Desistir? Só se for agora!

“Eu sou brasileiro e não desisto nunca”, quem já ouviu essa frase e se identificou, levanta a mão! Não sei quem falou isso a primeira vez, mas incutiu em muitos de nós que não era possível abrir mão de um sonho. Mas, convenhamos, nem sempre acontece como planejamos, não é mesmo?

A empresa entra em dificuldades, nossa carreira vai de mal a pior, nossos planos para o futuro próximo parecem simplesmente impossíveis e o Planejamento Estratégico mais lindo ecompleto que já desenhamos está na parede e não funciona, nem para o mês que vem, imagina pra daqui cinco anos! Cada vez mais o mundo dos negócios tem pressa e as mudanças são inúmeras, ambíguas, voláteis e complexas.

Jack Welch fala que quando o ritmo de mudanças dentro da empresa for ultrapassado pelo ritmo da mudança fora dela, o fim está próximo. Ou seja, ou você muda, ou morre. E isso vale para o que planejou sim, para o que sonhou. Se tem a consciência tranquila que já tentou tudo o que pode, que trabalhou duro, se dedicou ao máximo e ainda assim está vendo seu negócio morrer na praia, pare um pouco, pense na rota que tomou e reprograme. Desistir e mudar a direção faz parte do jogo.

O recomeço se dá entendendo o que podia ter feito diferente. Analise seus resultados e identifique o momento que se perdeu e as causas envolvidas. Não precisa ir longe, essencialmente tratará de uma ou mais das seis causas apontadas por Ishikawa: Materiais, Mão-de-obra, Máquinas, Métodos, Medição, Meio-ambiente. E direcione para que seu novo sonho não se encontre com essas falhas, acredite, ele tem mais chance de dar certo de uma segunda, terceira ou quarta vez.

Um amigo fala sempre que nossos sonhos devem ser grandes, que devemos mirar na Lua, porque se tudo der errado, acertaremos as estrelas; e concordo com ele. Uma dessas estrelas pode ser tudo que você precisa para sonhar novamente e fazer acontecer, ao infinito e além!

Você também pode gostar leia