A VI Bienal de Dança De Par Em Par já começou com os Trajetos em Cena e os Percursos de Criação

 

No dia 19 de outubro, o Theatro José de Alencar certamente terá casa cheia, como de costume, para a cerimônia e o espetáculo de abertura de mais uma Bienal Internacional de Dança do Ceará / De Par Em Par. É a sexta edição dos anos pares da Bienal – a primeira foi há 10 anos, em 2008 – criada como desdobramento da veterana Bienal de Dança, dos anos ímpares, iniciada em 1997. A noite será de abertura oficial, mas o fato é que esta edição já acontece fora dos palcos desde o final de junho, com duas importantes ações formativas na capital e no interior: os Trajetos em Cena e os Percursos de Criação, projetos que a Bienal realiza há quatro anos.

A Bienal De Par Em Par formaliza o compromisso da Bienal em atender a demanda dos profissionais da dança no Ceará por ações continuadas na área de formação, principalmente para que os níveis de impacto constatados, que vão além de sua programação oficial, possam ser ampliados. Com estas ações, a Bienal procura fomentar e dar visibilidade à produção local, fortalecendo os processos colaborativos de criação, nacional e internacionalmente.

 

TRAJETOS EM CENA

Nos Trajetos em Cena, jovens dos bairros Vicente Pinzon, Praia do Futuro e do Morro de Santa Terezinha participam de oficinas ministradas por profissionais renomados nas artes cênicas no Ceará: iluminação (Walter Façanha), sonorização (Renato Sabóia) e figurino (Marina Carleial). Essas atividades formativas vão dar o devido suporte a dois espetáculos da Bienal. Um deles, “Sagração da Primavera”, é um trabalho coreográfico do cearense Márcio Medeiros com bailarinos do Vicente Pinzon, que será apresentado no dia 21, às 18h, no Theatro José de Alencar, e no dia 22 às 18h em Pacatuba, cidade que este ano também recebe a programação da Bienal. O segundo é “Lança”, dos coreógrafos Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira, de São Paulo, com bailarinos dos bairros Bom Jardim e Centro, numa parceria da Bienal com a Vila das Artes. Este será levado ao palco no dia 26, às 19h, em Trairi, e no dia 27, também às 19h, no Teatro Dragão do Mar.

 

Nos Percursos de Criação a Bienal realiza este ano residências de coreógrafos convidados com três companhias cearenses. Pela primeira vez no Brasil, Amy Bell (Inglaterra) conduz dois desses intercâmbios que resultarão em duas criações coletivas. Um deles é com o elenco do No Barraco da Constância tem!, cujo resultado será apresentado no dia 21, às 21h, no Teatro B. de Paiva, no Porto Dragão. O segundo é com a Inquieta Cia, que se apresenta no dia 23, às 21h, no Teatro do Dragão. A residência de Amy Bell surgiu de uma proposta da Bienal lançada ao Programa Pontes da Oi Futuro junto ao British Council visando criar esses contextos entre os dois países e entendendo as potencialidades desses encontros.

No Litoral Oeste do estado, a Paracuru Cia de Dança trabalha com Fabrice Ramalingom, um dos mais reconhecidos coreógrafos franceses da atualidade que, juntamente com Dominique Bagouet, criou o Danse Festival no Centro Nacional Coreográfico de Montpellier, um dos mais importantes centros da dança contemporânea europeia. O resultado dessa residência será “Doce – um hino à juventude”, que será apresentado no dia 19, às 20h, em Paracuru, no dia 25, às 21h, no Teatro do Dragão, em Fortaleza, e no dia 27, às 20h, em Trairi, também no Litoral Oeste.

A VI Bienal Internacional de Dança do Ceará / De Par Em Par é uma realização da Indústria da Dança, Proarte e Prodança. Agradecimento: Enel.

 

Serviço

VI Bienal Internacional de Dança do Ceará / De Par Em Par – De 19 a 28 de outubro de 2018 com programação em Fortaleza (19 a 28), Paracuru (19 e 20), Pacatuba (22 a 24), Itapipoca (26 e 27) e Trairi (26 e 27). Informações: bienal@bienaldedanca.com. Site: www.bienaldedanca.com . Toda a programação é gratuita.

Você também pode gostar leia