MUSICAL “AMARGO FRUTO – A VIDA DE BILLIE HOLIDAY” ACONTECE NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA ENTRE OS DIAS 17 E 20 DE MAIO DE 2018

 

 

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 17 a 20 de maio de 2018, o musical premiado “Amargo Fruto – A vida de Billie Holiday”. Com interpretação de Lilian Valeska, uma das atrizes mais requisitadas para musicais brasileiros, o espetáculo conta a história trágica da grande diva do Jazz mundial. Serão 19 canções interpretadas por Lilian, com sua voz de timbre agudo conceituado.

A atriz e cantora Lilian Valeska “encarna” Billie Holiday, seus pensamentos da infância, a miséria, a dor, o estupro aos 11, a prostituição aos 13, a iniciação com as drogas pesadas aos 17, o preconceito racial e o abandono em todos os sentidos. Milton Filho e Vilma Melo completam o elenco cantando e interpretando diversos personagens que influenciaram a vida da cantora. Com quatro músicos que tocam ao vivo, o espetáculo apresenta clássicos como Summertime, Strange Fruit, Speak Low, entre outros.

“Não tento ser um clone ou uma imitadora de Billie Holiday. No máximo, recorro a algumas inflexões, a certos timbres característicos dela. Quando fui convidada, aceitei na hora. Não tive muito tempo para me preparar, mas li livros, vi vídeos, tentei aprender com a própria Billie, sem imitá-la. Escolhi o caminho do sentimento. Sou uma preta muito brasileira, musicalmente, de modo que tentei entrar no mundo de Billie. Ou em como Billie interpretava suas letras”, explicou a Lilian Valeska.

Na direção musical e arranjos está o premiado Marcelo Alonso Neves. “Ouvi muito Billie nesses meses. Mas ouvi também outros cantores. Por exemplo, ‘All of me’ é uma canção gravada por muitos deles. Ouvi-los me ajudou a conhecer melhor a música, já que Billie, como era de seu estilo, mudava muito a linha melódica do que cantava”, reforça.

Para acompanhar Lilian, ele optou por um trio básico do jazz, piano, baixo e bateria, mais sax tenor. “Arranjar para um espetáculo como este requer alguns cuidados. Fiz mudanças, mas sem exagerar. Por exemplo, para o final dei outro tratamento a ‘Summertime’. E uma canção belíssima como ‘Speak Low’, que na gravação de Billie é servida por um ritmo de rumba que me parece datado, procurei um tratamento menos relacionado à moda da época”, pontua Marcelo.

“Billie Holiday é universal! Mesmo quem não a conhece a fundo sabe quem ela é. Ela é um mito, e como todo mito não desaparece, chega às pessoas. O espetáculo é acessível, os diálogos, a vida dela, as músicas são as mais conhecidas. Tudo isso aproxima o público da Billie. E, com a Lilian a interpretando, é uma coisa que todo mundo vai querer ver”, declara a diretora Ticiana Studart.

Billie Holiday

Mito cultuado, principalmente após a sua morte, Billie Holiday atingiu a fama e a celebridade enquanto viva, não apenas por suas qualidades de canto original e incomparável, mas também por sua vida tumultuada e seu sistemático envolvimento com drogas e bebidas. Sua voz, cujo timbre inconfundível tinha a perfeição de um instrumento, expressou, além da beleza da arte, a melancolia que se constituiu na face mais sombria do blues, a fenda mais profunda do Jazz. Protagonista de uma época difícil para o povo americano e muito pior para os negros americanos, Billie cantou a tristeza, a derrota, a tragédia do racismo e os amores impossíveis. E se a magnitude da sua arte contrapunha-se a sua derrocada pessoal, um e outro somaram para que se edificasse em torno de seu nome um mito indestrutível.

Lilian Valeska, atriz e cantora

Vencedora do Prêmio Referência 2015, na categoria Melhor Atriz Coadjuvante, por sua interpretação no espetáculo “Todos os musicais de Chico Buarque em 90 Minutos”, a formação musical de Lilian Valeska teve início em casa. Seus pais cantavam em coral e ela cresceu ouvindo todo tipo de música, tendo cantado em coro da Igreja Presbiteriana da Penha. Fez backing-vocal para Eduardo Dusek, Sandra de Sá, Fernanda Abreu, Nando Reis. Atuou em musicais de Miguel Falabella (“Godspell”, “Tom e Vinícius” e “Império”), Charles Muller e Claudio Botelho (“A Ópera do Malandro” e “Todos os musicais de Chico Buarque em 90 minutos”), Daniel Herz (“Otelo da Mangueira”) e João Fonseca (“Tim Maia”).

