, a banda aproxima o som do batuque à música de câmara, passando pelas contribuições do maestro Alberto Nepomuceno, em uma verdadeira homenagem à cultura musical do nosso Estado.
O show “Invocado que só” conta com o apoio cultural do Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria da Cultura – X Edital de Incentivo as Artes/2015 e Armazém da Cultura. Depois de Fortaleza, o espetáculo segue para o município de Independência, ainda em agosto de 2017.

 

 

 

Sobre Evaldo Gouveia

Natural de Iguatu, Evaldo Gouveia é um dos compositores cearenses mais gravados da MPB. Suas composições, que vão do bolero a música nordestina, já ganharam as vozes de Altemar Dutra, Nelson Gonçalves, Gal Costa, Maria Bethania, Maysa, Fagner, Ana Carolina, entre outros.
Na época dos grandes cantores do rádio, nos anos 40, ele participou do Trio Nagô e colocou a música cearense em destaque nacional. No Rio de Janeiro fez crescer sua carreira, e até a Portala se consagrou com versos dos sambas-enredos “Mundo Melhor de Pixinguinha” (1974) e “Mulher à Brasileira” (1978), ambos criados com seu grande parceiro Jair Amorim. Além de Jair, Fausto Nilo e Paulo César Pinheiro foram seus parceiros de composição. Hoje, aos 88 anos, Evaldo não perde a vontade e a alegria de subir ao palco e cantar. Em 2013, gravou o seu primeiro DVD ao vivo, em comemoração aos 80 anos de carreira.

 

 

 

Serviço – Espetáculo “Invocado que só” – Dona Zefinha e participação de Evaldo Gouveia

Data – 9 de julho, Domingo

Local – Cineteatro São Luiz | Rua Major Facundo, 500 – Fortaleza – Ceará

Horário – 18h

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

 

Ficha Técnica:

Cenomusical: 60 minutos

Direção Artística: Orlângelo Leal

Direção Musical: André Magalhães

Figurinos: Joélia Braga

Concepção/Argumento: Flávio Paiva/Orlângelo Leal

 

Elenco:

Orlângelo Leal (voz e guitarra), Ângelo Márcio (percussão e sax), Paulo Orlando (locução, percussão e voz), Joélia Braga (percussão e voz), Tamily Braga (vocal, violoncello e ukulelê), Samuel Furtado (rabeca, tuba, trombone e trompete), Joel Rocha (trombone, baixo e pífano), Maninho (bateria), Yago Fernando (piano, guitarra e sanfona), Vanildo Franco (pífano e percussão).

Sobral recebe um espetáculo “Invocado que só” do Grupo Dona Zefinha

 

 

 

 

No dia 29 de junho, música, literatura e teatro para contar –  e cantar – a música cearense são os motes para a apresentação que a Dona Zefinha vai realizar no Teatro São João, em Sobral. Intitulada “Invocado que só”, o espetáculo vai começar às 20h, e contar com a participação de Zeca Filho (Procurando Kalu) e Gecilda Freire (Freud Explica).

Com um repertório que diverte e propõe reflexões, a banda mescla o som do batuque à música de câmara, passando pelo repertório do maestro Alberto Nepomuceno, em uma verdadeira homenagem à cultura musical do nosso Estado. “Invocado que só” é homônimo ao livro-CD Invocado um jeito brasileiro de Ser musical, de Flávio Paiva (Armazém da cultura – 2014), com ilustrações musicais de autores cearenses e gravações acústicas exclusivas de Dona Zefinha.

Assim como o livro e o espetáculo, o disco, que contou com a produção musical do músico e produtor paulistano André Magalhães, traz um relicário da diversidade musical cearense, organizado dentro do conceito de “música Invocada”, com sons que vão de Abdoral Jamarcaru, Neo Pinel, a Evaldo Gouveia, passando ainda por Luis Fidelis, Xerém, Petrúcio Maia, entre outros.

 

Intercâmbio e conexões

Orlângelo Legal, dramaturgo, diretor teatral, compositor e um dos fundadores da Dona Zefinha, explica que o intercâmbio com artistas locais foi essencial para o enriquecimento do “Invocado que Só”, a exemplo das turnês por onde o espetáculo já passou. “Prezamos muito por esses encontros com grandes artistas, pessoas que admiramos, pois agregam novas possibilidades, ideias e ampliam ainda mais as possibilidades, tanta para a banda, no que se refere à novas referências, quanto para o espetáculo em si.

Em agosto de 2015, por exemplo, durante a ocupação Elomar no Itaú Cultural (SP), a cantora e dançarina africana Fanta Konatê e a artista paulistana Suzana Salles participou de “Invocado que só”. Em Fortaleza, no Maloca do Dragão 2016, subiram ao palco o cantor e compositor Messias Holanda e Karine Alexandrino. Mais recentemente, no Festival Música na Ibiapaba, foi a vez da cantora Inês Mapurunga. Neste ano, Dona Zefinha se apresentou na Bienal Internacional do Livro do Ceará com presença de Neo Pineo e do autor do livro Flávio Paiva.

E em Sobral não será diferente. Na quinta-feira, o espetáculo contará com a participação Zeca Filho (Procurando Kalu) e Gecilda Freire (Freud Explica). Cada um deles vai cantar uma das músicas do show e, especialmente nesta apresentação, interpretam também duas músicas de Belchior.

O show “Invocado que só” conta com o apoio cultural do Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura – X Edital de Incentivo as Artes/2015, parceria com a Prefeitura Municipal de Sobral e Armazém da Cultura. O espetáculo será exibido, ainda em 2017, nas cidades de Independência e Fortaleza.

 

Serviço – Espetáculo “Invocado que só”

Data – 29/06

Local – Teatro São João | Sobral – Ceará

Horário – 20h

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

 

Ficha Técnica:

Cenomusical: 60 minutos

Direção Artística: Orlângelo Leal

Direção Musical: André Magalhães

Figurinos: Joélia Braga

Concepção/Argumento: Flávio Paiva/Orlângelo Leal

 

Elenco:

Orlângelo Leal (voz e guitarra), Ângelo Márcio (percussão e sax), Paulo Orlando (locução, percussão e voz), Joélia Braga (percussão e voz), Tamily Braga (vocal, violoncello e ukulelê), Samuel Furtado (rabeca, tuba, trombone e trompete), Joel Rocha (trombone, baixo e pífano), Maninho (bateria), Yago Fernando (piano, guitarra e sanfona), Vanildo Franco (pífano e percussão).

 

Informações para imprensa:

Grupo Maestros: (85) 3181.9170 / Vinicius Augusto – (85) 9.8787.4984