Ao ouvi-la em musical da dupla Muller/Botelho, Chico Buarque a convidou para interpretar a canção “Palavra de Mulher” em seu filme biográfico “Chico: artista e o tempo”, de Miguel Faria Jr. Na Rede Globo, integrou o elenco de “Sexo e as Negas” de Miguel Falabella. Em 2015, lançou seu CD solo “Elas”, encarando músicas já gravadas por cantoras que influenciaram sua formação musical: Elza Soares, Alaíde Costa, Elis Regina, Marlene, Elizeth Cardoso, Sandra de Sá, Alcione, Dolores Duran, Donna Summer. Nos anos 1990, integrou o grupo As Sublimes, que fez grande sucesso já a partir da primeira música de trabalho “Boneca de Fogo”.

Milton Filho, ator e cantor

Ator de 34 anos, há 16 anos na profissão, Milton Filho vem se destacando no meio teatral pela sua versatilidade. Esteve em cartaz em mais de 25 espetáculos, dentre eles os musicais: “Sambra”, “Chacrinha – O Musical”, “As mimosas da Praça Tiradentes”, “Orfeu”, “A revista do ano”, “Amigo Cyro muito te admiro”, “João do Vale”, “Zé Kéti – O musical”, “Cabaré Dulcina”, “Um Rio chamado Machado”. Dividiu o palco com artistas renomados: Ricardo Blat, Regina Duarte, Daniel Dantas, Maria Luísa Mendonça, Cláudio Tovar, Isabel Fillardis. Foi dirigido por grandes nomes: Aderbal Freire Filho, Sérgio Módena, André Paes Leme, Gustavo Gasparanni, Ernesto Piccolo, Ticiana Studart, Édio Nunes. Em 2014 protagonizou “A Paixão de Cristo”, sendo o primeiro Jesus Cristo negro de Vista Alegre, para mais de 50.000 pessoas. No cinema participou dos longas: “Noel o poeta da Vila”, “Última Parada 174”, “Tropa de Elite 2”, “Odeio Dia dos Namorados” e “Copa De Elite”. Fez várias participações em novelas e seriados.

Vilma Melo, atriz e cantora

Com Bacharelado em Interpretação e Licenciatura Plena em Artes Cênicas pela UNIRIO, Vilma Melo é fundadora do Teatro Oikoveva e integrante companhia Teatro do Pequeno Gesto com as quais faz turnê pela Itália, França e Portugal. Esteve em cartaz em mais de 30 espetáculos, dentre eles os musicais: “Os Milagres de Nossa Senhora Aparecida”, “Quem Bem Ama, Bem Castiga”, “Grande Othelo – Eta Moleque Bamba”, “Quando a gente ama”, “Cabaré Dulcina”. Foi dirigida por grandes nomes: Antonio Guedes, André Paes Leme, Edio Nunes, Bianca Byington, João Batista, Ticiana Studart, Bruno Lara Resende, Rafaela Amado, João das Neves, Diogo Liberano, Sidney Cruz, Mônica Alvarenga. Em 2006 recebeu o Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante no Festival de Teatro de Campos dos Goytacazes pelo espetáculo “O Romance do Pavão Misterioso”. No cinema atuou nos longas “Coisas de Mulher” direção de Eliana Fonseca e “Campo Grande” direção de Sandra Kogut. Na TV integrou o elenco de “Mulheres Apaixonadas”, “Avenida Brasil”, “Jóia Rara”, “Cidade dos Homens”, “Sob Nova Direção”, “Prova de Amor”, “Vidas Opostas”. Em 2016 atuou nas peças “A Cuíca do Laurindo” e “Marrom, nem preto nem branco”.

Ticiana Studart, diretora

Começou sua carreira em teatro como atriz em 1979. Atuou em várias peças, cinema e televisão. Em 1986 foi para Nova York, onde estudou direção teatral e se tornou membro do Director’s Company de Nova York, além de estagiar no Festival Latino Americano, no “Public Theatre” como assistente de direção. Ainda em Nova York produziu peças de Samuel Beckett. No Brasil dirigiu sua primeira peça em 1987, “Delicadas Torturas” que recebeu o prêmio Moliére para Paulo José, Mambembe para Zezé Polessa e Lília Cabral e ainda indicação para o Prêmio Shell. Em seguida encena “Bukowski, Bicho Solto no Mundo”, dirige shows de Zélia Duncan no Rio de Janeiro e São Paulo e monta uma super produção: “Música Divina Música”. Em 1994 dirige “Casa de prostituição de Anaïs Nin”, encenou “Coração na Boca”. Fez parte do corpo docente da CAL (Casa das Artes de Laranjeiras) onde montou inúmeras peças. Em 2000 dirigiu “Insensatez” de Jean Cocteau. Estreou “As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant” de Rainer Werner Fassbinder. Dirigiu a peça “Tudo sobre as mulheres” e as “Faces de Jean Genet“. Depois se dedicou a escrever seu primeiro livro “Fora do normal”, filmou o curta “Apenas uma possibilidade“. Em 2012/2013 dirigiu “Freud – A última sessão”. Seus próximos projetos são: levar “Freud – A última sessão“ a São Paulo, encenar no Rio de Janeiro “Hanna e Heidegger – Um relato sobre a banalidade do mal” e redirigir “Tudo sobre Mulheres”.

Prêmios

Sucesso de público na temporada 2015, vencedor do Prêmio Cesgranrio na categoria Melhor Direção Musical, vencedor do prêmio Cenym como Melhor Atriz Coadjuvante, indicado aos prêmios Shell 2016, Melhor Direção Musical, APTR 2016, Melhor direção Musical, Cenym 2016, Melhor Trilha Sonora, Melhor Canção, Melhor Figurino e Melhor Qualidade Técnica, Prêmio Reverência 2016 na categoria Melhor Espetáculo Voto Popular, e ao prêmio Botequim Cultural nas categorias Melhor Autor, Iluminação, Atriz e Direção Musical.

Roteiro musical

01 – They Can’t That Away From Me (George Gershwin / Ira Gershwin)

02 – Good Bless The Child (Billie Holiday / Arthur Herzog Jr )

03 – Dream A Little Dream Of Me (Gus Kahn / André Fabian / Schwandt Wilbur)

04 – Let’s Do It (Cole Porter)

05 – Speak Low (Kurt Weill / Orgden Nash)

06 – That Jungle Jamboree (Duke Ellington)

07 – All Off Me (Gerald Marks / Seymour Simons)

08 – Lady Sings The Blues (Billie Holiday / Herbie Nichols)

09 – Motherless Child (William E. Barton)

10 – Strange Fruit (Lewis Allan)

11 – Embreceable You (George Gershwin / Ira Gershwin)

12 – Don’t Explain (Billie Holiday / Arthur Herzog Jr.)

13 – Good Morning Heartache (Irene Higginbotham / Ervin Drake / Dan Fisher)

14 – Fine And Mellow (Billie Holiday)

15 – Sophisticated Lady (Duke Ellington / Irving Mills)

16 – Night And Day (Cole Porter)

17 – Blue Moon (Richard Rodgers / Lorenz Hart)

18 – I’m A Fool To Want You (Frank Sinatra / Jack Wolf / Joel Herron)

19 – Summertime (George Gershwin)

Ficha técnica

Texto: Jau Sant’Angelo e Ticiana Studart

Direção: Ticiana Studart

Direção Musical e Arranjos: Marcelo Alonso Neves

Elenco: Lilian Valeska, Milton Filho e Vilma Melo

Músicos: Adaury Mothé (piano), Berval Moraes (baixo acústico), Emile Saubole (bateria) e Marcelo Alonso Neves (saxofone)

Iluminação: Paulo César Medeiros

Cenografia: Aurora dos Campos

Figurino: Marcelo Marques

Direção de Movimento: Sueli Guerra

Preparação Vocal: Mona Vilardo

Visagismo: Ernane Pinho

Desenho de Som: Branco Ferreira

Preparadora de Língua Inglesa: Alma Thomas

Programação Visual: Clara Melliande

Direção de Produção: Maria Inês Vale

Coordenação Geral: Maria Vitória Furtado

Idealização: Jau Sant’Angelo

Realização: Vitória Produções

Serviço:

Música: “Amargo fruto – A vida de Billie Holiday”

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 17 a 20 de maio de 2018

Horários: quinta, às 20h | sexta, às 20h | sábado, às 20h | domingo, às 19h
Duração: 90 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)

Vendas a partir do dia 16/05, das 10h às 20h, na bilheteria do local

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza:
(85) 3453-2770

Você também pode gostar leia